Conecte-se agora

Estatísticas, segurança pública e o foco contra a violência

Publicado

em

O Brasil é um país violento. Os números não mentem e as estatísticas estão aí para comprovar.

Anualmente morrem 40 mil pessoas em acidentes de trânsito, 60 mil por homicídios e há mais de 20 mil estupros registrados, considerados os dados divulgados pelo IBGE, em números redondos.

Das 100 mil mortes violentas ocorridas no ano de 2016, a maioria das vítimas foram homens (82,5% no trânsito e 92,5% dos homicídios). Os jovens entre 15 e 29 anos foram um terço das vítimas do trânsito e mais da metade das vítimas por homicídios.

Dois terços dos homicídios registrados foram por uso de armas de fogo, cujo acesso lícito é extremamente restrito no país, seja pelas regras legais ou pelo preço de aquisição.

Infelizmente as estatísticas têm sido usadas para justificar ideias pré concebidas ao contrário de servirem ao diagnóstico para enfrentar os verdadeiros problemas. Grupos de defesa racial ou de gênero fazem seu recorte customizado, da mesma forma como os que pretendem a proibição de armas ou liberação das drogas.

Em ordem de grandeza, armas matam tanto quanto os automóveis e há três vezes mais homicídios de homens brancos que o total de mulheres assassinadas, anualmente.

O problema da violência no Brasil não é racial ou de gênero ou de armas ou de veículos. Está sim associado à enorme desigualdade econômica e à impunidade. Nossa persecução criminal soluciona menos que 10% dos delitos.

Temos leis e proibições em excesso, acreditando que papel resolve todos os nossos problemas, e não cuidamos bem da prevenção, nem da punição.

Precisamos olhar para a violência como um todo. Há sim aspectos que determinam a que ocorre contra mulheres, negros, homossexuais e indígenas. A violência doméstica é sim um problema enorme na nossa sociedade atual, independentemente das visões liberal ou conservadora, sociológica ou religiosa da questão. Mas o problema está em como reduzir a violência como um todo.

Ou alguém é simplório ao ponto de entender que a violência que ocorre dentro de casa está dissociada da que ocorre no trânsito, nos ambientes de trabalho, nos estádios de futebol ou no buteco da esquina ou ainda no bullying escolar?

Proibir não é prevenir. Se carros e armas matam aproximadamente a mesma quantidade de pessoas anualmente, abolir o trânsito reduziria à metade nosso problema, além de evitar uma legião de sequelados pelos acidentes.

É necessário tratar a violência. Descobrir suas causas e formas não violentas de dissipar as tensões e o estresse. E também é necessário encontrar modos de coibir os atos violentos pela perspectiva de punibilidade legal, e também social.

Enxergo nas proibições indiscriminadas a tentativa de tolhimento das pessoas à autodeterminação. A perda de graus de liberdade do cidadão implica em tomar decisões entre o legal e o ilegal e não entre o bom e o ruim, o bem ou o mal, o certo e o errado, banalizando a própria noção de legalidade.

Pessoalmente, não funciono bem com as proibições cuja justificativa é do objeto ser potencialmente perigoso. Ter que por focinheira num cão bem socializado porque há proprietários irresponsáveis que caminham na rua com animais ferozes e perigosos, para mim é uma afronta, da mesma forma que me agredia, na década passada, em Rio Branco, não poder chegar num restaurante às 10 da noite, com filhos menores, porque a partir das 11 era proibida a presença de crianças em razão do elevado tráfico e consumo de drogas na cidade.

Somente quando tive acesso a armas, como policial, que entendi que andar armado não melhora, ou até piora, minha própria segurança. Essa é uma condição que varia de pessoa a pessoa e exige uma avaliação, entendimento e decisão individuais. Prefiro que haja menor regulação, mais oportunidades para prática de tiro esportivo e condições para que cada um tome sua decisão e assuma sua responsabilidade.

Ter uma sociedade regulada e fundada em proibições de papel e um sistema repressivo de baixíssima eficiência é uma ilusão que precisamos superar com urgência. O pragmatismo mostra que a liberdade responsável tem um custo muito menor e mostra resultados mais facilmente tangíveis.


Roberto Feres escreve às terças-feiras no ac24Horas.

Propaganda

Acre 01

DPE-AC recebe membros de CPI e anuncia criação de Núcleo do Superendividamento

Publicado

em

A defensora pública-geral do Estado, Roberta de Paula Caminha Melo, a subdefensora-geral, Simone Santiago e os defensores públicos, Rodrigo Chaves e Celso Araújo se reuniram nesta quarta-feira, 19, com os membros da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Consignados.

A CPI visa investigar supostas irregularidades nos contratos e nas aplicações de taxas de juros dos empréstimos consignados de servidores públicos com instituições bancárias e financeiras. Segundo a Comissão, 60% da folha de pagamento do Estado, o equivalente a R$ 90 milhões, ficam retidos nos bancos devido ao elevado número de empréstimos consignados.

O encontro realizado na sede da Defensoria Pública do Estado do Acre (DPE/AC) possibilitou o alinhamento das parcerias para o fortalecimento das ações, acompanhamento das demandas e demais trabalhos que serão desenvolvidos em conjunto.

Na oportunidade, a defensora pública-geral, Roberta de Paula Caminha Melo anunciou a criação do Núcleo de Superendividamento, previsto para ser implantado no mês de outubro deste ano.

“A Defensoria Pública vem discutindo essa temática há um certo tempo, entendemos a grande relevância dessa situação, e com isso pensamos em um projeto de implantação de um núcleo para atender essa necessidade. Temos muito a contribuir com a Comissão, uma vez que nós trabalhamos com essas demandas diariamente e estamos aqui para auxiliar no que for necessário, porque a nossa união de esforços com certeza logrará êxito”, disse.

“O propósito do núcleo é analisar essas demandas que são numerosas, tanto em relação a situação de servidores, quanto também aposentados. Estamos desenvolvendo esse trabalho para contribuir cada vez mais com a sociedade acreana e cumprir com a nossa missão na promoção dos direitos humanos, que engloba também os direitos do consumidor”, explicou.

A CPI dos Consignados é formada pelo presidente da Comissão, deputado estadual Edvaldo Magalhães (PCdoB), vice-presidente, Wagner Felipe (BPL) e os demais deputados estaduais, Chico Viga (PHS), Antônio Pedro (DEM) e Roberto Duarte (MDB).

Continuar lendo

Notícias

Universidades da Coreia do Sul disponibilizam cursos de verão

Publicado

em

Voltados para estudantes e professores, cursos podem durar quatro semanas

Se você é umas das pessoas que amam e estão sempre pesquisando sobre K-pop (gênero musical originado na Coreia do Sul) e tudo que envolve a cultura de lá pode se interessar por um dos vários cursos de verão oferecidos por universidades coreanas. Com eles, é possível fazer uma imersão sobre a língua e cultura, além de poder estudar outra disciplina de sua escolha.

Na lista das instituições está a SungKyunKwan University, ou como é mais conhecida SKKU. Uma das mais importantes da Coreia do Sul, a SKKU foi fundada em 1390. Na grade curricular, a instituição tem uma opção que desperta o interesse de muitos estudantes internacionais: o Semestre de Verão Internacional – curso de quatro semanas que atrai não só estudantes de todas as partes do mundo, como também, professores estrangeiros.

Realizado sempre entre junho e julho, o curso tem variadas disciplinas nas áreas de Negócios e Gestão, Engenharia e Ciências da Computação, Economia, Ciências Sociais, Ciências de Dados e Física e Língua e Estudos Coreanos. Todas as aulas são ministradas em inglês e cada disciplina equivale a três créditos acadêmicos. Cada estudante só pode cursar, no máximo, três delas por programa. 

Uma disciplina custa KRW 1.400.000 – aproximadamente R$ 4.700 e, para duas ou três disciplinas, o valor é KRW 2.400.000 – aproximadamente R$ 8.160, mais uma taxa de inscrição. A universidade também oferece opções de dormitórios para os estudantes internacionais dentro do campus. As inscrições acontecem sempre em janeiro pelo site do ISS

Para embarcar nessa experiência é necessário ter o inglês fluente. E, como as inscrições só começam em janeiro, existe bastante tempo para se preparar até lá. Para isso, você pode contar com a ajuda do Educa Mais Brasil. O programa tem 15 anos de mercado e já beneficiou 1 milhão de estudantes com suas bolsas de estudo para várias modalidades de ensino, inclusive, para cursos de idiomas. Acesse o site do programa e confira as oportunidades. As inscrições são gratuitas. 

Fonte: Agência Educa Mais Brasil

 

 

Continuar lendo
Propaganda

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.