Conecte-se agora

Luiz Calixto: O assunto da semana foi a “despetização”

Publicado

em

Luiz Calixto

Em tempos de Facebook, a corrente dos descontentes se agigantou. O assunto da semana foi a “despetização”.

O grito tiniu com tanta intensidade nos ouvidos do governador Gladson Cameli que ele se viu forçado a gravar um áudio no WhatsApp para determinar aos seus secretários  “que nenhum petista fosse nomeado na sua administração”.

O alvoroço tem suas razões, todas legítimas. A primeira, óbvio, é que a lista de espera por um cargo dobra a esquina. A questão é também numérica: cada petista nomeado é um cargo a menos no cesto.

Muita gente sonhou com este momento para ter uma oportunidade de mostrar que é capaz. Outros, mesmo sem capacidade, depois de passar 20 anos debaixo de sol, chuva e na tempestade, agora esperam por um lugar à sombra.

A segunda é de ordem moral: os petistas machucaram, humilharam e perseguiram muita gente. O grito de liberdade estava entalado na garganta.

Nesses 20 anos de reinado, alguns chefetes de meia tigela se revelaram verdadeiros tiranos e algozes de servidores que não se alinhavam politicamente ao governo do PT.

Na cabeça de quem foi ou se sentiu oprimido, premiá-los significa desdenhar da dor que eles causaram.

É bem verdade que nem todos os petistas devem ser medidos pela mesma régua, mas, de qualquer forma, estes também eram parte da engrenagem que expelia medo e perseguição.

A regra é clara: na medida que um secretário de Gladson Cameli convoca ex-integrante de administrações petistas, sob o argumento e critério de sua  “competência”, deduz-se, evidentemente, que na sua tropa não havia ninguém qualificado.

Aliás, tem secretário que o povo da oposição só soube da existência dele depois da apuração das urnas.

Nunca é demais lembrar que o PT só pegou emprestados nomes nos quadros da oposição quando foi para “comprar” o silêncio deste.

Se durante as campanhas eleitorais a oposição bradava que  tinha gente preparada para enfrentar e resolver os problemas do Acre, no governo é a melhor hora de mostrar o seu exército.

 

 

 

 

Propaganda

Acre

Lixo em ponto turístico faz parte de projeto socioambiental

Publicado

em

A instalação de um cercado no centro de Rio Branco tem chamado a atenção de quem passa pelo Mercado Velho, próximo a ponte Metálica. Há pelo menos quatro dias, o cercado feito de madeira e tela está sendo usado para reservar vários sacos de lixo.

Não! Não é um ponto de coleta de lixo em meio ao ponto turístico da Capital. Trata-se de um projeto socioambiental desenvolvido em parceria com a secretaria de meio ambiente do município para conscientizar a população sobre os prejuízos de descartar o lixo em local inadequado.

A ideia, segundo a secretária de meio ambiente, surgiu depois de perceberem que a cada dia aumenta a quantidade de lixo que a população de Rio Branco descarta diretamente no chão. “Foi proposital colocar todo esse lixo num local central para que todos possam ver a quantidade de lixo coletado somente nas ruas e refletir sobre suas atitudes”, explica Paola Daniel.

LEIA MAIS: Amontoado de lixo compõe cenário turístico no centro de Rio Branco

Diariamente, são mais de 138 toneladas de resíduos sólidos recolhidos das ruas da Capital, fora o lixo domiciliar coletado nas lixeiras das residências e pontos comerciais. Por isso, a importância de educar ambientalmente a população da cidade. “Grande parte desse lixo é recolhido nas margens do Rio Acre, o que prejudica nossos recursos hídricos”, salienta a secretária.

Ao final do projeto, serão apresentados os resultados do projeto em um evento que será realizado pela prefeitura em alusão ao Dia Mundial da Água. O cercado está montado ao lado das roldanas de ferro que seriam utilizadas para içar a ponte Metálica entre os barrancos do rio Acre, e que hoje compõem um monumento histórico e turístico, situado entre a ponte e o Mercado Velho.

Continuar lendo

Acre

Prefeitura de Cruzeiro do Sul inicia construção de passarelas

Publicado

em

Visando dar mais dignidade e assegurar o direito de ir e vir dos moradores do Miritizal, a Prefeitura de Cruzeiro do Sul iniciou a construção de passarelas suspensas, popularmente conhecidas como trapiche, para facilitar a locomoção no bairro.

“A minha gestão tem compromisso com o bem-estar das pessoas. Enquanto não reconstruímos totalmente a rua, devido, inclusive, as condições precárias de acesso, vamos restaurando e reforçando todas as passarelas suspensas. Mais de 20 famílias dependem desse acesso que será construído, para ampliar a trafegabilidade aos moradores”, salientou o prefeito Ilderlei Cordeiro.

A convite do vereador Marivaldo Figueiredo, o prefeito esteve pessoalmente vistoriando o local. “Eu fico muito feliz com essa obra e agradeço ao prefeito e o vereador, porque a nossa situação aqui é muito difícil devido as péssimas condições do trapiche”, salientou a aposentada Sebastiana, 79 anos.

Segundo seu Francisco, 88 anos, a obra é urgente. “Aqui quando alaga, inunda até o trapiche. Ele já está bem prejudicado, não sei como ainda não caiu. A construção de um trapiche novo vai nos ajudar muito”, alertou.

O prefeito Ilderlei Cordeiro pretende construir trapiches nas diversas comunidades de Cruzeiro do Sul, que sofrem com esse problema de acesso. Mesmo diante de fortes chuvas, a Prefeitura tem intensificado as obras de infraestrutura. Inúmeras ruas do município estão sendo pavimentadas, asfaltadas e, até mesmo, reconstruídas.

Continuar lendo
Propaganda

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.