Conecte-se agora

Galvez é derrotado pelo ABC e também é eliminado da Copa

Publicado

em

Valendo uma vaga na segunda fase da Copa do Brasil, o ABC-RN venceu o Galvez por 1 a 0, nesta quarta-feira (13), na Arena da Floresta, em Rio Branco, no Acre. Aos 29 minutos da etapa final, o acreano Neto, fez o único gol da partida de pênalti. Para o Imperador, só a vitória interessava, já que a vantagem do empate era do time visitante. Apesar de ter criado boas chances de gol durante o jogo, o Galvez não conseguiu balançar as redes do Alvinegro.

O ABC-RN avança para a segunda fase da Copa do Brasil e encara o Moto Club-MA ou Vitória na segunda fase da competição. O Galvez está desclassificado e volta as atenções para o Campeonato Acreano.

O Galvez volta a campo pelo Campeonato Acreano neste domingo (17), contra o Rio Branco-AC, às 17h30 (do Acre), na Arena da Floresta. Já o ABC-RN encara o CRB pela Copa do Nordeste, no sábado (16), às 16h (de Natal), no Frasqueirão, no Rio Grande do Norte.

O Jogo – A primeira chegada com perigo foi do ABC, aos quatro minutos. Após cruzamento pelo lado esquerdo de ataque, a zaga do Galvez não fez o corte totalmente, Xavier pegou a sobra e finalizou em cima da defesa. A bola saiu em escanteio. O time potiguar chegou novamente, dessa vez em bola parada, aos 10. Ivan cobrou a falta direto para o gol e Máximo fez a defesa em dois tempos. Os visitantes pressionavam e Wanderson obrigou Máximo a trabalhar, após invadir a área e finalizar rasteiro. O goleiro do Imperador fez a defesa no canto direito e mandou pela linha de fundo. Novamente no ataque, o ABC desperdiçou grande oportunidade com Eder. O camisa 11 finalizou, mas mandou por cima da trave de Máximo. O Galvez assustou pela primeira vez aos 21. Ciel cobrou falta direto pro gol e Edson fez a defesa e mandou para escanteio. O ABC respondeu logo em seguida.

Após cruzamento, a defesa do Imperador não cortou e Wanderson tentou de voleio no meio da área e Máximo teve que se esforçar para mandar a bola para a linha de fundo. O ABC assusta mais uma vez com Anderson Pedra, aos 30. Após cobrança de escanteio, o camisa 5 subiu junto com a defesa do Galvez e cabeceou com perigo, pela linha de fundo. O Imperador voltou a incomodar o goleiro Edson, aos 34 minutos. Adriano recebeu pelo lado direito de ataque, levou para o meio e arriscou o chute. O camisa 1 do ABC se esticou e defendeu parcialmente, mas depois se esforçou e ficou com a bola antes da chegada do atacante do time acreano. O Galvez melhorou no jogo, adiantou a marcação e começou a pressionar o ABC a partir do campo ofensivo. Os visitantes diminuíram o ritmo, deram mais espaço pro Galvez trabalhar a bola, mas os donos da casa erravam muito na passagem do meio para o ataque e pouco produziram para levar perigo ao gol de Edson e o primeiro tempo terminou sem gols.

A etapa final começou bastante brigada. Os dois times tentando chegar ao gol, mas pecando muito no último passe. O ABC, apesar da vantagem do empate, não ficava apenas se defendendo e tentava ir ao ataque. No entanto, o individualismo excessivo na parte final do campo atrapalhava a conclusão das jogadas. O Galvez pouco conseguia construir ofensivamente. Aos 29, o ABC teve um pênalti a favor. Após cobrança de falta, Máximo deu rebote e na sobra acabou disputando a bola com o atacante da equipe potiguar e o árbitro marcou pênalti. Na cobrança, o acreano Neto bateu no canto direito do goleiro do Imperador, que foi para o lado esquerdo, e abriu o placar, aos 30. Aos 36, Ivan evitou o empate do Galvez embaixo da trave. A bola ficou com Jeferson na entrada da pequena área, o camisa 20 finalizou de pé direito, que não é o bom, e o lateral-direito aliviou o perigo. Precisando virar o placar o Galvez se lançou ao ataque, tentou pressionar, mas sem organização e com pouca inspiração, não teve êxito. O ABC, quando tinha a posse de bola valorizava a vantagem e fazia o tempo passar. O Galvez não conseguiu furar o bloqueio defensivo potiguar, o árbitro apitou o fim da partida e o ABC volta para Natal (RN) com a vaga garantida na segunda fase.

Propaganda

Destaque 7

Laudo confirma que água de gabinete de prefeito estava contaminada com soda cáustica

Publicado

em

FOTO: G1 - ACRE

Ao menos parte do mistério envolvendo a suposta tentativa de envenenamento registrada há uma semana na Prefeitura de Manoel Urbano chegou ao fim. O laudo pericial da apontou que a água encontrada na geladeira do gabinete da prefeitura tinha hidróxido de sódio, ou seja, soda cáustica.

FOTO: G1 – ACRE

O delegado Rêmulo Diniz, responsável pela investigação, contou, nesta semana, que foi solicitado um exame amplo para identificar qual substância teria sido usada para contaminar a água, já que a polícia não tinha certeza de que produto seria. Na sexta-feira, o resultado do exame feito pelo Instituto de Análise Forense foi entregue a Polícia Civil.

Entenda o caso

Na quarta-feira, 6, o prefeito de Manoel Urbano, Tanízio Sá, acionou a polícia para que investigasse uma tentativa de envenenamento que ele acredita ter sofrido. Contudo, a vítima foi uma servidora da prefeitura que ingeriu a água que estava na geladeira do gabinete do prefeito.

O envenenamento se deu quando a funcionária, que não teve o nome divulgado, bebeu a água que estaria com algum produto que a fez passar mal. A servidora foi encaminhada ao hospital do município.

Na ocasião, câmeras de segurança da parte interna e externa da prefeitura foram consultadas para verificar possíveis suspeitos.

No dia seguinte, quinta-feira, 7, o prédio da administração municipal foi invadido durante a madrugada. De acordo com depoimento do prefeito a reportagem do ac24horas, do local foram furtados um notebook, que ele utilizada para os serviços relativos à prefeitura, tais como a folha de pagamento dos servidores e ainda o HD das câmeras de segurança do local.

Tanízio Sá disse, na época, que o fato não o deixava abatido. “Uma coisa que não tenho na minha vida é medo. Vim para cá com um propósito e vou cumprir minha missão, doa em quem doer. Estou firme. Vou continuar o que tenho que fazer. Quem fez isso vai ser penalizado”, declarou o prefeito.

O prefeito cogitou que as ações poderiam ser uma tentativa de intimidá-lo, tendo em vista que, recentemente, ele demitiu servidores contratados por meio de concurso público alegando superfaturamento na folha de pagamento do município. A situação, de acordo com a gestão, estaria ferindo a lei de responsabilidade fiscal.

Continuar lendo
Propaganda

Leia Também

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.