Conecte-se agora

Bairros são tomados por facções que expulsam moradores

Publicado

em

Na semana passada, a cidade de Brasileia localizada na fronteira com a Bolívia, foi destaque na imprensa acreana, após um aviso que foi pichado na entrada de dois bairros: Leonardo Barbosa e Samaúma. Lá, os moradores e, principalmente visitantes, deveriam baixar os vidros dos carros ou levantar as viseiras dos capacetes, para sua segurança assinado por facções criminosas.

A ação das autoridades e Prefeitura foi rápida, que tratou de apagar a pichação no dia seguinte e realização de ações policiais diuturnamente para coibir esses grupos criminosos que tentam afrontar o Estado e o judiciário.

Apesar de terem apagado a pichação na entrada, outras existem espalhadas por dentro dos bairros, onde além alertam para entrada de ‘estranhos’, aconselham não praticarem roubos, sob pena de serem penalizados pelo que chamam de ‘tribunal do crime’.

Pensando que tudo teria se acalmado, um pai com seus dois filhos, menores de cinco anos, foram obrigados a fugir de sua casa sob ameaças de morte por parte de um grupo de criminoso. A ordem foi para sair imediatamente e ao sair às presas, teria esquecido os documentos. Ao retornar, só não teria sido molestado devido estar com um táxi lhe esperando.

O nome do homem e de familiares não será divulgado por medida de segurança. Este seria mais uma das vítimas de grupos de facções criminosas que vem crescendo na fronteira e disputam espaços pelas cidades.

Luta contra o crime

As forças policiais militar e civil da fronteira têm trabalhado em conjunto, unindo força no combate contra crimes nas mais diversas formas. Mas, arrombamentos, assaltos, furtos estão sendo uma constante na fronteira.

Desde início de 2018, a regional do Alto Acre (composta por quatro cidades) tinha apenas dois delegados atuando. Por quase oito meses depois, apenas um que é lotado em Xapuri, ficou com esse fardo.

Com o aumento das ações dos criminosos, mais um delegado foi enviado e está atuando por três municípios (Epitaciolândia, Brasiléia e Assis Brasil), enquanto outro assume Brasiléia em breve.

Outro fator que vem desmotivando os policiais seria as audiências de custodia e Leis retrógradas que beneficiam a soltura de criminosos, às vezes mesmo em flagrante delito são liberados e ainda desdenham da Lei.

Enquanto o Estado não olhar com mais rigor para a fronteira e tomar atitude mais rígida, mais famílias irão sofrer com a falta de ações perdendo seu teto para grupos criminosos.

 

Propaganda

Destaque 7

IAPEN acaba com GEP e serviço será feito por agentes despreparados para o serviço

Publicado

em

O Instituto de Administração Penitenciária do Acre (IAPEN) tomou uma decisão que preocupa os próprios policiais penais.

É que a direção do IAPEN acabou com o Grupo Especializado de Escolta. Cerca de 36 policiais penais passaram por treinamentos e se tornaram capacitados para esse tipo de serviço.

A preocupação, segundo um dos policiais, é que agora o serviço será feito por qualquer um policial penal. A falta de treinamento preocupa. “Acabaram com o grupo, onde todos os membros tinham treinamento na área de escolta. A partir de agora, essas escolas serão feitas pelos policiais que não tem o mesmo conhecimento. Para se ter uma ideia, quem não tem esse curso especializado, não sabe nem manusear o fuzil que é usado pela escolta”, afirma um Policial Penal que pede para não ser identificado.

O ac24horas teve acesso à conversas em um aplicativo onde os próprios policiais penais afirmam que não possuem treinamento específico e por isso não se sentem capazes de realizar o serviço com segurança.

Vale ressaltar que quase diariamente, os policiais fazem a escolta de bandidos de alta periculosidade, alguns com cargos de chefia em organizações criminosas presentes no Acre.

Além disso, há outra preocupação. Com o fim do grupo, ocorre um questionamento sobre os motoristas das viaturas. É que há uma determinação de que para conduzir uma viatura de escola o policial precisa ter a CNH na categoria D. Muitos policiais não se sentem com condições de realizar o serviço. “Muitos dos próprios colegas que ficam no prédio não se sentem em condições de fazer o serviço. Agora eu pergunto, como é que vão colocar policiais sem capacitação, sem saber nem mexer com a arma, sem ter condições de dirigir uma viatura?”, pergunta

O IAPEN vive um dilema causado pelo pequeno efetivo que possui e a saída da Polícia Militar que deixou de auxiliar na segurança dos presídios do Acre.

Policiais penais fizeram um enterro simbólico do GEP depois que foram comunicados da extinção do grupo. Assista ao vídeo:

Continuar lendo

Destaque 7

PCdoB ,PT ,PSB e PTD firmam aliança pela disputa no Jordão

Publicado

em

Os partidos que compõem o arco de aliança da atual administração de Jordão, PT, PCdoB que administra o município, PSB e PDT , através de suas lideranças realizaram uma grande plenária na tarde de sábado, 18, para selar mais um acordo de união na disputa do pleito de 2020.

O encontro reuniu as lideranças locais das respectivas siglas e o nomes que se declararam pré-candidatos ao executivo. O encontro também contou com a participação do deputado estadual Jenilson Leite ( PSB), vice-presidente da ALEAC, e do secretário de educação de Rio Branco e ex-deputado federal , Moisés Diniz.

Os discursos dos líderes partidários foram favoráveis a manutenção da aliança que tem sido vitoriosa da disputa pela prefeitura desde 2004. Isto é, são 16 anos de vitorioso do mesmo grupo político devido a unidade partidária.

O deputado estadual Jenilson, que tem trabalhado pela manutenção das alianças entorno dos partidos alinhados com a causa social, salientou que a unidade partidária e de suas lideranças tem sido a chave do sucesso.” O primeiro segredo do sucesso da vitória desses partidos tem sido a boa administração que vem fazendo em Jordão, mas também
a aliança que já perdura há mais de uma década”.

O deputado defendeu também que cada partido e filiado tem o direito de pôr seu nome para ser discutido dentro da aliança, mas que a escolha deve ser baseada no nome que mais agrega os líderes e do eleitor jordanenses. ” No processo político democrático, cada sigla e filiado tem o direito de apresentar seu nome para ser discutido, mas o importante é termos o discernimento de fazer uma escolha que agregue a todos”.

O evento contou ainda com a presença do prefeito Élson Farias,e do ex-prefeito Hilário Melo.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required
Propaganda
Propaganda

Mais lidas