Conecte-se agora

Eleição da Fieac leva empresários a jogo de intrigas e acusações

Publicado

em

A Sede da Federação da Indústria do Acre (Fieac) na próxima segunda-feira, 14, poderá ser palco de uma “guerra” entre dois homens que sempre tiveram seus interesses em comum alinhados por muitos anos, mas que nos últimos meses se tornaram adversários por divergências políticas que ultrapassam o cenário da boa convivência e poderá gerar um desgaste nunca antes visto entre seus pares. Trata-se da disputa eleitoral para comandar a Federação pelos próximos 4 anos travada entre dois dos maiores empreiteiros do Acre, os empresários José Adriano, dono da MAV Construtora, e João Francisco Salomão, proprietário da Eleacre Engenharia.

Atual presidente nos últimos 4 anos e ex-presidente da Federação por 8, respectivamente, Adriano e Salomão travam uma guerra silenciosa nos bastidores do mundo empresarial e da política de olho num orçamento milionário para gerir a Fieac e de quebra ainda manter influência sobre o Sistema FIEAC que é composto pelo SESI, SENAI, IEL e sindicatos patronais da indústria do Acre.

Para isso, ambos correm atrás de conseguir a maioria de votos dos dez sindicatos ligados a indústria por meio de seus representantes. Cada sindicato vale um voto e atualmente esse eleitorado é composto pelo Sincepav – Sindicato da Indústria de Construção de Estradas, Pavimentação e Obras de Terraplenagem, Sincon – Sindicato da Indústria de Confecções e Correlatas, Sindigraf – Sindicato das Indústrias Gráficas, Sindmineral – Sindicato da Indústria de Areia, Argila e Laterita, Sindmoveis – Sindicato da Indústria de Móveis, Sindoac – Sindicato da Indústria de Olaria, Sindpan – Sindicato da Indústria de Panificação e Confeitaria, Sindusmad – Sindicato da Indústria de Serrarias, Carpintarias, Tanoarias, Madeiras Compensadas e Laminadas, Aglomerados e Chapas de Fibras de Madeiras, Sinpal – Sindicato da Indústria de Produtos Alimentares e Sinduscon – Sindicato da Indústria de Construção Civil, onde Adriano e Salomão iniciaram a militância política-empresarial.

A influência de José Adriano, atual presidente, ainda é forte, mas o candidato à reeleição perdeu uma das grandes parceiras de trabalho, a vice-presidente Adelaide de Fátima, do sindicato das madeireiras, que o substituiu no período eleitoral em 2018 e foi cabo eleitoral forte durante a campanha do empresário da construção civil a uma das 8 cadeiras do Acre na Câmara Federal que não logrou êxito, onde o ele conseguiu 6.858 votos. Mesmo com essa baixa, Adriano afirma que dos 10 votos, ele teria seis, e que teria isso devido o trabalho desenvolvido nos últimos 4 anos focando na valorização da representatividade empresarial, “tratando todos com igualdade”, disse, insinuando ainda que seu concorrente seria o candidato do governo.

Na outra ponta, também se colocando como detentor de seis votos, Salomão diz que está se candidatando a pedido de empresários e sindicatos. Ele alega que é bom trabalhar junto com o governo, apoiando e acompanhando, mas sem “politizar” a instituição, sabendo que dentro dela há empresários que têm visões diferente nesse campo. Negando que seja o candidato do governador Gladson Cameli, o empreiteiro diz que tem apenas o interesse de trabalhar pela classe, “sem interesses políticos por trás” e acusa seu adversário de querer usar a Fieac para fins políticos, de olhos nas eleições de 2022. “Nada contra, mas ele quer ser prefeito de Rio Branco. Quem me disse isso foi o Luis Tchê, presidente do PDT”, o que é negado por Adriano: “Não existe esse cenário, até porque eu respeito a prefeita Socorro Neri e entendo que ela é uma forte candidata a reeleição. Essa hipótese é descartada”.

JOSÉ ADRIANO EM FOCO

Ao ac24horas, Adriano revela que existe uma tentativa de alguns representantes de sindicatos em “impeachmar” presidentes que estão alinhados com a atual gestão. “Hoje elas estão sendo colocados em xeque devido alguns sindicalizados , dissidentes de nossa proposta, se organizam em movimentos para tentar destituir o direito desse presidente de votar, que garantiu esse direito pela eleição no sindicato dele, ou seja, é praticamente uma tentativa de impeachmar esse presidente. Hoje são três sindicatos, o gráfico, confecções e cerâmico que estão fazendo isso, mas como não tem base jurídica para fazerem isso, até porque tem que ser dado o direito do contraditório. Até agora nenhum deles ingressaram com nada na justiça, apesar de terem feito as reuniões deles na marra”, disse.

O candidato a reeleição afirma que a chapa de Salomão não tem proposta para a classe trabalha na base da intimidação. “Eles não tem proposta para trabalhar pela federação. Todos os diálogos com os presidentes dos sindicatos e associados é na base da intimidação alegando que o governo pode atrapalhar as pessoas, atrapalhar os empresários. Não existe uma proposta para construir políticas públicas”, denuncia Adriano sobre as movimentações no bastidores e afirma que sua gestão em 4 anos fez mais do que a de Salomão em oito. “Quando eu assumi a gestão, nossas instituições eram deficitárias. Fizemos uma reestruturação e hoje estamos trabalhando para ter superávit. Com isso estamos fazendo uma reestruturação em nossas sedes que devem ser concluídas ainda este anos”, diz.

Adriano revela que sua gestão quebrou o monopólio de apenas um sindicato dominar a gestão, o que causaria medo a Salomão e seu grupo. “O que mais me motiva a entrar nessa disputa é devido a abertura que eu dei aos dirigentes de sindicatos. Isso amedrontam eles [Salomão e seu grupo], desse empoderamento dos sindicatos, que lá na frente podem lançar candidatos a presidente da Federação também. A Fieac sempre teve presidentes ligados a construção civil , então eles temem essa situação. Eu não sou a favor que um sindicato tem que dominar a federação. Essa é uma das propostas que trabalhei e trabalho, que é aproximação dos sindicatos e a igualdade entre eles”

Se dizendo aberto ao diálogo, o presidente diz que teve e tem relacionamento institucional com governo e prefeituras independente de partidos políticos. “Trabalhei também o relacionamento institucional com prefeituras e governo. Independente de quem ganhe a eleição, o presidente tem que ter boa relação com o governo. As pessoas confundem muito a pessoa física da instituição. No meu caso nunca houve isso. No passado era assim. Os ex-presidentes da Fieac para não desagradar ao governo se escondiam para não atender políticos ligados a oposição. Isso nunca ocorreu comigo, sentei com todos. Recebi o presidente Michel Temer, fui condecorado pelo governo de Goiás, Marconi Perillo. justamente por fazer esse tipo de trabalho aberto e diplomático e quando resolvi ser candidato, fui convidado pelo PSDB do atual vice-governador Major Rocha, para disputar as eleições. Então eu sempre me dei bem com todos, apesar dos governos do PT estarem no poder na época. Eu não posso ser acusado de ter partidarizado a federação. Isso não cabe. Aquilo foi um momento, assim como o governador Gladson já foi da Frente Popular”, disse Adriano ao afirmar que as questões políticas são levantadas por não terem como acusá-lo de má gestão. “Essa briga nessa eleição vem gerando atrito entre nossos diretores num ambiente que sempre foi harmonioso”, lamenta.

JOÃO FRANCISCO SALOMÃO EM FOCO

Ao ac24horas, João Francisco Salomão afirma que sempre houve disputas eleitorais no âmbito da federação, mas não tão acirradas como o pleito de 2019. Segundo ele, “existem vários interesses por trás desse acirramento”.

“Houve disputas no passado, mas não eram políticas. Eram disputas empresariais. Essa nova eleição eu mesmo não tinha mais interesse em voltar a ser presidente. O Adriano fez uma opção política. A gente conversou lá atrás antes de ele ser candidato a deputado federal que isso ai ia tornar a federação política e não seria bom. E correríamos o risco de ter uma resistência muito grande caso ele perdesse e ficasse desalinhado com atual governo”, explica Salomão, afirmando que seu adversário “só tem interesse político”.

“Ele só tem interesse político. Não é interesse empresarial. O que ele quer é a prefeitura de Rio Branco. Isso ai quem falou para mim foi o Tchê, o deputado Luis Tchê, presidente do PDT, a qual o Adriano faz parte. Eu não tô inventando. Eu acho normal, o Adriano não foi eleito, mas foi bem votado. Ele tem um patrimônio político, então ele tem que seguir a carreira política, mas não dá para misturar a política com o empresário. Até porque num Estado igual o nosso, embora a Federação seja política, o foco é fazer política para o interesse da classe e não política partidária”, observa Salomão.

Afirmando que foi incentivado por empresários a entrar na disputa pela presidência da Fieac, Salomão diz que tem como objetivo manter boas relações com atual governo, o que ele considera que Adriano não terá. “Os empresários de vários setores me procuraram , viram a situação como preocupante, porque, veja bem, o governo é atual é de um partido, o Adriano é de outro. São adversários políticos. Então como é que a Federação ia sentar com o governo, com o seu secretariado para reivindicar melhorias para o sistema industrial , propostas, enfim, ficaria muito difícil”, argumenta.

Ainda em sua entrevista, Salomão acusa Adriano de antecipar as eleições ao alterar o Estatuto da Federação. “Ele fez tudo legalmente, alterou o estatuto, antecipou as eleições. A eleição seria mais ou menos entre maio e junho deste ano. Ele antecipou justamente para tentar evitar pegar o atual governo de fato no poder, propositalmente ele fez essa jogada entre o natal e ano novo, para dificultar qualquer outra pessoa a concorrer com ele. Quando me procuraram, o Adriano já tava com a chapa formada, com os 10 sindicatos com ele”, diz

Salomão afirma que quem apoia Adriano são os presidentes dos Sindicatos, não os setores. “Os setores se reuniram e decidiram que não dava para ficar contra o governo. Nós não precisamos ser submissos ao governo, mas precisamos estar alinhados. Como eu fui alinhado com todos os governos do PT, eu sei o quanto isso é importante. O Adriano só tá pensando nele, de barganhar, com isso pode expor todos nós criando um briga política usando a Fieac como palanque”, disse.

Salomão revela que antes do pleito tentou um acordo com Adriano, onde ambos abririam mão da candidatura e chegariam a um consenso quanto a outro nome para a presidência, mas a proposta não obteve êxito. “Eu propus isso para ele. Ele nunca propôs isso, mas ele nunca quis abrir porque ele só pensa nele. Eu topo qualquer acordo, mas desde que ele não seja presidente por ele ser político. Não dá para um cara que é político, tem interesses partidários, ficar a frente da Federação. O problema do Adriano não vai ser só com o governador. Vai ser com os três senadores, é com oito deputados federais. Ai ainda tem a indústria no meio com o governo federal de olho nas verbas do Sistema S. Quem vai defender isso são os senadores e deputados. Como é que o Adriano vai chegar no adversário dele e pedir apoio?”, questiona o candidato.

O candidato nega que seja o candidato do Palácio Rio Branco. “Eu sou candidato da Indústria. Claro que sou amigo do Gladson. Eu era amigo do Tião, era do Jorge. Eu fui presidente dois mandatos Fui presidente nos períodos do PT. Não quer dizer que eu era partidário, mas eu era alinhado. Como eu vou ficar em atrito em nosso Estado em que as empresas dependem do governo? Depende de leis, depende de licenças, depende de processos simplificados. A gente não pode ser contra o governo’, explica, afirmando que tem a confiança do empresariado, “que estão alinhados com o governo. O governo não tem nada contra mim”, enfatizando que o governo de Gladson focará no agronegócio e industrialização “e a federação tem que tá junto”.

salomão ainda rebate afirmação de Adriano que a atual gestão seria muito mais produtiva do que as anteriores. “Se ele fosse produtivo, os empresários não teriam me procurado. Eu nem teria sido candidato. Ele tava reeleito. Ele foi produtivo para alguns presidentes de sindicatos. Ai para os caras foram. Agora para os empresários , nem a lei de incentivo do mandato dele, conseguiu renovar. Ele não fez nada para os empresários”, enfatiza ao afirmar que tem a maioria ao seu lado e que um dos grande problemas de Adriano foi ter adquirido empréstimos de mais de R$ 10 milhões para reformar sedes. “Como vamos manter essa estrutura depois? Tudo tem um custo”.

Salomão propõe a elaboração de uma planejamento estratégico para alinhar o futuro da Instituição. “Eu particularmente acredito muito que devemos alinhar com governo, agronegócios e indústrias e buscar destravar muitas leis incentivos que estão prejudicando os sindicatos e empresariado”, propõe e ainda critica a gestão de Adriano pelo fato dos distritos industriais do Acre estarem tomados por buracos e abandono. “Na minha gestão isso não ocorria”.

Apesar de toda intriga e troca de acusações, Salomão se coloca ainda aberto para um acordo com Adriano. “Se ele me ligar nesse domingo ou mesmo na segunda, antes da votação, para nos alinharmos, eu tô aqui para ajudar”.

Questionado pela reportagem sobre um áudio que circula nas redes sociais onde um emissário do governo tenta supostamente intimidar um empresário para que não vote em Adriano, Salomão disse desconhecer tal situação. “Não acredito que o governo se sujeitaria a algo desse tipo. O que se tem é muita conversa. O que é fato é que o Adriano juntou esse processo de eleição entre natal e ano novo. Deu férias coletivas para os funcionários . Nós não tínhamos acesso a nada da Fieac. Isso é eleição. Os caras jogam com o que tem em mão”, disse.

De acordo com apuração do ac24horas, o áudio em questão foi encaminhado a Polícia Federal e ao Ministério Público para que averigue a situação. Ouça o trecho do áudio:

Propaganda

Destaque 6

Acre é o terceiro estado com a maior taxa de desemprego no país

Publicado

em

Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira, 16, apontam que o desemprego cresceu em 14 das 27 unidades da federação no 1º trimestre. Nesta pesquisa, o Acre aparece como o terceiro estado que apresentou maior taxa de desemprego no país, com 18,0%.

O Acre só ficou atrás do Amapá (20,2%) e da Bahia (18,3%). Em comparação com o 4º trimestre, as maiores variações foram registradas, também, no Acre, com 4,9 pontos percentuais (p.p.).O desemprego no trimestre encerrado em março é o maior desde o trimestre terminado em maio de 2018.

Já a menores taxas foram registradas em Santa Catarina (7,2%), Rio Grande do Sul (8,0%) e Paraná e Rondônia (ambos com 8,9%). Nos demais estados, houve estabilidade.

Menos 317 postos de emprego

No mês passado, o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgou que o Acre registrou queda na geração de empregos formais no mês de março de 2019. O estado perdeu 317 postos de emprego formal no final do primeiro trimestre do ano, com 1.858 admissões contra 2.175 demissões.

Segundo a pesquisa, o setor de comércio foi o que mais puxou essa perda, com 292 postos a menos no mês avaliado. Rio Branco foi a que mais perdeu postos formais de emprego, com 220 vagas a menos. Tarauacá também teve um saldo negativo de 16 postos e Sena Madureira com cinco vagas a menos. Já Cruzeiro do Sul apresentou um saldo positivo de 11 novos postos de emprego.

Continuar lendo

Destaque 2

Ranking da indústria põe o Acre como menos dinâmico da economia brasileira

Publicado

em

O primeiro Índice FIEC de Inovação dos Estados traz o Acre como o Estado menos inovador do Brasil. Além de ser o último no ranking geral, o Acre amarga a 24ª posição no Índice de Capacidades e a 27ª posição no Índice de Resultados, consolidando o já antigo status de Estado menos dinâmico da economia brasileira.

O Indíce FIEC de Inovação dos Estados está sendo construído pela Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC), vinculada à Confederação Nacional das Indústrias (CNI). O Índice FIEC de Inovação dos Estados é dividido em duas áreas, Capacidades e Resultados, as quais avaliam tanto o ecossistema de inovação quanto a inovação em si. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira (13).

O conjunto de indicadores que formam o Índice representam os aspectos e as capacidades essenciais para o desenvolvimento dos estados brasileiros, de modo que esses, quando postos em conjunto, constroem a base para o crescimento da competitividade e produtividade estadual.

Muito ao contrário do Acre, São Paulo é o primeiro do ranking, líder em Investimento Público em Ciência e Tecnologia e Competitividade Global em Setores Tecnológicos. Mais ainda, SP está entre os quatro primeiros colocados em todos os indicadores analisados.

Os dados são públicos e o espaço para manifestações acerca de seu conteúdo estão aqui assegurados.

Continuar lendo
Propaganda

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.