Conecte-se agora

Enfim, definida a articulação política do governo

Publicado

em

O governo ao que parece entrou pelo caminho pragmático, saindo da indecisão que tanto foi prejudicial á sua imagem nestes 100 dias. Enfim, o governador Gladson Cameli resolveu ter um coordenador político de fato e não de enfeite. Já determinou que o secretário especial Ney Amorim (foto) fique incumbido daqui em diante de ser a ponte do diálogo entre a Assembléia Legislativa e o Palácio Rio Branco. Até aqui, não tinha lhe sido dado estes poderes de fazer a negociação política com o parlamento estadual. O ex-deputado Ney Amorim conhece os humores da classe política, porque já foi presidente do Legislativo por oito anos. E eleito por unanimidade. E foi o principal coordenador nos bastidores da campanha do deputado Nicolau Junior (PROGRESSISTAS) à presidência da ALEAC. Bati muitas vezes aqui na coluna de que a falta de alguém que pudesse travar a primeira conversa com os deputados sobre as suas reivindicações, antes de chegar ao gabinete do governador, era essencial para uma afinação da base de apoio, até para a votação dos futuros projetos vindos do Executivo. O Ney é muito hábil, transita bem entre os deputados reeleitos, e até entre os novatos. Ninguém governa se não tiver uma aliança com os políticos. Simples: eles é que votam. O Gladson entendeu isso.

DEMOCRACIA NÃO SE ARROTA, SE PRATICA

Ninguém processou mais jornalistas de que os governadores do PT – Binho Marques foi o único deles a não enveredar pelo sentimento do ódio – a democracia não se arrota, se pratica. O Gladson deu uma aula de liberdade de expressão tirando processos de jornalistas, decisão anunciada ontem, até contra os que chegaram a lhe fazer críticas pessoais. Aula aos raivosos.

O CONTRADITÓRIO É ESSENCIAL

O deputado Roberto Duarte (MDB) não pode trocar o diálogo pela agressão pessoal a colegas do parlamento. Todo debate tem o contraditório, ou vira a ditadura de idéias. Gracioso, pois, o ataque proferido ontem, contra o deputado Neném Almeida (SD), por simples discordância.

TUDO TEM SUA MEDIDA

O Roberto Duarte (MDB) é uma das novas lideranças promissoras na política acreana. Qualificado. A imagem que tem de passar para o eleitorado é de um parlamentar combativo, jamais, o de ser agressivo no quesito pessoal. O seu semblante crispado na tribuna não transmite serenidade. Mas é apenas uma observação, o caminho traçado é de cada um.

AULA NA TRIBUNA

No quesito serenidade, o deputado Edvaldo Magalhães (PCdoB) dá uma aula quando discursa na tribuna da ALEAC. Critica, diz tudo que tem a dizer, de forma firme, ponderada e didática.

VAMOS PARA A SINCERIDADE

Alguém com um mínimo de conhecimento sobre a esfera jurídica de influência dos deputados, acha mesmo (na sinceridade) que, instalando uma CPI a Energisa seria forçada a baixar o preço da tarifa elétrica? Poupem meus neurônios! Algum incauto pode até acreditar, mas o resultado seria muito carnaval fora de época e um resultado zero. Mesmo porque uma CPI não tem como reduzir o valor das contas. Não teria essa força. No máximo, marcaria pelo protesto.

UMA COISA É UMA COISA….

Como diz o ditado: uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. A CPI é um instrumento importante do Legislativo. Mas não é com uma CPI que a conta de luz iria ser reduzida. O seu resultado, fosse qual fosse, não teria força jurídica de obrigar a Energisa baixar o valor da tarifa. E os deputados que defendem a sua instalação sabem disso perfeitamente. E como!

OPOSIÇÃO FERRENHA

Pelo seu discurso de ontem sobre os 100 dias do governo Gladson, o deputado Roberto Duarte (MDB) se coloca praticamente na oposição. Já é mencionado nos bastidores por deputados da oposição como “aliado” no combate ao governo. Neste ponto, nada a criticar: a opção política é um direito individual. Diz apenas respeito a ele, definir a sua linha programática.

ACABOU COM O DISCURSO

Parece que o Gladson aprendeu com a série de equívocos que cometeu nos primeiros 100 dias de governo. Ao dizer que não mandará mais os nomes da Mayara Cristine e do Alércio Dias á ALEAC, sepultou os discursos da AGEACRE E ACREPREVIDÊNCIA, de posse dos adversários.

VOLTO BATER NA TECLA

Volto a bater na tecla de que o Alércio Dias não tem condenação por improbidade administrativa. Mas alguns colegas, insistem em cair neste erro nos seus comentários.

ETERNOS, SÓ OS DIAMANTES

Um ex-deputado petista amigo grafou ontem num papo político informal numa banca de revista, uma frase que acho que faz muito sentido, sobre a derrota fragorosa do seu partido na última eleição: “Crica, nosso pessoal pensava que o poder não tinha fim”.

HOSPITAL DE BRASILÉIA

O governador Gladson Cameli deixa transparecer nas conversas de que, ele quer começar o processo de terceirização de unidades de saúde, pelo Hospital Regional de Brasiléia, em fase de conclusão da última etapa. E dando certo é que adotará o mesmo processo com o HUERB.

CIVILIDADE ACIMA DE TUDO

Pode-se ser adversário na política sem perder a civilidade. É o que estão mostrando a deputada federal Jéssica Sales (MDB) e o prefeito de Cruzeiro do Sul, Ilderlei Cordeiro, de grupos antagônicos, quando sentam para definir liberação de recursos para a Prefeitura.

ELEIÇÃO SE DECIDE NO PALANQUE

E as diferenças políticas ficam para serem decididas na campanha do próximo ano.

BANDEIRAS PODEROSAS

Caso passe da promessa á prática a construção da ponte ligando Epitaciolândia à Brasiléia e o anel viário; da ponte sobre o Rio Xapuri, interligando o centro da cidade ao bairro Sibéria e projetos de assentamentos; e, construir a ponte que fará ligação do centro de Sena ao 2º Distrito da cidade, do outro lado do rio, o Gladson ficará em 2022, forte nestes redutos.

PROMESSAS DE DÉCADAS

As três obras foram promessas de candidatos a governador nos últimos 20 anos.

NEM CONDE, QUANTO MAIS REI!

O deputado Neném Almeida (SD) nega que seja o “Rei das Nomeações” do IDAF. Diz que não é nem Conde, e que entre os profissionais de veterinária contratados, ele não indicou nenhum.

SEGURO MORREU DE VELHO

O professor Minoru Kinpara está certo em ficar com um pé atrás com os convites que recebeu do PSDB e MDB para ser candidato a prefeito de Rio Branco, no próximo ano. Se entrar num desses partidos e na montagem da chapa o governador disser que não o apóia, lhe complica.

EXPERIÊNCIA DESGASTANTE

Minoru já teve um episódio desgastante no convite para ser secretário de Educação do governo do Estado, que acabou por uma série de pressões políticas, não se concretizando.

COTA DA SIMPATIA

Parece bastante claro que os dois auxiliares da cota da simpatia do governador Gladson Cameli são os secretários de Agricultura, Paulo Wadt; e, Thiago Caetano da Infraestrutura.

TUDO O NADA

O presidente Bolsonaro está indo para o tudo ou nada na sua luta para aprovar a Reforma da Previdência, não abrindo parcerias para a classe política. Não sei se conseguirá quebrar o tabu na aprovação de uma matéria de quorum qualificado, apenas na base do convencimento.

UM CASO ESPECÍFICO

O grosso da bancada federal acreana que apóia o Bolsonaro tentou emplacar um nome para a Superintendência regional do DNIT e ouviu do general que comanda o órgão, que ele é quem escolhe os auxiliares, por ter recebido carta branca do presidente. Para se ter idéia como os políticos estão em baixa no Planalto. Quem tem força mesmo é a ala dos militares. E ponto.

CONVERSA POLÍTICA

A prefeita Socorro Neri teve ontem em Brasília uma conversa com a presidente do PODEMOS, deputada federal Renata Abreu. O sonho dos dirigentes locais do PODEMOS é vê-la na sigla.

“MEU CANDIDATO”

Quem esteve em Plácido de Castro na caravana do governador Gladson para a entrega de obras, contou ontem que, ele só se referia ao prefeito Gedeon Barros (PSSDB) como “meu candidato a prefeito”. Gedeon integra o grupo do vice-governador Major Rocha.

BISA A QUEBRADEIRA

A questão não é o governo abrir licitação para a construção de novas unidades habitacionais, mas o preço fixado na planilha do custo. Caso não aconteça um reajuste neste valor e o empresário ganhar a obra é quebrar novamente, além de abandonar pela metade o serviço.

OUTRO PROBLEMA

Outra questão para o atual governo é ser célere para a montagem de bons projetos para assegurar os repasses dos valores das emendas coletivas, que devem chegar numa primeira etapa em torno de 300 milhões. Sem bons projetos estes recursos ficam só no papel.

UMA PROVA DA INCÚRIA

Dorme na conta do Estado cerca de 20 milhões de reais para a construção da ponte de Brasiléia e o anel viário, se o governo não correr com o projeto pode acabar perdendo o valor.

MAIS FORTES

Com a previsão de mais recursos para as prefeituras com o Pacto Federativo, os atuais prefeitos terão condições de deslanchar suas gestões, e disputar a reeleição no cargo, mais fortes politicamente. Um dos motivos pelos quais quem puder disputará a reeleição.

NOS DEVIDOS LUGARES

Os secretários estaduais foram colocados nos seus devidos lugares pelo governador. Alguns deles estavam sentando nos requerimentos dos deputados, com pedido de informações. É obrigação de quem está num cargo público prestar informações ao parlamento. Secretário não é dono de cargo.

FILME DE TERROR

Quem passa pelo Parque da Maternidade à noite fica na impressão que está protagonizando uma cena de terror: tudo escuro, campos de lazer abandonados, não é de se admira que, o local irou um alvo preferencial dos assaltantes Ninguém ousa mais fazer caminhadas por lá.

CPI DA ENERGISA

Não tem quem não seja contra a revisão dos preços pagos mensalmente nas contas de luz. Isso é unanimidade. Mas jogar no balaio um componente para virar bandeira política da oposição, como o ICMS; é lógico que, a bancada governista, majoritária, não iria passar este recibo

A ESPERTEZA CRESCE E COME O DONO

O deputado Jenilson Lopes (PCdoB) acabou ficando sem número para apresentar a CPI da ENERGISA, que supostamente apuraria o reajuste da energia elétrica. A base do governo sentiu um gosto de arapuca, que seria usar a CPI para colocar o governo na parede e pôr em debate a diminuição do teto do ICMS sobre a tarifa. O recuo foi assim explicado pelo líder do governo, deputado Gerlen Diniz (PROGRESSISTAS). Pelo visto é mais um caso da esperteza que cresceu e comeu o dono. Mesmo porque se há um debate que não pode ser levantado com legitimidade pelos que apoiaram o governo passado é a questão da diminuição do ICMS sobre a energia. A ex-deputada Eliane Sinhasique (MDB) ficou de língua seca de tanto cobrar na tribuna pela redução do ICMS. Foi ridicularizada. Ninguém da FPA lhe apoiou. É a velha história da casa de ferreiro, espeto de pau. E o pai deste aumento do ICMS nas contas de luz tem nome é sobrenome: Jorge Viana, quando era governador. E a hoje oposição não deu sequer um pio.

Propaganda

Blog do Crica

Base do governo prepara CPI da Anac, Depasa e Ruas do Povo

Publicado

em

O que dá para rir, também, dá para chorar. Alegria de minoria no parlamento costuma ter duração fugaz. Com o vice-governador Major Rocha agora envolvido diretamente na parte política, uma reunião está marcada para o início da próxima semana, que pode ser na segunda ou terça-feira, com a bancada governista para afinar ainda mais os discursos na defesa do governo Gladson Cameli e colocar os deputados de oposição e os rebelados no quadrado dos deputados minoritários. Estará em discussão a apresentação de CPIs para investigar o DEPASA, ANAC (Peixes da Amazônia, ZPE, Fábrica de Tacos, Fábrica de Camisinhas) e o HUERB. O vice- governador Major Rocha diz que, a partir de agora, o jogo será duro: “quem for da base do governo será tratado como base pelo governo. Quem for oposição ou integrar o grupo dos chamados “independentes, será tratado como adversário. Ou você é governo, ou não é governo. A base tem de estar coesa. E, eu farei de tudo para isso vir a acontecer”, prometeu. Todos os ex-gestores dos órgãos que serão alvos de CPIs que os governistas pretendem criar, serão chamados a depor, estejam ou não ocupando mandatos parlamentares. “Temos de passar tudo a limpo, sempre fui a favor de CPI”, diz Rocha. Prenúncio de bons debates na ALEAC.

O JOGO ERA BRUTO

O vice-governador Major Rocha diz que, ao contrário do PT, sempre foi a favor da instalação de CPI, do debate. Lembra que no governo passado, todo projeto seu era vetado, e para ser aprovado tinha que colocar no nome de um deputado da FPA. Erra assim que funcionava, diz.

NÃO PASSAVA NADA

Nenhum projeto que tinha a minha assinatura, por mais que fosse beneficiar a população, o governo do PT não deixava passar, lembra o vice-governador Major Rocha. Tudo era derrubado, relembra a sua passagem pela Assembléia Legislativa

MAIORIA É PARA SER USADA

Sobre a “CPI da ENERGISA”, o vice Major Rocha diz não ser contrário que venha ser realizada, Mas lembra que na composição deve ser seguido o critério da proporcionalidade das bancadas e a maioria pode indicar o Presidente e o Relator da CPI, porque assim funciona no parlamento.

ROBERTO DUARTE FORA

A coluna tem informação de um deputado da base do governo que participou do café da manhã da última segunda-feira, que um ponto foi levantado e acatado por unanimidade: não aceitarão o deputado Roberto Duarte (MDB) participando. Seu isolamento começará pela derrubada de seus requerimentos e projetos que tramitarem na ALEAC. “O Roberto será tratado como um deputado de oposição”, disse á coluna o parlamentar governista.

DOIS TRATORES

O certo é que o barco da oposição vai passar a navegar em mar revolto e não mais em águas plácidas. O vice-governador Major Rocha é um trator com os adversários; e, com o deputado Luiz Tchê (PDT), preparado, bom de debate, corajoso, o a oposição perderá seu protagonismo.

INVERSÃO DE VALORES

O vice Major Rocha e o deputado Tchê (PDT) têm razão de que estava tendo uma inversão de forças na ALEAC com uma oposição dando o rumo dos debates no parlamento. Acompanhei governador na ALEAC desde o Wanderley Dantas, e nunca vi minoria comandar a maioria.

BASICAMENTE O QUE QUERIAM

Ainda que em minoria os deputados da oposição ditaram até aqui, as normas na ALEAC, ante uma maioria calada, desorganizada e sem poder de reação. Mesmo inusitado, isso aconteceu.

ESTAVA SEM COMANDO

O que aconteceu também neste início de legislatura, foi o que a coluna vinha colocando sempre de que não havia uma cabeça de pulso forte que pudesse congregar os deputados da base, o que será suprido com a entrada do vice-governador e do chefe do gabinete civil, Ribamar Trindade, no centro dos debates. O governador Gladson Cameli deixou solto.

MINORU ESTÁ NA MIRA

O PSDB não desistiu de ter o professor Minoru Kinpara para ser o candidato do partido a prefeito de Rio Branco. A informação que tenho é de que os dirigentes tucanos vão insistir no convencimento para a sua filiação, porque o consideram como sendo o candidato ideal.

EXISTEM CAMINHOS E CAMINHOS

Se o deputado Roberto Duarte (MDB) quer cumprir o seu mandato sem buscar uma candidatura majoritária está com a postura certa de virar oposição ao governo. Mas, se quiser ser candidato à PMRB, não vejo como boa estratégia colar a imagem ao PT e PCdoB, na ALEAC. Por um motivo simples: ambos foram justamente os partidos que o eleitor varreu do poder.

COMO É QUE VAI CRITICAR?

Numa eleição para a PMRB, como é que, ele vai criticar as gestões do PT e PCdoB, aliança que estava na gestão do ex-prefeito Marcus Alexandre, de quem foi um adversário ferrenho, e que hoje são os seus aliados na Assembléia Legislativa? O PT e PCdoB estarão juntos numa aliança no próximo ano, com candidaturas próprias, ou apoiando a prefeita Socorro Neri. Será o jogo.

NÃO PASSAVA NADA

O endurecimento da base do governo depois desse novo formato em ajustes, não pode ser criticado pela oposição. Nos governos do Binho, do Jorge Viana e do Tião Viana a oposição não aprovava nada, tinham o domínio dos seus deputados em todas as votações que aconteciam.

GOVERNO É PARA GOVERNAR

As urnas é que decidem: quem ganha governa. E não estavam errados os governadores do PT quando usavam o poder em sua plenitude, impondo um rumo, o poder é para ser usado mesmo. “Aos vencedores, as batatas”, já dizia o velho ditado. Governo fraco é um fracasso.

OU FALA OU CALA

O deputado Fagner Calegário (PV) fez ontem, a acusação mais grave neste início de debate da “CPI DA ENERGISA”, ao jogar no ar a suspeição de que parlamentares estariam numa suposta lista de propina da empresa para amolecer. Ou fala os nomes ou a acusação cai no descrédito.

QUAIS SÃO OS PROPINEIROS?

Acusação de tamanha gravidade se faz com provas em mãos. Se não tem, não se deve fazer.

PELO MENOS METADE

A esperança dos que foram induzidos de que a “CPI da ENERGISA” vai baixar o preço da energia, que tem nos principais condutores os deputados Jenilson Lopes (PCdoB) e Evaldo Magalhães (PCdoB), é de que ao seu final, a próxima conta venha com valor pela metade.

A MÃO QUE AFAGA…..

Estamos na era das redes sociais. Assim como se tornou viral que a “CPI da ENERGISA” derrubará o valor da conta de luz, o povo não aceitará outro resultado, que não seja este. E não derrubando, como disse o poeta, “a mão que afaga, é a mesma que apedreja”.

CHAPA EM DISCUSSÃO

O ex-prefeito de Senador Guiomard, Celso Ribeiro, pode reaparecer na política, na eleição do próximo ano no município numa chapa majoritária, como vice da candidata à prefeita Branca Menezes (PSDB). As primeiras conversas com dirigentes tucanos, já foram entabuladas neste sentido.

PELÉ CAMPOS

O ex-vereador de Feijó, Pelé Campos, é o rei em levar rasteiras de aliados. Sempre prometem que será candidato a prefeito, mas antes da convenção mudam a prosa. Desta feita, parece que disputará mesmo a prefeitura de Feijó pelo PSDB, é o nome do vice-governador Major Rocha.

REVISTA DO ZEN

Bem elaborada a revista “Acre Que Queremos”, do deputado Daniel Zen (PT), com um resumo das principais ações do primeiro mandato na ALEAC. É uma prestação de contas dos últimos quatro anos. A publicação mostra de forma transparente ao povo sua produção parlamentar.

TEVE MAIS DIFÍCIL

O presidente do PT, Cesário Braga, continua com a lamúria depois da derrota do Fernando Haddad (PT) a presidente, vendo tempos negros em tudo que acontece no Brasil. Costuma lamentar em suas postagens que “Tá Difícil!”. Difícil, Cesário, foi suportar a atrapalhada Dilma.

APELO DE UM PAI

Postagem que me chegou. Como é uma cobrança política, publico: “governador, mande consertar as pontes e os porquinhos do Canal da Maternidade, começando pelo Palheiral e João Eduardo, onde levo meu filho Igor, 3 anos, para passear, e parece uma cidade devastada”.

RESERVADO Á BANDIDAGEM

Além da destruição como foi entregue o “Parque da Maternidade” ao novo governo, abandonado, estruturas quebradas, na escuridão, o logradouro virou parada de bandidos na parte noturna e se tornou um perigo se trafegar no espaço, com os constantes assaltos. O
governo não pode mais ficar olhando pelo retrovisor, não bastasse o esgoto do Canal a céu aberto, agora se soma a violência.

CORTE RASO NA GASTANÇA

Leio na entrevista do colega Astério Moreira, no ac24horas, de que, o chefe do gabinete civil Ribamar Trindade, reduziu em apenas 100 dias, as despesas do órgão, que foram de 2 milhões e 154 mil reais no governo passado, para 299 mil reais. Foi um corte raso na gastança.

FOI PRECISO LEVAR UMAS PAULADAS

Foi preciso o governador Gladson Cameli levar umas pauladas na Assembléia Legislativa para entender que sem uma afinação com os deputados que estavam na sua aliança não governa. O que vinha causando surpresa é que o Gladson veio do parlamento e sabe como é que as coisas funcionam. A entrada do vice-governador Major Rocha no processo político foi um saque inteligente do governo, porque é habilidoso na conversa com os aliados e muito duro, quando se trata de peitar os adversários. Com esta nova afinação, o Gladson poderá ter a paz de saber que os seus projetos que forem enviados para o Legislativo serão aprovados, por uma larga margem de votos. Faltava conversa. Agora, deliberou-se que, a cada 15 dias haverá uma reunião dos deputados da base com os que comandam o governo. A prosa será mudada na ALEAC.

Continuar lendo

Blog do Crica

Tchê desmonta a farsa da CPI

Publicado

em

O discurso de ontem do deputado Luiz Tchê (PDT) serviu para desnudar a farsa da oposição com a “CPI da Energisa”. Foi a fala mais lúcida e real de todas que abordaram o assunto. Começou dizendo que não passava de um populismo vulgar. O que é verdade. Desmontou os pilares de barro em que se sustentaram os principais articuladores da CPI, deputados Edvaldo Magalhães (PCdoB) e Jenilson Lopes (PCdoB) para instalar a peça investigativa. Primeiro que a CPI não tem força jurídica para baixar o preço da energia, como foi falsamente propagandeado na opinião pública, destacou. A questão do reajuste da tarifa é da competência de um órgão federal, a ANEEL, na qual a ALEAC não tem jurisdição. Sobre investigar o contrato e a privatização da Eletroacre, destacou Tchê ser outra falácia, porque os contratos são públicos, não é preciso de CPI para ter acesso. Obrigar o governo estadual a baixar a alíquota do ICMS, a CPI também não tem este poder, porque a ALEAC não pode legislar sobre tributação e finanças do Estado. Tchê foi cirúrgico ao dizer que estava retirando a sua assinatura da CPI, para não burlar a boa-fé do povo. “não vou adotar um discurso populista de que a CPI vai baixar a conta de luz por ser mentira, nem vou servir de suporte para candidato a prefeito de Rio Branco se promover, já basta o que aconteceu com a Telexfree, que denunciei ser uma pirâmide, insistiram em enganar a população, e os investidores saíram lesados”. O deputado Luiz Tchê foi franco com a claque levada por deputados para aplaudir os seus discursos e vaiar os adversários. “Eles estão enganando vocês, a CPI não vai baixar o preço da tarifa de energia, e eu não vou fazer parte dessa enganação”, disse Tchê referindo-se aos manifestantes.

PAULADA NA DEMAGOGIA

O discurso do deputado Luiz Tchê (PDT) foi uma paulada na demagogia da CPI da Energisa.

NÃO SE SABE QUEM MANDA

Ao que parecem, as trapalhadas neste início de governo do Gladson Cameli estão se refletindo também na Assembléia Legislativa, onde a base de apoio ao governo somente existe na ficção. Se me perguntarem quem na prática é o articulador político do governo, eu direi que não sei.

BARRADO NO CAFÉ

O governo considera, como já coloquei em colunas passadas, o deputado Roberto Duarte (MDB), um “caso perdido”. Tanto é assim que não é convidado mais nem para tomar café.

PARA REFLEXÃO DAS MULHERES

Da Ministra Damares Alves, ontem, na Câmara dos Deputados: “Na minha concepção cristã, mulher no casamento é submissa ao homem”. As senhoras e senhoritas concordam?

PMRB NAS RUAS

A prefeita Socorro Neri anunciou para o próximo dia 22 o início da “Operação Verão”. Estarão nas ruas 700 trabalhadores, 33 equipes, 250 máquinas e equipamentos, com investimentos de 50 milhões de reais. 227 bairros serão beneficiados e cerca de 1.500 ruas atingidas. Não podia era jogar dinheiro pelo ralo com tapa-buracos no pique do inverno.

VOLUME MAIOR

O volume da “Operação Verão” deste ano é superior ao colocado nas ruas ano passado.

HORA DA VERDADE

Quando terminar esta CPI e os populares que apoiaram verem que não houve queda nas suas contas de luz, podem ficar certos os deputados que criaram a falsa expectativa, vão se ferrar na opinião pública, porque os que foram contra farão o maior carnaval nas suas imagens.

NAS ASAS DA GOL

O governador Gladson Cameli é um apaixonado pela aviação. Quando se procura o homem, ele já emendou uma viagem atrás da outra. Devia aproveitar e fazer um curso de piloto.

CENSURA VOLTOU

Não foi nem preciso se instalar outra ditadura militar no país. A censura à imprensa voltou com a sua garra afiada e vinda do STF, que justamente deveria ser o guardião da liberdade de expressão. A censura ao O ANTAGONISTA é odiosa. Ninguém do Judiciário está acima da lei.

PROTESTO COM VIGOR

De onde menos se esperava da bancada federal acreana veio um protesto com vigor contra a censura ao site O ANTAGONISTA, que faz um jornalismo sem amarras. O senador Márcio Bittar (MDB), condenou o ato de censura por Ministros do STF. Estamos na ditadura da toga?

JÁ DIZIA O SARNEY

Há uma frase do senador Sarney (MDB) que se aplica como uma luva ao ato de censura, que vem recebendo repúdio de entidades diversas e uma condenação nacional: “a pior ditadura é a da toga”. Frase perfeita, porque neste caso, não há mais a quem se recorrer de uma violência.

NÃO PRECISA DE CPI

Ontem foi travada uma discussão entre deputados da base do governo acerca da montagem de CPIs sobre o HUERB, UPA de Cruzeiro do Sul, DEPASA e Ruas do Povo. Não vejo sentido, porque todas as informações sobre estes órgãos estão com o governo, basta acionar o MP.

SAIU DO LIMBO

O senador Jorge Viana (PT) saiu ontem do limbo para distribuir aos jornalistas uma tabela mostrando os tetos e reajustes do ICMS sobre a tarifa de energia elétrica de todos os governadores. Não captei o sentido, talvez, para mostrar que não foi único a adotar a medida.

O JOGO VAI COMEÇAR

O prefeito de Sena Madureira, Mazinho Serafim, prepara o lançamento de uma grande frente de obras com a chegada do verão, que envolverá um investimento na ordem de 17 milhões de reais. Serão aplicados em escolas, pavimentação da cidade, e outros setores.

FIRME COM A CPI

Quem tem se mostrado firme na defesa da CPI é a deputada Meire Serafim (MDB), que foi ontem à tribuna para reiterar este apoio. A parlamentar deixou de integrar a base do governo.

O FILHO É TEU

O deputado José Bestene (PROGRESSISTAS) tece ironias sobre a valentia inesperada de deputados da ex-base do Tião Viana: “HUERB está 15 anos parado, dinheiro jogado no ralo na Saúde, Habitação, nunca falaram nada, e só agora viraram valentes contra o governo”?

FOI DE SE BELISCAR

O deputado Roberto Duarte (MDB), um dos críticos mais ferozes do governo na ALEAC, foi ontem à tribuna para encher o governador Gladson Cameli de elogios por cumprir a promessa de contratar os concursados da PM e Polícia Civil. Foi de se beliscar para ver se não era sonho.

COMEÇOU O DISSE NÃO DISSE

O deputado Roberto Duarte (MDB), que é advogado respeitado, já sentiu que a CPI pode ser um tiro no pé, se o preço da tarifa de energia elétrica não for reduzido. Ontem, no seu discurso, já veio na tribuna com a versão real de que a CPI não vai reduzir o preço da energia.

COMO É QUE É, EDVALDO?

Quer dizer que há uma cobrança abusiva do ICMS pelo Estado em cima da conta de luz, meu bom deputado Edvaldo Magalhães (PCdoB)? Uma perguntinha, sem ofender: por qual razão ficou calado quando o Jorge Viana, de cujo governo era líder na ALEAC, aumentou o teto do ICMS e não se viu um pio contrário seu na tribuna? Fez foi na verdade comandar a aprovação.

UMA CONVERSA SÓ

Fiquei escorado na parede das galerias só para captar o que diziam os manifestantes que foram levados por deputados da oposição para protestar na ALEAC. Uma conversa só: todos acreditando que a CPI baixará o preço da conta de luz. Venderam alho por bugalho ao povo.

ALGUÉM TERÁ DE ESPIRRAR

Nesta briga entre o presidente do PSL, Pedro Valério, e o secretário-geral Tião Bocalom, alguém vai ter que espirrar, Não há mais lugar para ambos, após tantas acusações trocadas.

ESTE FILME É ANTIGO

A deputada federal Mara Rocha (PSDB) anunciou a criação de um projeto para criação de abelhas. Este filme eu vi no governo passado, com promessa de vender mel até para o Japão em dólares. Não se conhece nem um pingo do mel resultante daquele projeto. Pé atrás!

APERTA O DR. ROXINHO

O deputado Fagner Calegário (PV) reclama de que o governo não paga via FUNTAC há 3 meses os empresários que tocam a Fábrica de Camisinhas de Xapuri, e que por conta disso a empresa pode fechar e acontecer demissão. Aperta o pescoço do Dr. Roxinho, Calegário!

EMPREGO E RENDA

O deputado federal Alan Rick (DEM) está empenhado em buscar soluções junto ao Ministério da Saúde para que a fábrica de camisinhas, que dá emprego a cem famílias, possa continuar funcionando.

MIL VEZES O TCHÊ

Prefiro mil vezes uma posição firme e aberta como esta do deputado Luiz Tchê (PDT), de mostrar as falácias da CPI da Energisa, do que alguns deputados que posam para a platéia.

AUSTERIDADE TOTAL

A mesa diretora da ALEAC, com a dupla Nicolau Junior (PROGRESSISITAS) na presidência e o deputado Luiz Gonzaga (PSDB) na primeira secretaria deu uma enxugadas nos gastos da casa.

PODE INDICAR O VICE

A deputada Maria Antonia (PROS), que reforçou as suas bases políticas em Brasiléia desde a última eleição com o marido Deda, disse ontem à coluna de que não descarta o seu grupo indicar o vice na chapa da prefeita Fernanda, que disputará a reeleição no próximo ano.

BASE PARA VALER

O vice-governador Major Rocha reuniu ontem a base do governo para um café da manhã e saíram todos afinados na defesa do governo na Assembléia Legislativa. “Daqui para frente quem é governo será governo, e quem não for governo que se junte com a oposição, nesta nova cara da base não há lugar para quem não tem uma posição definida”, afirmou Rocha. Da reunião participou também o secretário Ney Amorim. Rocha disse que a tônica na ALEAC será a de todo o parlamento: quem tem minoria esperneia, quem for maioria é quem dá as cartas. Rocha promete que de hoje em diante a oposição será colocada do seu tamanho: minoritária.

Continuar lendo
Propaganda

Leia Também

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.