Conecte-se agora

Acre é o campeão de desmatamento na Amazônia; governo cogitou fusão de Meio Ambiente com Agricultura

Publicado

em

O Acre foi o campeão entre os estados da região Norte no índice de desmatamento registrado entre agosto de 2017 e julho deste ano. De acordo com os dados de satélite do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o aumento da área de floresta destruída foi de 82,9%, totalizando 470 hectares.

Em toda a Amazônia Legal, o desmatamento cresceu 13,7% no mesmo intervalo de tempo. A quantidade de mata nativa perdida pelo Acre é a terceira maior na série histórica do Inpe, iniciada em 2004.

Os dados surgem no momento em que os governos petistas – com sua política de florestania – encerram um ciclo de duas décadas de poder no Acre, e o início de uma gestão mais à direita liderada pelo governador eleito, Gladson Cameli (PP). Durante sua campanha, Cameli prometeu abrir o estado para o agronegócio, fomentando a produção rural como carro-chefe da economia local.

Conforme a reportagem apurou junto a fontes, a equipe de transição do progressista cogitou seguir a mesma linha adotada pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), e fundi as pastas do Meio Ambiente e da Agricultura. Após conversas, o novo governo desistiu da ideia.

Ao mesmo tempo que defendia o agronegócio na campanha eleitoral, Gladson Cameli adotava um discurso conciliador, garantindo que a pauta ambiental não seria colocada de lado, e que todos os projetos iriam levar em consideração as regras impostas pelo novo Código Florestal.

Na sexta, quando o Inpe anunciava os dados do desmatamento, o governador eleito reunia a imprensa para apresentar parte de seu secretariado. Entre os nomes, porém, não estava o titular da Secretaria de Meio Ambiente.

Procurada, a assessoria de imprensa da equipe de transição confirmou que a pasta ambiental será mantida no novo governo, ficando de fora da redução no número de secretarias. O nome do sucessor do atual secretário, Edgard de Deus, ainda não foi definido, podendo ser anunciado após 15 de dezembro.

Governo Sebastião diz que aumento não era esperado

Em nota enviada à reportagem, a área ambiental do governo Sebastião Viana (PT) disse que o aumento na taxa de desmatamento para 2018 não era esperado ante os investimentos feitos pela gestão petista no setor e em políticas econômicas apontadas como de baixo impacto no ambiente.

O governo considerou os índices divulgados pelo Inpe como “um ponto fora da curva” diante dos resultados dos últimos 15 anos, que apontavam tendência de queda nas áreas de floresta perdidas.

Os dados são obtidos por meio do Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (PRODES). Segundo essas análises, o período 2017/ 2018 perde apenas para 2004 e 2005, quando o Acre perdeu, respectivamente, 798 e 582 hectares de Floresta Amazônica.

Em 2005, o estado enfrentou uma de suas maiores estiagens da história. A nota das autoridades ambientais do Acre lançam pontos de questionamentos sobre os dados do Prodes.

“Primeiramente, é preciso entender a natureza dos dados que são divulgados anualmente pelo Inpe em novembro. Neste momento, o instituto publica estimativas iniciais, baseadas no estudo de uma amostra do total de imagens de satélite disponíveis. O Acre é dividido, nesta metodologia, em 12 cenas, mas apenas seis foram lidas e analisadas no estudo preliminar. O dado divulgado recentemente é uma extrapolação, para o total do estado, com base na análise desta amostra.”

Segundo o governo, em 2003 os satélites do Inpe consideraram como desmatamento áreas de florestas secas de bambu, o mesmo ocorrendo em 2016 com lagos sem água. “De qualquer maneira, a questão aqui não é questionar os dados, mas entender que são leituras preliminares”, diz o documento.

A nota é assinada pela Secretaria de Meio Ambiente, o Instituto de Meio Ambiente do Acre (Imac), o Instituto de Mudanças Climáticas (IMC) e pela Companhia de Desenvolvimento de Serviços Ambientais.

Anúncios

Destaque 2

Desembargador concede liminar obrigando TCE a empossar Ribamar Trindade como Conselheiro

Publicado

em

O desembargador Roberto Barros, do Tribunal de Justiça do Acre, acatou o pedido de liminar feito pelos advogados do secretário da Casa Civil, Ribamar Trindade, contra o suposto ato de omissão praticado pelo presidente do Tribunal de Contas, Conselheiro Cristovão Messias, por não o ter empossado quando foi nomeado pelo governador Gladson Cameli em outubro para para ser o novo Conselheiro do Tribunal de Contas, na vaga disponível após a morte do então conselheiro José Augusto de Faria, vítima de complicações da covid-19.

A decisão foi proferida na manhã desta terça-feira, dia 1. Em seu despacho, Barros determinou que Cristovão Messias emposse Ribamar no prazo de até 48 horas contados da ciência da decisão. O magistrado ainda pediu que o chefe da Corte de Contas seja notificado urgentemente.

Após a nomeação, o Tribunal de Contas tinha 30 dias para empossar o novo membro, o que não ocorreu. O mandado de segurança com pedido de liminar em favor de Ribamar foi impetrado no último dia 19.

ENTENDA O CASO

No dia 28 de outubro deste ano, o Pleno do Tribunal de Justiça do Estado do Acre já havia negado o pedido da Associação de Auditores (Audicon) para anulação do ato da Aleac que reprovou o nome da auditora Maria de Jesus Carvalho de Souza para ocupar a 6ª vaga de conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, por ela não preencher os requisitos exigidos pelas Constituições Federal e Estadual.

Maria de Jesus, que inicialmente foi indicada pelo governador à Aleac, é a única Auditora do TCE, o que transfere, diante da reprovação do seu nome, a destinação da vaga para cidadão detentor de notável saber jurídico, contábil, econômico ou de administração pública, segundo parecer do Ministério Público do Acre e decisão do Pleno do Tribunal de Justiça do Acre.

Os conselheiros devem ser nomeados dentre brasileiros que satisfaçam, obrigatoriamente, todos os requisitos previstos na Constituição do Estado, a dizer, possuir mais de trinta e cinco e menos de sessenta e cinco anos, ter idoneidade moral e reputação ilibada, possuir notórios conhecimentos jurídicos, contábeis, econômicos ou de administração pública, além de ter mais de dez anos de exercício de função ou de efetiva atividade profissional.

A escolha do nome de Ribamar Trindade foi aprovada por unanimidade pela Assembleia Legislativa do Estado do Acre (Aleac) em sessão extraordinária realizada no dia 30 de outubro, tendo em vista que além de não existir Auditor apto para assumir a vaga, Trindade cumpre todos os requisitos exigidos pela Constituição Estadual e pelo Regimento Interno do Tribunal de Contas do Estado.

Continuar lendo

Cotidiano

Bocalom não vai participar de debate para evitar que seja alvo de “mentiras e ataques”

Publicado

em

O coordenador geral de campanha de Tião Bocalom, Artur Neto, emitiu uma Nota nesta sexta-feira, 27, afirmando que o candidato e líder das pesquisas, Tião Bocalom (Progressistas) não irá participar do debate da TV Acre, programado para ocorrer às 21h30.

Em Nota, o marqueteiro afirmou que Tião Bocalom sempre demonstrou respeito pela população e demais adversários, mas que neste segundo turno, devido aos ataques, em estratégia adotada por Socorro Neri (PSB) desistiu de participar.

Segundo Artur, Neri preferiu adotar um discurso rasteiro com baixarias, buscando o convencimento do eleitor por meio da distorção da verdade, porém não citou as possíveis “distorções” feitas por Neri.

“Preferimos orientar nosso candidato a não participar do debate da renomada Rede Amazônica (TV Acre). Exigimos respeito ao nosso candidato e que os próprios eleitores também sejam respeitados. Ataques e mentiras não fazem e nem farão, em momento nenhum, parte de nossa estratégia de campanha”, escreveu em nota.

Por fim, o coordenador afirmou que durante o primeiro turno, Tião Bocalom participou de todos os seis debates, e encerrou dizendo que o progressista prefere terminar a campanha nas ruas conversando com a população.

“Como estamos na reta final das eleições, acabamos por decidir que iremos terminar nossa campanha, da mesma maneira que iniciamos, junto ao povo, nas ruas, conversando, ouvindo nossa querida gente, repudiando todo e qualquer ataque pessoal”, afirmou.

Continuar lendo

Blog do Crica

Rumo à esquerda separa Bittar e Gladson

Publicado

em

O RESULTADO DA ELEIÇÃO MUNICIPAL deixou o senador Márcio Bittar (MDB) e o governador Gladson Cameli, no caminho de rompimento político. As alianças com a esquerda foram o pomo da discórdia. Entre as reclamações abertas do Bittar estão o não cumprimento de acordo pelo qual o Gladson apoiaria a candidatura do Fagner Sales (MDB) a prefeito de Cruzeiro do Sul, e a candidata do MDB a prefeita de Brasiléia, Leila Galvão (MDB). Em Cruzeiro do Sul, o apoio foi para a chapa do professor Zequinha (PP), na qual estavam o PT e o PCdoB. E, em Brasiléia, nem apareceu na campanha da Leila, o que favoreceu a candidatura da prefeita Fernanda Hassem, que é do PT. Se engajar no palanque da prefeita Socorro Neri, onde estão PDT, PSB e PV, que no plano nacional fazem oposição ao presidente Jair Bolsonaro, de quem Márcio Bittar (MDB) é um árduo defensor, também é um ponto que ajudou no seu afastamento do governador. Para fechar o pacote, Bittar diz que, se sentiu traído e confrontado ideologicamente em Mâncio Lima, onde o governador Gladson colocou um adesivo com o 13 no peito, e apoiou à reeleição o petista Isaac Lima. “Não aceito”, enfatiza. São posições de quem não me quer ao seu lado na eleição de 2022, revela um irritado Márcio Bittar (MDB). Márcio diz que vai comandar a campanha de reeleição do Bolsonaro no estado, e no seu palanque não haverá espaço para aliados de partidos de esquerda, como o PDT, PV e PSB. Bittar promete estar num palanque alternativo na eleição presidencial e na disputa do Governo e Senado, no Acre. Para mostrar o seu descontentamento, foi o primeiro a declarar apoio ao candidato  Tião Bocalon (PP); na disputa da PMRB, que não é apoiado pelo Gladson. É um nó górdio político para o governador desatar.

IBOPE CONFIRMA FAVORITISMO
A RODADA de pesquisa do IBOPE, a primeira no segundo turno, mostrou o que está na boca da população, que o candidato Tião Bocalon (PP) é amplo favorito na corrida para o segundo turno. O Bocalon apareceu com 65% das intenções de votos contra 28% da prefeita Socorro Neri (PSB). É muito voto para dar uma virada.

TESE ERRADA
SEMPRE disse aqui no espaço do BLOG que segundo turno é uma outra eleição, apenas em tese. Mas na prática é uma continuidade do primeiro turno. Quem votou no Tião Bocalon (PP) tende a votar de novo, e ainda ganhará mais votos com base nas novas alianças. O IBOPE apenas confirmou esta realidade

TERRA DE MURO BAIXO
PARA A SUA PROPOSTA de tentar reverter a derrota larga no primeiro turno para o candidato Tião Bocalon (PP), o primeiro programa eleitoral da candidata Socorro Neri (PSB) pode ser considerado bom e mais planejado politicamente. Mas erraram quando colocaram para tecer elogios á sua gestão, assessores e ex-assessores da prefeitura municipal, todas figuras conhecidas.

NÃO VAI PESAR
TANTO PARA a candidata Socorro Neri (PSB), como para o candidato Tião Bocalon (PP), o horário eleitoral não terá o dom de mexer no resultado, até porque faltam só seis programas.

EMPATIA COM ELEITOR
O QUE PODE mexer no resultado do segundo turno seria quem chegou atrás conseguir uma empatia com o eleitor que não teve no primeiro turno. Teria de haver uma reversão de 47 mil votos. Uma missão, convenhamos, muito complicada e difícil de ocorrer. O tempo é exíguo e não aconteceu nenhum fato novo.

TIRO CURTO
O QUE TORNA a eleição de segundo turno mais complicada para reverter votos é o fato de ser uma campanha de tiro curto. No domingo da próxima semana, todos voltarão às urnas para votar.

JOGO DO PODER
O TIROTEIO do primeiro turno contra a prefeita Socorro Neri (PSB) por parte dos outro seis candidatos, foi um fato natural. Porque a briga era exatamente em torno do cargo que ocupa.

NÃO SE PODE NEGAR
E DENTRO deste contexto não há como negar que foi uma briga desproporcional. Alguns candidatos entraram só para descontruir a sua imagem de boa gestora, esquecendo suas candidaturas. E, teve que passar a campanha na defesa. Faltou no caso, uma boa assessoria política na condução da campanha.

NINGUÉM PODE NEGAR
A PREFEITA Socorro Neri (PSB) cometeu muitos erros políticos, isso é inquestionável. Não se preparou politicamente para uma campanha, não se planejou para quem queria ser candidata, mas ninguém pode deixar de reconhecer que, ela foi uma gestora honesta e vai concluir este mandato sem mácula. Perder é do jogo.

OS CAMINHOS SÃO ÍNGREMES
ACONTECE é que numa campanha política, existem outros ingredientes que estão mais além do que uma boa gestão. Quando um candidato cai na graça do povo, é difícil mudar. A Socorro foi uma boa gestora, mas não foi uma boa política.

CHEIO DE EXEMPLOS
E quando um candidato cai na graça do povão, não tem máquina estatal, municipal, apoio de partido político que consiga reverter,  a tendência de votar num determinado nome. Exemplos de quem ganhou eleição majoritária sem a máquina do poder: Jorge Viana (PT), Flaviano Melo (MDB) e Gladson Cameli (PP) e etc…

DIFÍCIL, MUITO DIFÍCIL
TENHO COLOCADO neste espaço que não existe nada mais difícil na política do que a transferência de votos. Se o leitor atentar para as pesquisas, mesmo a sua candidata Socorro Neri (PSB) não tendo se saído bem no primeiro turno, a avaliação do governo e do governador sempre ficaram num patamar positivo.

MIRANDO 2022
MAS, O GOVERNADOR Gladson  vai ter que, em 2021 refazer pontes que foram quebradas com aliados na campanha municipal. Vai ter que começar por uma repactuação de cargos no poder com os partidos, onde siglas de pouca ou nenhuma expressão têm mais de cem cargos, enquanto partidos grandes ocupam pequenos espaços ou nenhum. Isso é desproporcional.

NÃO ESTAVA NO SCRIPIT
QUEM FEZ uma campanha que atropelou as pesquisas foi o prefeito eleito Delegado Sérgio Lopes (PSDB), em Epitaiolândia. Nunca foi tido favorito, mas na reta final decolou e se elegeu.

PROJEÇÃO PESSOAL
O Delegado Sérgio Lopes (PSDB) pode se jactar de ter vencido  a eleição; por conquistar a confiança do eleitorado, não teve nenhum medalhão político que tenha influenciado na sua vitória.

DERROTA DE UM CLÃ
A VITÓRIA do Delegado Sérgio Lopes (PSDB) teve o condão de derrotar o clã dos Hassem, em Epitaciolândia, comandado pelos ex-prefeitos Luiz Hassem e André Hassem, varridos da cena política nesta eleição. Acabou a hegemonia naquele município.

PASSO PARA DEPUTADO
O CANDIDATO derrotado Everton Soares (PSL), foi o segundo colocado, mas como é um nome novo na política pode ter dado um passo importante para disputar vaga na ALEAC em 2022.

APOSTANDO ERRADO
QUEM ESTÁ APOSTANDO que uma vitória do Tião Bocalon (PP) para a prefeitura de Rio Branco vai significar entupir as secretarias de afilhados está enganado, não vai jogar fora conseguir o poder fora depois de cinco derrotas seguidas.

FRASE MARCANTE
“Liberdade significa responsabilidade. É por isso que tanta gente tem medo dela”. Bernard Shaw.

Continuar lendo

Destaque 2

Candidatos derrotados nas urnas voltam ao TRE para recontar votos e ameaçam fechar BR-364

Publicado

em

Foto: Sérgio Vale/ac24horas

Um dia após iniciarem um movimento nas redes sociais, dezenas de candidatos a vereador em Rio Branco que não conseguiram se eleger retornaram na manhã desta quinta-feira, 19, a Sede do Tribunal Regional Eleitoral do Acre, localizado na Avenida Antônio da Rocha Viana, para questionar novamente a contagem dos votos.

Os derrotados nas urnas apontam para suposta fraude devido a um possível erro na contagem dos votos. Uma confusão ocorreu durante a verificação dos boletins de urnas expostos no mural fixado fora das seções eleitorais e o candidato Janes Peteca garante que, ao notar que obteve menos de 800 votos, ficou desconfiado. “Eu e minha equipe vimos que tiramos o dobro dos votos”, explicou, garantindo que as pessoas que se sentiram lesadas irão procurar a Polícia Federal.

Com uma movimentação intensa de candidatos e temendo aglomeração por causa da pandemia de coronavírus, o juiz eleitoral titular da 9ª Zona, Robson Ribeiro, determinou que cada candidato tenha 20 minutos para verificar os Boletins de Urna.

Um grupo no WhatsApp foi formado com candidatos para tentar mobilizar uma grande manifestação. A intenção dos candidatos é irem até a Sede da Polícia Federal ainda nesta quinta e fechar a rotatória da Uninorte.

Ao ac24horas, o juiz Robson Ribeiro afirmou não ver qualquer motivo para alarde. “Não vejo nada de diferente do normal. O que eles [candidatos] podem fazer é uma representação, justificando, trazendo algum elemento que possa demonstrar alguma possível falha, mas até agora não teve nenhum procedimento”, atesta o juiz.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Mais lidas