Conecte-se agora

Fobia: medo ou ódio?

Publicado

em

Corre no STF o julgamento sobre criminalização da Lgbtfobia. Seis dos onze ministros já votaram favoravelmente e a discussão deve ser retomada no início de junho. O Senado tem também um projeto de lei que trata do assunto (PL 672/2019).

A questão discutida na Corte é a equiparação da homofobia ao racismo mas, dali para fora, a discussão apaixonada extrapola qualquer lógica ou razoabilidade.

Pessoalmente, não gosto do sufixo fobia usado no sentido de ódio ou preconceito. Acrofobia, claustrofobia, pedofilia, mictofobia são patologias, assim como homofobia, islamofobia, melanofobia, xenofobia também deveriam ser. Deveria haver outro para designar ódio ou preconceito.

É certo que há um caminho começando do medo, que passa pela aversão e descamba no ódio. Menos mal para a espécie humana quando isso se restringe a uma mera insectofobia. Foi para isso que desenvolvemos o Detefon e o Baygon de citronela.

Entre os Sapiens, temos uma história de relacionamentos sociais um tanto complexa nos últimos milênios. Seja por defesa ou poder, por quase sempre tratamos as desigualdades racial, religiosa, étnica, profissional, de gênero etc como naturais, muitas vezes com algum Deus assumindo a justificativa.

Castas, escravidão, teocracias, patriarcados dividiram e distanciaram povos dentro e fora de seus domínios. Valores como igualdade e liberdade são recentes na história humana.

No Brasil tivemos uma oportunidade imensa de superar a relação de desigualdade quando a escravidão foi abolida e a imigração foi aberta para os povos da Europa, Oriente Médio e Ásia. Perdemos o bonde alimentando nossas oligarquias e ampliando a distância entre grupos sociais e regionais.

O pós segunda grande guerra foi quando os crimes motivados por preconceito e ódio começaram a ser enfrentados de fato, por conta dos horrores mostrados do holocausto nazista. Antes disso, em momentos diferentes da história, populações inteiras de bárbaros, ciganos, negros, muçulmanos, indígenas e mesmo judeus foram dizimadas por conquistadores e vencedores de guerras ou rebeliões.

O mundo condenou os apartheids e no século 21 enfatiza contra as discriminações de gênero, de silvícolas e nas ações afirmativas. O mundo, ao menos o ocidental, condena as desigualdades e discriminações, mas há retrocessos. Crescem movimentos xenofóbicos e islamofóbicos pela Europa, o carro chefe da civilização ocidental. Retorna, inclusive, o antisemitismo.

A hora é de tratar as fobias e combater o ódio. Nesse sentido, o tema da criminalização da violência e de atos de preconceito, quaisquer que sejam, é oportuno e necessário.

A crítica que faço é na adjetivação (ou prefixação) do ódio. Não vejo qualquer diferença jurídica quando o ataque é a um cristão, por ser cristão, um judeu, por ser judeu, um homossexual, negro, índio, mulher ou advogado, por serem o que são. Acho que ao focarmos a lei penal nos grupos, enfatizamos as diferenças quando deveríamos promover a igualdade e combater os atos de preconceito e ódio em si.

Temos que simplificar o problema. Em 1997 a lei (7.716/89) que criminaliza o racismo foi acrescida dos crimes resultantes de discriminação ou preconceito de etnia, religião ou procedência nacional. Porque não juntar aí também os delitos relacionados à identidade ou orientação sexual, inclusive o que se convencionou recentemente como feminicídio?

Acredito que há muito ainda por combater as desigualdades e preconceitos, principalmente em nosso Brasil vasto e diverso, e que a legislação é um bom começo para tratarmos o mais igualitariamente possível nossas ofensas aos direitos fundamentais dos indivíduos.


 

 

Roberto Feres escreve às terças-feiras no ac24horas.

Propaganda

Cotidiano

Dupla em motocicleta tenta executar jovem com mais de dez tiros, na Sapolândia

Publicado

em

Uma dupla em uma motocicleta tentou tirar a vida de um jovem identificado pelo nome de Santiago, de apenas 22 anos, na noite deste domingo, 16.

Os homens chegaram acelerando na rua Edmundo Pinto, principal via do bairro Sapolândia, e efetuaram mais de dez tiros na vítima que caminhava na rua. Apesar de vários disparos, o rapaz foi atingido com apenas um projétil nas costas. Ele foi socorrido por uma Unidade do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e encaminhado para o Pronto Socorro de Rio Branco sem risco de morte.

Policiais Militares também estiveram no local, colheram informações e saíram em busca dos criminosos, mas nenhum suspeito foi preso até o momento. O caso será investigado pela Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Continuar lendo

Cotidiano

Homem é baleado com dois tiros na cabeça e fica em estado de saúde gravíssimo no PS

Publicado

em

Mais uma tentativa homicídio foi registrada na capital. Welisson Lima Saraiva, 27 anos, foi ferido com dois tiros no final da tarde deste domingo (16), na rua Habitar Brasil, no bairro João Eduardo I, em Rio Branco.

De acordo com informações da polícia repassadas a reportagem site ac24horas, Welisson estava caminhando na rua quando dois homens não identificados em uma motocicleta se aproximaram e o garupa efetuou vários tiros. Dois tiros atingiram Lima na cabeça. Após a ação os criminosos fugiram do local tomando rumo ignorado.

A ambulância do suporte avançado do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionada, prestou os primeiros atendimentos e conduziu a vítima ao Pronto Socorro de Rio Branco em estado de saúde grave.

Policiais Militares foram acionados via Ciosp e colheram informações a respeito dos autores crime, mas ninguém foi encontrado durante as rondas na região.

Agentes da Delegacia de Homicídios e proteção à Pessoa (DHPP) já iniciaram as investigações em busca de identificar os criminosos.

A Polícia não soube informar a motivação do crime.

Continuar lendo
Propaganda

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.