Conecte-se agora

Mamma Mia! O vencedor (nem sempre) leva tudo

Publicado

em

Esse texto não é novo. Aliás, é 2012 e, portanto, até carecia de uma atualização, mas como cabe bem no contexto atual, compartilho com vocês sem modificações.

Boa quarta-feira!!

Em uma longa e estimulante conversa com um amigo – via mensagens no smartphone – escrevo: “sua vida, sua escolha. Como diz a música do Abba, o vencedor leva tudo”. Recebo de volta uma resposta imediata: “Atacar de The Winner Takes It All é pegar pesado…. sabe nem brincar…”, ao que respondi de volta: “essa música está no meu top five para nunca esquecer que amar dói. E peguei leve…” De novo o plim da resposta chega rápido: “A gente solta um track e ela manda uma ogiva nuclear…”

Fiquei pensando nisso. Não só na conversa com um amigo que adoro, mas no track e na ogiva. Na maioria das vezes pego leve quando converso com amigos (inclusive nas DR’s). Pelo menos eu achava, né?? Agora tenho dúvidas…

Processando a informação, recorri ao pai dos burros da era tecnológica para pegar as traduções da música, por pura preguiça de ir atrás de um arquivo antigo. Li e reli a letra. Transcrevo na íntegra para que vocês entendam melhor – se é que é possível – o seu significado.

O Vencedor Leva Tudo

Eu não quero conversar,

Sobre as coisas que nós passamos

Embora isso me machuque,

Agora é passado

Eu joguei todas as minhas cartas,

E foi o que você fez também

Não há mais nada a dizer,

Nenhum ás a mais a jogar

O vencedor leva tudo,

O perdedor fica menor

Além de uma vitória,

Isso é um destino

Eu estava em seus braços,

Achando que ali era o meu lugar

Eu achava que fazia sentido,

Construindo-me uma cerca

Construindo-me um lar

Achando que seria forte lá

Mas fui uma tola,

Jogando conforme as regras

Os deuses podem jogar um dado,

Suas mentes são tão frias quanto gelo

E alguém bem aqui embaixo,

Perde alguém querido

O vencedor leva tudo,

O perdedor tem que cair

É simples e está claro,

Por que eu deveria lamentar?

Mas diga-me se ela beija,

Como eu costumava te beijar?

Mas diga-me se é a mesma coisa,

Quando ela o chama?

Em algum lugar bem profundo,

Você deve saber que eu sinto a sua falta

Mas o que eu posso dizer?

As regras tem de ser obedecidas

Os juízes decidirão,

As coisas boas da minha vida,

Os espectadores do espetáculo,

Sempre ficam quietos

O jogo começa de novo,

Um amigo ou amante?

Uma pequena ou uma grande coisa?

O vencedor leva tudo

Eu não quero conversar,

Se isso te deixa triste

E eu entendo,

Você veio me dar um aperto de mão

Peço desculpas,

Se isso faz você se sentir mal

Ao me ver tão tensa

Sem auto-confiança,

Mas você compreende

O vencedor leva tudo…

O vencedor leva tudo…

Assim, o vencedor …

Leva tudo …

E o perdedor …

Tem que cair …

Caindo …

Frio como gelo …

Não pode ser …

Alguém fraco …

Leva tudo …

Tem que cair …

Sim, é a chuva ….

Por que reclamar …

Preciso reconhecer: o texto é pesado quando você o relaciona com sentimentos arraigados. Todo mundo já viveu uma dor de amor. Todo mundo em um determinado momento da vida vai passar – se não passou – por isso. Faz parte do ciclo da vida. Mas, quando você joga os dados na cara do sujeito não é fácil para quem recebe achar que é “apenas um comentário frugal”. Não é. Jamais será. Por isso acho que devo um pedido de desculpas (I apologize) a um amigo. E Preciso fazer isso do jeito certo. Como? Pegando mais leve nas próximas conversas. Pelo menos eu vou tentar. Já é um bom começo.

Em um mundo cada vez mais plano, com relações egoístas, onde as prioridades são estabelecidas no “primeiro eu, segundo eu, terceiro eu”, respeitar as diferenças, aceitar o outro como ele é, com suas falhas e sensibilidades é uma arte para poucos. Navegar é preciso, mas o mar nem sempre nos é favorável. E o grande exercício é navegar em águas plácidas levando sempre em conta a sensibilidade do outro, sem deixar de considerar suas próprias necessidades. Não é fácil. Como diz Ed Rene Kivitz: “pensar dói”. E amar dói, também. Não falo dos amores físicos (amor Eros). Refiro-me ao amor em essência que pressupõe o respeito, o cuidar, o bem-querer, as querências e essências, o amor ao teu próximo. O amor que não se mede. E no mundo dos amores possíveis, conviver é subir na corda na bamba e escolher o personagem: o bêbado ou o equilibrista.

Como não sou boa em equilíbrio, fica ainda mais difícil. Mas tento. E vou seguir tentando na esperança de que um track seja só um track e não se transforme numa ogiva. Construindo e não destruindo pontes. Derrubando e não erguendo muros. Porque acima das minhas vontades e o que penso, o que deve prevalecer é a decisão do outro. E dos outros. Sua vida, sua escolha. Minha vida, minha escolha. Meu mundo minhas regras ( diga oi, Olívia Pope!). O vencedor, nesse caso, nem sempre leva tudo. Game over!

Carinhos meus,
Charlene

Propaganda

Charlene Carvalho

Quanto vale a palavra empenhada? 

Publicado

em

Continuar lendo

Charlene Carvalho

Ele é gente como a gente

Publicado

em

Continuar lendo
Propaganda

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.