Conecte-se agora

Rocha e Gladson terão conversa final sobre segurança

Publicado

em

O vice-governador eleito Major Rocha (foto) ligou ontem antes do seu embarque ao Panamá, para dizer que após a volta do Gladson Cameli de New York, na próxima semana, deverão sentar em Rio Branco para aclarar de vez a questão da escolha dos novos dirigentes do sistema de segurança pública, que está num impasse. Rocha (foto) disse à coluna que, não se trata de nenhuma briga, mas de encontrar um caminho. “Não posso assumir a responsabilidade de indicar nomes para a Segurança se não tiver a garantia que terei recursos para tocar com sucesso a pasta”, ressaltando ser este o ponto principal que vai ser discutido no encontro. Rocha cita o DETRAN, que poderia ser o canal que supriria a Segurança das verbas necessárias para a sua manutenção. Não quis falar sobre nomes, porque tudo vai depender da reunião programada para a semana que entra. Até lá, a definição ficará em compasso de espera.

TEORIA E PRÁTICA
Ninguém foi mais duro crítico que o médico José Ribamar á condução do sistema de saúde pelo atual governador. Tinha razão, tanto é que está encerrando num mar de dívidas e caos. Como número 2 da Saúde do próximo governo, será cobrado pelas soluções. Sem desculpas!

CRIA OS FILHOS
No serviço público, quem assume o comando de uma secretaria é como casar com a viúva, terá que criar os filhos. Não é porque o atual governo não obteve sucesso, que se amaciará o próximo. O que  os secretários do próximo governo não podem ser piores que os atuais.

PERDA DE NOÇÃO
Museu é importante para preservação do patrimônio histórico. Não se discute. Mas num momento que vive o atual governo, devendo Deus e o mundo, com serviços básicos parados ou se arrastando, era prioritário investir milhões na construção de um Museu neste clima?

SAIRIA POR CIMA
Caso o atual governador tivesse dado prioridade aos pagamentos dos credores, dos profissionais de saúde, à conclusão de obras inacabadas, terminaria a sua administração por cima, de bem com a opinião pública e não estaria terminando seu ciclo de forma melancólica.

COMENTÁRIO DO MOMENTO
A prefeita Socorro Neri deu uma aula á equipe do futuro governo, que trabalha na elaboração de um projeto para reduzir o tamanho do paquiderme que é a máquina estatal, de como fazer uma Reforma Administrativa de vergonha. Espera-se que a Reforma no Estado não seja meia boca.

A FACA DO MALHEIROS
Vamos saber quando for anunciado o pacote da Reforma do Estado qual será o tamanho do corte da faca do Conselheiro do TCE, Antonio Malheiros, que é o principal articulador do futuro governo é o homem mais próximo do governador eleito Gladson Cameli..

É PRECISO SER HOMEM?
A vereadora Lene Petecão (PSD) disse na tribuna da Câmara Municipal de Rio Branco que “a prefeita Socorro Neri fez uma Reforma de macho”. Não foi diminuir o papel da nova mulher?

AGORA, INÊS É MORTA!
Deputados e vereadores que até ontem estavam gritando na primeira fila do gargarejo do atual governador e aplaudindo as suas ações, mesmo as erradas, não têm moral agora para lhe criticar. Depois que o leão perdeu os dentes é muito cômodo colocar a mão na boca do leão.

NÃO PODE SE OMITIR
Há um dado em relação ao governador que caminha para a porta de saída que não pode ser omitido, sob pena de se ser injusto: não há até aqui na justiça nenhuma ação com acusação de corrupção praticada por ele. Como gestor, ele foi um desastre, mas sairá de mãos limpas.

EXEMPLO DE SENA MADUREIRA
O prefeito de Sena Madureira, Mazinho Serafim, confirmou ontem à coluna de que disputará a presidência da Associação dos Prefeitos do Acre, decisão comunicada ao MDB. Tem bagagem para a disputa, porque em todas as pesquisas é um dos prefeitos melhores avaliados do Acre.

GESTÃO INTINERANTE
Nos planos do prefeito Mazinho para a direção da AMAC está tornar o órgão mais ativo e presente, com visitas semanais a todos os municípios para discutir as demandas com os prefeitos e prioridades de projetos para obras. Seria uma gestão para sacudir a AMAC.

NÃO FOI A CRISE ECONÔMICA
A prefeita de Tarauacá, Marilete Vitorino, tem a sua administração rejeitada até pelos aliados. Não é por falta de recursos, nem a crise econômica, que a deixa mal avaliada, foi falta mesmo de gestão, porque prefeitos de outros municípios conseguiram fazer obras e estão bem avaliados.

NÃO BRIGA POR SECRETARIA
Quem esteve ontem pela ALEAC foi o ex-prefeito Vagner Sales. Disse que não está brigando para ser secretário e nem para indicar todos os cargos do futuro governo no Juruá, embora garanta que reivindicará espaços. “Se não for dado, também, não tem problema”, falou.

CENTRADO EM DOIS NOMES
Na verdade a próxima administração terá na Assembléia Legislativa dois deputados que podem se tornar nos seus maiores críticos na oposição: Daniel Zen (PT) e Jenilson Lopes (PCdoB), este mais comedido. Jonas Lima (PT) é um crítico moderado. E Edvaldo Magalhães (PCdoB) tem flancos.

PAPEL CUMPRIDO
Quem vai encerrando o mandato com o dever cumprido e bem cumprido é o deputado Luiz Gonzaga (PSDB), principalmente, em relação às demandas do Juruá, sua principal base eleitoral. Dizia ontem que dá dó ver o Hospital do Juruá, que era uma referência, virar sucata.

SEGREDO DO GONZAGA
Sobre o deputado Luiz Gonzaga (PSDB) um amigo do Juruá comentava ontem que ainda precisa descobrir o mistério das suas eleições: “Luis Carlos, na campanha, você não encontra no Juruá um papel com propaganda do Gonzaga, quando as urnas abrem chove voto”.

ERRO DE AVALIAÇÃO
O líder do governo, deputado Daniel Zen (PT), considera ser um erro se for confirmado que o futuro governo vai acabar com a Fundação Elias Mansour, porque seria um retrocesso que prejudicará os movimentos culturais. Neste aspecto não deixa de ter razão na crítica.

AVISO AOS NAVEGANTES
A Reforma Administrativa anunciada ontem pela prefeita Socorro Neri funcionou também como uma espécie de aviso à enxurrada de ocupantes de cargos de confiança do governo petista derrotado na última eleição: na base do: não venham que, aqui não tem vaga.

SOMENTE SE PARTIR DO TJ
Uma fonte confiável do próximo governo comentou ontem de que Gladson Cameli somente colocará o ex-candidato derrotado Marcus Alexandre (PT) à disposição do TJ, se vier um ofício com requisição da presidência do órgão, mas não tomará a iniciativa da cessão.

NADA SE RESOLVE
Enquanto o governador eleito Gladson Cameli não retornar de New York e o vice-governador Major Rocha do Panamá, nada se resolverá na questão dos nomes para Segurança.

DESCONTAMINAÇÃO
O senador Jorge Viana (PT), adotou com sabedoria um período de descontaminação de tudo o que aconteceu de ruim para ele na última eleição é das fagulhas do desastre como termina o atual governo do seu irmão.

BEM FALADO
Um amigo das antigas fez ontem o seguinte comentário, que achei plausível: “Luis Carlos, de janeiro em diante todo problema que acontecer no Estado, na saúde, segurança, ou qualquer outro órgão, o cobrado por soluções não será mais este governo, mas o que assumiu”.

QUEM TE VIU E QUEM TE VÊ!
Quem viu o Hospital do Juruá no governo Binho Marques, funcionando azeitado, com médicos em todas as especialidades, medicamentos em estoque, salários em dias, e vê hoje o Hospítal do Juruá em greve, salários atrasados, falta de médicos, de medicamentos, é de amargar.

JAIRO É O NOME
O senador Sérgio Petecão (PSD) estava ontem em Brasília enturmando o deputado Jairo Carvalho (PSD), no Ministério da Agricultura. Foi taxativo em relação ao papel do parlamentar no governo Gladson Cameli: “o Jairo é a nossa indicação para secretário da Agricultura”.

SOMENTE SE HOUVER VETO
O senador Sérgio Petecão (PSD) diz que só não levará a indicação do deputado Jairo Carvalho (PSD) para ser o secretário de Agricultura se houver um veto do Gladson Cameli, optando por um nome mais técnico.

NÓ GÓRDIO DO GOVERNO
Uma das maiores preocupações em relação ao sucesso do futuro governo, na avaliação de um ex-gestor do Pronto Socorro de Rio Branco, muito mais do que a Segurança Pública é o bom funcionamento da Secretaria de Saúde. Lembrou que é a pasta mais complexa e difícil de lidar dentro de um governo, porque mexe com vidas, é corporativista, e possui uma logística que tem de estar presente com qualidade em todos os municípios. Citou o caso do esforço do atual governador, que além de ser médico, conhecer o sistema por dentro, ter priorizado a área e estar com a caneta na mão, e ainda assim termina o governo com uma gestão que fracassou na solução dos problemas básicos do órgão. Para este médico o sucesso do governo Gladson Cameli vai passar pelo bom funcionamento do sistema público de saúde. Se der certo se credencia no apoio popular, se fracassar, junto vai toda a sua administração, pontuou o seu comentário. Foi uma análise de quem vivenciou os problemas do sistema na sua entranha.

Propaganda

Blog do Crica

Como deve ser um presidente de um poder

Publicado

em

O presidente da Assembléia Legislativa, deputado Nicolau Junior (PROGRESSISTAS), aprendeu cedo como comandar uma casa política de posições divergentes e complicada. Neste pouco mais de um mês à frente do Legislativo tem se mostrado um conciliador, o que já lhe rendeu elogios de deputados do PT. Até aqui a sua conduta é unanimidade na ALEAC. De um presidente exige-se que seja um magistrado e não tome posição a favor de nenhuma ala política, mas que, ele seja neutro. É exatamente assim como o deputado Nicolau Junior (vem se comportando. Os debates estão fluindo sem interferência da mesa diretora.

A CARA DA FLORESTANIA

Pipocam nas redes sociais protestos contra a ida do ex-secretário dos governos Jorge Viana e Binho Marques, Carlos Ovídio, o “Rezende”, um dos formuladores da “florestania”, para chefiar a ANAC- Agência de Negócios do Acre. A indicação foi feita pelo PDT. O deputado Tchê justifica ser o indicado “competente” e que hoje, ele encontra-se filiado ao PDT.

ENDEREÇO ERRADO

Virou lugar comum abrir meu Zap e encontrar protestos contra as nomeações de petistas. Estão mandando ao endereço errado. Mandem para o Gladson Cameli. Não sou do governo, não tenho negócio com o governo, e não tenho a caneta que nomeia. Certo, meus amigos?

ATÉ LETRA DE TOADA

Tenho mesmo que rir. Não dá para ficar sério. Mandaram até a letra da Toada do “Boi Garantido”, que tem o refrão: “a cor do meu batuque tem o toque e tem o som da minha voz/ Vermelho, vermelhaço, vermelhusco, vermelhante, vermelhão/o velho comunista se aliançou ao rubro do rubor do meu amor/ Vermelhou..”. Já disse, por mim podem nomear o Carioca.

TOALHA JOGADA

Com o ofício enviado pelo governador Gladson Cameli ao presidente da ALEAC, deputado Nicolau Junior (PROGRESSISTAS), pedindo a saída de pauta do ato que indicava Alércio Dias, para a presidência do ACREPREVIDÊNCIA, é um sinal claro que desistiu tê-lo no cargo.

COMEÇOU TUDO ERRADO

A questão é que este processo começou todo errado. O Alércio Dias não poderia ter sido nomeado para comandar o ACREPREVIDÊNCIA, antes de seu nome passar pelo crivo da comissão especial do Legislativo. Está na lei!. A confusão que se formou é apenas o rescaldo.

DEIXANDO EM PRATOS LIMPOS

Nesta discussão jurídica que se formou em torno da indicação do Alércio Dias para o ACREPREVIDÊNCIA, um ponto tem que ficar bem claro, para não prevalecer uma injustiça: o Alércio não foi condenado no processo em debate por “improbidade administrativa”.

MAIORIA É MAIORIA

No parlamento, quem dá as cartas é quem tem maioria. Nada mais natural de que os presidentes das comissões parlamentares da ALEAC venham a ser indicados pelo grupo majoritário. Especialmente, as principais, como a Comissão de Constituição e Justiça.

RECOMENDAÇÃO EXPRESSA

Fonte não se revela. É princípio geral do jornalismo. Tenho informação de que foi recomendado à base do governo não colocar o deputado Roberto Duarte (MDB) na presidência da Comissão de Constituição e Justiça. Motivo: críticas constantes ao governo.

COTA DOS “NÃO CONFIÁVEIS”

Não há um pronunciamento oficial, e nem vai haver, podem até negar, porque sabem que isso redundaria numa resposta dura do deputado Roberto Duarte (MDB), mas nos bastidores da corte, o emedebista está na cota dos “não confiáveis” para o projeto do governo Gladson.

MORTO POLITICAMENTE

Não vejo como o deputado Roberto Duarte (MDB) mudar o seu modo combativo de falar o que pensa. Se mudar seu estilo de fazer política, abruptamente, estará politicamente morto.

COERÊNCIA E VERDADE

O deputado Jenilson Lopes (PCdoB) é coerente quando diz não ser justo fazer críticas ao governo Gladson, que ainda não fechou o segundo mês. E fala a verdade ao alertar que, a contemporização tem prazo de validade, e depois disso, não caberá mais culpar o antecessor.

NÃO HÁ COMO ESCAPAR

Claro que, quem integrou o governo desastrado que saiu não tem legitimidade para ficar criticando o vencedor da eleição. Até porque foram co-autores da patuscada. Mas passado o tempo de tolerância, o povo vai cobrar, e com a mais justa razão, é de quem governa.

CRÍTICA É DEMOCRACIA

Não quer dizer que neste período de tolerância dos 100 dias, um ato do governador Gladson considerado polêmico não possa ser criticado. Não pode ser cobrado por obras. E discordo do deputado Géherlen Diniz (PROGRESISTAS): crítica não é hipocrisia, mas democracia.

PODE EXPLODIR

O deputado Luiz Tchê (PDT) fez ontem um comentário que é a realidade dos fatos. Se com a Reforma da Previdência houver uma corrida para se aposentar, o ACREPREVIDÊNCIA explode.

MAIS DO QUE NECESSÁRIO

A proposta apresentada pelo deputado Daniel Zen (PT) ontem na ALEAC, de se fazer um concurso para o funcionamento da Advocacia Geral do Legislativo é mais do que necessário. A ALEAC tem que ter um corpo jurídico capacitado para consultas e defesa quando preciso.

FALTA DE RESPEITO

O que houve com os aprovados nos concursos para a Polícia Civil e Polícia Militar foi uma falta de respeito por parte do governo passado. Vamos situar a origem do problema. Passaram o tempo todo enganando que iam contratar. Mentiram até o último minuto da saída. Coube ao atual governo descascar o pepino. Tenho lido comentários, como se a origem do calote fosse gestado no atual governo.

NÃO É COM OFENSA

Está rodando um vídeo dos aprovados da PM e PC com ataques ofensivos ao governador Gladson Cameli. Este não é o caminho certo. A agressão nunca substituirá o diálogo. A gente entende a revolta dos que foram enganados pelo governo passado, mas, se o atual governo prometeu começar as contratações a partir de julho é acreditar. Se em julho não cumprir, neste caso cabe se partir para a crítica e cobranças duras. Este governo, não tem dois meses!

CRONOGRAMA

O que a equipe econômica do governo deveria definir o mais urgente possível é um cronograma especificando quantos concursados serão contratados por mês, para estes terem uma base. E não ficar uma data solta como início das contratações. Seria o ponto de partida.

PROPOSTA NA MESA

Há uma proposta na mesa diretora da ALEAC para estudo, de que não faça licitação para contração de agência para fazer um pacote publicitário com a mídia, mas aproveite a estrutura da Fundação Aldeia e o trabalho de divulgação dos atos do Legislativo a um baixo custo.

MÍDIA DO GOVERNO

Este é um assunto ainda em definição dentro do governo. A Companhia de Selva, que trabalhou para os governos petistas, encerra seu contrato em abril. Como não vai ter o contrato aditivado, terá que ser feita uma nova licitação para contratar outra agência.

AUDIÊNCIA DE CUSTÓDIA

Nada é mais criticado na área de segurança e entre os policiais que as chamadas audiências de custódia, que se queixam de serem lenientes. É comum ouvir policial dizer que prendeu um bandido, duas vezes na mesma semana, e este saírem rindo das audiências. Este é um debate que estará na pauta do pacote contra a violência, a ser discutido no Congresso.

GOVERNISTA ATÉ O TALO

O deputado Neném Almeida (SD) não é só um mero integrante da base do governo na Assembléia Legislativa, mas tem se mostrado, como se diz no popular, governista até o talo. Não deixa uma crítica da oposição ao governo Gladson Cameli sem uma pronta resposta.

CRÍTICA GERAL

Não é só o deputado Jenilson Leite (PCdoB) que critica o abandono. De amigos que passam por Tarauacá a queixa é a mesma de que a cidade virou um imenso buraco. Uma pesquisa, por certo, colocaria a prefeita Marilete Vitorino com um baixo índice de aprovação.

NOMES NA BASE

Deputados Luiz Tchê (PDT), Chico Viga (PROS), Juliana Rodrigues (PR), Wendy Lima (PSL), são nomes eleitos pela FPA, comandada pelo PT, e que devem integrar a base de apoio do Cameli.

TUDO PARA DESLANCHAR

O governador Gladson Cameli não tem como reclamar da classe política. Dos oito deputados federais , sete lhe apoiam. Terá a maioria na Assembléia Legislativa. E três senadores aliados.

ISSO SIM!

O que tem de evitar são decisões conturbadas tomadas sem reflexão do alcance político negativo. Depois que uma ratada acontece, pode até remendar, mas não conserta.

FICOU UM IMPASSE

O governo Cameli precisa simplificar as coisas. Nesta questão do Alércio, mandou tirar sua indicação de pauta, mas não diz o que vai fazer com o indicado. E fica com o desgaste no colo.

CAMINHO COMPLICADO

O caminho do PT é espinhoso. Igual aos pés de cacto que distribuíram como simbolismo no pouco frequentado aniversário dos 39 anos do partido. De fato terão que estar preparados para uma missão espinhosa: reconquistar a credibilidade popular. O partido não tem mais cargos no governo, que eram a sua moeda de troca para conseguir adesões políticas. Limitou-se a uma bancada de dois deputados estaduais. Não tem um senador e nem deputado federal. E ainda vive uma crise interna de briga pelo comando partidário, entre as lideranças tradicionais e os irrequietos integrantes da Democracia Radical, tendência que tem a presidência do diretório regional. É um caminho complicado para quem desaprendeu perder eleição. E para a eleição de 2020, as nuvens são negras: não tem um nome forte para a PMRB.

Continuar lendo

Blog do Crica

Prefeita Socorro Neri veta carnaval na avenida Brasil, idealizado pela equipe de Gladson

Publicado

em

BLOG DO CRICA EXTRA 

O chefe de gabinete da prefeita Socorro Neri, Márcio Oliveira, me informou agora que, a prefeita Socorro Neri não está disposta a autorizar a realização do carnaval organizado pelo governo e iniciativa privada, na Avenida Brasil, como foi anunciado pela secretária de Turismo, Eliane Sinhasique. O RBTRANS também se posicionou contra.

O argumento é que o carnaval no centro da cidade implica em se ter de mudar toda uma logística do transporte público e também para se evitar depredação de bens  públicos que ficam na região central, como a Praça Plácido de Castro. A decisão já foi comunicada ao gabinete civil do governo Gladson Cameli.

Márcio sugere que o carnaval venha a se realizar no Arena da Floresta ou Gameleira. Também foi decidido que a prefeitura não vai financiar o carnaval nos bairros. “Quem fizer será por sua própria conta”, disse Márcio. A secretária de Turismo, Eliane Sinhasique, não quis falar antes de ouvir a negativa oficial feita pela prefeita Socorro Neri.

Continuar lendo

Blog do Crica

O risco que corre o pau, também, corre o machado

Publicado

em

O governo Gladson Cameli resolveu sair das cordas na Assembléia Legislativa. De apenas ficar se defendendo. Foi decidido em reunião da cúpula governista que seja feito um levantamento minucioso em gestões de ex-secretários do governo Tião Viana e que hoje estão no parlamento, uma varredura no Tribunal de Contas do Estado sobre condenações, em contratos da gestão passada, que possam envolver aliados de deputados que estão na oposição, uma espécie de pente fino jurídico. A fonte do alto clero que me passou ontem a informação disse que, não se trata de nenhuma caça às bruxas por conta dos ataques que o governo Cameli vem sofrendo neste pouco mais de um mês de gestão, mas uma forma de dar subsídios à base do governo no Legislativo para mostrar que os que acusam esta administração, não são as vestais que se intitulam. Será uma varredura nos moldes feitos no DETRAN, que teve a sua última gestão desnudada para a opinião pública, com gastos considerados suntuosos e inexplicáveis. O governo resolveu aplicar no debate político a velha máxima: “o risco que corre o pau, também, corre o machado. Sinais de futuros debates acirrados na tribuna da ALEAC. A política sempre foi e será sempre uma via de mão dupla.

TUDO PARA BONS DEBATES

Esta legislatura está no caminho de muitos debates duros. Um deputado da oposição me disse ontem que, no momento oportuno vai revelar os nomes de secretários do governo Cameli com pendências na justiça e pedir ao MP, que entre com ação pedindo as suas demissões. Vixe!

MUITO ATIVA

Logo após a eleição e em que foram definidos os novos deputados destaquei neste espaço, que, pelos nomes eleitos para fazer oposição, o novo governo sofreria uma carga pesada de cobranças nos debates da ALEAC. É o que vem se registrando nestes primeiros dias de sessões.

PRIMEIRO CONFRONTO

A oposição e a base do governo vão travar a primeira medição de forças na ALEAC. Será em torno do projeto de Decreto Legislativo do deputado Daniel Zen (PT), que acaba o decreto do governo que regula as compras estatais. A decisão governista é derrotar o projeto do Zen.

MINIMO DE 16 VOTOS

A base governista trabalha no sentido de já nesta votação chegar aos 16 deputados.

BLOCO PARLAMENTAR

PR-PHS-SD formaram um bloco parlamentar para atuar na Assembléia Legislativa. Será integrado pelos deputados Chico Viga (PHS), Neném Almeida (SD) e Wagner Felipe (PR).

QUE MUDANÇA!

Olhe que, se não estive presente, foi em no máximo em cinco sessões na legislatura passada. Pois bem, durante o governo Tião Viana não vi uma vez a deputada Maria Antonia (PROS) cobrar ações do governo na abandonada área da saúde. Mudou da água para o vinho, ontem, insurgiu-se contra a falta de médicos no município de Brasiléia. Falante, da noite para o dia!

NÃO ENTENDO MAIS NADA

A política endoidou de vez! O deputado Chico Viga (PROS), que na sua última passagem pela ALEAC não fez um discurso, ontem foi à tribuna defender um projeto que dá nome ao Mercado dos Colonos do falecido amigo Olavo da Farmácia. Curaram a mudez do Chico.

NENHUM COMPROMISSO

Aqui, não se briga com a notícia. O governador Gladson Cameli nunca apanhou tanto como está apanhando nas redes sociais por conta da nomeação do seu motorista ganhando 18 mil reais. O governador tem o direito de nomear quem quiser, e o povo protestar quanto quiser.

UMA CONSTATAÇÃO

Uma constatação pode ser feita neste início da administração Gladson Cameli: não é mais o protagonista que era nas redes sociais, por conta de nomeações de desprovidos de saber e de petistas radicais, para os mais diversos cargos no Estado, quebrando promessa de campanha.

ESTRANHO NO NINHO

O comentário ontem foi por conta da presença do presidente da FIEAC, José Adriano, numa reunião na Casa Civil para a assinatura de um contrato com o BASA. “Foi um estranho no ninho, ninguém lhe deu conversa”, revelou um observador. Na gestão passada era paparicado.

MOVIMENTO CONTIDO

Ontem, a mesa diretora da ALEAC chegou a estudar devolver a indicação do Alércio Dias para a presidência do ACREPREVIDÊNCIA ao governo, mas avaliou que pelo regimento não poderia mais fazê-lo, por a matéria já ter sido lida. Até o fechamento da coluna o governo não tinha feito movimento para a retirada. Assim sendo, a indicação será apreciada pelos deputados.

EM NOME DA HONRA

O ex-deputado federal Alércio Dias descarta qualquer possibilidade de retirar seu nome, indicado pelo governo para o ACREPREVIDÊNCIA. Quer ir para a sabatina na ALEAC, em nome da honra. E se mostra o mais interessado que a reunião aconteça o mais rápido possível.

CIDADE DOS BURACOS

O deputado Jenilson Lopes (PCdoB) está alarmado com a situação como se encontra a cidade de Tarauacá, com as ruas tomadas pelos buracos, seja no centro ou na periferia. Considera que a prefeita Marilete Vitorino fracassou e, ele busca um nome novo para a eleição de 2020.

QUEM É O PADRINHO?

O prefeito de Sena Madureira, Mazinho Serafim, diz não estar indicando ninguém. O deputado Gérlen Diniz (PROGRASSISTAS), também fala não ser o pai da criança. Afinal, quem indicou o balançador de bandeira do PT, Augusto Areal, irmão do Nilson Areal, para o IMAC, em Sena?

DEPOIS RECLAMAM

E depois querem reclamar quando ex-secretários do governo Tião Viana ficam tirando sarro, postando que, por falta de nomes competentes, a oposição tem ido buscá-los no governo passado. E não há nem com fazer contestação, porque o Diário Oficial é a prova dos atos.

CABE UMA PERGUNTA

Neste contexto, também, cabe outra pergunta: quando o Nilson Areal será nomeado?

MUDANÇA RADICAL

Liguei ontem para amigos de Sena Madureira para saber notícias políticas. No meio da conversa entrou o nome do prefeito Mazinho Serafim na roda. Perguntei se mudou em relação ao ex-prefeito Mano Rufino. Opinião unânime: uma mudança radical para melhor.

DINIZ DECEPCIONADO

O ex-deputado Gilberto Diniz se diz “decepcionado” com o governo do Gladson Cameli, na área política. “Na repartição do governo que você entrar, você topa petista chefiando”, falou.

SEMPRE FOI UMA LACUNA

No governo passado foi uma lacuna na ALEAC a falta de alguém que pudesse subsidiar em tempo real os deputados da base do governo, com dados das secretarias questionadas pela oposição. Acertou o atual governo em pôr o desenvolto jornalista Jairo Carioca nesta missão.

UMA PERGUNTA QUE FAÇO

Uma pergunta que sempre faço quando alguém vem dizer que pretende ser candidato a prefeito de município do interior, na eleição do próximo ano: você quer ser prefeito para quê, com um FPM que mal dá para pagar o servidor, com o MP na porta, e numa crise econômica?

DOBRAR O REVALIDA

O deputado federal Alan Rick (DEM) está em uma luta para que as provas de revalidação de diplomas de estudantes formados no exterior aconteçam ao menos duas vezes ao ano. Foi graças à sua ação que os estudantes formados na Bolívia puderam entrar no “Mais Médicos”.

SEMPRE PRESENTE

O deputado federal Alan Rick (DEM) sempre está presente nas principais pautas do Acre.

CAVEIRA DE BURRO

Parece que desta vez será desenterrada a caveira de burro do HUERB, obra que atravessou os governos do PT inacabada. O secretário de Obras, Thiago Caetano, trabalha no sentido da sua conclusão ser o mais rápido possível. Para quem esperou décadas, pode esperar mais um pouco.

MÃOS LIMPAS

No máximo pode fazer algum barulho, uma CPI para investigar a EMURB, como se aventa na Câmara Municipal de Rio Branco. Os vereadores engajados na ideia vão perder tempo. Se há um vetor pelo qual não conseguirão emparedar a prefeita Socorro Neri é o da ilegalidade.

PASTAS QUE NÃO PODEM PARAR

A equipe econômica do governo não pode deixar de priorizar duas secretarias: Saúde e Segurança. São órgãos que mexem com o humor da opinião pública. E que, se não apresentarem resultados, redundam na queda da popularidade de um governo.

JUSTAMENTE OS MAIS CRITICADOS

Saúde e Segurança devem ser prioridade da prioridade no atual governo, porque foram alvos principais das críticas da população no governo passado, e na campanha foi prometido que os seus problemas seriam solucionados. Se não melhorar, o governo Cameli entra em desgaste.

CADÊ O ROCHA?

É a pergunta que se fazia ontem entre os jornalistas na ALEAC. É porque o vice-governador Major Rocha sempre foi falante na oposição, quando se tratava de notícias políticas. Depois que chegou ao poder tomou um chá de fecha boca e não dá um pio sobre as críticas de aliados do governo.

UMA QUENTINHA

Falando no vice Major Rocha há uma situação que deixou sua relação com o secretário de Saúde, Alysson Bestene, tensa. Conversa ficou de acontecer hoje para aclarar a situação, que envolve nomeação para o HUERB.

O CARIMBÓ DO PT

A festa de carimbó do PT foi pequena e desanimada. Os cargos de confiança de 20 anos sumiram. A roda foi tão fraquinha que nem o Tião Viana deu as caras. Jorge Viana, muito menos. Angelim, nem pensar. Cabiam folgados em um ônibus. Tempos difíceis! Difíceis!

SEM PERSPECTIVAS

E para piorar, o partido não tem um nome de peso para disputar a PMRB em 2020.

CABELOS BRANCOS

O primeiro secretário da mesa diretora da ALEAC, deputado Luiz Gonzaga (PSDB), ganhou alguns cabelos brancos, com a enxurrada de pedidos de empregos que recebe. É que há uma ideia errada de que o fato de alguém ocupar cargo público tem empregos na gaveta para dar.

ESTÁ NA PAUTA

Tenho informação de que o nome do professor Minoru Kinpara continua na pauta do PSDB para a disputa da PMRB, no próximo ano. Deverá ser puxado ao tabuleiro no momento certo.

NOME NOVO

Um nome político, mas com posturas novas, limpo, é uma opção para a disputa da prefeitura de Tarauacá na eleição do próximo ano: vereadora Janaína Furtado (REDE). É uma vereadora que cobra muito as ações municipais, conhece os problemas do município, desenvolta, enfim, uma figura política sem rancor. Um nome confiável, na próxima eleição para prefeitura.

Continuar lendo
Propaganda

Leia Também

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.