Conecte-se agora

Denúncia de propina da Energisa pode cassar mandato de Calegário

Publicado

em

O deputado Vagner Calegário (PV), que levantou suspeitas de que a Energisa estaria pagando propinas para que deputados da base do governo barrassem a CPI, pode ser levado a Comissão de Ética se não provar as graves acusações. Entre as punições do Conselho a mais pesada é a cassação do mandato parlamentar por quebra de decoro. Essa é a posição dos parlamentares que se sentiram ofendidos com as supostas declarações.

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Nicolau Júnior (Progressista), e o 1º secretário, deputado Luís Gonzaga (PSDB), reagiram com indignação as tais declarações do deputado do PV, Vagner Calegário, de que parlamentares da base do governo estariam recebendo propina da Energisa para barrar a CPI, que pretende investigar supostas falcatruas praticadas pela empresa que atua no Acre há cerca de três meses. As afirmações de Calegário, se não provadas, podem leva-lo ao Conselho de Ética do Poder Legislativo. Entre as punições consta até a perda do mandato parlamentar.

FOTO: SÉRGIO VALE

“Não vou tolerar esse tipo de coisa. Como é que alguém faz uma declaração absurda dessas comprometendo a integridade dos demais parlamentares e do próprio Poder Legislativo”, reagiu Nicolau Junior, que se encontra em Cruzeiro do Sul passando a Festa de Páscoa com família. Ele disse que retorna a Rio Branco no domingo à noite para tomar todas as providências já na segunda feira. “Vamos reunir a Mesa Diretora e os demais deputados para tratar desse assunto que joga o nome e a honra das pessoas na lama”, acentuou se dizendo triste com tudo isso porque, para ele, esse não é o caminho certo a ser trilhado, “a calúnia, a mentira, a injuria e a difamação”.

“Ele vai ter que dizer os nomes dos deputados que ele acusa de receber propina da Energisa, não tem como ele fazer uma acusação grave como essa e a Mesa Diretora não exigir esclarecimentos”, afirmou ao ac24horas o deputado Luís Gonzaga (PSDB), inclusive um dos que assinou a CPI da Energisa. Para ele, o fato é gravíssimo e lança suspeição sobre todos os integrantes da base parlamentar do governo. O 1º secretário confirmou que a Mesa se reúne na segunda feira para avaliar a situação e tomar todas as providências. “Um parlamentar pode usar a tribuna como bem entende, mas acusações graves e sem provas não condizem com a postura de uma pessoa que se diz defensor do povo”.

CALEGÁRIO DIZ QUE DIRETOR DA ENERGISA LIGOU E AINDA MANDOU ADVOGADO NA ASSEMBLEIA

FOTO: SÉRGIO VALE

Ouvido pelo ac24horas o deputado Fagner Calegário disse não temer nenhum tipo de retaliação, muito menos a cassação do seu mandato. “Deputados receberam ligações telefônicas da Energisa, inclusive, fiquei sabendo que o advogado dessa empresa esteve lá na Assembleia Legislativa para conversar com parlamentares”, afirmou, esclarecendo que pediu cópia do vídeo de seu pronunciamento e não consta que tenha acusado ninguém de receber propina. “A base do governo pegou uma surra e agora está atrás de um bode expiatório, um culpado. Não faltei com a ética e também não quebrei nenhum decoro parlamentar”, ressaltou, ironizando que a base do governo não consegue se estabilizar.

Segundo ele, a questão toda passa pela disposição da oposição e dos deputados de atuação independentes que se debruçaram por vários sobre o Regimento Interno para ganhar a batalha da CPI da Energisa no plenário. “Eles foram obrigados a cumprir o Regimento Interno depois disso partiram para criar mais seis CPI’s, inclusive, com assinaturas de deputados ausentes, no caso, Cadmiel Bomfim (PSDB) e Neném Almeida (Solidariedade). “Só o deputado Luís Tchê apresentou requerimentos criando quatro CPI’s, agora são sete”. Ao final da entrevista repetiu que não usou a palavra “propina” na tribuna na última sessão. Ele atribui o equívoco a um inexperiente assessor do deputado Luís Tchê (PDT) que, teria dito no salão nobre que, “o diretor da Energisa ligou para o senhor”.

Propaganda

Acre

Mara Rocha diz em rede social que muita gente tem medo do Moro

Publicado

em

A deputada federal Mara Rocha (PSDB) e o irmão Major Rocha, vice-governador do Acre, fizeram uma transmissão ao vivo no Facebook na tarde desta quinta-feira, 23, para comentar a decisão da Câmara dos Deputados que devolveram o comando do Controle de Atividades Financeiras (Coaf) ao Ministério da Economia, tirando das mãos de Sérgio Moro, Ministro da Justiça.

Mara foi a única parlamentar do Acre que votou a favor da manutenção do órgão no Ministério da Justiça. Moro classifica o Coaf como estratégico para o combate à corrupção no país.

“A verdade é que houve uma manobra. Muita gente tem medo do Moro. Infelizmente perdemos por 18 votos, mas esperamos que a população faça pressão com os senadores para que essa pressão possa devolver o Coaf ao Ministério da Justiça”, disse Mara.

Rocha afirmou que a Lava Jato tá passando o Brasil à limpo e pediu que a operação passe no Acre. “Seria interessante uma visita ao Acre, isso tá faltando. Foram mais de 4 bilhões que foram tomados emprestados e não vemos essas obras. Tem notícias lá atrás de que o estado gastou mais de 20 milhões na primeira eleição do Lula com a agência Asa Publicidade, a mesma do mensalão”.

Mara convidou o irmão para ir junto ao Ministério da Justiça solicitar uma visita de Sérgio Moro ao Acre. “Vamos fazer essa agenda e cobrar que venha ao Acre. O Brasil não podia ficar do jeito que tava. Não é possível mais passar à mão. Havia uma prática de que quem tava do nosso lado não é bandido. Isso não pode mais. Bandido é bandido e não tem cor partidária”, disse Rocha.

A deputada federal lembrou que Rocha pediu a expulsão do mineiro Aécio Neves, que hoje também é deputado federal, já foi senador e candidato a Presidente da República pelo mesmo PSDB, mesmo partido dos dois.

Continuar lendo

Acre

Programa Fale com o Governador será às segundas-feiras

Publicado

em

O Programa Fale com o Governador começará a ser transmitido às segundas-feiras. A entrevista fará parte do programa Cidadania, na Aldeia FM, das 7h30 às 8h30. A programação entra em cadeia nas rádios AMs e FMs de todo o estado do Acre.

O formato do programa será mantido com a possibilidade dos ouvintes e internautas encaminharam dúvidas, reclamações e perguntas ao governador. O bate papo é mediado pelo jornalista Jairo Carioca.

Ao longo das edições do programa Gladson Cameli abordou temas como segurança, infraestrutura, saúde, pagamento do 13° salário, entre outros assuntos relacionados à gestão. E também respondeu a uma série de questionamentos dos ouvintes do programa. Na maioria das vezes, o governador esteve acompanhado de secretários de Estado e de aliados políticos como senadores e deputados federais.

“Nossos ouvintes podem acessar a programação ao vivo pelo seu telefone celular e pela rede mundial de computadores no endereço: aldeiafm.ac.gov.br. Outro canal é o nosso WhatsApp (68) 99986 7274”, destacou Carioca.

Continuar lendo
Propaganda

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.