Conecte-se agora

O ambiente de olhos arregalados e Gladson Cameli no Facebook: nem contra nem a favor

Publicado

em

Passados quase 80 dias de mandato, o governador Gladson Cameli tem parado pouco no Acre. Fisicamente não tem sido muito visto pelas Terras de Galvez mas aparece com grande frequência nas redes sociais o titular de um governo que se viu emparedado pela imprensa gringa que, em visita ao Acre na última segunda-feira (11) parece exigir do Estado posicionamento mais claro em relação à política de REDD (que promove a compensação financeira por serviços ambientais especialmente o sequestro de CO2).

Gladson estava fora do Acre, comunicando-se via chat naquela hora e o vice, Major Rocha, jogou o pepino nas mãos de Milani, da Sema, e de Carlito Cavalcante, do Instituto de Mudanças Climáticas. Aos dois incumbiu-se a responsabilidade de dizer ao mundo que apesar de ser contra a Florestania o governo não tem nada em oposto a ela. Cita-se aqui a Florestania pois é a metáfora que pariu a política de negócios ambientais ainda em vigência no Estado.

A Agência de Notícias do Acre rebolou-se para fazer do limão uma limonada. Por exemplo, o órgão noticioso de Gladson Cameli disse o seguinte sobre a entrevista dos secretários à ong internacional: “Entre os questionamentos feitos pelas jornalistas Lisa Song, com a participação e tradução de Paula Moura (ambas da organização jornalística sem fins lucrativos ProPublica, sediada em Nova York), foi pautada a exigência de posicionamento do Estado entre os que são defensores do REDD+ e os que se apresentam contra a política de baixa emissão de carbono e, ainda, o status atual do IMC no Acre“.

Quem entende dessa bagaça sabe da saia justa que viveram os secretários porque 1) o posicionamento atual do Acre é uma incógnita baseada numa possibilidade e 2) o status do IMC é o mesmo em relação ao meio ambiente, que vai da indiferença ao ´deixe estar´. Ou: “vamos ver no que dá”. A Sema está desidratada e o IMC em fase de inanição, prestes a virar autarquia.

Tudo porque o mais importante era acabar com a ideologia petista, tomar o poder e promover, como disse o Major Rocha, o “reencontro do Acre com a vocação produtiva”. Quase três meses depois, o encontro que a gestão de Gladson Cameli conseguiu promover ficou no gogó: discursos daqui, reuniões dali, visitas de um lado e outro.

E nesta terça-feira (12) mais uma reunião. Desta vez estava lá um certo João Shimada, apresentado como “especialista em agronegócio” em uma “agenda ambiental”. Sem ideia concreta ou planos objetivos para a questão ambiental e as mudanças climáticas, o governador em exercício saiu-se, nesse encontro, com mais um lero-lero: “O desafio agora que o arcabouço jurisdicional está pronto é agregar valor, garantir segurança alimentar para quem vive na floresta, nas margens dos rios, a conservação do solo e o meio ambiente”.

O ambiente inteiro está de olhos arregalados. Mas… cadê o governador?

Propaganda

Destaque 3

Crise de ansiedade, depressão? busque o “Plantão Psicológico” com atendimento gratuito

Publicado

em

Se você tem tido pensamentos suicidas, crise de ansiedade, tristeza profunda ou conhece alguém que está enfrentando esses sintomas e não tem condição financeira para fazer um acompanhamento profissional, fique atento com a dica que o ac24horas preparou para você.

A Universidade Federal do Acre (UFAC) e a Faculdade da Amazônia Ocidental (FAAO) realizam “Plantão Psicológico”, com atendimentos gratuitos. Na FAAO, os atendimentos são realizados de segunda a sexta-feira, das 8h às 11h e das 14h às 17h. Aos sábados, das 8h às 11h, no Bloco A – Térreo, na Clínica Escola de Psicologia da FAAO.

Já na UFAC, os atendimentos ocorrem somente as sexta-feira, das 8h às 16h, no Bloco Francisco Bacural, do Campus Rio Branco, mediante agendamento prévio, em obediência ao calendário. Os interessados devem entrar em contato via email: [email protected]

As universidades buscam ofertar atendimento de emergência a pessoas que não têm acompanhamento psicológico profissional e, paralelamente a isso, oferecer aos acadêmicos atividades praticas de formação na área integrando à comunidade.

Continuar lendo

Destaque 3

Acre sai da lista de estados que mais produzem queimadas na Amazônia Legal, diz pesquisa

Publicado

em

Apuí no Amazonas é a cidade com mais focos ativos de incêndios. Dados da unidade de situação de monitoramento hidrometeorológico, apontam o Acre em oitavo lugar com 2.533 focos

O clima de estresse entre a equipe ambiental do governo diminuiu com a divulgação de novos dados de satélites pelo Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM) que tiram o Acre da lista de federações que mais queimam em 2019. O município de Apuí que tem 1.754 focos ativos de incêndios, desmatou 154 km². Quem mais queima é quem mais desmata, diz o relatório.

Nenhuma cidade do Acre está no ranking dos dez municípios que mais devastam a Amazônia. Fora Apuí (AM), Altamira no Para e o vizinho Porto Velho, em Rondônia, estão entre os que mais desmatam e queimam. Os cientistas avaliaram focos de incêndio e dados de satélite, acumulado de chuvas e desmatamento.

Equipes do Instituto de Meio Ambiente do Acre (Imac) retornam nesse fim de semana de uma força-tarefa feita nas cidades do interior com maiores focos. Até ontem (22), segundo relatório da unidade de situação de monitoramento hidrometeorológico, foram registrados este ano 53.899 focos de queimadas em toda a Amazônia. O satélite de referência é o (AQUA_TARDE). O Acre é o oitavo do ranking dos estados com 2.533 focos, ou seja, é responsável por (4.7%) das queimadas.

Os municípios de Feijó, Tarauacá e Sena Madureira são os que mais apresentam focos ativos de queimadas. Os incêndios acumulados no mês de agosto, um total de 2.158 é que chamaram atenção das autoridades de controle. Foi nessa área a atuação dos fiscais do IMAC, assim como em Acrelândia e Capixaba. Essas duas ultimas cidades apontadas no relatório do estado, são as que mais acumulam focos de incêndio por quilometro quadrado.

Mesmo com toda pressão internacional, imagens do céu acreano coberto por fumaça voltaram a repercutir em matérias dos grandes telejornais, a equipe ambiental do estado ainda não concedeu nenhuma entrevista coletiva sobre o assunto.

O governador Gladson Cameli decretou estado de emergência, mas vem evitando falar do cheiro forte de fumaça prejudicando crianças e idosos que lotam unidades de saúde e hospitais.

O secretário de produção e agronegócio, Paulo Wadt, também evita dar declarações. Há informações de investigações pelo Ministério Público sobre grileiros atraídos de Rondônia agindo no desmatamento de áreas no Acre.

Continuar lendo
Propaganda

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.