Conecte-se agora

A internet sepultou governos virtuais

Publicado

em

De 1999 a 2010, o PT administrou o Acre com muito dinheiro, popularidade tocando nas nuvens e apoio incondicional de todos os órgãos de fiscalização. Naquele período, as redes sociais, principalmente o Facebook, ainda engatinhavam.

Exceto a TV Rio Branco, a popular TV do Narciso, todas as demais emissoras e jornais se ajoelhavam e rezavam na cartilha do poder. O preço dessa resistência custou-lhe muito caro.

O controle era tão intenso que nada ia pra rua sem a prévia aprovação da Secretaria de Comunicação.

Passaram-se duas décadas e ainda não apaguei da memória o trecho de um recado enviado por um importante assessor vianista ao dono de um jornal impresso, cujo teor foi o seguinte:

–– Negão, tu vai (sic) querer chafurdar na lama feito porco?

Contestar as ações do governo, além de um pecado capital, era quase impossível por falta de espaço.

Que Deus o tenha no lugar merecido: certa vez, fui reclamar ao empresário Roberto Moura, da TV Gazeta, do “gelo” que sua emissora me dava, ainda que eu fosse uns dos parlamentares mais “briguentos” da Assembléia.

Curto e grosso, e sempre de olhos bem arregalados no sucesso de seus empreendimentos, o Moura me respondeu:

–– Calixto, tua acha que vou brigar com o governo por tua causa?

O fato é que a censura era uma política de governo. Uma política que rendeu muito para o PT e, principalmente, para os donos dos meios de comunicação.

A notícia só tinha a versão do governo.

Contraditoriamente, a milionária verba da mídia é usada para desinformar.

Hoje me arrependo das grosserias ditas por mim aos jornalistas da TV Aldeia por conta das gravações de entrevistas que nunca eram levadas ao ar. Os culpados não eram eles, que apenas obedeciam ordens superiores.

De 2011 até 2018 a imprensa tradicional também reinou absoluta, pois podia faltar dinheiro pra tudo, menos pra pagá-la. E agora, inclusive, a TV do Narciso.

Neste período, entretanto, a influência da informação digital superou de longe os jornais tradicionais. Com o faturamento garantido, nenhum deles teve a capacidade de abraçar a informação “online”. No lugar de entrarem na rede preferiram atar suas redes na confortável verba estatal.

Nesse terreno, este ac24horas e o Blog do Altino Machado demarcaram o campo da informação à queima roupa.

Ainda que bem remunerada, a velha imprensa limitou-se em levar às bancas “novidades que todos já estavam cansados de saber”, posto que divulgam aquilo que já havia sido notícia nos sites e blogues.

Atualmente, mesmo com os atropelos na concordância e, muitas vezes, com o assassinato da gramática, uma multidão carrega na palma da mão o poderoso instrumento do smartphone, de onde pode editar e publicar suas notícias.

Ao que parece, Gladson Cameli ainda não foi à feira para comprar elogios e nem se tem notícias de censura. Os redatores da internet, inclusive os censores de outrora, tem batido nele, sem dó nem piedade.

Caso resolva ir às compras, será por mera piedade e não por necessidade, sabendo este, de antemão, que estará comprando uma mercadoria sem garantia.

A internet sepultou governos virtuais.

Anúncios

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas