Conecte-se agora

“Discórdia” entre delegados pode por fim à Secretaria de Polícia Civil

Publicado

em

O governador Gladson Cameli confirmou que tem interesse em retirar o status de secretaria da Polícia Civil do Acre, passando a instituição a ser apenas um Departamento da Secretaria de Justiça e Segurança Pública (Sejusp). O anúncio foi feito na manhã desta segunda-feira, dia 1º.

O boato de que a secretaria viraria apenas um departamento do setor de Segurança não agradou a classe, que procurou os deputados estaduais na manhã desta segunda. De lá, saíram para a Casa Civil, onde pretendem conversar com o governador acreano. Cameli se disse aberto ao diálogo.

“Vou debater. Agora, o que eu quero que eles me provem é que vão trabalhar unidos. O que eu não vou admitir, o que eu não vou aceitar é que essa situação continue. Estou pronto a ouvir e para volta atrás, sem nenhum problema”, pontuou Gladson Cameli.

Ainda segundo o governador, o secretário da pasta, Rêmulo Diniz, tem tido dificuldade para trabalhar. “Eu não posso ter um secretário que tem problemas com a equipe por problemas internos. Agora, se permanecerem com essa discórdia, nós vamos, sim, acabar com essa secretaria de Polícia Civil”, ameaçou o governador.

Cameli deve enviar a proposta de minirreforma administrativa à Assembleia Legislativa na próxima semana. O governador já teria solicitado à Procuradoria-Geral do Estado a preparação da proposta legislativa de alteração da legislação atual sobre a instituição.

No domingo, dia 31, o secretário Rêmulo Diniz retrucou a informação, alertando que isso seria apenas um boato, e que o governo não faria isso porque estaria caminhando contra a Polícia Nacional de Segurança Pública desenvolvida em território nacional.

Extinção da SEPC pode causar intervenção política

Os delegados de Polícia Civil do Acre reagiram mal à decisão do governador Gladson Cameli de por fim à secretaria. Em nota, a Associação dos Delegados (Adepol) alertou que o ato do governante pode causar problemas maiores, incluindo a “ingerência política” nas ações policiais.

“Qualquer ato atentatório à autonomia e imparcialidade da Polícia Civil é um enorme retrocesso, e a possibilidade de extinção da SEPC vai na contramão de todos os movimentos nacionais de combate a corrupção e independência das Polícias Judiciárias., já adotados em vários Estados, que se inspiraram no modelo acreano”, escreveu a associação, em nota.

Os delegados destacaram que “as dificuldades enfrentadas na Segurança Pública, que vem sofrendo com o descaso governamental há anos, não se resolvem diminuindo a autonomia administrativa da Polícia Civil, ou subordinando-a a uma Secretaria política”, e destacou a importância do diálogo com o Palácio Rio Branco.

Sobre o assunto, o governador Gladson Cameli se disse aberto a conversar, mas que as “discórdias” dentro da instituição estão causando o problema. “Vou debater. Agora, o que eu quero que eles me provem é que vão trabalhar unidos. O que eu não vou admitir, o que eu não vou aceitar é que essa situação continue. Estou pronto a ouvir e para volta atrás, sem nenhum problema”, pontuou Gladson Cameli.

Ainda segundo o governador, o secretário da pasta, Rêmulo Diniz, tem tido dificuldade para trabalhar. “Eu não posso ter um secretário que tem problemas com a equipe por problemas internos. Agora, se permanecerem com essa discórdia, nós vamos, sim, acabar com essa secretaria de Polícia Civil”, ameaçou o governador.

Cameli deve enviar a proposta de minirreforma administrativa à Assembleia Legislativa na próxima semana. O governador já teria solicitado à Procuradoria-Geral do Estado a preparação da proposta legislativa de alteração da legislação atual sobre a instituição.

Anúncios

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Mais lidas