Conecte-se agora

Em áudio, candidato derrotado da FPA fez promessa a presos e diz que número “171” não é por acaso

Publicado

em

O candidato a deputado estadual, o advogado Valdeci Nicácio, ligado aos movimentos de Direitos Humanos no Acre, teve áudios polêmicos vazados em que fala sobre dinheiro, votos e ironiza ao dizer que o número escolhido por ele [12171], não foi um fato do acaso, possivelmente fazendo referência ao artigo 171 do Código Penal Brasileiro que condena quem obtem para si ou para outrem, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil, ou qualquer outro meio fraudulento:.

Os áudios foram enviados ao ac24horas nesta terça-feira, dia 09, e revelam uma suposta conversa, pelo WhatsApp, entre Nicácio e um suposto líder de facção criminosa detido no presídio de Cruzeiro do Sul . Ele diz que pretende ser eleito para criar um espaço em três cidades do Acre, como forma de ajudar as famílias proporcionando a venda do artesanato.

Ouça o áudio na integra

“Você sabe que eu sempre trabalhei ajudando vocês e agora não é diferente. Quero um mandato para continuar fazendo o que eu faço: ajudar vocês. Só que agora, de uma forma mais organizada, mais estruturada. Com mandato a gente tem muito mais condições de ajudar vocês”, pactua o candidato do Partido Democrático Trabalhista (PDT).

Após supostamente o preso ter pedido dinheiro para votar em Nicácio, o ex-ouvidor da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos do Acre (Sejudh/Ac) diz que não fará compra de voto. Antes disso, coloca sua história de trabalho com justificativa para ganhar a escolha do eleitor com quem está conversando.

“Eu não tenho a menor chance de dar dinheiro para ninguém porque isso é ilegal. Se eu der dinheiro para vocês eu vou ser processado e vou ser cassado, e vocês vão ser processados porque venderam o voto. Não vale a pena a gente arriscar pegar dinheiro, ou dar dinheiro, porque vai arriscar a mim ou quem pegou o dinheiro”, se safa o então candidato.

Nicácio Direitos Humanos [esse era o nome dele de campanha] conseguiu o voto de 401 eleitores no último domingo, dia 07 de outubro. Com a votação pífia, não conseguirá chegar à Assembleia Legislativa. Valdecir, na busca incansável de apoio, se deixou levar pelo WhatsApp e o próprio preso vazou o áudio para os amigos.

“Olha aí, meu camarada, o áudio dele. Eu tenho o contato dele e falei diretamente com ele. Ele disse que dinheiro ele não pode oferecer, não, mas ele cuida dos presos mesmo, e isso aí não é mentira não, entender, meu parceiro, porque esse cara aí já me tirou de uma ‘legal’ lá dentro da cadeia”, comenta o jovem que conversou com Nicácio.

“Eu não sei para quem eu tava falando”, diz Nicácio

A reportagem do ac24horas conseguiu falar com Nicário por telefone. O ex-ouvidor da Secretaria dos Direitos Humanos confirmou que a voz no áudio é dele mesmo, mas que não lembrava para quem havia repassado a mensagem. Ele disse também desconhecer a voz do rapaz que repassa o áudio e afirma que a referência ao número “171” seria uma brincadeira.

“Jamais em eleição nenhuma tiveram coragem de usar esse número 171. Eu achei que ele era um número fácil de decorar. Esse áudio deve ter sido para familiar de preso, eu falo com muito e de fato um dos meus projetos era esse mesmo. Eu não sei para quem eu falei e eu nem sei para quem essa pessoa mandou, mas com certeza fui eu que falei porque isso era um dos meus projetos. Eu disse em Rio Branco várias vezes, disse em Sena Madureira, disse em Tarauacá, disse em Cruzeiro do Sul. O fato é que isso é um trabalho que eu faço há muitos anos”, disse Nicácio.

Nicácio lembrou ainda que não defende pessoas, mas sim direitos, “seja do presidiário ou do presidente”. “Eu tenho formação jurídica, mas não sou advogado. Eu disse tudo isso em discursos, eu disse isso por telefone. Eu falei isso para todo mundo”, explicou.

Propaganda

Acre 01

Taxista é executado com 5 tiros enquanto conversava com sobrinho, em Senador Guiomard

Publicado

em

O taxista Levi Galdino da Silva, de 38 anos, foi assassinado a tiros na noite desta segunda-feira (18) em via pública. O crime aconteceu na avenida Senador Eduardo Asmar, no município de Senador Guiomard, distante 27 km de Rio Branco.

De acordo com informações da polícia repassadas a reportagem do ac24horas, Levi estava sentado na frente da casa de seu sobrinho conversando, quando um homem não identificado se aproximou a pé e de posse de uma arma de fogo efetuou vários tiros, cinco dos projeteis acertou o taxista, que não resistiu aos ferimentos e morreu sentado. O sobrinho da vítima saiu ileso. O criminoso fugiu correndo tomando rumo ignorado.

A Polícia Militar foi acionada e isolou a área até a chegada da equipe do Instituto de Criminalística da Polícia Civil, e em seguida fez rondas em busca de prender o acusado, mas o criminoso não foi encontrado.

Após a perícia o corpo foi conduzido ao Instituto Médico Legal (IML) em Rio Branco, para os exames cadavérico.

O caso será investigado pela Delegacia do município. A Polícia não soube informar a motivação do crime.

Continuar lendo
Propaganda

Leia Também

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.