Conecte-se agora

Raphael: “fui demitido por pressão da República do TCE”

Publicado

em

O ex-secretário de Planejamento, Raphael Bastos, disse ontem à coluna não ser surpresa a sua demissão, porque a sua política de destravar economicamente o Estado, usar os créditos disponíveis para fazer andar projetos e colocar dinheiro na praça, batia de frente com a chamada “República do TCE” – formada pelo Conselheiro do TCE, Antonio Malheiros; secretária da Fazenda, Semírames Plácido; Controlador-Geral Oscar Abrantes e o chefe do Gabinete Civil, Ribamar Trindade – que defendem a política de engessamento da economia acreana. Raphael denuncia que a economia do Estado está parada por conta dos “notáveis”, como também são chamados os integrantes da “República do TCE”. “Eles comandam a economia e travaram tudo”, assinala. Cita o caso da reforma administrativa e do corte de 30% na contratação de terceirizados, que com supressão tirou um dinheiro que circulava na economia e não fez a reposição com outras atividades. “Se você conversar com qualquer empresário ou dirigente de entidades comerciais vai ouvir reclamações de que o dinheiro não está circulando”. Raphael conta que por causa da sua discordância na aplicação dos recursos do Estado já tinha avisado ao deputado federal Alan Rick (DEM), que o indicou para o cargo pelo partido, de que esta sua postura de querer colocar dinheiro no comércio e fazer a economia girar iria lhe custar o cargo. “Foi o que aconteceu”, diz um tranquilo Raphael.

NADA OFICIAL

Muito embora o dirigente do DEM, Paulo Ximenes, tenha dado ontem entrevistas de que o devido a demissão do secretário Raphael Bastos o partido passará a ser oposição ao governo Gladson Cameli, o presidente e deputado federal Alan Rick (DEM) é quem vai decidir.

OLHO DO FURACÃO

Falava-se ontem que seria dada uma secretaria ou mesmo duas diretorias para acalmar o DEM. E que para um dos espaços iria o Jairo Cassiano, assessor de confiança do PT nos últimos 20 anos. Nada contra. É um moço educado, mas seu estigma petista levaria o Alan ao olho do furacão das críticas nas redes sociais. O momento ideal para o Alan é o de evitar tempestades.

NADA TERIA ACONTECIDO

O que custava ao governador Gladson ter comunicado ao deputado federal Alan Rick (DEM), que não estava gostando da atuação do secretário Raphael e faria sua demissão? Ninguém lhe tira o direito de nomear ou demitir. Criticou-se a forma antipática como ele tomou a decisão.

VAMOS SITUAR O CONTEXTO

Debita-se à “República do TCE” a demissão do ex-secretário Raphael Bastos. Que, ele era criticado no grupo do TCE, isso é verdade. Mas quem tem a caneta é o Gladson pessoal, nenhum dos chamados “notáveis” pegou na sua mão ou colocou um revolver na sua cabeça para assinar a demissão. Se o demitiu, foi porque ele quis demitir. Vamos situar o contexto.

NENHUMA DÚVIDA

Que houve pressão da “República do TCE” para acontecer a demissão, não há duvida alguma. Que o grupo é influente na área econômica do governo, também não há dúvida alguma. Mas entre isso e terem a caneta para nomear ou demitir é outra história.

MUDANDO DE ASSUNTO

Ninguém poderá cobrar nada do PROCON. Funciona no nome e sem nenhum aporte de apoio. Aliás, tem secretário dando uma de ditador de republiqueta das bananas em cima do dirigente do órgão com humilhação, é a notícia que chegou. Vamos confirmar e isso será assunto para uma próxima coluna. Governo não tem dono. E o poder não é eterno. Vide o PT!

LEVA PEIA

O militante político de oposição Lira não falou nada de errado em relação á disputa da prefeitura de Brasiléia, na eleição do próximo ano. Se a oposição sair com as velhas caras como candidatas a prefeito, vão sim levar uma peia feia da prefeita Fernanda Hassem (PT).

NÃO SERÁ TOMAR PICOLÉ DE CRIANÇA

E também não pense a oposição em Epitaciolândia de que derrotar o prefeito Tião Flores será o mesmo que tomar picolé de criança, ele ainda tem dois verões para trabalhar, e num município pequeno, pobre; queira-se ou não, a máquina municipal pesa numa campanha.

ESTOU PAGANDO PARA VER

Em política, tudo ou quase tudo é possível. Mas vejo mais como um blefe os comentários de que a deputada federal Jéssica Sales (MDB) poderá disputar a prefeitura de Cruzeiro do Sul. É algo que estou pagando para ver acontecer. É mais um jogo de cena do pai Vagner Sales.

BOM MANDATO

Faço a avaliação porque a deputada federal Jéssica Sales (MDB) cumpre um bom mandato.

SENTIMENTO É O MESMO

Houve queda no número de homicídios, mas o sentimento de insegurança na população continua imutável. Rio Branco é muito pequeno, não pode ficar a mercê da bandidagem.

QUAL O PROBLEMA?

Não encaro como ironia o fato da prefeita Socorro Neri ter mandado engenheiros da EMURB conhecer as técnicas de asfaltamento utilizadas em Cruzeiro do Sul e que estão dando certo na durabilidade. Na gestão pública tem sempre que se modernizar, não pode é estagnar.

UM PRIMOR

A Nota do PT sobre a mudança do senador Jorge Viana para Brasília é um primor de contradição. Admite que, ele apenas foi para trabalhar em Brasília. Não interessa qual será a sua ocupação na capital federal, interessa que a notícia de que se mudou é verdadeira.

MUITO DIFÍCIL

A situação política do PT não é de céu de brigadeiro na eleição municipal do próximo ano. Seus nomes viáveis já deram sinais que vão se guardar para 2022. Não ficaria surpreso se o PT – caso ela queira ser candidata á reeleição – acabe por apoiar a prefeita Socorro Neri. Sem blefe!

COISAS QUE NÃO SE ENTENDE

O ex-prefeito Tião Bocalom tem dito que são muitos os convites para que dispute a prefeitura de Rio Branco no próximo ano e que até lá fará um processo de avaliação. Não sei como um quadro competente, honrado, como o Bocalom, não integra o primeiro escalão do governo Gladson Cameli. O seu único pecado é o de não ser afilhado de nenhum cacique político.

TINHA QUE ESTAR NA EQUIPE

Se o quesito para a composição da equipe fosse a avaliação técnica Bocalom teria que estar dentro da equipe do governador Gladson Cameli. Com certeza, não enfrentaria rejeições.

NOMES POSTOS

Os dois únicos nomes que estão postos porque já se declararam candidatos á PMRB, são os do Coronel Ulysses Araújo e o do ex-deputado Jamil Asfury na disputa da prefeitura da capital no próximo ano. Minoru Kinpara, Socorro Neri, Mara Rocha, Roberto Duarte, Alan Rick, estão no campo da especulação. As pedras começarão a serem postas no tabuleiro no próximo ano.

ERA PEDRA CANTADA

A queda do ex-secretário de Planejamento Raphael Bastos era para ter acontecido no mês passado. O governador Gladson Cameli chegou a aventar a possibilidade, mas recuou ante o pedido de um empresário da comunicação. Desde então o ex-secretário estava na pendura.

É DAR PENA

Quem vai ao estádio Arena da Floresta e o vê no mais completo abandono, com cadeiras arrancadas, a maioria danificada, um gramado a desejar, dá uma pena de ver. No governo Binho Marques era tudo limpo, conservado, bonito, seu sucessor deixou se deteriorar.

É RECUPERAR

Fiz apenas o comentário para situar a discussão no contexto. O governo Gladson Cameli recebeu o “Arena da Floresta” em escombros, mas o que interessa aos desportistas é que a obra seja recuperada e volte a ser um dos locais mais aprazíveis para quem gosta de futebol.

CANDIDATURA PRÓPRIA

O vice-governador Major Rocha descarta nas conversas qualquer caminho na eleição do próximo ano para a prefeitura de Rio Branco que não seja o PSDB com candidatura própria. Deverá bater de frente com o MDB, que também lançará um nome do partido à PMRB.

SITUAÇÃO ESTRANHA

Mesmo que o DEM venha a declarar que está fora da aliança do governo Gladson Cameli, ficará uma situação estranha: o único deputado do DEM na ALEAC, Antonio Pedro, é um dos mais fiéis aliados do governo, sendo muito improvável que se bandeie para a oposição.

CHOQUE DE MEDIDAS

O presidente Jair Bolsonaro baixou uma Medida Provisória obrigando a que os sócios dos sindicatos, mesmo os que optaram de livre vontade de pagar uma mensalidade, o façam através de um boleto. Projeto do deputado Edvaldo Magalhães (PCdoB) defende que o pagamento possa, no Acre, ser descontado diretamente na folha salarial do sindicalizado. É constitucional, havendo uma Medida Provisória em vigor? É um debate para a CCJ da ALEAC.

TOQUE DE RECOLHER

O discurso de ontem na Câmara Municipal de Rio Branco do vereador Juruna (PHS), citando que o poder paralelo do crime domina o Acre, não foi nenhum exagero para a platéia. Contou que para entrar no bairro Aroeira, na região do Calafate, teve que se submeter às normas das facções. O seu pronunciamento traça o quadro real existente hoje nos bairros da periferia.

TRIÂNGULO DA MORTE

A região formada pelo Calafate, Aroeira e Ilson Ribeiro é denominada como “Triângulo da Morte”, aonde ao escurecer e dado o toque de recolher e ninguém entra de noite sem cumprir as regras da bandidagem. Se alguém ousar entrar livremente a execução é certa. E agora?

NÃO TINHA MAIS O QUE FAZER

Não restava à PM ao não ser agir como agiu para desocupar a AC-40, tomada por manifestantes. Já tinha havido um acordo de que as máquinas para recuperar os ramais do Benfica seriam deslocadas. Mas não se podia deixar a estrada sendo fechada e sendo aberta á livre vontade dos manifestantes, mesmo num ato pacífico. Todo protesto tem o seu limite.

BASE FICA COM A MAIORIA

Na composição da CPI da ENERGISA, a base do governo ficou com maioria – Luiz Tchê (PDT), Cadmiel Bonfim (PSDB), Chico Viga (PHS) e José Bestene (PROGRESSISTAS). E a oposição ao governo com três deputados: Roberto Duarte (MDB), Jenilson Lopes (PCdoB) e Daniel Zen (PT).

PODER DE VETO

Por ter a maioria na “CPI da ENERGISA”, os deputados da base de apoio ao governo terão o poder de vetar convocações e; se entenderem, indicar o Presidente e o Relator desta CPI.

AS VÁRIAS FACES DO MDB

Como vai se comportar o MDB na composição de blocos na Assembléia Legislativa? Como partido integra o governo Gladson Cameli, com secretarias e diretorias dos seus indicados. Mas, na ALEAC, os seus dois deputados votam com os partidos de oposição ao Cameli.

NÃO PODE FICAR SÓ NA CONVERSA

Tenho conversado com vários deputados da base do governo e tenho ouvido muitas reclamações de que as parcerias que são prometidas não são cumpridas, não conseguem andar além do gabinete governamental. Na política, não se faz maioria sem parcerias.

CARGOS VAGOS

No governo existem três cargos importantes que deverão ser preenchidos por escolha exclusiva do governador Gladson Cameli, nos próximos dias: ANAC-ACREPREVIDÊNCIA e PLANEJAMENTO. As suas ocupações não devem entrar na ciranda das discussões políticas.

BASE DO GOVERNO VAI SE AFINANDO

Depois da confusão da “CPI da ENERGISA”, da entrada do vice-governador Major Rocha no cenário da articulação política, já se nota uma maior unidade, no que era uma base de apoio ao governo em frangalhos. Os discursos começaram a se afinar com a formação dos blocos parlamentares. Neste prisma, partidos que eram da FPA e que se integraram à nova composição, como PRB-PHS-PSB têm sido muito importantes na formação de uma maioria parlamentar. A oposição agressiva ao governo Gladson Cameli tende a ficar mais restrita aos deputados Daniel Zen (PT); Edvaldo Magalhães (PCdoB); Jenilson Leite (PCdoB) e Roberto Duarte (MDB). A deputada Meire Serafim (MDB) não tem votado com o governo, mas não é agressiva. Assim como o deputado Fagner Calegário (PV). E neste quadro que acontecerão os debates na ALEAC . E que venham, afinal, não foram eleitos só para receber a grana mensal.

Propaganda

Blog do Crica

Candidatura de Ney derrotou Jorge Viana 

Publicado

em

Numa entrevista em que mostrou muito equilíbrio, durante o programa “Boa Conversa”, no ac24horas, que apresentamos com o colega Astério Moreira, o deputado Daniel Zen (PT), enfim, foi o primeiro petista do primeiro escalão político da Democracia Radical –DR, tendência dominante do PT, a fazer meia culpa de que foi um erro o lançamento da candidatura do ex-deputado Ney  Amorim (ex-PT) ao Senado, e que este fato colaborou para derrota do senador Jorge Viana (PT). “Na época, por serem duas as vagas em disputa, se entendia que poderíamos fazer os dois senadores, mas hoje, tenho que reconhecer que cometemos um erro”, disse numa avaliação sensata. Zen defendeu de que o PT, por ser junto com o MDB os dois maiores partidos do Acre, não pode deixar de pensar em ter uma candidatura própria para a prefeitura de Rio Branco na eleição do próximo ano. Mas ressalvou que, antes o PT tem que ouvir a prefeita Socorro Neri, a quem trata como “aliada”. “Precisamos saber se a Socorro vai ou não querer sair para a reeleição, para então se fazer uma avaliação”, diz Zen, ressaltando que de uma forma ou de outra o partido estará engajado como protagonista na eleição de 2020. Mas defende que a discussão sobre a sucessão municipal na capital somente deverá ser aberta no ano vindouro. Até lá, só especulação.

GOVERNO PARALELO

Mês passado, não me lembro o dia, numa conversa com o vice-governador Major Rocha, este me disse e publiquei em primeira mão no BLOG DO CRICA de que, ele montaria um gabinete político em Cruzeiro do Sul, e no qual trabalharia pelo menos duas vezes por semana. E pelo visto vai começar a montagem do seu gabinete, que funcionará como um governo paralelo.

RECUSOU GABINETE CONJUNTO

O fato pode ser entendido como um governo paralelo pelo fato de que o governador Gladson Cameli chegou a propor ao vice Major Rocha que montassem um gabinete conjunto e não aceitou. Na certa, vai haver colisão com os grupos políticos sediados em Cruzeiro do Sul.

PODE DAR CERTO?

Nisso tudo cabe uma perguntinha básica: pode um governo em que o governador e o vice não têm a mesma linha de pensamento, a mesma linha de ação política, vir a dar certo? Sei não!

NÃO PODE SER CONTESTADO

Nenhum parlamentar do PT ou PCdoB fez mais oposição ao governo do Gladson de que o deputado Roberto Duarte (MDB), nos primeiros sete meses na ALEAC. E agora, nestas suas postagens nas redes sociais, está demolindo a imagem do sistema de Saúde do governo.

RATOS E MORCEGOS

Denunciou de que o forro do Hospital de Feijó virou um ninho de ratos, colocando em risco a saúde dos pacientes. E que, a unidade de Saúde da Vila Santa Luzia, em Cruzeiro do Sul, se transformou em abrigos de morcegos. E não se pode nem contestar: denunciou in loco.

PARA NÃO DIZER QUE NÃO FALOU DE FLORES

E para não dizer que o deputado Roberto Duarte (MDB) não falou de flores, teceu elogios e deu como exemplar o funcionamento da Central de Medicamentos da prefeitura de Tarauacá.

COMO PODE FUNCIONAR?

Como é que algo que está errado, que não funciona, como o denunciado pelo deputado Roberto Duarte (MDB) pode funcionar, se até o momento a secretária de Saúde, Monica Flores, não fez uma visita às unidades de saúde no interior do Estado? Alguém explica?

NÃO É DA BOCA PARA FORA

O prefeito de Cruzeiro do Sul, Ilderlei Cordeiro, é ousado na política. Por conta disso, não se pense que fala apenas para aparecer na mídia quando diz ser a sua meta disputar o Senado em 2022. É para valer. Também podem apostar: Ilderlei disputará a reeleição no próximo ano.

UM CARA DO BEM

Como jornalista, acompanhei do Governo Wanderley Dantas até o do Gladson Cameli. Tenho um recorde difícil de ser batido: fui secretário de Comunicação de três governadores e três prefeitos da capital. Tenho, por essa experiência, uma visão mais acurada para dizer: o Gladson Cameli é um cara do bem, bom coração, sem rancor, mas peca pela ansiedade.

RASTILHO DE PÓLVORA

Na verdade, a maior inimiga do Governo Gladson – do qual me reservo o direito de ser apenas um expectador, como jornalista – é a sua ansiedade. Quando um Zé Mané fala, é o Zé Mané. Quando o governador fala, é o governador. Uma palavra mal colocada vira rastilho de pólvora.

COMEDIDO, ANTES DE TUDO

O Gladson peca por não ser comedido. A língua, já lhe causou algumas trapalhadas amadoras.

DIFÍCIL É DIFERENCIAR

Os diretores da FUNTAC, Roxinho e Pádua Bruzugu, são as atrações nesta pré-abertura da EXPOACRE. Passam boa parte do tempo dando voltas nas vias internas num quadriciclo. Unidos, como o Batman e o Robin. Quem é o Batman e quem é o Robin? Não sei dizer.

MOEDA DE UM LADO

A deputada federal Perpétua Almeida (PCdoB) pede que a Procuradoria Geral da República investigue o Ministro da Justiça, Sérgio Mora. É do exercício do mandato. Não me lembro de ter visto a Perpétua pedindo investigação contra o Lula e a Dilma. E deu no que todos sabem.

NÃO É POR OMISSÃO

Quando você olha os números de apreensões de drogas, recuperação de carros e motocicletas roubados, bandidos presos, assaltos e execuções desvendados se chega à conclusão de que, não continuamos uma cidade violenta por omissão das forças policiais. Trabalham e muito!

QUE NÃO FIQUE NO LERO-LERO

Que a implantação de um Batalhão da PM específico para atuar na fronteira contra o tráfico de drogas não fique apenas num protocolo de intenções do governo, ou a polícia vai continuar a enxugar gelo. É a droga que movimenta toda esta matança que ocorre na capital acreana.

DEU UMA SACUDIDA

Problemas existem e muitos, mas alguns já foram resolvidos nestes sete meses da gestão do Lúcio Brasil à frente da Fundação Hospitalar. É um setor da Saúde que deu boa melhorada. 

POR DEDUÇÃO

Nunca nem conversamos. Mas o prefeito de Porto Walter, Zezinho Barbary, só pode ser um bom administrador, porque com todos os políticos com os quais falo, sejam do bloco do Governo ou da oposição, no Juruá, são unânimes em elogiar seu trabalho. Daí, a dedução.

MUITO MAIS DIFÍCIL

No programa “Boa Conversa”, que deverá ir ao ar hoje no ac24horas, o deputado Daniel Zen (PT) reconhece que os atuais prefeitos petistas e os que disputarão prefeituras pela sigla, na eleição do próximo ano, terão mais dificuldades por o partido estar fora do poder.

NOVA EXPERIÊNCIA

Será de fato uma nova experiência política a ser encarada pelos candidatos a prefeitos e a vereadores pelo PT, porque nos últimos 20 anos sempre disputaram com a máquina estatal. 

OUTRA ADVERSIDADE

Outra adversidade que deve ser colocada neste cesto é que ainda está na memória eleitoral da população a fragorosa derrota e a rejeição do petismo na última eleição, que perdeu o governo, não elegeu um deputado federal e perdeu o único senador. É um carma pesado.

NÃO PODE SER A META

A multa não pode ser regra geral, mas uma exceção. Não são poucas as reclamações de que a RBtrans inverteu este princípio, não é possível que a enxurrada de críticas seja um equívoco.

COM A PERMISSÃO

Peço permissão à Promotora Alessandra Marques, para reproduzir uma postagem sua: “Todos aqueles que só enxergam a verdade em seus ídolos estão impossibilitados de ver a grandeza das idéias fora da caixinha em que estão presos”. A carapuça fica no ar.

FICHAS PERDIDAS

O governador Gladson Cameli estará pagando o mês de Julho, uma parcela do 13º que o Tião Viana não pagou e ainda metade do 13º do atual governo, e ainda diziam na campanha que na sua administração os salários iriam atrasar. Quem apostou nesta hipótese perdeu as fichas.

Continuar lendo

Blog do Crica

Ninho de ratos, chama os gatos!

Publicado

em

O deputado Roberto Duarte (MDB) fez uma denúncia pelas redes sociais que, pela gravidade, merece uma apuração e providências imediatas: a de que os pacientes do Hospital de Feijó convivem com os ratos. O forro da unidade virou moradia dos roedores. Quando chovem as fezes dos ratos descem pelas goteiras, principalmente, no necrotério. A questão é que a secretária de Saúde, Mônica Feres, ainda não se dignou a fazer uma visita aos hospitais do interior, pois, se tivesse feito não estaria hoje tomando conhecimento disso pela mídia. A conservação do prédio, pelo que constatou o parlamentar, é de total abandono e, pela sua deterioração não comporta nem uma recuperação, mas sim uma reconstrução. E não se pode dizer ser esta uma denúncia do ouvi dizer, o deputado Roberto esteve pessoalmente no local fazendo uma vistoria. A continuar nesta situação, não será demais se surgir a notícia de que os pacientes estão levando seus gatos para espantar os ratos ou espalhando raticidas no prédio.

UMA PERGUNTA QUE FICA?
Como se exigir de um médico, um enfermeiro, ou outro servidor qualquer do Hospital de Feijó, que trabalhe feliz num ambiente insalubre, e se arriscando a pegar uma leptospirose?

ISSO PODE, GLADSON CAMELI?
Vamos agora para uma unidade especializada de Saúde do governo, que funciona como uma máquina com as suas engrenagens azeitadas. Falo do SAE, da Central de Transplantes, aonde não cabe politicagem. E tentam fazer agora ao querer tirar da chefia a enfermeira Edna Gonçalves, com a experiência em vários transplantes, para por no lugar uma afilhada política. Isso pode, Gladson Cameli? Não se mexe no que está dando certo: política longe da Saúde.

A CARTA DA MANGA É SUA
Pode-se discutir à exaustão entre os aliados do governo a sucessão municipal e até a estadual, mas ficará apenas no campo das ilações. Para a PMRB, é preciso saber, quem é o candidato do Gladson? E para o Governo, se ele será candidato à reeleição ou não. Fora isso é diversão.

O REI DOS GROTÕES
Enquanto alguns políticos falam a língua das elites, o senador Sérgio Petecão (PSD) atua nos grotões, é usa o linguajar do povo mais sofrido. E quando as urnas abrem o Petecão pipoca de votos. E ai, os adversários se indagam, como conseguiu tanto voto? Anote: ele vai mais longe!

UMA PARADA INDIGESTA
O prefeito de Xapuri, Bira Vasconcelos (PT), não vai tão bem na gestão, e ainda terá uma parada indigesta pela frente na campanha para a sua reeleição: enfrentar a candidatura do jovem Ailson, filho do deputado Antonio Pedro, desta feita sendo o candidato do governo.

GRANDE INTERROGAÇÃO
Os prefeitos do PT se elegeram na última eleição com a poderosa máquina do governo estadual a favor, com recursos, estrutura, e os esquemas nas unidades do Estado nos municípios. 2020 é a grande interrogação: disputarão fora do poder e com o PT em desgaste.

O VENTO MUDOU
Foram 20 anos de vento soprando a favor, em 2020 o vento soprará forte ao contrário.

CIDADE VIOLENTA
O número pode até ter aumentado, após o fechamento da coluna: nas últimas 48 horas aconteceram quatro execuções em Rio Branco, que continua uma cidade violenta. Eu não consegui entender, como é que o Gladson declara estar “satisfeito” com a Segurança. Égua!

VANTAGEM AMPLA
A vantagem a favor da PEC da Previdência Social foi tão ampla que, ter os votos ou não do PDT, e no qual se incluiu o do deputado Jesus Sérgio (PDT), favorável, não mudaria nada.

BEM MENOS
O governo do presidente Jair Bolsonaro é uma fábrica de trapalhadas, mas ainda assim a produção é bem inferior que a da Fábrica de Trapalhadas do governo da ex-presidente Dilma.

EXTREMAMENTE COMPETENTE
Uma Secretaria que não dá problemas para o Governo é a da engenheira Maria Alice. Conheço-a desde o governo Flaviano Melo, é turrona, mais extremamente competente.

MAMANDO E CHORANDO
Chega uma postagem de um leitor com comentário de que não sabe por qual razão os aliados em Brasiléia, ainda reclamam do governo. “Crica, a esmagadora maioria está mamando em órgãos estaduais, uns com a mamadeira maior, outros com a menor, mas todos com chupeta”.

PERGUNTA NA BERLINDA
Outro leitor manda uma pergunta sobre o que acho de uma chapa para disputar a prefeitura de Tarauacá, com a vereadora Janaína Furtado para prefeita e o médico Rodrigo Damasceno de vice. Obrigado pelos elogios ao BLOG, mas só quem pode responder é a Janaína e o Rodrigo. Ok?

PODERIA DAR INCERTAS
O governador Gladson poderia adotar como tática para saber como está funcionando o HUERB, fazer visitas incertas. Tivesse visitado a unidade, nos últimos dois dias, veria o sofrimento da população, igual ao que acontecia no governo anterior. Faça isso, governador!

CORTESIA COM CHAPÉU ALHEIO
Longe de estar no Acre, a ponte sobre o Rio Madeira está em território rondoniense. Ainda bem que pararam de discutir nomes para aquela obra, fazendo cortesia com o chapéu alheio.

A META É O DUDU
O PCdoB vai com chapa própria para disputar vagas na Câmara Municipal de Rio Branco, mas com uma prioridade, a reeleição do vereador Eduardo Farias (PCdoB). O resto é conseqüência.

ACABOU A BOQUINHA
Na eleição do próximo ano não teremos a coligação proporcional, que sempre funcionou como um balcão de negócios para maioria dos dirigentes de partidos nanicos se coligarem com partidos maiores. Em 2020, cada sigla será obrigada ter chapa própria para vereador. E, como na eleição estadual, novos nanicos irão desaparecer por não atingir a cláusula de barreira.

POR ISSO SE REBELAVAM
Os partidos de esquerda sempre foram uma espécie de puxadinho do PT. Quando a matéria criando a cláusula de barreira, em que cada partido tem que obter um percentual estabelecido em lei era posta em votação, derrubavam. Sabiam que, sem a muleta do PT, ficariam menores no cenário nacional. Foi o caso do PCdoB. Agora todos têm de caminhar com as próprias pernas. Ou somem. O fim das coligações proporcionais reduzirá o número de partidos.

DIFICULDADE NA FORMAÇÃO
Os partidos que têm vereadores em seus quadros estão querendo se livrar deles, por serem empecilhos quando da montagem das chapas, inibem a vinda de candidatos sem mandatos. Por isso o PSDB está pondo para fora os vereadores Clézio Moreira e Célio Gadelha.

Continuar lendo
Propaganda

Leia Também

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.