Conecte-se agora

MDB ameaça PSDB com candidatura de Duarte para primeira secretaria da mesa da ALEAC

Publicado

em

A executiva regional do MDB fechou questão na defesa do nome do deputado eleito Roberto Duarte (MDB) para ser o futuro primeiro secretário geral da mesa diretora da Assembléia Legislativa. O argumento é que o outro nome que aparece na disputa, deputado Luiz Gonzaga (PSDB), daria ainda mais espaços aos tucanos, que já têm o vice-governador Major Rocha (PSDB), todos os cargos do sistema de Segurança, a secretaria de Agricultura e o setor da Cultura. Gonzaga vem trabalhando há um bom tempo e teria a simpatia do candidato à presidência Nicolau Junior (PROGRESSISTAS) e de deputados que foram reeleitos. O MDB quer a escolha saindo de um consenso para não acontecer disputa dentro da futura base do governo. Roberto Duarte defende o fortalecimento do Legislativo, para que funcione na realidade como um poder independente e não apenas como um puxadinho dos demais poderes. Eleição para os principais cargos da mesa diretora costuma sair mais dentro de uma composição plural que englobe os principais partidos nos diversos cargos. Na última eleição o primeiro secretário da ALEAC, deputado Manoel Moraes (PSB), foi eleito dentro de um grande acordo com os votos de deputados da situação e de oposição. Como a eleição só vai acontecer dia 2 de fevereiro, até lá haverá tempo de sobra para se buscar uma chapa de unidade. Não acontecendo, a disputa vai para o voto num colégio de 24 parlamentares. O jogo mal começou.

SEM CONSENSO

Até hoje não conseguiram convencer o deputado Géhlen Diniz (PROGRESSISTAS) a retirar a sua candidatura a presidente da ALEAC. “Minha candidatura está mantida”, me disse. O outro candidato, deputado Nicolau Junior (PROGRESSISTA), é o preferido do futuro governador.

RASGAR A CONSTITUIÇÃO

Os deputados que encerram esta legislatura deveriam num ato solene rasgar a Constituição Estadual. Só serve de enfeite. A prisão da deputada Juliana Rodrigues (PRB) não poderia acontecer sem ouvir o Legislativo. O artigo 40 é claro ao fixar que, deputado no mandato só pode ser preso em flagrante de crime inafiançável. Não foi o caso de deputada Juliana.

TRE CORRIGIU

Tanto é que a prisão acabou sendo revogada, pois, se não caísse aqui cairia numa instância superior. Como a tendência é que cairá a proibição de diplomação da deputada Juliana Rodrigues (PRB) e do deputado federal eleito Manuel Marcos (PRB). Não entro no mérito das provas. Discuto a questão formal dos atos jurídicos. Mérito é noutra fase com a justiça.

O DESASTRE É PELO CONJUNTO DA OBRA

Não será pagando o 13º salário dos servidores que o Tião Viana vai minorar o alto desgaste popular. Pode pintar o Acre de ouro nestes poucos dias que lhe restam que sairá como o governante mais impopular do PT, nos 20 anos de poder. O desastre é pelo conjunto da obra.

FATOS PÚBLICOS

O que está acontecendo neste lamentável final de governo são fatos públicos e como tais devem ser divulgados. Não se trata de perseguir ninguém. Quem ocupa um cargo público estará sempre sujeito às críticas. Pior, bem pior, o PT fazia com os adversários quando era oposição. Invadiam gabinetes, lavavam escadarias do TJ, destruíam honras. A oposição de hoje é fichinha. O único fato a se condenar foi a divulgação de uma foto antiga como se fosse nova.

TREMENDA TOLICE

É uma tremenda tolice a oposição torcer para que o 13º salário não seja pago neste governo. Se não for pago agora será mais um abacaxi financeiro no colo do Gladson Cameli.

PROBLEMA A SER RESOLVIDA

A nova equipe da Segurança tem que resolver urgente um problema que aconteceu ao longo deste ano sem providências: assaltos às unidades de saúde, agressão a servidores, e violência nas escolas. Como é que um professor e profissionais da saúde podem trabalhar tranquilos?

PRIVATIZAR TUDO

O governo de um Estado pobre não pode ter o luxo de investir seus poucos recursos em empreendimentos privados. Certo o Gladson Cameli ao acabar com este destempero.

HOJE PERDERIA

Se a eleição para a FIEAC fosse hoje o empresário José Adriano ganharia mais uma do futuro governo, como aconteceu na eleição do SEBRAE, onde deu PT. Hoje estaria 6×4 a favor do grupo do Adriano, apoiado pelos irmãos Jorge e Tião Viana. Se não acordarem é nova peia.

SAIU DESOLADO

Contam que o governador eleito Gladson Cameli saiu desolado da visita que fez ás unidades de saúde da capital. Foi só um aperitivo da bagaceira que o seu governo vai pegar no sistema de saúde, que deverá ser o desafio mais imediato a enfrentar ao assumir o mandato.

GESTÃO DE CHOQUE

O novo secretário de Saúde, Alysson Bestene, terá que chegar dando uma gestão de choque para ir colocando a casa em ordem. Não pode continuar a atual desordem, o povo não suporta mais passar por um verdadeiro massacre moral para receber o atendimento mais simples.

PARA A ASSESSORIA POLÍTICA

Não sei quem serão os assessores políticos do futuro governo. Oficialmente! Mas seja quem for têm que pôr na cabeça de que muito da vitória do Gladson Cameli veio das redes sociais por ações de um Veber, Aiache e tantos outros, no enfrentamento contra a tropa de choque do PT.

O CAMPO DA BATALHA

O próximo governo tem de ter a preocupação em montar uma equipe forte e específica nas redes sociais, é neste campo que será travada a batalha da comunicação contra o PT. O PT não consegue ser a última bolacha do pacote na gestão, mas sabe fazer oposição. Já mostrou.

INFORMAÇÃO SEGURA

O blog tem informação segura que será no nicho das redes sociais que o PT fará oposição. É o caminho do PT, pois, não terá mais a máquina estatal da comunicação e nem contará com o apoio quase que total da mídia, porque estará fora do poder. Melhor não menosprezar o PT.

BUNKER

Já estão acontecendo os primeiros planejamentos dentro do PT para montar o grupo que vai atuar com cobranças e críticas ao futuro governo, nas redes sociais. Não espere que o PT vá ficar apanhando, mesmo porque, passará de vidraça a ser baladeira. Esperem oposição dura.

LEMBRANDO MAQUIÁVEL

Um governo tem que tomar as medidas duras no início da administração. Se escancarar as finanças para pedidos extra-orçamentários de outros poderes pode estar abrindo seu sepulcro.

ANDAR DE BAIXO

Caso não tenha ocorrido, é salutar que o futuro secretário de Saúde, Alysson Bestene, converse com os integrantes do segundo andar da sua secretaria, porque foram os que conviveram com os problemas e erros mais de perto e sempre terão sugestões a dar.

MUNDO DA FANTASIA

Perguntei à futura secretária de Turismo, Eliane Sinhasique, sobre a declaração da secretaria atual da pasta Raquel Moreira, de que estava deixando 2 milhões e 800 mil em caixa. Eliane riu e disse que só se foi no mundo da fantasia, não conhece um depósito bancário neste valor.

O CLIMA ERA DE PINDAÍBA

“A informação que tenho é que para comprar café e água para a secretaria de Turismo eram feitas cotinhas entre os servidores. Como é que tinham este dinheiro? Por qual razão não usaram? O que posso garantir é que não estou recebendo um centavo em caixa”, retrucou Eliane.

DECLARAÇÕES DISPARATADAS

Deve ser que por existir algum convênio e empréstimos aprovados contam como dinheiro em caixa. Para a realidade é mais de légua. São recursos que exigem quase sempre contrapartida do órgão gestor. É igual ao delírio do Tião Viana que estava deixando 1,3 BI em caixa.

PINDAÍBA ESCANCAROU

A situação das finanças do Estado é esta que está escancarada para a opinião pública. Rezando para pagar o 13º salário, dívidas com fornecedores, terceirizados sem receber, a saúde um caos e o governador contando os dias para entregar o abacaxi gigante ao seu sucessor.

PERDE E GANHA

Eleição se perde e se ganha. E isso os que insistem em se lamentar pela derrota do poste do Lula, Fernando Hadad, para o Jair Bolsonaro, não assimilaram. Aos vencedores, as batatas.

OUTRO CENÁRIO

É cedo para o grupo que apóia o futuro governador Gladson Cameli abrir discussão sobre nomes para prefeito de Rio Branco. Uma ou outra especulação é normal, mas nada oficia. É primeiro se procurar saber como estará o governo Gladson na opinião pública em 2020.

QUADRO DEPRIMENTE

Policiais da Delegacia da Mulher fazem cota para comprar água mineral. É o fundo do poço.

PAGAR EM DIAS É OBRIGAÇÃO

Pagar quem trabalha, seja na iniciativa privada ou na esfera do poder público é a regra geral. Não é nada mais do que uma obrigação contratual. Um governo não tem a sua capacidade medida com a régua se paga ou não o servidor em dias. Se outros governadores não pagaram em dias foi incúria. Mas, no Acre, os petistas costumam pegar a regra geral de que, quem trabalha tem de receber em dia, e transformar em algo extraordinário, como uma grande conquista de um governo. E fazem as comparações mais esdrúxulas possíveis de que Estados mais ricos atrasaram os salários. Por outro lado, até entendo, para um governo que está entregando ao seu sucessor um Estado quebrado no sentido exato da palavra, uma obrigação passa a ser um conquista, na base de que a araruta tem o seu dia de mingau. Pobre Acre!

Propaganda

Blog do Crica

Tchê: “sem apoio, deixo a liderança do governo”

Publicado

em

O líder do governo, deputado Luiz Tchê (PDT), admitiu ontem ao BLOG DO CRICA de que dependendo da conversa que terá com o governador Gladson Cameli, quando este retornar, poderá deixar a sua liderança na Assembléia Legislativa. A série de trapalhadas da equipe governamental, com a demissão de indicados dos deputados da base governista, sem não dar nenhuma satisfação, quebrando a unidade duramente que ele construiu, são motivos que fazem Tchê repensar seriamente a permanência na função. “Líder fraco, governo fraco”, desabafou Tchê. Ele manifesta um desconforto com o fato de não estar sendo prestigiado. “Não sou convidado para debater nada das decisões políticas do governo. Vim saber da questão dos precatórios pela imprensa. Estou sendo pressionado por colegas que tiveram seus indicados em cargos do governo demitidos sem nenhuma explicação. Assim não dá para continuar”, advertiu. Acha que vai ganhar muito mais e crescer fora do governo, se dedicando às atividades da UNALE. Tchê se mostrou muito determinado ao falar ao BLOG: “sem apoio, do jeito que está, deixo a liderança do governo”. É que ela está vendo ruir todo o trabalha de unificar a base, que quando assumiu a função estava completamente destroçada.

POSIÇÃO COERENTE

A posição do líder do governo, deputado Luiz Tchê (PDT), é coerente. Ficar no cargo desprestigiado, ouvindo reclamações dos deputados da base governista e sem ter como atender, o caminho certo é pegar o boné para não ficar sofrendo desgaste com colegas.

ALGUÉM EXPLICA?

A base do governo estava estraçalhada, a oposição ganhava todas as votações e mesmo sendo minoria, se consegue uma unidade e os projetos do governo passaram a ser aprovados, e o próprio governo colabora agora para quebrar essa unidade, alguém explica? Não entendo.

VEJA COMO É TUDO ATRAPALHADO

Um deputado passou ontem informação ao BLOG de que o presidente do IMC, Carlitinho Cavalcante, foi comunicado que o governo precisava do seu cargo. Quando estava com a trouxa arrumada eis que o governo voltou atrás e o manteve no cargo. Não é atrapalhado?

DEPOIS QUE VER

A candidatura do deputado Fagner Calegário (não será pelo PV) a prefeito de Rio Branco, anunciada ontem pelo próprio é o tipo da notícia na qual só creio depois que ver o registro no TRE-AC. Muito embora diga que esta é uma decisão amadurecida.

O TEMPO ESTÁ CORRENDO

O tempo está correndo contra a “CPI da ENERGISA”. Disse quando da sua criação que não tinha poderes para baixar um centavo na conta de luz e que era uma jogada populista. Levaram até torcida organizada. O tempo está correndo contra a CPI e está comprovando.

VIGA RECLAMA DO POUCO CASO

O deputado Chico Viga estava ontem na ALEAC mostrando o seu desconforto da forma como vem sendo tratado pelo governo. Reclama que, uma indicação de um pequeno CEC-1 que, ele tinha dentro da administração foi demitida. “Não posso aceitar este tratamento”, reclamou.

FOICE NA BASE

A foice está comendo na base do governo na ALEAC. Não atingiu só o deputado Chico Viga, mas também o deputado Vagner Felipe (PR), que perdeu espaço no governo. O deputado Neném Almeida diz não ter visto a cor de um cargo dos que foram aprovados na última reforma. O certo é que há um descontentamento claro em relação ao Gladson Cameli.

A VERDADE DA PESQUISA

No Jardim da Infância da política se aprende que numa pesquisa se soma o Ótimo ao Bom. E jamais se soma o Regular. Portanto, senhores do conselho, a aprovação real do governo Gladson Canmeli é de apenas 37%. Bem abaixo dos mais de 50% com os quais se elegeu. Na realidade houve uma queda de 16% em relação à votação que obteve. Portanto, nada a comemorar. Faço a observação para que o governador não embarque em contas erradas.

ANÁLISE PERFEITA

Recebi a seguinte postagem do leitor Albeci Coelho sobre o dado da pesquisa da RECORD, relativo à pergunta sobre o percentual de eleitores que votariam novamente no Gladson Cameli. Vamos à postagem: “84% não mudaria o voto no Gladson, ou seja, dos 55% (votos válidos) que votaram nele, hoje só 84% votaria de novo. Resumindo: Gladson perdeu 17% dos seus eleitores”. O Albeci acertou na mosca. Não é 84% sobre o 100% dos eleitores. Ponto.

ASSIM O BOI NÃO DANÇA

Chega reclamação de leitor que no domingo não tinha médico para atendimento na UPA da Sobral. Pergunta que não quer calar: o que fez até aqui a secretária de Saúde, Mônica Flores?

UMA PERGUNTA

Quando é que a Comissão de Saúde da ALEAC vai chamar a secretária Mônica Feres para vir dizer o que pensa sobre a Saúde, seus planos para tirar o sistema do buraco em que se encontra, porque desde a sua posse nada melhorou e esta senhora fica num mutismo.

A CULPA É DO MAZINHO

Ontem, enquanto o deputado Gerlen Diniz (PROGRESSISTAS) discursava na ALEAC houve uma queda de energia. Como seu adversário político, o prefeito de Sena Madureira, Mazinho Serafim, estava presente, alguém sapecou: “O Géhlen vai acusar o Mazinho de mandar apagar a luz”.

DURO COM OS QUE DISCORDAVAM

Levando para o lado ideológico o Arcebispo Dom Moacyr Grechi foi enquanto comandou a igreja do Alto Acre, uma espécie de ícone da esquerda acreana. Era duro contra os que discordavam dele ideologicamente. Proibiu os queridos Padres Peregrino e José, simpáticos aos governos militares, de rezar missas nas igrejas do Acre. E não voltou atrás na decisão.

NÃO INVALIDA

Mas este fato histórico na invalida o trabalho de Dom Moacyr pelos mais humildes.

MAIS VALE UM GOSTO

De um aliado do ex-deputado Ney Amorim ontem na ALEAC, sobre a saída deste do governo. “Não me arrependo de ter apoiado o Gladson e ajudado a derrotar o Jorge Viana”, disse.

ALÉM DA IDEOLOGIA

O deputado Jenilson (PCdoB) raciocina além da sua ideologia. Cumprimentou ontem na ALEAC, o prefeito de Sena Madureira, Mazinho Serafim, como um dos “melhores” prefeitos do Acre.

FALHA DO CERIMONIAL

Apenas a deputada Juliana Rodrigues (PRB) esteve presente na solenidade oficial em comemoração ao aniversário do Estado, na qual estava o governador Gladson Cameli. Os deputados da base do governo reclamaram ontem do Cerimonial do Governo, que não enviou nenhum convite aos deputados e nem comunicou. Depois reclamam dos deputados ausentes.

NÃO SE ADMIREM

Caso o deputado Roberto Duarte (MDB) venha a recuar de disputar a prefeitura da capital, ninguém se admire se o vereador Emerson Jarude se filiar ao MDB e ocupar este espaço.

A QUE PONTO SE CHEGA

Nada contra o Hino de Cruzeiro do Sul. Mas não teve nenhum sentido, ao não ser para agradar o governador Gladson Cameli, ser executado o referido hino, na solenidade de comemoração ao Estado. O que não fazem os nossos burocratas bajuladores para serem agradáveis.

Continuar lendo

Blog do Crica

Ney Amorim foi mais um enfeite no governo

Publicado

em

A saída do secretário Ney Amorim do governo tem componentes que não podem ficar restritos aos corredores palacianos. A justificativa que saiu num consenso com o governador Gladson Cameli foi a versão cômoda. No popular, o surrado jogo para a platéia. Na realidade, a queda do Ney se dá porque não foi o protagonista político no contexto que lhe foi prometido. Foi um “articulador político” apenas no nome do cargo, mas não na prática. Como é que iria ser o articulador político do governo apenas no surreal, sem o poder de encaminhar numa conversa com os parlamentares uma indicação para nomear nem um vigia? Esperava-se que pelo seu potencial, ele fosse bem aproveitado no governo, depois do belo trabalho que culminou com a eleição do deputado Nicolau Junior (PROGRESSISTAS) para a presidência da ALEAC. Deram-lhe uma salinha sem nenhum poder. Estava mais como um enfeite num espaço próximo ao gabinete civil. Falando para as paredes. Então, o Ney Amorim fez o que deveria ser feito por alguém que se vê subaproveitado e que tenha o sentimento de pudor: pedir para sair. Saiu sem briga e vai buscar novos caminhos no comando de um partido político, onde deverá abrigar o seu grupo e se preparar para a eleição de 2022. Politicamente, este é um governo embaralhado. Alguém pode até não gostar do Ney, mas da nova geração é um dos políticos mais habilidosos que conheço. E governo Gladson Cameli só perde com o episódio.

QUEM É O ARTICULADOR POLÍTICO?

Afinal, quem é o articulador político do governo? É o grande mistério. O Ney Amorim já saiu. O Vagner Sales também pulou fora. O Alysson Bestene não tem este perfil, e seu cargo de secretário Institucional é uma compensação pela perda da Saúde. E a função ficou à deriva.

COMENTÁRIO NADA OFICIAL

A informação que corria ontem nos bastidores, que dou com ressalvas, por não ser oficial, é de que Ney Amorim estaria se filiando ao PR, partido do qual ficaria como presidente, levando consigo vinte vereadores, dois prefeitos e a promessa que sairá a deputado federal em 2022.

NADA MAIS QUE OBRIGAÇÃO

Quando o governador Gladson Cameli promete repassar pouco mais de 800 mil reais para a prefeitura de Sena Madureira não está fazendo mais que a sua obrigação de levar melhorias ao município, onde foi disparado o mais votado. E com o apoio do Mazinho Serafim. Ponto final.

DUPLA DO BARULHO

A articulação para a ida do vereador Emerson Jarude para o MDB formar chapa com o deputado Roberto Duarte (MDB) na disputa da prefeitura de Rio Branco dará uma dupla do barulho. No bom sentindo, são atuantes na Câmara Municipal de Rio Branco e na ALEAC.

ALFINETADA

O governador Gladson Cameli deu uma bela de uma alfinetada na candidatura do deputado Roberto Duarte (MDB), ao soltar de que o Minoru Kinpara é um bom candidato a prefeito.

TERÁ QUE SE ACOSTUMAR

O governador Gladson Cameli terá que se acostumar com a ideia de que um dos principais opositores ao seu governo na ALEAC, deputado Roberto Duarte (MDB), não arredará de disputar a prefeitura da capital, por ser esta uma decisão já tomada pela direção do MDB.

SAIA JUSTA

Os que ficarão numa saia justa serão os peemedebistas do primeiro escalão no governo, Eliane Sinhasique, Maria Alice, Pádua Bruzugu e Roberto Feres. Numa eleição para prefeito da capital, vão com que roupa: apoiar o candidato do Gladson Cameli ou candidato do MDB?

CANDIDATO A FEDERAL

O deputado Jonas Lima (PT) está inclinado em disputar uma das vagas de deputado federal. Cansou da ALEAC. Já teve conversa com a primeira suplente Leila Galvão (PT), para uma dobradinha em 2022. Jonas pode se afastar para a Leila assumir o mandato por um período.

SITUAÇÃO INCÔMODA

O governador Gladson Cameli está numa situação incômoda: não pode fazer uma campanha publicitária sobre sua administração nestes seis meses, porque não tem licitação. E por isso não pode pagar. A disputa pelo pacote publicitário terminou em recursos e o final está longe.

CONFUSÃO DE METRO

A disputa das 14 empresas para ficar com o bolo publicitário do governo ainda vai dar confusão de metro. Enquanto isso a equipe econômica comemora a economia com a mídia. Os senhores empresários da comunicação não esperem uma solução tão cedo. Eu acho é graça.

FIM DO FAROESTE

A equipe da Segurança deu uma bela de uma freada na cidade de Sena Madureira, tirando de circulação as cabeças das quadrilhas que aterrorizavam a cidade. Tinha virado um faroeste.

FUNDADOR DO PT

O Arcebispo Dom Moacyr Grechi, que faleceu em Rondônia, teve uma atuação política ostensiva no Acre, onde foi a pedra basilar para a fundação do PT, patrocinando a criação das Comunidades Eclesiais de Base e condições financeiras para embalar o partido no nascedouro.

PETISTA DE CARTEIRINHA

Dom Moacyr Grechi, nos idos tempos do PT, foi um dos chamados petistas de carteirinha.

GERAR EMPREGOS OU LUCRO?

No governo passado era cobrada uma taxa de donos de restaurantes pelos dias na EXPOACRE de mil reais. Neste governo subiu para dois mil reais. É uma feira para gerar empregos ou para o governo lucrar? Num Estado com alto índice de desemprego foi uma decisão desfocada.

VAMOS COLOCAR NO DEVIDO LUGAR

Vamos colocar a pesquisa da RECORD na verdadeira leitura que deve ser feita. O governo Gladson teve apenas 37% de aprovação. 9% de Ótimo e 28% de Bom. Não se soma numa pesquisa o Regular. Ou seja, houve uma queda no pouco mais de 50% com que foi eleito. Este é um ponto.

HÁ QUE SE SEPARAR

O governo ficou numa avaliação mediana de 37%, abaixo do ideal. Quando uma maioria esmagadora diz que votaria no Gladson Cameli de novo não é uma aprovação ao seu governo, mas uma clara demonstração que o PT continua num inferno astral de popularidade. E que entre ele e o PT continua preferindo ele. É bom deixar a situação bem clara para não misturar.

PARA SE PREOCUPAR

Os números do governo no setor Segurança não foram nada favoráveis ao Gladson Cameli. 50% consideram que a Segurança está igual a do governo passado, que foi um fracasso. E 27% acham que no atual governo é pior. Traduzindo para o popular, a maioria está descontente.

TAMBÉM PARA SE PREOCUPAR

Pouco difere em termos de rejeição a Segurança da Saúde pelos entrevistados. É só ler os números de maneira fria. 52% dos ouvidos acharam que a Saúde está igual ao no governo anterior, que foi um desastre. E 25% que piorou. Os que aprovam são uma minoria.

CORREÇÃO DE RUMO

Ficou assim claro de que o governo Gladson Camelin tem que mudar a estratégia na Saúde e Segurança porque a maioria na pesquisa considerou que não houve uma melhora. É preciso saber ler os números de pesquisa para não ficar divagando no que não é a realidade.

O QUE TEM DE FICAR NA CABEÇA

O que tem ficar na cabeça do Gladson Cameli é que o céu não é de brigadeiro. O seu governo tem apenas 37% de aprovação e a população está descontente com os caminhos da Segurança e Saúde, que prometeu mudar durante a campanha. Isso é que tem que se preocupar.

NÃO POSSO SER AGRADÁVEL

Não vou fazer uma leitura errada inversa só para ser agradável ao governador.

FICOU PATENTE

O que também ficou muito patente na pesquisa da RECORD é que os entrevistados não estão com saudade do PT no poder. O que é uma preocupação para a eleição do próximo ano. Isso fica claro que, com todos os tombos iniciais ainda preferem o Gladson Cameli ao petismo.

PESQUISA É MOMENTO

Pesquisa retrata apenas um momento, é como as nuvens que mudam, vale para o momento.

Continuar lendo
Propaganda

Leia Também

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.