Conecte-se agora

Fosso social entre acreanos ricos e pobres só aumenta: 10% concentram 70% da renda no Acre

Publicado

em

Em 2009, a Fundação Getúlio Vargas publicou um estudo mostrando que o Acre apresentava 7,16% de classe social A, o maior índice entre os Estados da região norte do Brasil.

Já o estudo produzido em 2012 pela Fundação Getúlio Vargas indicava que ao menos a capital do Acre, Rio Branco, ocupava a posição de número 450 em percentual de pessoas nas classes AB e Marechal Thaumaturgo estava na de número 5.116, praticamente entre os últimos municípios brasileiros com esse estrato social.

Apesar dessas variações, o fosso entre ricos e pobres é enorme, conforme lembra um professor universitário: “Com base em dados do Instituto de Pesquisas Aplicadas Econômicas, o Ipea, cerca de 10% da população concentra cerca de 70% da renda. O que significa que 90% da população fica com o restante”, disse nesta segunda-feira (18) o pesquisador Carlos Estevão, da Universidade Federal do Acre.

Nas pesquisas que identificam as classes A+B+C o Acre era, em 2009, o segundo Estado com o índice de 57,90%. E detinha o segundo menor índice com classes D+E (classes mais baixas) da região, 42,1%.

Em 2018, os dados passaram a corroborar com o professor da Ufac. Segundo os cálculos do Bradesco, baseados em pesquisas domiciliares do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 900 mil brasileiros deixaram de integrar as classes A e B no ano passado. Somente na classe A – composta por famílias com renda mensal de R$ 11.001 ou mais – foram 500 mil a menos. Não se sabe os dados do Acre, mas pelo tamanho do fosso que separa ricos e pobres o empobrecimento da população materializou-se em algumas situações, como o aumento de 100 para 180 no número de moradores de rua em Rio Branco nos últimos três anos.

Propaganda

Destaque 6

Caixa estuda criar crédito imobiliário com juros prefixados

Publicado

em

O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, disse hoje (23) que o banco estuda oferecer crédito imobiliário com taxa de juros prefixada. Ao explicar a visão da Caixa sobre a nova linha de financiamento indexada à inflação em um almoço na Associação Comercial do Rio de Janeiro, Guimarães disse que o objetivo é avançar para oferecer também a modalidade prefixada até o fim do mandato do presidente Jair Bolsonaro.

A Caixa anunciou nesta semana uma nova linha de financiamento imobiliário que usa o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em vez da Taxa Referencial (TR) no cálculo anual de juros. Tanto o IPCA quanto a TR são variáveis, e para que uma modalidade de crédito com juros prefixados possa ser oferecida, é necessário um cenário de estabilidade econômica de longo prazo, destacou o presidente da Caixa.

“Para isso, tem uma série de coisas que precisam acontecer na economia e uma tranquilidade em relação à inflação, o que eu tenho muita confiança. Essa mudança do IPCA é o primeiro passo para isso”, disse Guimarães, que afirmou que essa modalidade de crédito é oferecida em economias desenvolvidas da Europa, da Ásia e dos Estados Unidos, pois depende da estabilidade da inflação ao longo dos anos. “Tendo uma inflação mais controlada, a gente consegue precificar melhor as incertezas. Com esse crédito pré, sem correção, o grande risco fica com o banco”, ressaltou.

Na visão do executivo, com a inflação mantida em torno de 3% a 4%, é possível fazer essa precificação de forma tranquila.

Guimarães também explicou que é preciso criar no país um mercado de securitização de mais longo prazo, o que ele acredita que será estimulado pela criação da linha de crédito indexada ao IPCA. Esse mercado permitirá que o banco terceirize o risco em um cenário de oferta de crédito prefixado. “A vida média da nossa carteira de crédito imobiliário é de 12 anos. Então, não adianta tanto criar um mercado de securitização de dois anos. Você precisa ter um mercado de securitização de 12 anos.”

Para o presidente da Caixa, a nova linha de financiamento corrigida com o IPCA reduz o preço da parcela inicial de financiamento imobiliário em 30% a 50% e estimula outros bancos a reduzir suas taxas de juros. Segundo Guimarães, cerca de 600 mil simulações de financiamento foram feitas desde que o banco anunciou a nova linha de crédito.

“Se nós sentirmos que existe uma necessidade de correção ao longo do tempo, nós corrigimos. É a primeira vez que é oferecido por IPCA esse tipo de crédito”, ressaltou.

Continuar lendo

Destaque 6

Cinco casos suspeitos de sarampo no Acre foram descartados

Publicado

em

Começou nessa quinta-feira, 22, a vacinação preventiva às crianças de seis meses a menores de 1 ano contra o sarampo em todo o país. Segundo a responsável técnica pela Vigilância Epidemiológica das Doenças Exantemáticas no estado, foram notificados cinco casos suspeitos de sarampo em 2019, mas todos foram descartados por critério laboratorial, conforme preconizado pelo MS. “Os últimos casos confirmados de Sarampo no Acre foram no ano de 2000. O Estado mantém uma rotina ativa de ações a fim de evitar a reintrodução do sarampo”, afirma Renata Meireles.

No Acre, as equipes de saúde receberam nesta sexta, 23, o documento do Ministério da Saúde (MS) que oficializa o encaminhamento e as orientações da campanha no estado. Agora, todas as crianças devem ser vacinadas com uma dose tríplice viral, devendo manter as recomendações estabelecidas no calendário nacional de vacinação.

Conforme o documento, “a vacinação de rotina contra o sarampo deve ser mantida na população de 1 (um) ano até 49 anos de idade, considerando-se o histórico anterior de vacinas que contenham componente sarampo”, informa.

A secretaria estadual de saúde no Acre (Sesacre) tem realizado algumas ações para intensificar o combate à doença. “Assessoria e capacitação aos profissionais de saúde quanto à notificação e manejo clínico de um paciente suspeito, busca ativa, educação em saúde através de palestras, folders em unidades de saúde, escolas e instituições públicas e privadas, elaboração de notas técnicas e boletins epidemiológicos”, elenca Meireles.

Além disso, existe uma parceria com o Programa Nacional de Imunizações (PNI). “A vacinação é a melhor forma de prevenção”, ressalta a técnica. A vacinação preventiva deve alcançar 1,4 milhão de crianças em todos os estados.

As doses servem para crianças que não receberam a dose extra, chamada de dose zero, e também previstas no Calendário Nacional de Vacinação, aos 12 e 15 meses.

A campanha busca intensificar a vacinação das crianças, que são mais suscetíveis a casos graves e óbitos. Pais e responsáveis também devem levar os filhos para tomar a vacina tríplice viral (D1) aos 12 meses de idade (1ª dose); e aos 15 meses (2ªdose) para tomar a vacina tetra viral ou a tríplice viral mais varicela, respeitando-se o intervalo de 30 dias entre as doses.

Continuar lendo
Propaganda

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.