Conecte-se agora

Polícia Federal apreende carreta carregada com alho e tapete sem nota fiscal na BR-317

Publicado

em

Um motorista brasileiro e um peruano (nomes não identificados) que estavam em uma carreta carregada de alho e carpete que tinha o destino final o estado vizinho de Rondônia, foi apreendida em uma blitz de rotina realizada por agente da Polícia Federal na BR-317, próximo à fronteira com a Bolívia.

Segundo a polícia, o motorista da carreta modelo Volvo, do estado de São Paulo (SP), teria aceitado uma viajem de volta do Peru com uma grande carga, mas, não teria realizado os trâmites aduaneiros junto à Receita Federal.

Sem a nota fiscal dos produtos, tudo foi retido e levado para delegacia da PF em Epitaciolândia e depois, para o pátio da Receita Federal. Foi necessária ajuda de soldados do Exército Brasileiro para ajudar a retirar a carga apreendida da carreta.

Foi solicitada a presença de cães farejadores da Polícia Federal, uma vez que houve a desconfiança do transporte de entorpecentes, já que havia a presença de alho, comum ser usado para disfarçar o cheiro para driblar a fiscalização, mas, nada foi encontrado.

Toda a carga foi dada o perdimento devido não possuir nota fiscal e licença do Ministério da Agricultura. A carreta ficou apreendida e lacrada até que os trâmites fiscais junto ao órgão por parte da empresa responsável, seja resolvido.

O valor da carga ainda seria levantado. O motorista e o peruano foram liberados após assinar um termo de conduta, para se apresentarem em data futura para se explicar às autoridades.

Propaganda

Cotidiano

Escola é obrigada autorizar entrada de terapeuta para acompanhamento de autista

Publicado

em

A 5ª Vara Cível da Comarca de Rio Branco deferiu liminarmente o pedido apresentado por uma mãe, para que uma escola bilíngue de Rio Branco (K.S. Centro Educacional Infantil Ltda) autorize a entrada de terapeuta para acompanhar seu filho autista. O aluno possui três anos de idade e está comprovadamente com o desenvolvimento cognitivo inferior ao esperado para sua idade cronológica.

No processo, a requerente apresentou os laudos médicos, psicológicos e fonoaudiológicos da criança, comprovando o Transtorno do Espectro Autismo (TEA) e a necessidade constante de acompanhamento terapêutico, com a utilização do método Denver, tratamento precoce para o desenvolvimento social, auxílio no aprendizado e nas interações sociais.

Decisão

Inicialmente, a escola não permitiu o acompanhamento terapêutico dentro da escola, por afirmar que oferece os cuidados necessários. Em sua defesa, descreveu que a sala de aula possui somente sete alunos, sendo estes assistidos por uma professora especialista em educação especial inclusiva e uma assistente. Além disso, a instituição possui uma psicóloga, que realiza o acompanhamento semanal.

O transtorno autista não tem cura e o tratamento não segue um padrão clínico específico, pois os sintomas diferem em cada paciente, sendo necessário o acompanhamento profissional especializado em cada caso.

Para o deferimento, a juíza de Direito Olívia Ribeiro manifestou a ocorrência dos requisitos necessários. “Com guarida na Lei 12.764/12, que trata da Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista (TEA), a qual expressa em seu artigo 3º, parágrafo único, que, em casos de comprovada necessidade, a pessoa com TEA terá direito ao acompanhamento especializado na rede de ensino regular”, salientou.

A magistrada assinalou ainda que no caso em análise, o pedido é formulado com base no laudo médico, fonoaudiológicos e relatório psicológico, os quais apontam a necessidade de terapeuta especializado no Método Denver para acompanhar o estudante em seu ambiente escolar, “sob o risco de ter o desenvolvimento prejudicado”.

Assim, a decisão confirmou que o profissional mais adequado para assistência da criança é um profissional da saúde habilitado no Método Denver, conforme prescrito.

Continuar lendo

Cotidiano

Semana da Justiça Pela Paz em Casa começa condenando homem a 15 anos por feminicídio

Publicado

em

A 14ª edição da Semana Justiça Pela Paz em Casa começou nesta quinta-feira (22) com a condenação, por júri popular, do homem identificado pelas iniciais K.A.P. por feminicídio. A condenação chega a 15 anos e 24 dias de prisão.

De acordo com os autos, o casal havia se separado após mais de oito anos de relacionamento. O réu confessou o delito e disse que havia recebido uma ligação afirmando que ela o havia traído, enquanto ele estava em Boca do Acre. Por isso, foi à residência da mulher e tentou matá-la com golpes de faca.

Sem discussão anterior, a vítima foi atingida oito vezes por golpes efetuados com arma branca, na presença de um dos filhos do casal. Ela sobreviveu e testemunhou no processo. Narrou ter sido operada e passado um longo tempo na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

O Júri Popular assinalou ser desproporcional tirar a vida de uma pessoa por ciúmes decorrentes da separação. Houve excesso de dolo e as consequências do crime foram graves, já que, além das lesões na vítima, os filhos foram traumatizados de forma profunda. (TJAC)

Continuar lendo
Propaganda

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.