Conecte-se agora

Raimundos no buritizal

Publicado

em

Era uma vez, por volta dos meados de 1993, a reserva florestal da fazenda do meu sogro foi invadida e tive que intermediar as ações para reintegração da posse.

Localizada um pouco adiante da Colônia Souza Araújo, com frente para a BR-364 e os fundos quase que chegando às barrancas do Rio Acre, a propriedade é cercada por bairros com predomínio de famílias que se fixaram alí pela proximidade do hospital para hansenianos: Santa Cecília, Albert Sampaio e Belo Jardim.

Na época, quem governava o Acre era Romildo Magalhães e, antes de qualquer outra providência, liguei para seu chefe de gabinete, meu amigo pessoal Emílio Assmar, o informei do ocorrido e pedi, encarecidamente, que o governo estadual não se metesse no caso.

A notícia que recebemos foi de que um grupo havia entrado pela lateral da propriedade, cruzando o Igarapé Forquilha e iniciado a retirada da vegetação mais baixa, brocando, no vocabulário local, a mata fechada.

Enquanto denunciava o desmate aos órgãos ambientais e registrava a queixa da invasão na polícia, meu sogro contratava o suporte jurídico. Escolheu um advogado recém aposentado como desembargador, o professor Jorge Araken Farias da Silva.

Em nosso primeiro encontro, em seu escritório no conjunto Tucumã, expus o que tinha, ele fez algumas ponderações sobre termos que provar, além da documentação de propriedade, que havia uma invasão iniciada a menos de um ano e um dia: “vá lá e tire fotografias, registre nomes e traga tudo para começarmos o trabalho”.

O dia seguinte, iniciei pela redação do O Rio Branco onde convenci a novata Vânia Pinheiro a me acompanhar mata adentro para documentar a ocupação. Enfim, aquilo sim era notícia. Também consegui um guia que conhecia melhor o local. Havia muita gente alí, mas não foi difícil reconhecer quem eram líderes e os que eram somente massa de manobra. As fotos ficaram muito boas, modéstia a parte, porém todos se apresentavam como Raimundo, ainda que, alguns dias depois fossem rebatizados como Brás, Macarrão, João de Deus…

Vânia fez uma matéria de duas páginas, que ocupava o miolo do jornal com a foto enorme de um barraco coberto de palha no meio da floresta. Relatou sobre a pobreza das pessoas e de crianças de colo se alimentando somente de açaí com farinha e sem açúcar. Entrevistou alguns Raimundos, com direito a foto na publicação.

Era quase tudo o que o professor precisava. Como eu já tinha um computador com processador de texto e uma impressora matricial e ele ainda não havia contratado alguém que datilografasse seus manuscritos, no início das tardes eu ia ao escritório para pegar as fichas onde ele escrevia a lápis as petições, mostrava o que já havia digitado e recebia as correções.

Eu chegava alí pelas duas da tarde e íamos para o escritório biblioteca, repleto com uma enorme mesa central e estantes que misturavam uma grande quantidade de livros de legislação comentada, peças raras de direito internacional e muitas comendas e diplomas. As primeiras duas horas de cada encontro eram uma aula para a vida toda. Antes de tudo um filólogo, cada trecho da inicial era escrita apaixonadamente pelo professor, que me mostrava suas fontes de doutrina como se eu fosse um de seus alunos do curso de Direito.

A peça inicial discutia cada um dos aspectos que poderiam interessar ao juízo e suas alternativas no julgamento da causa. Terminava com o fecho que adotei nos requerimentos dali por diante: “Termos em que pede e espera deferimento”. Sem vírgulas nem mudança de linha.

Enquanto a juíza Cezarinete Angelim decidia sobre os pedidos, o professor Araken me instruía sobre o processo, que era muito além do caminho judicial. Assim, procurei o sindicato dos extrativistas – Sinpasa que dava suporte aos invasores, o movimento de reintegração dos hansenianos – Mohan, quando percebi que muitos moradores do entorno eram recrutados e o bispo Dom Moacir, que me fez ter uma conversa quase teológica com o padre Luigi Ceppi, ligado à Pastoral da Terra.

Meu principal argumento com eles era de que a terra que estavam invadindo, numa sequência e pela mesma organização que ocupou, e transformou em loteamentos ou chácaras de veraneio, o seringal Tucumã, adiante da Vila Acre, as terras por trás do antigo aeroporto, hoje bairros Sta. Inês e Areal e o Belo Jardim, no início da BR-364, cumpria sua função social permitindo o extrativismo da castanha e do açaí por uma enorme parcela da comunidade da vizinhança.

Também, enquanto corria o processo, entrei diversas vezes na mata, sempre com um jornalista ou um cinegrafista junto e conversei muito com os ocupantes. Acho que um dos motivos de todos saírem foi por terem enjoado da minha presença. E não voltaram mais nesses últimos vinte e cinco anos, postergando a preocupação do amigo Evandro Ferreira (https://bit.ly/2WVxGBk) sobre a preservação do maior buritizal de Rio Branco.

Sobre a invasão da fazenda Liberdade eu teria um livro inteiro de causos para contar. Mas, certamente, os melhores momentos e meu legado de tudo são a convivência e a amizade com o professor Jorge Araken Farias da Silva.


Roberto Feres escreve às terças-feiras no ac24horas. 

Leia também: O MAIOR BURITIZAL NA ÁREA URBANA DE RIO BRANCO

Propaganda

Destaque 2

Liga junina alega cancelamento de apresentação após saída do governador da Gameleira

Publicado

em

O que era para ter encerrado com festa e diversão na comemoração governamental pelos 57 anos de emancipação do Estado do Acre, nesse sábado, 15, acabou em decepção para mais de 200 integrantes de ligas de quadrilhas juninas de Rio Branco. Isso porque a apresentação do movimento, que estava marcada para ocorrer após discurso do governador Gladson Cameli, a partir das 17h30, foi cancelada em cima da hora, depois que os brincantes já estavam trajados e maquiados no local para dançar.

Segundo o diretor do grupo Matutos da Roça, Jimy da Silva Lima, o fato foi lamentável. Ocorre que os integrantes já estavam preparados para dançar, assim que acabou o discurso do governador, porém, quando a equipe de governo foi embora, a apresentação foi encerrada. Nenhum grupo de quadrilha se apresentou, segundo Jimy. “O ônibus foi buscar a gente e estávamos lá, só que, infelizmente, aconteceu um fato lamentável. O som parou e eles disseram que o fio queimou, mas nunca vi num evento desse um fio queimar”.

Depois de serem sido informados de que um suposto fio havia queimado, os integrantes da Matutos da Roça e da Amor Junino, simplesmente foram obrigados a se retirar da arena de dança. “Disseram que a gente não iria mais dançar”, diz o diretor da liga.

A indignação maior para os dançantes é que o cerimonial do governo não teve a mínima preocupação com os gastos que os integrantes tiveram que investir para estar ali. “Desde as 8 da manhã a gente estava se preparando, era cabelo, maquiagem, figurino, treinos. O trabalho que tivemos durante o dia todo foi em vão. Gastamos com muita coisa e foi prejudicial”, lamenta Jimy.

Situação constrangedora

De acordo com o coordenador da Malucos da Roça, foi realizada toda uma propaganda em todo da apresentação dos grupos juninos, em todos os veículos de comunicação do governo. “Enquanto o governador estava presente, estava tudo normal. Mas depois que ele saiu, desligaram o som no meio da apresentação e pediram pra quadrilha se retirar dizendo já tinha acabado o evento. Foi constrangedor”, diz Danilo dos Santos Guimarães.

A programação divulgada pelo governo acabaria às 22 horas. As duas quadrilhas que iriam se apresentar, não dançaram. Populares e famílias que saíram de casa para prestigiar as apresentações não puderam ver as danças. “Desmontaram o som e simplesmente quiseram levar a gente de volta”, completou Danilo.

As equipes tinham outra programação marcada para depois da, até então, prevista apresentação na Praça da Gameleira, a ser realizada no shopping. Lá, eles relataram o ocorrido para o público, que se compadeceu do fato e enalteceu os grupos prejudicados.

O outro lado

O ac24horas buscou um posicionamento da equipe do governo com relação ao caso. O cerimonial do evento, dirigido por Izabel Barros, afirmou à secretaria de comunicação do Estado que a denúncia não procede e que o que fora relatado pela liga de quadrilha junina não aconteceu.

“O cerimonial passou que essa informação não procede. O que foi definido e que estava, inclusive, no convite do governo, era que a programação seria até às 22 horas e o som estava lá ligado até às 22 horas para todas as quadrilhas que quisessem se apresentar”, informou o cerimonial do governo.

Quanto à afirmação de que a denúncia não procede, o diretor da quadrilha matutos da Roça rebateu a cerimonialista: “é a defesa dela, nós do movimento junino não estamos inventando isso e todos que estavam lá viram. Eles (governo) têm que se defender mesmo, porque foram irresponsáveis”, concluiu Jimy.

 

 

Continuar lendo

Cotidiano

Homem tenta atirar de espingarda na sogra e criança é atingida, em Cruzeiro do Sul

Publicado

em

Uma criança de oito anos, e duas mulheres ainda não identificadas, foram atingidas a tiros de espingarda na noite deste sábado no bairro Miritizal,  em Cruzeiro do Sul. A criança está na UTI do Pronto Socorro do Hospital do Juruá.

Um homem identificado como Neto, marido de uma das vítimas, desapareceu depois do crime e ainda não foi capturado pela polícia.

De acordo com a polícia, Neto bebia com a sogra e os dois se desentenderam. O homem atirou contra ela, atingindo também a própria esposa e uma criança que estava no local. Não se sabe se a criança seria filha do casal envolvido no tiroteio.

Continuar lendo
Propaganda

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.