Conecte-se agora

Nível do Rio Madeira continua subindo em Porto Velho e Abunã

Publicado

em

O nível do Rio Madeira subiu em Porto Velho e na região de Abunã, e continua levando apreensão não somente para as comunidades ribeirinhas como para os moradores de Extrema, Nova Califórnia e Acre, que temem pela alagação da BR-364. Se isto ocorrer, essas localidades ficam isoladas pela via terrestre.

Em Porto Velho, que já vive o drama das enxurradas e alagações, o nível do Rio Madeira saiu de 13,59 metros para 13,68m, e em Abunã, de 20,07 metros para 20,09m na medição das 6 horas desta quinta-feira (10). Os dados são da Defesa Civil do Acre. Desde o começo do ano o rio oscila mas sempre preocupando as autoridades.

O Rio Madeira é influenciado pelas ocorrências climáticas na Bolívia. Chuvas imprevisíveis associadas ao fenômeno El Niño já deixaram cerca de 2.200 famílias afetadas e 975 afetadas em cinco municípios bolivianos, o que pode seguir elevando o rio no Brasil.

A previsão climática é de mais chuva em Rondônia. A Divisão de Meteorologia do Sistema de Proteção da Amazônia informa que as chuvas devem continuar por todo o Estado e o dia deve ser chuvoso em toda a região norte e oeste do Estado nesta quinta.

Propaganda

Acre

Quadro de vítimas de explosão é estável, mas inspira cuidados

Publicado

em

As vítimas da explosão ocorrida num barco no município de Cruzeiro do Sul, às margens do Rio Juruá, na sexta-feira, 7 de junho, continuam recebendo atendimento do governo do Acre, da Sociedade Brasileira de Queimados (SBQ) e toda a rede integrada do Sistema Único de Saúde.

O chefe da Unidade de Queimados do Hospital Regional da Asa Norte (HRAN) José Adorno, que apoia e coordena o atendimento dos pacientes acreanos em tratamento fora de domicílio em Brasília, Goiânia e Belo Horizonte, informou nessa terça-feira, 18, que o estado clínico dos pacientes é estável, mas ainda inspira cuidados.

Estão na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) no Hospital João XXIII, Umberto da Conceição de Oliveira, 38 anos; José Ortenízio Souza da Conceição, 39 anos e Valdir Torquato da Silva, 51 anos. Eles continuam em tratamento, que inclui desbridamento cirúrgico, procedimento para retirada de tecidos queimados até que possa ser realizado o enxerto e recomposição da pele.

O esforço das equipes agora, tanto no João XXIII, sob os cuidados do Doutor Marcelo Lopes Ribeiro, quanto na unidade de Goiânia, é para que os pacientes vençam esta primeira etapa, e que tenham condições para serem submetidos aos procedimentos necessários à conclusão do tratamento, que deve ainda durar entre 60 a 90 dias”, explica José Adorno.

Entre os pacientes do João XXIII, o menino P.V.F.S., 4 anos, se recupera bem e deve ter alta nos próximos dias. Francisco Luna Dos Santos, 46 anos, é o que apresenta quadro mais grave, porém estável.

Em Brasília, os quatro pacientes internados no Hospital Regional da Asa Norte (HRAN) continuam recebendo curativos especiais, sem necessidade de procedimentos cirúrgicos. O quadro clínico é estável e a expectativa é que também possam ter alta nos próximos dias.

Agência de Notícias do Acre

Continuar lendo

Acre

Preso que for usar tornozeleira terá que pagar pelo aparelho

Publicado

em

Foi aprovado no início da tarde desta quarta-feira, 19, por unanimidade, na Assembleia Legislativa, o Projeto de Lei de autoria do deputado Roberto Duarte (MDB) que dispõe sobre o pagamento dos aparelhos de monitoramento eletrônico pelos próprios presos apenados.

De acordo com a lei, os condenados beneficiários da fiscalização por meio por meio de tornozeleira eletrônica serão obrigados a arcar com as despesas de aquisição e manutenção do equipamento, enquanto dele fizerem uso.

De acordo com o projeto, aos condenados comprovadamente hipossuficientes poderá ser concedida, mediante decisão judicial fundamentada, a isenção do pagamento das despesas. A instalação do equipamento de monitoração eletrônica será realizada no prazo de 24 horas após a comprovação do recolhimento do valor estabelecido em regulamento.

Ainda segundo o parlamentar, o não pagamento das despesas mensais, no valor e na forma estabelecidos em regulamento, acarretará a perda do benefício da monitoração eletrônica, por decisão fundamentada do juiz da execução penal.

Segundo dados do Instituto de Administração Penitenciária – IAPEN, cada condenado que utiliza o sistema de monitoração eletrônica custa R$ 230,00 por mês, sendo que atualmente há no Estado R$ 1.586 monitorados ao custo de R$ 364.780,00 por mês e, R$ 4.377.360,00 por ano.

Continuar lendo
Propaganda

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.