Conecte-se agora

Mara Rocha apresenta PL criando Política de Incentivo à Apicultura e Meliponicultura

Publicado

em

A partir de 2013 o mundo tem se deparado com o sumiço de abelhas. Em agosto daquele ano, a revista Time já trazia uma matéria de capa sobre o tema, alertando para esse evento que preocupa dois setores aparentemente antagônicos: o agronegócio e as entidades de preservação ambiental.

Esse fenômeno motivou os membros da Associação de Criadores de Abelhas do Acre – Floresta com Abelhas a procurarem a Deputada Federal Mara Rocha (PSDB/AC) para discutir o tema. Dessa reunião surgiu o Projeto de Lei nº 2.341/2019 que cria Política Nacional de Incentivo ao Desenvolvimento da Apicultura e da Meliponicultura, O Projeto tenta organizar as atividades de criação, conservação e manejo racional das abelhas e seus enxames, além de criar incentivos para a pesquisa e o desenvolvimento tecnológico da criação de apiários e meliponários.

“A Associação Floresta com Abelhas apresentou alguns dados que me alarmaram muito. O mundo tem testemunhado um fenômeno preocupante. As abelhas operárias, que servem para a polinização de plantas e para a produção de mel, estão desaparecendo das colmeias o que tem levado à morte de colônias inteiras. Isso é extremamente grave, pois se esse quadro não for revertido, a falta de polinização levará ao fim de diversas culturas, colocando em risco a própria agricultura como conhecemos ”, afirmou Mara Rocha.

A parlamentar tucana esclareceu que o Projeto tem a finalidade de dar maior viabilidade econômica à criação de abelhas mas, também, busca garantir a sobrevivência da agricultura no país. “Em termos globais, os serviços de
polinização prestados por estes operários da natureza são avaliados em R$54 bilhões por ano. Culturas como a da maçã, pera, laranja, melão, melancia, café, castanha, amêndoas, abacate, morango, pepino, algodão, soja, pêssego,
abóbora e cebola, entre outras, dependem diretamente da polinização feita pelas abelhas para desenvolver sua produção”.

Na justificativa do seu Projeto, Mara Rocha destacou a importância econômica da produção de mel no Brasil. “Apenas em 2016, a produção nacional de mel foi de 36.612 toneladas, desse total, 61% destinou-se à exportação,
contribuindo com cerca de US$ 95,63 milhões para a balança comercial brasileira. Então, a cultura das abelha é um importante ativo financeiro a ser explorado”.

Além de políticas de incentivo à cultura das abelhas, o Projeto da Deputada Mara Rocha inova ao permitir a instalação, manejo e exploração econômica de meliponários em Unidades Federais de Conservação da Natureza. “As

Melíponas são as abelhas nativas do Brasil, são aquelas abelhas que não possuem ferrão, como a uruçú, a jupará, a jataí, e podem ser criadas próximas às residências. Elas hoje se encontram em risco de extinção e, justamente por
isso, sugeri a instalação de meliponários nas Unidades de Conservação por entender que esse arranjo permitirá a preservação das nossas matas, das abelhas nativas, além de garantir uma nova fonte de renda à população do
Acre e do Brasil”.

“Esse Projeto me deixou particularmente feliz, foi um trabalho em conjunto, feito pela minha assessoria, com participação direta dos representantes da Associação. Quero deixar consignado meu reconhecimento ao trabalho da
Angélica Maciel, da Maria Edna, do Artaganan Cícero, do David de Oliveira e do Manoel Ezimar, dentre outros, que contribuíram muito para a apresentação dessa que é a primeira proposta legislativa a tentar organizar o setor”, finalizou Mara Rocha.

Propaganda

Acre

Diretor do IMAC explica que investigação do TCE é referente a pendências da gestão anterior

Publicado

em

O Diretor-Presidente do Instituto de Meio Ambiente do Acre (IMAC), André Hassem, entrou em contato com a reportagem do ac24horas para esclarecer a nota divulgada referente ao processo de nº (132.012), que trata sobre a não apresentação dos arquivos referentes ao 6º Bimestre de 2018. O processo foi publicado na edição do Diário Oficial do TCE, desta quarta-feira (21).

André informa que os arquivos já foram todos encaminhados. “Do mês de novembro entreguei no dia 28 de Janeiro de 2019 e a de dezembro entreguei no dia 08 de Fevereiro de 2019”.

O que que ocorreu?

“Ocorre que devido às junções das secretarias o IMC veio para dentro do IMAC. Então, nós fizemos a circular e mandamos pro Tribunal através da Secretaria da Fazenda (SEFAZ) informando que não tinha como enviar prestação porque o responsável à época pelo Instituto de Mudanças Climáticas (IMC) não entregou a prestação de contas e nem entregou em tempo hábil os relatórios de prestação de contas exigidos pelo Tribunal. No entanto, eu encaminhei os dados, que era do ex- gestor do IMAC, em janeiro e fevereiro”.

Ele relata que o problema se deu porque o IMC sequer havia entregue os relatórios e a prestação de conta, o que vem prejudicando o envio.

“Já enviamos tudo, lá atrás, pro TCE. E foi feito a justificativa para a Sefaz. Agora vamos também justificar porque não foi enviado a de dezembro juntamente com a de novembro, em relação a junção do IMC com O IMAC. Mas agora o IMC voltou, e o professor Carlitinho que é o responsável, e agora temos que encaminhar a prestação de contas de 2018, embora não seja responsabilidade dele, mas sim de quem estava à frente à época”, explicou.

André Hassem disponibiliza as imagens comprovando a entrega dos arquivos, por meio de Ofício, ao Tribunal de Contas do Estado (TCE)

Continuar lendo

Destaque 4

Crianças de creche no Jarbas Passarinho, em Rio Branco, protestam pelo direito de respirar

Publicado

em

Se o apelo dos adultos não funciona, quem sabe a doçura de estudantes de 2 e 3 anos de idade sensibilizem os que teimam em continuar praticando queimadas urbanas e rurais que estão deixando o acreano sem condições de respirar de tanta fumaça.

Com a ausência diárias de crianças que não vão à creche por causa de doenças respiratórias, a creche Olindina Bezerra da Costa, localizada no Conjunto Jarbas Passarinho, resolveu fazer um protesto para protestar contras as queimadas.

“Estamos trabalhando com a temática do folclore brasileiro com as crianças, mas resolvemos explorar esse assunto, já que temos muitos casos de nossos pequenos que estão com problemas respiratórios, ocasionados pelas queimadas”, afirma a assistente Samara Aparecida.

A creche Olindina da Costa atende cerca de 220 crianças em dois turnos.

Continuar lendo
Propaganda

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.