Conecte-se agora

Mãe chateada, dissidências e 5 do alto escalão na Justiça; assim foi a segunda semana de Gladson

Publicado

em

Depois, calou-se. Mas a Primeira Mãe do Acre, dona Linda Cameli, veio a público para desabafar acerca das pressões sofridas pelo filho por resultados e despetização do governo. Se disse chateada com isso e, mais uma vez, pediu união e paciência dos acreanos porque, em sua avaliação, o mandato de Gladson Cameli vai dar certo. Nunca em Terras de Galvez a mãe de um governante saiu em defesa do filho com ele em tão pouco tempo na cadeira de comando.

Os primeiros 13 dias [NÚMERO DE MARCOS ALEXANDRE – PT] não foram fáceis para o novo governo -”mas quem disse que seria fácil?”, questionou um aliado ao responder uma pergunta sobre as turbulências destes dias. A briga interna por acomodações, segundo o auditor fiscal e ex-deputado Luiz Calixto, sugeriu tem um nome: despetização. “Os aliados de Gladson se esfolam por espaço e quando não encontram dizem que é necessário despetizar a máquina para dar lugar a quem foi ao sol e à chuva pela ex-oposição”, disse ele em seu artigo.

Ponto positivo foi o rápido afastamento do governador da “agenda dos poderes” na capital com viagens e visitas às experiências que Gladson pretende levar avante para desenvolver o Acre. Onde esteve foi muito bem recebido e parece estar aproveitando com eficiência a lua-de-mel com o eleitor. Segundo consulta do ac24horas até empresas que foram 100% implementadas no governo do PT apoiam a proposta de fazer do agronegócio a alavanca econômica do Acre. Com as viagens de Gladson, o Major Rocha, vice-governador, assumiu o governo com o bordão usado por Lula quando chegou à Presidência pela 1ª vez: “não podemos errar”.  Algumas bandeiras de campanha, como a redução da violência, se aproveitam dos últimos esforços do governo do PT para, somadas às novas ações, contabilizar reduções importantes em algumas modalidades de crime. Despetizar a gestão, portanto, não é algo simplório e nem estará consumada em duas semanas já que algumas colheitas positivas virá em parte da velha e generosa lavra petista.

Foto: Altino Machado

Aliados descontentes com o bocado menor no governo arranjaram brigas paroquiais e decidiram fazer beicinho ao novo governo. O caso que ganhou repercussão foi o do prefeito de Sena Madureira e sua briga com a família Diniz – que não é de agora – e com o grupo do senador Marcio Bittar. Mazinho vivia às turras com essa turma, cujo poderio econômico e político se assemelham ao dele no Vale do Iaco. “Não falo mais com o Gladson”, vociferou o prefeito  que apoiou Ney Amorim, do PT, para o Senado nas eleições passadas.

Em breve, todos estarão juntos. Mas a relação entre Gladson e o pessoal do Iaco sempre será delicada como uma pedra. É o que dizem.

O governo que se pretende contrapor a tal “roubalheira do PT” nomeia nada menos que cinco assessores diretos com processos judiciais em andamento. A mais emblemática foi a indicação de Alércio Dias para presidir o Acreprevidência. Alércio teve sua nomeação ameaçada de revisão mas Gladson decidiu sustentá-la e contou com apoio de setores da agora oposição: Moisés Diniz, do PC do B, não viu problema em se aproveitar a vivência de Alércio no governo.

Analistas dizem que ao bancar tais nomeações o governador também deve engrossar as costas: “o couro vai comer mais tarde”, disseram ao ac24horas. Problemas à vista?

Propaganda

Acre 01

Governador assina convênio para uso do helicóptero João Donato pelo Samu

Publicado

em

O helicóptero Cel. João Donato já pode ser utilizado para ações do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). O governador Gladson Cameli assinou o convênio de viabiliza o serviço aéreo para os pacientes nesta segunda-feira, dia 25, durante cerimônia no Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer).

Pela parceira, o Samu poderá utilizar, oficialmente, o helicóptero, para socorrer pessoas que necessitem de socorro emergência em áreas de difícil acesso. Isso já ocorria antes, mas de forma extra-oficial. Agora, o Samu poderá custear esse serviço diretamente. Ele também será utilizado em ações da pasta de Meio Ambiente e Segurança Pública.

“Esse era um projeto anunciado há algum tempo pelo governo e agora ele se concretiza. A gente fica feliz porque essa unidade, esse helicóptero, se junta para somar na frota do Samu. Estamos empenhados, determinados a melhorar serviços, a assistência, e o helicóptero chega para reforçar isso”, diz o secretário de Saúde, Alysson Bestene.

Segundo Cameli, o convênio com o Samu representará não um prejuízo para os empresários do setor no estado, mas um investimento no setor de saúde, de forma a avançar mais rapidamente e de forma mais econômica os pacientes que necessitam de auxílio da saúde pública.

“Está aqui o helicóptero. Comparando, já aumentamos o investimento aqui em mais de 50%. São 1,3 milhão em convênios. O Estado vai reduzir as despesas de custeio. Eu não acho que o governo deixa e incentivar a iniciativa privada. Nós queremos ampliar esse serviço, e nós temos que regionalizar nosso estado com condições de transportar quem mais precisa”, justifica.

Continuar lendo

Acre 01

MP é contra José Augusto responder por “crimes de corrupção” sentado na cadeira de prefeito

Publicado

em

O Tribunal de Justiça decide hoje se o prefeito afastado de Capixaba, José Augusto (Progressista), pode responder pelas graves acusações de corrupção estando no cargo ou não. Se depender da Polícia Federal e do Ministério Público, Augusto não reassume de forma alguma, já que no cargo de prefeito poderá praticar crimes mais graves para eliminar provas, ameaçar testemunhas ou mesmo atrapalhar as investigações. A decisão está nas mãos do desembargador Laudivon Nogueira, responsável pelo processo.

Os prefeitos afastados pela Justiça José Augusto e André Maia (Senado Guiomard) respondem pelas acusações de corrupção e outros crimes em liberdade, mas fora dos cargos. Porém, tentam na justiça voltar, apesar das graves acusações que pesam contra eles. No caso de Capixaba, se encerra hoje os 180 dias de afastamento de José Augusto. O Ministério Público pede a condenação e que ele continue distante da prefeitura para evitar novos crimes e proteger o erário.

Pesa contra José Augusto, que é apontado pela Polícia Federal (a partir das provas colhidas ao longo de oito meses de investigação como sendo o chefe da Organização Criminosa), que desviou mais de dois milhões de reais de recursos da merenda escolar e medicamentos que não chegaram à população. Os crimes de pagamento de obras fantasmas e recebimento de propinas que geravam enriquecimento de terceiros, pela prática da lavagem de dinheiro, fraudes em licitações mediante combinação, desvio e apropriação de rendas públicas, crimes de responsabilidades, corrupção passiva e ativa, crime de peculato e falsificação de documento público também foram investigados.

AMEAÇAS E MUITA CONFUSÃO EM CAPIXABA

“Aqui em Capixaba o clima é de hostilidades, medo, ameaças, intimidações, afronta à ordem e perturbação geral, especialmente nas redes sociais”, afirma Ary Marques, uma das testemunhas do processo que, segundo ele, frequentemente é atacado pelo ex-secretário de Planejamento, Celso Nascimento, que estaria a mando do prefeito afastado intimidar a todos.

O prefeito substituto Antônio Cordeiro (PMDB) diz que não suporta mais tanta intimidação e ameaças, manifestou-se publicamente afirmando que, “o senhor Celso vem perseguindo tanto a mim como aos meus secretários ou a quem possa fazer parte da administração”.

O pior, garante o prefeito empossado pela Justiça, é que esse rapaz age e publica suas ameaças em nome do governador Gladson Cameli, mandando recados de que, “vai exigir o afastamento de cargos comissionados do estado para tentar desmoralizar as lideranças do MDB Marcio Bittar e Flaviano, pois sempre afirma que, “em  Capixaba esses caciques não tem moral pra indicar ninguém”. A confusão revela uma disputa do Progressistas com o MD, já que o prefeito atual é ligado ao partido do senador Flaviano Melo e o afastado ao Progressista do governador.

Relatam os atuais secretários que, “os gestores afastados têm certeza da impunidade que seria orquestrada por acordos entre empresários envolvidos no processo criminal, que ajuízem ações que poderão sofrer acordos de pagamento futuramente por José Augusto; pela invasão de prédios públicos por acusados que estão proibidos pelo desembargador Laudivon Nogueira. Segundo o prefeito atual, também pela presença ostensiva do ex-secretário de Finanças de José Augusto, Gilson Rocha, que entra na prefeitura e exige informações de recursos recebidos, contratos, pagamentos e nomeações, como se José Augusto já tivesse voltado a comandar novamente os mesmos recursos, informações que ele mesmo publica nas redes sociais produzindo provas contra si.

“A mim resta esperar, pois estou no cargo por determinação do Tribunal de Justiça que por duas vezes já negou o retorno do titular e, faço questão, de declarar que cumpro minha responsabilidade com honestidade”, relata o atual gestor que se diz muito preocupado com a situação de Capixaba.

 

 

 

Continuar lendo
Propaganda

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.