Conecte-se agora

Para aliados, Gladson Cameli não pode agir como Bolsonaro ao compor governo

Publicado

em

A pouco mais de 25 dias para assumir o Palácio Rio Branco, o governador eleito, Gladson Cameli (PP), vê crescer a cada dia a insatisfação dos partidos aliados com sua equipe de transição que define quem será quem nos próximos quatro anos de gestão. Eleito em outubro por uma coligação de 12 partidos, Cameli deu carta-branca para os auxiliares comporem o secretariado colocando na balança muito mais o critério técnico do que político.

A questão é que essa decisão não tem agradado os aliados. O senador Sérgio Petecão (PSD), que mostrava moderada insatisfação apenas nos bastidores, decidiu colocar a boca no trombone, ameaçando até romper caso Cameli não coloque o comando do setor rural do governo sob a tutela dos pesedistas.

O problema é que quem também está de olho no mesmo posto são os tucanos. Como ac24horas mostrou nesta segunda (3), o PSDB quer a Agricultura como a secretaria de cota do partido, deixando a Segurança como um acordo pessoal entre Gladson Cameli e o vice-governador eleito Major Rocha (PSDB).

Vendo-se excluído, Petecão começou a se articular para ficar com alguma sobra no primeiro-escalão. A montagem da equipe governamental deixando de fora os partidos que formaram a aliança que elegeu o ainda senador tem deixado muitas lideranças revoltadas.

“O Gladson precisa entender que ele não é o Bolsonaro. O presidente se elegeu sozinho, por um partido inexpressivo, não precisou do MDB, do PP, do centrão. O Bolsonaro forma o ministério dele do jeito que ele quer e ninguém reclama, pois não deve nada a nenhum partido”, afirma o presidente do diretório municipal de uma das legendas da base de Cameli, que pediu para não ser identificado.

Outro dirigente lembra que, ao contrário de Bolsonaro, Gladson Cameli precisava das legendas tanto para ter bom tempo de exposição no programa eleitoral, como para garantir maioria na Assembleia Legislativa. “Agora o próprio Bolsonaro começa a conversar com os partidos do centrão, que ele sempre rejeitou, para compor sua base no Congresso. O capitão sabe que, sem eles, não governa”, avalia a liderança.

Estando às voltas em assumir um estado com as contas inchadas por conta do atual tamanho da máquina, o futuro governador vai reduzindo ao máximo essa estrutura. Com isso, tenta assegurar recursos que garantam o mínimo de investimentos nos primeiros seis meses de gestão.

Essa redução implicará em menos aliados acomodados no governo. Para evitar o rompimento com aliados importantes, aos poucos Gladson Cameli vai fazendo concessões. A primeira foi entregar a Segurança aos cuidados do vice. Agora, a tendência será amansar os tucanos para que deixem a Agricultura ficar com o aliado Sérgio Petecão.

Propaganda

Destaque 2

Vendedor de Churrasco e Músico são mortos no segundo distrito de Rio Branco

Publicado

em

Um duplo homicídio foi registrado na capital na noite deste domingo, 26. Ronilton da Silva Queiroz, de 35 anos, e o músico Raimundo Conceição, 54 anos, foram mortos a tiros na noite, em via pública , na Travessa São Bento, no bairro Recanto dos Buritis, no segundo distrito de Rio Branco.

De acordo com informações da polícia repassadas ao ac24horas, Ronilton estava prestando serviço no churrasquinho para uma namorada, quando dois homens não identificados se aproximaram em uma motocicleta e o garupa de posse de uma arma de fogo ameaçou atirar em Ronilton, que ao perceber que iria ser baleado correu para atrás do músico Raimundo que não tem envolvimento com organização criminosa, que estava apenas comprando a janta da noite.

O criminoso efetuou vários tiros e conseguiu acertar Ronilton com 6 disparos em várias partes do corpo. Raimundo que estava no local e na hora errada foi ferido com 2 tiros. Após a ação os criminosos fugiram do local.

Duas ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foram acionadas, mas ao chegar no local nada pode fazer pelas vítimas que já se encontravam mortas.

O local foi isolado pela Polícia Militar até a realização da perícia tecnita. Várias rondas foram feitas na região na tentativa de encontrar os autores do crime, mas ninguém foi preso.

Os corpos das vítimas foram encaminhados ao Instituto Médico Legal (IML) para os exames cadavérico. O caso sera investigado pela Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). A Polícia acredita que a motivação do crime foi um acerto de conta entre facções.

Continuar lendo

Destaque 2

“Na semana da votação, vou pra Brasília ser cabo eleitoral”, diz governador sobre Reforma

Publicado

em

Durante seu discurso em cima do carro de som do Instituto Conservador do Acre, o governador Gladson Cameli afirmou que não irá ficar em cima do muro. Assim como na manifestação deste domingo, 26, garantiu que irá apoiar a reforma da Previdência pessoalmente, em Brasília.

“Temos, sim, que apoiar a aprovação da reforma da Previdência. Precisamos criar condições de trabalho aos brasileiros”, disse Cameli.

De acordo com sua fala, o país e o Acre também precisam, além da reforma previdenciária, da reforma Fiscal, Tributária e Política.

“Vou para Brasília na semana de votação da reforma (da Previdência), ser como cabo eleitoral. Meu posicionamento é claro, queremos um Acre melhor e fortalecido”.

O governador finalizou o discurso dizendo que o presidente Bolsonaro já começou a olhar para o Acre: “ele é grato pela votação que recebeu”.

Continuar lendo
Propaganda

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.