Conecte-se agora

A “tragédia previdenciária” que poderá comprometer o Acre

Publicado

em

O rombo previdenciário no Acre poderá alcançar uma situação insustentável até 2022, mas não foi por falta de alerta. Durante a campanha eleitoral de 2014, o candidato derrotado Tião Bocalom, chegou a cogitar o déficit crescente no regime previdenciário do Estado, mas o governador Sebastião Viana, do PT, que disputava a reeleição à época fez pegadinha e ironizou os adversários que de acordo com ele não sabiam o que era equilíbrio atuarial, quando citou que o Acreprevidência estaria fazendo a lição de casa para garantir que as receitas para garantir receita para garantia do pagamento dos aposentados a longo prazo.

Segundo dados de fontes apresentadas por auditores que realizaram um levantamento prévio da situação financeira do Estado para apresentar para o governador eleito Gladson Cameli (Progressistas), o Acreprevidência que foi criado com o a missão de arrecadar, assegurar e administrar recursos financeiros para custear os proventos e as pensões dos beneficiários do Regime Próprio de Previdência Social e garantir a perenidade do Fundo de Previdência Social do Estado estaria com a saúde financeira abalada, necessitando de aporte financeiros de recursos próprios do Estado para cumprir suas obrigações.

O órgão, nos últimos anos, tornou-se o “vilão” da gestão pública. De acordo com números de pesquisas realizadas em portais de transparência, o déficit financeiro do Acreprevidência em 2018, já soma mais de R$ 370 milhões. Recurso esse que é transferido diretamente dos cofres públicos e que poderia ser utilizado em outras áreas que necessitam da intervenção do Poder Executivo. Isso significa que somente esse ano, já foram tirados dos cofres públicos estaduais, mais de R$ 37 milhões por mês para suprir o déficit previdenciário que vem crescendo ano a ano desde a criação do instituto estadual.

E a situação se torna ainda mais preocupante quando se olha a previsão para os próximos anos. Em 2019, por exemplo, a expectativa é que esse déficit seja superior a R$ 561 milhões, chegando a mais de R$ 1,1 bilhão em 2022. O que mais chama atenção, além do valor assustador da dívida do Acreprevidência, é que o problema iniciou ainda em 2009, três anos após a criação da autarquia, e vem se arrastando até hoje como uma bola de neve, com previsão do déficit aumentar mais nos próximos anos, afetando a situação financeira do Estado que continua a desembolsar cada vez mais recursos para cobrir o rombo.

De acordo com os dados disponíveis para livre consulta em portais de transparência do Estado e da União, os números são assustadores e preocupantes. A situação do Acreprevidência exige uma ação emergencial por parte do novo governo, caso contrário, o Acre caminhará para uma verdadeira “tragédia previdenciária”, comprometendo toda sua situação financeira. Um exemplo pode ser mostrado pelos números dos benefícios concedidos. Em 2006 eram 4.593, em novembro do corrente ano 14.263, o custo inicial estava em R$ 7,6 milhões de reais e neste mês em R$ 70,7 milhões de reais.

Outro fator preocupante são os 1.759 servidores que podem requerer a aposentadoria a qualquer momento, sendo que no próximo quadriênio outros 3.889 atingem o direito, o que estará aumento o gasto com benefícios em mais R$ 20,4 milhões. A situação é extremamente preocupante e buscar uma alternativa que resolva esse problema ou pelo menos minimize a situação é um grande desafio. O novo governo terá que contar com o apoio e a ajuda de muitos “atores” para evitar que, aqueles que muito já contribuíram com o Estado e suas famílias, sejam prejudicados e tenham benefícios atrasados por falta de recursos.

Se nenhuma medida urgente for encontrada pela nova equipe econômica que deverá assumir as rédeas do problema a partir de 1o de janeiro de 2019, o Acre continuará destinando boa parte de seus recursos, que poderiam ser investidos em áreas como educação, segurança, saúde e infraestrutura, para suprir o déficit do Acreprevidência, um instituto que apesar de todos os esforços da atual administração estadual que apresentou diversos projetos no Poder Legislativo Estadual para tentar reforçar o caixa e manter sua saúde financeira em dia, poderá se tornar a pedra no sapato do governador Gladson Cameli.

Propaganda

Destaque 2

Rocha faz visita surpresa ao Huerb e encontra portas quebradas, falta de profissionais e verticalização do Huerb abandonada

Publicado

em

Após o Estado decretar calamidade pública na Saúde, o governador em exercício Major Rocha esteve por volta do meio-dia desta sexta-feira, 15, fazendo uma visita surpresa ao Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco. Na companhia da deputada federal Mara Rocha (PSDB), o chefe do Palácio Rio Branco peregrinou pelos corredores da Unidade Hospitalar e ouviu reclamações de profissionais e pacientes.

Logo ao entrar no Huerb, Rocha foi recebido pelos profissionais de saúde e também por pacientes que estavam reclamando do atendimento. Ao entrar no setor de consultas, o governador já se deparou com a porta quebrada. Ele conversou com médicos e enfermeiros que relataram que neste primeiro momento não falta remédio, mas sim alguns insumos.

O governador visitou as alas que atendem crianças, adultos e idosos e ouviu da boca de diversos profissionais da saúde que atualmente o grande déficit do Hospital é em relação aos profissionais. Segundo os relatos, quase 500 auxiliares de enfermagem precisaria ser contratados para suprir a demanda da Unidade. Com relação a médicos, precisaria de pelo menos mais 50 profissionais.

Acompanhado do diretor-geral do Huerb, o médico Welber de Lima, Rocha e Mara foram direcionados para a parte superior do Hospital, que foi inaugurada no ano passado pelo governador Sebastião Viana, mas não funciona. Dos três elevadores da Unidade, somente um funciona, mas sem luz interna. O piso apresenta uma série de defeitos. “Se jogar água aqui nesse piso, ele se solta”, comentou um profissional de saúde que acompanhava a visita.

Fotos: ac24horas 

Todos os leitos superiores não acomodam nenhum paciente por falta de estrutura. O ambiente não tem ar-condicionado e mesmo durante um clima ameno, como foi esta sexta-feira, a sensação de abafado toma conta.

“A nossa principal dificuldade é deficiência técnica, a falta de material humano e também os insumos que estão tendo dificuldades de obtê-los, mas com esse Decreto de Calamidade eu acredito que vá melhorar muito a nossa saúde. Vamos poder respirar melhor e a gente vai chegar numa melhora considerável nesses próximos 60 ou 90 dias”, explicou o diretor Welber de Lima.

Incomodado com o que encontrou, Rocha se comprometeu a cobrar do secretário da saúde medidas urgentes para tentar resolver o problema de Saúde. “Recebemos reclamações e elogios do atendimento. Nós sabemos das dificuldades sobre a falta de profissionais, mas temos que entender que estamos a menos de 50 dias no governo. Foi promessa nossa de campanha, foi compromisso meu e do governador e da gente uma atenção especial para a Saúde”, disse o governador.

Sobre a parte vertical do Huerb, Rocha ressaltou que trabalhará para que o setor esteja o mais rápido possível a disposição da população. “Como você pode constatar, a maioria dos banheiros apresentam problemas nesta parte. Não tem ar-condicionado. Vamos correr contra o tempo para resolver isso. A população não pode pagar pela responsabilidade de terceiros. É um compromisso nosso tentar resolver isso o mais rápido possível”, enfatizou.

Continuar lendo

Destaque 2

Membros do CV são presos em Brasileia após confronto com a PM

Publicado

em

Por meio de uma denúncia anônima, uma equipe composta de nove Policiais Militares do 10º Batalhão da cidade de Brasileia conseguiu prender 12 suspeitos de pertencerem à facção criminosa Comando Vermelho (CV) na região do Alto Acre, um deles de 16 anos. Informações de testemunhas atestaram que os mesmos teriam invadindo bairros e residências para ameaçar pessoas ligadas a outro grupo criminoso.

Com os acusados, a PM apreendeu uma escopeta calibre .28, um revólver calibre .32, um revólver calibre .38 e uma pistola .9mm. Durante a ocorrência, ainda houve confronto entre a PM e os criminosos. Um dos suspeitos foi alvejado por tiros. Nenhum PM ficou ferido.

A denúncia, conforme consta no Boletim de Ocorrências (BO), informou que, antes de ser pego, o grupo armado teria invadido o bairro Leonardo Barbosa, no município, dizendo: “Aqui é CV ‘porra’ [sic], vamos matar todos”. Na ocasião, os mesmos teriam invadido a residência de uma mulher, onde teriam proferido várias ameaças à família da mesma.

“Dois dos detidos foram reconhecidos na delegacia pela proprietária da casa invadida. Foi ela quem comunicou à polícia que o bando teria afirmado em alto e bom som que todos que fizessem parte do ‘Bonde dos 13’ iriam morrer naquele lugar”, informou a guarnição policial.

Foi então que a equipe da PM armou um cerco policial em alguns bairros para capturar os acusados. Um dos primeiros detidos revelou à polícia que a ordem de invadir o local, na fronteira do estado, teria partido de Rio Branco. De acordo com o boletim, a ordem seria invadir o bairro de Brasileia para tomar todos os pontos de droga que estariam sob comando da facção rival (Bonde dos 13).

O confronto aconteceu quando a PM cercou uma casa onde estavam outros membros do grupo denunciado. Um dos suspeitos pulou por uma janela e conseguiu chegar aos fundos do terreno, efetuando um disparo em direção à guarnição policial. Diante disso, a polícia efetuou dois disparos em direção ao criminoso, que foi atingido na altura da pélvis direita.

O criminoso ferido foi atendido por socorristas do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e encaminhado ao hospital Wildy Viana, onde permaneceu em observação médica.

A polícia ressaltou que dois dos integrantes detidos são acusados de terem cometido um roubo em um posto de combustíveis da cidade, pouco antes de serem presos.

Todos foram encaminhados a Delegacia de Polícia Civil de Brasileia para os procedimentos legais. Os celulares apreendidos com o grupo serão submetidos à perícia técnica, já que segundo a polícia, eram utilizados para o planejamento de crimes.

Os detidos foram: Reullivan Cabral da Silva, de 16 anos; Michael Jackson Maia da Silva , de 18 anos; Thiago Freitas Cavalcante, de 20 anos; Carlos Machado Borges, de 23 anos; Marcelo Gomes de Souza, de 20 anos; Mikael Messias Magalhães, de 21 anos; Wilitan da Silva Nascimento, de 18 anos; Deydson Willee Ferreira Valentin, de 18 anos; Raylan de Freitas Liberato, de 19 anos; Thiago da Silva Araújo, de 21 anos; Ebeson Silva de almeida, de 25 anos e Moises Ferreira de Almeida de 19 anos.

Continuar lendo

Destaque 2

Mulher é perseguida e morta com um tiro no pescoço; criança fica ferida

Publicado

em

FOTO: DAVI SAHID

A jovem Katrine Lopes da Silva, de 24 anos, foi morta com um tiro no início da tarde desta terça-feira (12), nos fundos de sua residência. O crime aconteceu na rua Jerusalém, no Conjunto Laelia Alcântara, na região do Calafate em Rio Branco.

De acordo com informações da polícia repassadas a reportagem do site ac24horas, a vítima estava caminhando na rua, quando foi seguida por três homens não identificados que estavam a pé. Katrine entrou nos fundos da sua casa e o trio invadiu o quintal, um deles de posse de uma arma de fogo efetuou um tiro que atingiu a vítima no pescoço. Na ação uma criança saiu ferida no braço.

A Ambulância do suporte avançado do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionada, mas ao chegar no local nada pode fazer pela mulher que já se encontrava morta.

Policiais Militares do 4°Batalhão estiveram no local e isolaram a área para os trabalhos dos peritos em criminalística.

Agentes da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) iniciaram as investigações em busca de identificar os acusados.

Até o final desta matéria ninguém havia sido preso. A Polícia não soube informar a motivação do crime.

Continuar lendo
Propaganda

Leia Também

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.