Conecte-se agora

Maio é mês de Tarifa de Ônibus

Publicado

em

Desde o Plano Real, que acabou com a hiperinflação no Brasil, o aumento do preço das passagens de ônibus em Rio Branco passou a ser anual. Mas, independentemente da periodicidade dos reajustes, sempre que houve conflitos ligados ao tema eles se iniciaram no mês de maio, não por acaso: é o mês do reajuste salarial dos funcionários das empresas de transportes.

Em 1985 fui interventor na antiga Viação Rio Branco após um maio turbulento e a negativa do então prefeito Flaviano Melo de ceder às pressões por um aumento superior ao cálculo apresentado por sua equipe técnica.

Na mesma época do ano, em 1990, o prefeito Kalume também interviu e, em 1992, foram em maio os episódios que levaram a vice-prefeita Yolanda Lima a quebrar os contratos vigentes e liberar os serviços.

Mais que o preço dos combustíveis e dos próprios veículos, o maior peso sobre o custo dos serviços de transporte coletivo é a folha de pagamentos. Por isso a tendência nacional de extinguir a figura do Cobrador.

Condicionar o aumento dos salários ao reajuste da tarifa é algo quase que natural para os empresários e posiciona os funcionários das operadoras ao lado de seus patrões.

A intervenção que acompanhei mais de perto foi a de 85. A tarifa estava em Cr$600 e as empresas pediam Cr$900. O cálculo, realizado pelo DTP e Comissão Tarifária dava Cr$700. A inflação da época era da ordem de 10% ao mês ou 220% ao ano. Assumimos a empresa na noite de 31 de maio, uma sexta feira, com o caixa zerado e a folha do mês para pagar.

Em conjunto com a direção da empresa foi tomado um empréstimo bancário e resolvido o pagamento dos funcionários. No dia 3 de julho a operação foi retomada pelos proprietários com todas as contas pagas, inclusive o total do empréstimo contraído, e demonstramos que a tarifa de Cr$700 era adequada para aquela época.

A partir de então a empresa passou a fazer investimentos, com recursos de seus proprietários, para renovação da frota, que em 1987 já era considerada uma das mais novas do país, e em uma estrutura moderna de garagem e oficina.

Já a mexida de 1992 foi desastrosa. Recém renovados os contratos das empresas, desconsiderando pareceres técnicos da época, a prefeita em exercício enfrentou o conflito tarifário determinando a saída das operadoras Rio Branco e Aquiry e convidando quem quisesse vir para assumir as linhas de ônibus da cidade.

Dez empresas, muitas das quais criadas às pressas por empresários locais, trouxeram uma frota obsoleta e passaram a operar o sistema. Em um mês, as donas dos contratos obtiveram judicialmente o direito de reassumir suas linhas e a cidade virou um caos.

A solução para contornar o problema de relacionamento entre as operadoras foi a criação do Sindicol, que passou a atuar como porta-voz de todas e, com o tempo, assumiu também diversos serviços como o controle da quantidade de passageiros e da quilometragem rodada pelos veículos, além de atividades importantes da fiscalização.

Em última instância, o sindicato das empresas é que fornece atualmente as informações que determinam o preço da passagem dos ônibus em Rio Branco.

Em 2017, quando o assunto da tarifa esquentou, os vereadores aprovaram uma lei de autoria do prefeito Marcos Alexandre tirando o corpo fora do problema.

No ano passado a prefeita Socorro passou um perrengue porque os dados da planilha foram fortemente questionados. Confiou na RBTrans que confiou nas informações e planilha apresentadas pelo Sindicol e passou a conta pro povão que anda de ônibus.

Coisa que não entendo é porque as entidades que representam empregadores do comércio e indústria, que se ressentem tanto do “custo Brasil”, costumam apoiar a falta de controle público do serviço de ônibus por aqui.

Enquanto isso, com o preço cada vez mais caro e menos eficiente, as pessoas vão se resolvendo com outros modos de transporte. Hoje a frota de motocicletas em Rio Branco já é maior que a de automóveis. Em certos casos, fretar um Uber é mais econômico. A quantidade de passageiros do transporte coletivo não cresce faz mais de vinte anos. Não demora e o sistema ficará inviável e o trânsito insuportável.

É urgente a prefeitura enfrentar e quebrar o cartel das empresas, assumindo o controle das informações objetivas dos serviços realizados, em especial a quantidade de passageiros, a quilometragem e o consumo real de combustíveis, além de retomar a gestão dos terminais, do passe dos estudantes, do vale-transporte e dos serviços realizados aos usuários com necessidades especiais.

Maio está aí. Ou a prefeita se antecipa ao problema ou continuará refém do cartel.


Roberto Feres escreve às terças-feiras no ac24horas. 

Propaganda

Na rede

Caixas eletrônicos do Bradesco em Cruzeiro do Sul está inoperantes

Publicado

em

Neste domingo, 21, os correntistas do Bradesco não em Cruzeiro do Sul não conseguiram acessar nenhum serviço nos caixas eletrônicos, incluindo saques. A única mensagem era de erro de leitura do cartão em todos os terminais eletrônicos.

Esta não é a primeira vez que isso acontece em Cruzeiro do Sul e a situação se repete nas cidades isoladas, como Marechal Thaumaturgo.

Continuar lendo

Cotidiano

Ifac de Xapuri abre 55 vagas em seleção de remanescentes em cursos superiores

Publicado

em

O Instituto Federal do Acre (Ifac) do Campus localizado no município de Xapuri abriu na última sexta-feira, 19, edital com 55 vagas no processo seletivo de vagas remanescentes nos cursos de Tecnologia em Agroindústria (noturno) e Tecnologia em Agroecologia (vespertino). As vagas são para iniciar no segundo semestre de 2019.

As inscrições serão presenciais e deverão ser realizadas a partir desta segunda-feira, 22, até 25 de julho, no Campus Xapuri, situado na rua Coronel Brandão, nº 1622, Centro, das 8h às 12h e das 14h às 18h. As provas serão realizadas no dia 04 de agosto de 2018 (domingo), no turno matutino, das 09h às 11h.

Os cursos serão realizados presencialmente, devendo o (a) candidato(a) ter disponibilidade de tempo para acompanhamento e realização de atividades no contraturno e/ou aos sábados. O Processo Seletivo está aberto, exclusivamente, para os candidatos que já tenham concluído o Ensino Médio.

O Processo Seletivo será realizado em uma única etapa, que consistirá na classificação do (a) candidato(a), mediante realização de prova objetiva, abrangendo conteúdos de disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática do Ensino Médio.  Para obter informações e detalhamento sobre os cursos, basta acessar o site do IFAC <http://portal.ifac.edu.br>.

Continuar lendo
Propaganda

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.