Conecte-se agora

“Eu recebo uma mixaria”, diz N. Lima ao reclamar do salário de vereador

Publicado

em

Um vereador de Rio Branco recebe um salário de R$ 12.025,41, mas para N. Lima a remuneração mensal dele é uma “mixaria”.

Além do salário, um edil da capital tem direito a R$ 20 mil de verba de gabinete, R$ 4 mil para gastar com combustível
e mais R$ 4 mil para trabalhos gráficos, além de dois veículos à disposição e quatro viagens para treinamentos.

“Nós estamos defasados. Seu eu não me engano quem é vereador aqui está com quantos anos que não recebe aumento? Se eu não me engano é 12! E aí?! A Assembleia Legislativa tem uma lei que diz que é 75% do vereador, ou do deputado. Eu não recebo isso, não. Eu recebo uma mixaria. Não dá 60%. Que for legal aqui, senhores vereadores, eu quero. O que for legal é meu”, afirmou ele durante sessão na Casa nesta semana.

Ainda em seu discurso, N. Lima disse que paga despesas de combustível para que pessoas que trabalham com ele realizem serviços de fiscalização nos bairros de Rio Branco.

N. Lima é candidato à presidência da Câmara Municipal pela oposição. Ele concorre ao cargo contra o petista Antônio Morais. A eleição da Mesa Diretora acontece nesta sexta-feira, 09.

Propaganda

Acre

Alan Rick diz que saída de cubanos abre espaço para os brasileiros

Publicado

em

Alan Rick foi o autor da emenda que possibilitou a participação, no programa, dos médicos brasileiros formados em faculdades estrangeiras. Com isso, hoje cerca de 4 mil médicos brasileiros oriundos de vários países trabalham no Mais Médicos, desses, cerca de 400 são acreanos.

Recentemente, o parlamentar conseguiu aprovar um texto de sua autoria no Projeto de Lei do exame Nacional do Revalida. A emenda de Alan Rick apresentada na CCJ da Câmara, e acatada no parecer do relator, estabelece a obrigatoriedade de pelo menos dois exames do Revalida por ano.

“Atualmente mal se consegue concluir um exame anual. Para se ter uma ideia, o Revalida 2018 não pôde ser realizado porque não houve a segunda etapa do Revalida 2017”, revela o deputado.

Com o anúncio, pelo governo cubano, da saída de seus médicos do programa, Alan afirma que enfim, a lei 12.871/13 poderá ser devidamente aplicada.

“A Lei estabelece a regra de prioridade de chamamento nos editais. Primeiro os médicos formados no Brasil. Como eles nunca preenchem as vagas, faz-se a chamada para os médicos formados no exterior.
Esses atendem o clamor dos municípios carentes, pois querem muito trabalhar”, diz o parlamentar.

A renúncia do governo cubano ao programa também revela o regime desumano de trabalho a que são submetidos os médicos cubanos.

Pelo convênio com a OPAS, os intercambistas da ilha de Fidel recebem uma “ajuda de custo” que varia entre R$ 1.500 e R$ 3.000. Uma miséria comparada ao valor da bolsa: R$ 11.500,00 que deveria ser integralmente paga a todos os médicos participantes.

“O convênio celebrado pelo governo do PT com a OPAS é desumano. O salário dos médicos cubanos é enviado a Cuba para financiar a ditadura castrista”, afirma o deputado.

De fato, os números do Ministério da Saúde revelam o tamanho do rombo: de 2013 a 2017, foram enviados a Cuba cerca de R$ 7,1 bilhões.
Parlamentares da base de Jair Bolsonaro já prometem instaurar a CPI do Mais Médicos pra investigar um suposto esquema de Caixa 2 para as campanhas do PT, oriundos dos recursos do Mais Médicos.

Continuar lendo

Acre

Começa nesta sexta-feira Operação Papai Noel na capital

Publicado

em

Mais 30 policiais foram colocados em áreas comerciais de Rio Branco na manhã desta sexta-feira (16), convocados pelo Comando Geral para atuarem durante a primeira fase da Operação Papai. O objetivo é prevenir crimes contra o patrimônio nas regiões onde circula dinheiro e mercadoria principalmente nessa época do ano.

O décimo terceiro está sendo liberado para a maioria dos empregados, seja servidor público ou privado e se aproxima as datas comemorativas como a festa de Natal e de fim de ano, com isso aumenta o fluxo de dinheiro no mercado e a vulnerabilidade dos consumidores.

A primeira fase da operação vai até o dia 05 de dezembro e tem caráter preventivo. Será realizado patrulhamento nas principais áreas comerciais sem descuidar das operações que continuam sendo realizada nos bairros para o combate ao crime junto à população.

Continuar lendo

Acre

Cientistas sintetizam molécula que elimina vírus da hepatite C

Publicado

em

Pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp) sintetizaram um novo composto que inibe a replicação do vírus da hepatite C em diversos estágios de seu ciclo. O estudo, feito com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), consistiu na combinação de moléculas já existentes para produzir novos compostos biológicos, método denominado bioconjugação.

O novo composto, denominado AG-hecate, também é capaz de agir em bactérias, fungos e células cancerosas.

Segundo um dos autores do estudo, o químico Paulo Ricardo da Silva Sanches, esse tipo de atuação não é comum nos antivirais que normalmente têm alvos específicos isolados, inibindo processos específicos como a entrada do vírus nas células, a síntese do material genético e de proteínas, a montagem e liberação de novas partículas virais.

“O AG-hecate, ao contrário, apresentou ampla atividade, agindo em diversas etapas do ciclo. O composto também apresentou atividade nos chamados ‘lipid droplets’ – gotas de lipídeo no interior das quais o vírus circula nas células e que o protegem do ataque de enzimas. O AG-hecate desestrutura essas gotas de lipídeo e deixa o complexo replicativo do vírus exposto à ação das enzimas celulares”, disse o químico.

Molécula

De acordo com o estudo, o composto também mostrou alto índice de seletividade, o que significa que ele ataca muito mais o vírus do que a célula hospedeira, mostrando potencial para atacar a doença. “Apesar do composto apresentar pequena atividade nos glóbulos vermelhos do sangue, a molécula precisa passar por alterações em sua estrutura para reduzir ainda mais a sua toxicidade. É nisso que estamos trabalhando agora, para que a pesquisa possa evoluir da fase in vitro para a fase in vivo”, afirmou Paulo Ricardo.

O estudo e o desenvolvimento da molécula AG-hecate demorou cerca de dois anos. Até que entre no mercado e passe a ser utilizada serão necessários mais oito anos, já que o tempo médio para planejamento e desenvolvimento desse tipo de medicamento é de dez anos.

Para o professor Eduardo Maffud Cilli, orientador do estudo, a molécula também age em bactérias, fungos e células cancerosas. No caso do câncer, a molécula interage e destrói a membrana da célula afetada. “Além disso, como os vírus do zika e da febre-amarela apresentam ciclos replicativos bastante parecidos com o do HCV, vamos testar a efetividade do AG-hecate também em relação a esses vírus”, concluiu.

Continuar lendo
Propaganda

Leia Também

Mais lidas

Copyright © 2017 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.