Conecte-se agora

Nicolau e Jenilson num “jogo de compadre” pela presidência da ALEAC

Publicado

em

Não acredito em grandes disputas de bastidores para a escolha do próximo presidente da ALEAC, no início de fevereiro. Conversei nesta terça, 23, com dois pretendentes ao cargo, os deputados estaduais Nicolau Jr. (Progressistas) e Jenilson Leite (PC do B). Frente a frente, eles revelaram porque e como pretendem chegar ao cargo maior do Poder Legislativo acreano. Nicolau tem como exemplo o atual presidente Ney Amorim (PT) a quem ele atribui a democracia da Casa ajudando tantos deputados da base governista quando da oposição. Mostra que quer faze um comando parecido. “Estou com meu nome posto para a disputa, mas tem outros deputados do nosso partido que também querem. A gente tem que discutir internamente para chegarmos a um consenso. Mas eu vou fazer a minha campanha conversando com muita humildade. Porque indiferente de quem seja o presidente temos que ter uma eleição de união. Temos que estar unidos no Poder Legislativo para podermos dar mais legalidade às ações do nosso governador Gladson Cameli (Progressistas) que venham a ajudar a melhorar a vida do povo acreano. Isso é o mais importante, ter uma base forte para trabalharmos juntos ao novo Governo. Quero que a nossa Assembleia seja mais participativa e acho que o próximo presidente tem que ser uma pessoa de confiança do governador Gladson,” disse ele. Por outro lado, Jenilson deixou claro que se houver consenso entre a maioria dos parlamentares da base do Gladson ele fará um gesto de apoiar o candidato indicado para que haja unanimidade na eleição. Mas deixou a possibilidade também de ser uma alternativa caso aconteça um “racha”. “Quero devolver o gesto do pessoal da oposição que elegeu por unanimidade o Ney Amorim. O deputado Nicolau é um bom nome que transita bem entre todos os parlamentares e tem um perfil de personalidade aberta ao debate e a conversa. É um candidato forte que tem a minha simpatia. Agora, se eles não se entenderem, se o MDB lançar um candidato ou o PP mais de um, o meu nome está posto como alternativa. Quero ser um futuro presidente que respeita os poderes e todos os deputados. Não serei presidente de uma sigla partidária e nem de um grupo político,” afirmou.

Presidente do Progressistas
O governador eleito Gladson Cameli conversou comigo e deixou claro que espera um consenso entre os deputados da sua base para a eleição do presidente da ALEAC. Ele afirma que o próximo presidente deve sair do seu partido, o Progressistas. Mas não quer se meter enquanto os parlamentares negociam entre eles.

Chave da gestão
Acho natural que o Gladson queira alguém da sua confiança para a presidência da ALEAC. Para fazer a Reforma Administrativa no Estado que pretende precisará de agilidade no Poder Legislativo para aprovar as mudanças. Se tiver que discutir o “sexo dos anjos” ou vier a ser “chantageado” pelo próximo presidente da ALEAC colocará em risco os seus planos de mudanças.

Equação simples
Acredito que além dos 13 deputados estaduais eleitos pela oposição que apoiou o novo governador outros de partidos da FPA poderão se juntar à base. Não vejo dificuldades em estabelecer o perfil adequado ao comando da ALEAC para facilitar as votações de interesse do próximo Governo.

Fogo amigo
A dor de cabeça que Gladson poderá ter é da eventual ambição de algum deputado aliado que se torne irredutível nas suas pretensões políticas. Claro que é atraente comandar o Poder Legislativo com um orçamento anual de R$ 200 milhões. Mas se querem fazer as mudanças que o povo acreano espera os “ambiciosos” terão que se desapegar da “sanha” de poder.

Pelas beiradas
Conversei esses dias com o deputado reeleito Luiz Gonzaga (PSDB) sobre a nova mesa diretora da Casa. Ele não parece querer brigar pela presidência, mas se coloca como um pretendente à primeira secretaria. O segundo cargo mais importante na estrutura da ALEAC.

Consolação
Aliás, acredito que o MDB, se não lutar pela presidência, com três deputados eleitos com as maiores votações, deva querer ficar com o cargo de secretário da Casa. Nesse caso, vejo uma disputa entre Mazinho Serafim (MDB) e Vagner Sales (MDB) nos bastidores. Os dois elegeram as suas esposas Meire Serafim (MDB) e Antônia Sales (MDB) e podem pretender essa importante colocação.

Tempo ao tempo
Ainda faltam mais de três meses para a escolha da nova mesa diretora da ALEAC. Portanto, as forças políticas que saíram vencedoras nas eleições terão muito tempo para se entenderem e chegarem no dia 1 de fevereiro com uma chapa pronta. Isso parecia impossível na oposição, mas Gladson conseguiu quebrar esse paradigma tendo a unanimidade na sua candidatura ao Governo. Outro exemplo recente, foi a escolha do vice da chapa majoritária da oposição que depois de muitos percalços teve a concordância com o nome de Major Rocha (PSDB). Portanto, acredito que será o Gladson Cameli quem terá a decisão final sobre a composição do comando da ALEAC. E, em tempos de nomeações para o novo Governo, não será difícil satisfazer a gregos e troianos.

Propaganda

Coluna do Nelson

Daniel Zen: O PT fará uma oposição responsável ao Gladson sem revanchismos

Publicado

em

Continuar lendo

Coluna do Nelson

Rio Branco precisa de alguém que “trabalhe” para conter as enchentes

Publicado

em

Continuar lendo

Coluna do Nelson

Nova ministra de Bolsonaro já foi assessora de Henrique Afonso na Câmara

Publicado

em

Continuar lendo
Propaganda

Mais lidas

Copyright © 2017 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.