Conecte-se agora

Após operação da PF, Capixaba fica sem medicamentos básicos

Publicado

em

Os moradores de Capixaba, no interior do Acre, ficaram sem medicamentos básicos na Farmácia Pública da cidade. Após a Operação Ícaro, deflagrada pela Polícia Federal, e que afastou o prefeito da cidade, José Augusto (Progressistas), a empresa que fazia o fornecimento não foi mais procurada pelo prefeito interino, Antonio Lima, que assumiu o posto.

Em meio aos escândalos de corrupção, quem mais sofreu foi a população. Sem remédios básicos como os de diabetes e para o controle da pressão alta, os populares que não têm condições de comprar os remédios nas drogarias privadas ficam à mercê da boa sorte, sem o auxílio do município. Uma das prejudicadas é a dona de casa Maria de Fátima Pereira.

“Eu cheguei a ir lá várias vezes, e recorri ao vereador para puder receber meu remédio, mas não tinha. A polícia pegou as coisas aí ano passado, mudaram tudo, mas não tem mais remédios. Quando era o outro prefeito faltava, entrou o Zé Augusto e eu pegava, mas agora não tinha mais era nada, nem o meu remédio da pressão, que nunca faltou”, conta.

O prefeito da cidade, Antonio Lima, explicou que a demora para o reabastecimento dos estoques se deu por conta de uma adequação técnica necessária, sob exigência do Ministério da Saúde. Agora, com o sistema de controle de medicamentos instalado e funcionando, a nova licitação foi feita e os primeiros remédios já chegaram.

“Nós fizemos uma nova licitação, e ontem mesmo nós entregamos os remédios. A empresa já entregou aqui alguns, e a gente já está distribuindo. Ninguém ficou sem remédio, nós sempre mantivemos aqui o básico. Aqui nós não queremos esconder nada de ninguém. Se tem alguém que quer mostrar as coais sou eu”, afirmou o prefeito ao negar a falta de remédios.

Segundo o vereador Gedeon Santos, o prefeito da cidade está cometendo crime de responsabilidade por deixar faltar os remédios na farmácia da cidade. Ele já está no cargo há quatro meses, e o tempo teria sido, na opinião do vereador, suficiente para comprar os medicamentos que são distribuídos aos moradores da pequena cidade.

“Nós procuramos a prefeitura para saber porque estava faltando remédios para a população, e agora a prefeitura já entregou alguns, mas eu pedi os comprovantes dessas compras, as notas fiscais, os pedidos, e me mostraram apenas um recibo, uma espécie de recibo que não falava nem os preços dos remédios. Vou pedir isso na via judicial agora”, ameaça o vereador.

Propaganda

Acre

Quadro de vítimas de explosão é estável, mas inspira cuidados

Publicado

em

As vítimas da explosão ocorrida num barco no município de Cruzeiro do Sul, às margens do Rio Juruá, na sexta-feira, 7 de junho, continuam recebendo atendimento do governo do Acre, da Sociedade Brasileira de Queimados (SBQ) e toda a rede integrada do Sistema Único de Saúde.

O chefe da Unidade de Queimados do Hospital Regional da Asa Norte (HRAN) José Adorno, que apoia e coordena o atendimento dos pacientes acreanos em tratamento fora de domicílio em Brasília, Goiânia e Belo Horizonte, informou nessa terça-feira, 18, que o estado clínico dos pacientes é estável, mas ainda inspira cuidados.

Estão na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) no Hospital João XXIII, Umberto da Conceição de Oliveira, 38 anos; José Ortenízio Souza da Conceição, 39 anos e Valdir Torquato da Silva, 51 anos. Eles continuam em tratamento, que inclui desbridamento cirúrgico, procedimento para retirada de tecidos queimados até que possa ser realizado o enxerto e recomposição da pele.

O esforço das equipes agora, tanto no João XXIII, sob os cuidados do Doutor Marcelo Lopes Ribeiro, quanto na unidade de Goiânia, é para que os pacientes vençam esta primeira etapa, e que tenham condições para serem submetidos aos procedimentos necessários à conclusão do tratamento, que deve ainda durar entre 60 a 90 dias”, explica José Adorno.

Entre os pacientes do João XXIII, o menino P.V.F.S., 4 anos, se recupera bem e deve ter alta nos próximos dias. Francisco Luna Dos Santos, 46 anos, é o que apresenta quadro mais grave, porém estável.

Em Brasília, os quatro pacientes internados no Hospital Regional da Asa Norte (HRAN) continuam recebendo curativos especiais, sem necessidade de procedimentos cirúrgicos. O quadro clínico é estável e a expectativa é que também possam ter alta nos próximos dias.

Agência de Notícias do Acre

Continuar lendo

Acre

Preso que for usar tornozeleira terá que pagar pelo aparelho

Publicado

em

Foi aprovado no início da tarde desta quarta-feira, 19, por unanimidade, na Assembleia Legislativa, o Projeto de Lei de autoria do deputado Roberto Duarte (MDB) que dispõe sobre o pagamento dos aparelhos de monitoramento eletrônico pelos próprios presos apenados.

De acordo com a lei, os condenados beneficiários da fiscalização por meio por meio de tornozeleira eletrônica serão obrigados a arcar com as despesas de aquisição e manutenção do equipamento, enquanto dele fizerem uso.

De acordo com o projeto, aos condenados comprovadamente hipossuficientes poderá ser concedida, mediante decisão judicial fundamentada, a isenção do pagamento das despesas. A instalação do equipamento de monitoração eletrônica será realizada no prazo de 24 horas após a comprovação do recolhimento do valor estabelecido em regulamento.

Ainda segundo o parlamentar, o não pagamento das despesas mensais, no valor e na forma estabelecidos em regulamento, acarretará a perda do benefício da monitoração eletrônica, por decisão fundamentada do juiz da execução penal.

Segundo dados do Instituto de Administração Penitenciária – IAPEN, cada condenado que utiliza o sistema de monitoração eletrônica custa R$ 230,00 por mês, sendo que atualmente há no Estado R$ 1.586 monitorados ao custo de R$ 364.780,00 por mês e, R$ 4.377.360,00 por ano.

Continuar lendo
Propaganda

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.