Conecte-se agora

Um governo em busca de um rumo

Publicado

em

Seria desprovido de fatos se apontar algum avanço excepcional do governo Gladson Cameli, como é temerário cobrar solução imediata para todo o desmanche deixado, principalmente, pelos últimos quatro anos da administração Tião Viana. Afinal, não se fechou nem 60 dias de gestão. Um ponto, para quem milita na imprensa é importante, o dele vir cumprindo a sua defesa de que em seu governo a liberdade de expressão ia prevalecer. Até aqui tem mantido a postura. É salutar que isso aconteça. Muito embora alguns súditos, na ânsia de agradar, queiram ser mais reais que o rei e se insurgem contra uma simples visita do vice-governador Major Rocha, acompanhado da imprensa no HUERB, com notas toscas, sentimentais e sem sentido. Foi uma defesa do nada. Mas voltando ao governador Gladson Cameli, é preciso que defina de maneira urgente, de forma oficial, quem é o seu articulador político e consulte sempre a PGE quando tomar medidas que impliquem em repercussões jurídicas. Ao praticamente acabar com o IMC, brecou o canal da vinda de recursos internacionais na área ambiental. O que mais tem causado desgaste à sua imagem nas redes sociais é o fato de nomear figuras exponenciais nos governos petistas para cargos de confiança, prática que prometeu abolir. E continua acontecendo. Tem sido muito criticado, neste aspecto. Está tudo muito solto. Sobre medidas práticas pode-se citar como positiva a determinação de concluir as várias obras abandonadas pelo antecessor, definido a contratação dos aprovados nos concursos da Polícia Militar e Civil e de pagar o calote do 13º salário do servidor deixado pela gestão passada. Quer apresentar um pacote de obras concluídas nos 100 dias de governo. E a missão está em boas mãos, do jovem e competente engenheiro Thiago Caetano, Secretário de INFRAESTRUTURA. Na parte política é que está mais resguardado: tem maioria dos deputados estaduais, federais e todos os três senadores ao seu lado. Isso é importante para abrir portas, em Brasília, aprovar projetos, principalmente, agora quando se trata da Reforma da Previdência. Em suma tem que arranjar recursos extras, nos ministérios, fazer empréstimos, se quiser tocar projetos de maior relevância. Pelo tempo exíguo é cedo, muito cedo, para uma análise profunda do governo Gladson. Mas, no momento oportuno será feita. Até porque a lua de mel política com todo novo governante tem prazo de validade. O ponto concreto que se pode antever é de que terá de se esforçar muito para conseguir ser pior que o desastrado governo passado. Não consigo acreditar, mesmo no início de administração, que quebre o recorde negativo. No mais é esperar para ver qual é mesmo o rumo deste governo.

SERVIU DE RISOS

As várias “notas” de setores do PROGRESSISTAS serviram de riso. Eram de “solidariedade” ao secretário Alysson Bestene, a quem em nenhum momento da visita do vice-governador Major Rocha ao HUERB, tenha sido lhe atribuída a culpa pelo caos em que se encontra a saúde.

QUEM É QUE VAI ATRIBUIR?

Como é que pode atribuir ao secretário Alysson, que mal assumiu, o desastre da Saúde?

QUEM É QUE PODE?

E tem um caroço neste angu, o Rocha visitou o HUERB como o governador em exercício, com os mesmos poderes constitucionais que tem o titular do cargo. Se ele, como governador no momento, não podia fazer uma visita a uma unidade de saúde, quem é que pode?

AGRESSÃO DE NADA

O fato de terem sido encontradas portas danificadas e outras mazelas não se pode dizer que culpa lhe cabe, todo mundo sabe o tamanho das dívidas que o secretário de saúde, Alysson Bestene, herdou dos gestores passados. Indicar pontos a serem sanados não é agressão.

PODEM IR SE ACOSTUMANDO

Ainda é cedo para cobranças mais efetivas. Mas os secretários e os que os circundam assimilem de vez que não estão mais na oposição, mas na situação, e que na campanha foi prometido acabar com o caos. Passado os 100 acabou a lua de mel e cobranças acontecerão.

QUEM DISSE FOI QUEM MANDA

Não foi a imprensa, nenhum badeco, que disse que chegado aos 100 dias de governo, o secretário que não apresentasse algum resultado o caminho era o da rua foi o governador Gladson Cameli. E o fez de forma reiterada. Então para todos, mais trabalho e menos faniquitos.

MOEDA DE DOIS LADOS

O ex-presidente do PT, André Kamai, disse em entrevista que o governo Gladson Cameli não é imune às críticas. Governo nenhum é. Pode é deve ser criticado. Mas falta legitimidade a quem foi avalista do desastrado último governo em se arvorar a apontar soluções para os problemas que deixaram.

REAPROXIMAÇÃO CLARA

Nomeações, visitas da cúpula petista, são sinais que estão a indicar uma reaproximação política da prefeita Socorro Neri com o PT. Até aqui vinha dando o seu perfil à sua gestão. Tenho as minhas dúvidas de que uma simbiose com um PT desgastado a ajude politicamente.

CONVERSA COM A IMPRENSA

O secretário de INFRAESTRUTURA ,Thiago Caetano, reúne a imprensa hoje ás 8 horas no Teatrão para fazer uma explanação sobre as ações da sua pasta e os projetos para executar. É um exemplo aos demais secretários de mostrar à opinião pública as metas das suas pastas.

CANDIDATO, SIM SENHOR!

Não sei os demais partidos da coligação que elegeu o governador Gladson Cameli, mas posso adiantar, porque já ouvi mais de uma vez do vice-governador Major Rocha, que o PSDB terá candidato a prefeito da capital. E já chegou aventar convite para filiação do Minoru Kinpara.

OUTRO PORTO

O ex-Reitor Minoru Kinpara, que teve uma votação estupenda na capital sem os recursos dos demais candidatos ao Senado, terá que buscar outro porto político, porque o REDE, seu partido, não atingiu a cláusula de barreira. E, ele tem de preservar o seu novo capital político.

NÃO ESCAPAVA UM

O vereador N.Lima (PSL), sem uma base jurídica, defende o impeachment da prefeita Socorro Neri, sob o argumento que a cidade está cheia de buracos em suas ruas. Se o vetor buracos fosse aplicado em todos os municípios, não escaparia um prefeito de perder o mandato.

MELHOROU A RESOLUTIVIDADE

As execuções continuam em patamares parecidos com o do governo passado, muito altas. Mas chama a atenção nesta nova gestão da segurança, o alto o grau de resolução dos crimes. E também que, os atos da secretaria de Segurança estão tendo uma divulgação ideal e célere.

UMA CORREÇÃO

O deputado Chico Viga é do PHS e a deputada Juliana Rodrigues do PRB. Fica a correção sobre nota que foi publicada com os nomes dos dois parlamentares. Foi um equívoco pela pressa.

CUMPRINDO UM RITUAL

O ex-prefeito de Rio Branco, Marcus Alexandre, que foi derrotado na disputa do governo, chega no horário para cumprir seu expediente na secretaria de INFRAESTRUTURA, e deixa o trabalho dentro do horário. Política, ideologia de lado, falo do cidadão: o Marcus é correto.

O POVO É QUE DÁ O TOM

O prefeito de Sena Madureira, Mazinho Serafim, não deve ficar preocupado sobre quem estará ou não estará no seu palanque no próximo ano, quando disputar a reeleição. Se a sua administração chegar em alta na campanha eleitoral, é irrelevante quem estará lhe apoiando.

POVO AVALIOU DIFERENTE

O deputado Jenilson Lopes (PCdoB) avalia que, o ex-prefeito Rodrigo Damasceno não foi tão mal na gestão da prefeitura de Tarauacá, mas errou na dose política. Há controvérsias. Se tivesse sido de fato um prefeito bom na gestão, bem avaliado, as urnas não lhe rejeitariam.

DENTRO DAS LIMITAÇÕES

Dentro das suas limitações oratórias e do nervosismo de início de mandato, o deputado Neném Almeida (PSD), tem sido muito participativo nos debates na ALEAC, na defesa do governo Cameli, ao ponto de ser dito pelos adversários que, quer derrubar o deputado Gerlen Diniz (PROGRESSISTAS) da liderança do governo.

É UM DESASTRE

Toda vez que um filho do Jair Bolsonaro ou a ministra Damares falam, é uma crise no governo ou chacota na imprensa. Deveriam ser proibidos de falar até o fim da gestão do presidente, seria a maior contribuição que poderiam dar para o sucesso da sua corrida para mudar o Brasil.

NÃO É A HECATOMBE

Falando no presidente Jair Bolsonaro, não vem sendo a hecatombe que os petistas previam, ao contrário, vem cumprindo exatamente o papel prometido na campanha e se cercado de bons auxiliares. Não se pode é exigir do Bolsonaro e seus ministros que cultuem os mitos petistas.

NÃO APOSTEM NO INSUCESSO

Não é pelo episódio controverso do carnaval que a competência da secretária de Turismo, Eliane Sinhasique, terá a sua gestão avaliada, mas pelo saldo futuro. O governo mal deu os seus primeiros passos. Conheço a Eliane de décadas, não aposte no fracasso da sua missão.

BOM PARA A DEMOCRACIA

Quando os debates na Assembléia Legislativa acontecem de forma dura, mas qualificada, como está ocorrendo neste início de legislatura, é bom para a população, porque se vê bem representada e para o governo, que vê os seus erros apontados. O pior que pode acontecer a um governador é ter um Legislativo sem uma oposição de qualidade, porque isso acontecendo, vai praticar atos danosos e todos ficarão a lhe dizer amém e sim senhor. Uma oposição forte, propositiva, é da maior importância no parlamento. É unanimidade entre os colegas de imprensa de que a atual composição do Legislativo tende a ser mais ativa, com mais debates importantes do que foi na última safra da ALEAC. A omissão tem de ser varrida.

Propaganda

Blog do Crica

Qual será o caminho da Socorro Neri? 

Publicado

em

A prefeita Socorro Neri é exemplar na condução dos recursos municipais. Na parte operativa já saiu do atoleiro da rejeição que tinha no início do ano por conta dos buracos nas ruas da cidade. Está com várias frentes de obras desde o começo do verão. Fez certo ao não optar por um trabalho porco no inverno para se livrar das críticas. Nesta batida da gestão vai se credenciando para disputar a reeleição. O seu dilema será sempre: busca um caminho de identidade política própria ou se junta às figuras carimbadas que foram destroçadas nas urnas na eleição passada? As pesquisas internas feitas por grandes partidos mostram uma rejeição muito alta das principais lideranças da esquerda. Colocar este pessoal no seu palanque tende a ser prejudicial à sua imagem. O ideal seria aceitar o apoio, mas desde que longe do seu palanque e do horário eleitoral. As figuras do governo passado se quiserem ajudar, deveriam fazer a opção de dar um apoio discreto e longe dos holofotes. Mas, duvido que aceitem!  Mas aí vem a pergunta: a Socorro terá força para fazer este tipo de enfrentamento necessário? É a grande dúvida. A prefeita Socorro tem hoje um perfil positivo na população de uma gestora prova, de alguém que faz obras com qualidade, que não faz politicagem para agradar. Se disputar a reeleição deve avaliar bem as alianças. Vou dar um exemplo ao inverso. O ex-prefeito Mauri Sérgio estava mal avaliado na população. Mas teve a grandeza de ajudar na campanha do Flaviano Melo à PMRB, se mantendo fora do palanque para não associar a sua rejeição ao candidato, que acabou ganhando. Só apareceu no dia da comemoração. A turma que estava no poder, atropelada nas urnas na eleição passada terá este desprendimento? Não sei! O comentário é uma avaliação pessoal do BLOG, não sei qual o caminho pensado pela prefeita Socorro, nunca conversei com ela sobre este assunto. Mas é uma decisão da qual não poderá se livrar. Cedo ou tarde.

O COLETIVO FALA MAIS ALTO

Quando se trata de beneficiar a população o partidarismo deve ser deixado de lado. E o caso da indicação feita ao governo pelo deputado Daniel Zen (PT), que pode baratear as contas de energia para cerca de 40 mil famílias. Pela indicação a faixa de consumo de 100 Kwh até 200 Kwh o ICMS cobrado será de 17% e acima de 200 Kwh o imposto será de 25%. Haveria uma renúncia de cerca de 8 milhões de reais pelo governo, mas o benefício às famílias pobres justificaria. São propostas como esta que o governo deve se debruça porque o universo a ser beneficiado é muito expressivo. Com a palavra, o Gladson Cameli.

GUERRA PERDIDA

A demissão do diretor da FUNDHACRE, Lúcio Brasil, sem nada que desabonasse a sua conduta, só pode ser entendida assim: ao atender ao pedido de demissão feito pela secretária Mônica Feres, o Gladson a prestigiou e desprestigiou o deputado José Bestene (PROGRESSISTA).

NÃO SEI O QUE ESTÁ POR TRÁS

Não me perguntem, porque não saberei responder, que mistério envolve a vinda da médica Mônica Feres para ser secretária de Saúde? Quem é o seu padrinho? Para peitar e derrotar o velho combatente deputado José Bestene (PROGRESSISTA) é por ela ter a costa muito larga.  

OLHO NA TRIBUNA

As atenções estarão todas voltadas para a tribuna da ALEAC na sessão de hoje. O deputado Bestene (PROGRESSISTA) vai reagir à demissão do seu indicado para atender a secretária de Saúde, Mônica Feres? É a pergunta que corria ontem solta nos bastidores da política.

NOVA CABEÇA ROLOU

Outra cabeça que rolou foi a do presidente da Comissão de Licitação, Marco Antonio. Este BLOG deu em primeira mão na semana passada que ele estava com a cabeça a prêmio. O próprio Gladson Cameli externou seu descontentamento com as licitações lentas do governo.

POSIÇÃO COERENTE

O ex-senador Jorge Viana (PT) tem uma posição coerente ante o ar irrespirável da capital, ao dizer que as queimadas não são DNA do atual governo, mas não se pode incentivar a prática. 

POLÍTICA DA PORTA ARROMBADA

Não adianta as autoridades ambientais estaduais fazer agora conclamação para o combate às queimadas, quando criaram todo um clima que não haveria punição a quem desmatasse.

VIROU PRAGA

Acessei ontem o FACE e vi registradas três reclamações de pessoas que tiveram os seus celulares roubados de dia. Todo mundo sabe onde se concentram os pequenos comércios de conserto de celulares e venda de acessórios. E se desconhece uma batida policial nesses lugares para exigir notas fiscais dos aparelhos que forem encontrados. Não se sabe a razão.

CALO QUE INCOMODA

O secretário de Segurança, Coronel Paulo César, tem feito um bom trabalho à frente da pasta, reduziu os índices da criminalidade, embora não se tenha ainda na capital a sensação de paz. Mas esta questão do roubo de celulares é um calo. E só se tira chegando à rede de receptação. 

COM UM PÉ ATRÁS

Quando vejo denúncias de supostas violências de policiais militares fico sempre com um pé atrás. Não embarco na canoa da condenação de pronto. É que já vi muita armação a respeito.

RESULTADO DO ARROCHO

 Novo Pronto Socorro de Rio Branco, recuperação da AC-40, pagamento dos calotes do governo passado e outras ações, tudo isso só foi possível pôr o governador Gladson Cameli ter dado um corte profundo nos gastos do Estado com pessoal na Reforma Administrativa.

ESTAVA PAGANDO PESSOAL

Caso o governo tivesse ouvido as vozes contra o enxugamento da máquina estatal e mantivesse a gastança do governo passado com pessoal, estaria hoje só pagando salário. As críticas –algumas neste BLOG – contra a equipe econômica ser rígida foram um equívoco.

FEZ O QUE ERA PARA SER FEITO

É hipocrisia condenar a polícia por matar um bandido que manteve no Rio de Janeiro dezenas de pessoas reféns e sob terror num ônibus. A polícia fez o que era para fazer nestes casos.

AINDA BEM

Os deputados do MDB correram ontem para se explicar que, eles não estão tramando a queda do secretário da SEINFRA, Thiago Caetano. E lhe teceram elogios. De fato não estão. Mas o mesmo não se pode dizer de empresários ligados ao partido, que querem obras. Esquece que a caneta que determina não está na mão do Thiago, mas do governador Gladson Cameli.

 NÃO SE GANHA ELEIÇÃO NO PAPO

Vejo com simpatia que um jovem qualificado como o Márcio Pereira se lance candidato a prefeito de Plácido de Castro. Antes de falar de seus planos terá de montar uma boa chapa de candidatos a vereadores e ter estrutura de campanha. Só na conversa macia pega uma balsa.

COMO CHORAM OS PETISTAS!

Vamos descer do palanque. A eleição presidencial não terá um terceiro turno. Eleição para a presidência agora só em 2022. Como chora esse pessoal do PT, contra os atos do Bolsonaro! Não sejam ingênuos, a pauta do Bolsonaro, atrapalhada ou não, é voltada ao seu público.

JOGA NO RALO A EXPERIÊNCIA

O deputado Edvaldo Magalhães (PCdoB) está coberto de razão, o concurso do DEPASA vai jogar no ralo a experiência acumulada em décadas por servidores antigos. A experiência deveria ter um peso no Edital do concurso. O clima é de terror entre os velhos servidores.

PUXA-SACO ATRAPALHA

Para a deputada Antônia Sales (MDB) o que tem atrapalhado o governo do Gladson Cameli é o de estar cercado de uma legião de puxa-saco, a quem tem dado ouvido. Alertou que ao final do governo o que vive de puxar saco é o primeiro a abandonar o barco de olho no sucessor.

POR QUAL RAZÃO NÃO VIU ANTES?

O fechamento de salas do EJA e demissão de professores, fato confirmado pelo secretário Mauro é um retrocesso na Educação. Alega para o golpe educacional o limite da Lei de Responsabilidade Fiscal. Por qual razão não viu isso antes de contratar os professores no início do ano? O resultado é que este é mais um desgaste a ser colocado no colo do governador.

NÃO PERDE O FOCO

O deputado federal Alan Rick (DEM) não perde o foco na sua luta a favor dos médicos brasileiros formados na Bolívia. Voltou a defender no Ministério da Educação a realização do Revalida em duas fases acontecendo semestralmente. Ninguém mais que o Alan está nesta luta. Uma pena que não se veja o restante da bancada federal engajada na luta justa.

QUE DISCURSO MAIS ATRAPALHADO!

Deputado Roberto Duarte (MDB), este seu discurso que o MDB não tem espaço no governo não se sustenta. Às secretárias Maria Alice e Eliane Sinhasique integram o diretório do seu partido, assim como o diretor Pádua Bruzugu. Como é que o partido não se sente no poder?

QUEM ESCOLHE É QUEM GOVERNA

Não se pode é inverter a ordem do poder. Quem ganhou o governo foi o Gladson Cameli e é prerrogativa exclusiva sua a de escolher entre os partidos aliados quem quer como secretário.

SÓ FALTA ISSO

 Por este tipo de discurso do deputado Roberto Duarte (MDB) o MDB só vai se sentir com espaço no governo se o Gladson Cameli entregar a cadeira do seu gabinete para o deputado federal Flaviano Melo (MDB) sentar, e dizer quem deve ou não ser nomeado? É isso?

Continuar lendo

Blog do Crica

Marcus Alexandre: “Não tenho como pagar as dívidas da campanha”

Publicado

em

O ex-prefeito Marcus Alexandre, candidato do (PT), derrotado na última eleição para o governo do Estado, disse ontem ao BLOG DO CRICA que, não tem como pagar a dívida de campanha contraída com a Companhia de Selva, no valor de 350 mil reais, valor divulgado pela empresa, através do marqueteiro David Sento-Sé. “Não tenho bens, vivo do meu salário como funcionário do Estado. Nós perdemos a eleição e ficou tudo mais difícil. Você sabe como as coisas funcionam quando não se ganha uma eleição”, enfatizou.  Marcus revelou que este desequilíbrio nas contas da campanha petista tem um componente que não pode ser esquecido, o de que foi feita uma programação de gastos, e que depois foi reduzido o repasse pela direção nacional do PT, o que gerou problemas no fluxo do caixa da campanha. Na sua avaliação o PT tem co-participação na dívida, mesmo os gastos tendo sido computados no CPF do candidato. Diz que não sabe como este montante será resolvido. “O que eu sei é que o presidente do PT, Cesário Braga, vem negociando com credores com dívidas de menor valor, os valores altos, não sei como serão acertados”, pontuou Marcus. Pelo visto, o desfecho será na justiça. O PT não viveu o seu calvário na última derrota, está começando a viver agora fora do poder.

NÃO SOU DO QUANTO PIOR MELHOR  

Perguntei ao ex-prefeito Marcus Alexandre o que estava achando do governo Gladson. “Ninguém vai me ouvir atacando o governo, criticando por criticar, como morador no Estado não sou do quanto pior melhor, torço para que dê certo”, revelou ao BLOG DO CRICA, na sua primeira entrevista depois da derrota petista na campanha. Não definiu o seu futuro político.

VISÃO SEM RANCOR

Diferente da maioria da cúpula petista, que no poder babava rancor contra adversários, eu não avalio os políticos pelo seu partido, pela sua ideologia, posso até contestar, mas respeito quando vejo qualidade numa pessoa que tem idéias diferentes da minha. A minha visão do Marcus é que ele é um cidadão honrado. Pouco importa a sua ideologia. Ou de que partido é.

SEM O DUALISMO IDIOTA

A política não pode ser vista pelo dualismo idiota que a maioria da cúpula do PT pregou quando estava no poder: “é do meu lado, presta; não é do meu lado, não presta”. Em todos os partidos têm pessoas de caráter e pessoas canalhas. E os partidos são compostos por pessoas.

O JOGO BRUTO DE CRUZEIRO DO SUL

A eleição para a prefeitura de Cruzeiro o Sul deve ser uma das mais conturbadas e disputadas do próximo ano, com um componente diferente: a briga pelo poder não será com um candidato dos partidos da aliança do PT, mas, ela será travada no campo dos aliados do governo estadual, entre os grupos do ex-prefeito Vagner Sales e do prefeito Ilderlei Cordeiro.

CAMELI NÃO FICA NO MURO

 E neste contexto de acirramento o governador Gladson Cameli tem sido muito firme na sua posição política: “o meu candidato a prefeito será o Ilderlei Cordeiro, por ser do meu partido e por estar realizando um bom trabalho na prefeitura”. A declaração do governador tem um peso fundamental, por dois aspectos: Cruzeiro do Sul é um dos seus principais redutos e está à frente da máquina estadual, com tentáculos naquele município.

APOIO QUE FORTALECE

O posicionamento público do Cameli é sim um fato a ser comemorado pelo prefeito Ilderlei Cordeiro, tê-lo no seu palanque é um ganho político que lhe fortalece. Disputar a reeleição com o apoio do governo e no comando da máquina municipal é uma situação que, não decide a eleição a favor do Ilderlei, mas favorece. A sua gestão se recuperou do desgaste inicial e pode chegar em 2020, ainda melhor avaliada. Já o grupo do Vagner, depois de muitos anos disputará uma eleição fora do poder. Será, talvez, o maior desafio político da sua carreira.

É MUITO NATURAL

E na composição de forças para a disputa eleitoral será natural que os partidos aliados do campo do governo se engajem no apoio ao prefeito Ilderlei. Todos estão com cargos na máquina estatal e vão formar no pelotão comandado pelo governador, até para lhe agradar. 

FUMACEIRO INCENTIVADO

Nos anos anteriores, nesta época, a cidade estava tomada pela fumaça, é hipocrisia dizer que isso é novidade este ano. O erro foi a secretária do Meio-Ambiente e o IMAC terem alardeado anistia aos multados por crimes ambientais, o que incentivou o aumento das queimadas.

INÊS É MORTA

Não adianta agora, depois da porta arrombada, o secretário Israel Milani vir para a imprensa anunciando medidas de combate às queimadas, pedindo que se denuncie, pois, Inês é morta.

O QUE É POLÍTICA!

Vi muitas vezes a correria de pessoas querendo uma foto o lado do Jorge Viana e para pedir autógrafo. Quando chegava a um lugar era um Pop-Star. Nada mais dinâmico do que a política. O seu nome aparece em recente pesquisa interna para a PMRB, como o de maior rejeição.

RECUPERAÇÃO LENTA

E olhe que o Jorge Viana é ainda o nome de maior projeção do PT, no Acre. A alta rejeição, a maior entre os nomes simulados, e a aceitação baixa, na pesquisa encomendada por um partido político, mostra que a aversão ao PT continua forte e sua recuperação será lenta. O JV paga sem culpa o preço, pelo fracasso dos últimos quatro anos do governo petista. Colou nele.

EXPLICANDO O FATO

O vice-governador Major Rocha disse ontem ao BLOG DO CRICA que, no episódio da cassação do ex-prefeito Vagner Sales e do prefeito Ilderlei Cordeiro, não armou a gravação, ressaltou que a sua participação foi a de um cidadão que viu um crime eleitoral e denunciou à PF.

PODEM GUARDAR A CERVEJA

Falando neste episódio, os dirigentes do MDB podem guardar a cerveja para comemorar a realização de uma nova eleição para a prefeitura de Cruzeiro do Sul como alardeiam, porque esta é uma briga jurídica que ainda vai longe e pode até acabar na absolvição do Ilderlei.

VÃO LEVAR UM PAU

Tenho ouvido dirigentes dos partidos do campo do governador Gladson Cameli anunciar candidaturas para disputar a prefeitura de Xapuri no próximo ano. As últimas pesquisas mostram o prefeito Bira Vasconcelos (PT) bem avaliado. Se a oposição não se unir leva pau.

EQUAÇÃO FÁCIL

Além do PT ter uma boa parcela dos eleitores de Xapuri que sempre vota em seus candidatos a prefeito, perdendo ou ganhando, ter vários candidatos a enfrentar é tudo que o prefeito Bira pede a Deus. A equação é fácil: com vários candidatos a oposição enfraquece e o fortalece.

NÃO APOSTEM EM RUPTURA

O governador Gladson Cameli tem ressaltado com quem conversa que está numa afinação política perfeita com o vice Major Rocha. “Tudo o que faz, ele me consulta”, revela Cameli.

APOSTA PERDIDA

No início do governo o que mais se via no meio político eram apostas em quantos meses o vice-governador Major Rocha iria brigar com o governador Gladson. E davam como argumento o gênio explosivo do Rocha, mas pelo andar da carruagem, quem apostou na briga, perdeu.

O TEMPO ENSINA

O vice-governador Major Rocha vem de mandatos de deputado estadual, de deputado federal e, embora combativo, amadureceu muito e hoje veste o paletó do “Rochinha Paz e Amor”. Mas, o adversário não pise nos seus calos, nem tente lhe pôr no canto do ringue.

QUEM NÃO ESTÁ DO MEU LADO, NÃO COME DO MEU PIRÃO

O prefeito de Plácido de Castro, Gedeon Barros agiu de forma certa ao demitir os ocupantes de cargos de confiança do MDB da sua administração. O MDB terá candidato próprio a prefeito do município, manter seus dirigentes na gestão, seria como criar cobra para ser picado.

PRINCÍPIO POLÍTICO

É uma das máximas da política: quem não está comigo, está contra mim. Foi aplicada ao MDB.

MELHOR ENTREGAR AO ADVERSÁRIO

Caso o Gladson atenda o pedido ou pressão de empresários do MDB, partido que na ALEAC é um dos mais ferozes algozes da sua administração, para tirar o secretário Thiago Caetano da SEINFRA e pôr alguém do grupo, se enfraquece, e é melhor entregar o governo ao adversário.

COMANDANTE FORTE, EXÉRCITO FORTE

Um secretário não deve ficar no cargo quando não está dando conta do recado, quando chovem reclamações contra ele, quando não se afina nas pautas do governo, agora, tirar do cargo por politicagem, por pressão, isso não deve ser feito. Comandante forte, exército forte.

NÃO É NADA PESSOAL

Por favor, não é nada pessoal, nem a conheço, mas a secretária de Saúde, Mônica Feres, causa tanta confusão para o governo que não há como deixar de comentar. Como no caso da demissão do psiquiatra que dirigia o HOSMAC, sem nenhum sentido. Se falta de tudo naquele hospital a culpa é da Secretaria de Saúde, que é quem teria de passar recursos à unidade.

 

  

Continuar lendo
Propaganda

Leia Também

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.