Conecte-se agora

Conheça Mailza Gomes, a mulher que irá substituir Gladson

Mailza Gomes será a quarta mulher a representar o Acre no Senado Federal. Antes dela, apenas Marina Silva (à época filiada ao PT) se elegeu senadora acreana. As outras duas foram Iris Célia e Laélia Alcântara (suplente de Adalberto Sena, que morreu durante o mandato). Mailza diz que trabalhará para ser porta-voz do governo de Gladson Cameli em Brasília.

Publicado

em

A Eleição passou, mas o jogo das cadeiras ainda nem começou. Com a vitória de Gladson Cameli para governador do Acre, a primeira suplente dele, Mailza Gomes, vai assumir o posto de senadora. Será a quarta vez em que uma mulher assume uma das cadeiras do Senado Federal para representar o Acre. Antes dela, Íris Célia Cabanellas e Laélia Alcântara (esta suplente) assumiram o posto, e Marina Silva, que foi eleita em 1994.

Estudante de Direito, a futura senadora do Acre já tem carreira política. Além de ter sido secretária e primeira-dama de Senador Guiomard, no interior do Acre, a suplente de Gladson Cameli tem uma história de militante das causas sociais e acredita estar preparada para ajudar o Acre no Congresso Nacional.

“Eu tenho a visão de que o Acre precisa muito de ajuda, e vou ajudar o nosso governador Gladson Cameli como devo: trabalhando pelo Acre, junto aos ministérios e às instituições, defendendo e trazendo ajuda para o nosso povo, para o nosso estado. Essa é uma missão importante e legítima, e vou honrar essa oportunidade”, pontua Mailza Gomes.

Mailza, que tem dois filhos, diz saber da importância de um senador, e se comprometeu em não abandonar as causas pelas quais tem lutado nosúltimos anos. “Criamos projetos importantes para aproximar as pessoas da política. Temos que mostrar a importância da política à sociedade e saber ouvir a todos, todos os dias, sem exceção”, acredita.

A suplente, que a partir de janeiro assumirá a vaga deixada por Cameli em Brasília, também quer criar e defender projetos que valorizem a mulher em todos os setores, sejam eles públicos ou privados. Ela acredita que terá nas mãos ferramentas importantes junto ao governo federal para ajudar as mulheres do Acre.

“Temos de ter um olhar especial, importante e ininterrupto para com as famílias carentes, as mulheres que são pilar importante em nossa sociedade. Projetos de valorização, incentivo e qualificação das mulheres também será nossa bandeira de luta. Vamos defender as famílias mais carentes e trabalhar ao lado delas”, completa Mailza.

Quem é Mailza Gomes?

Mailza Gomes é acadêmica de Direito, mãe de dois filhos e é casada com o ex-prefeito de Senador Guiomard, James Gomes. Ex-primeira dama do município de Senador Guiomard, também foi gestora de pastas como Administração, Assistência Social e Cidadania.

Desenvolveu projetos relevantes como o “Prefeitura no Bairro”, em que montava estrutura de atendimento social, médico, odontológico, farmácia, cinema, teatro e parque para crianças. Com atendimento prioritário para mulheres, onde dispunha de serviços de beleza, palestras e orientação, ajudou na promoção da cidadania, cultura e lazer aos munícipes da cidade.

Mailza também criou o projeto “Natal Feliz”, uma grande festa tradicional para a distribuição de brinquedos às crianças do município, além de cestas básicas e às famílias carentes e comemoração em grande estilo na praça central da cidade acreana.

A ex-primeira-dama de Senador Guiomard pretende atuar principalmente nas questões sociais, em defesa das mulheres, de projetos de desenvolvimento e amparo as famílias carentes do Estado. Atuar como parceira do Governo de Gladson Cameli, dando suporte as necessidades do Estado sendo sua porta-voz em Brasília.

Propaganda

Acre

A igreja, a família e o pé de goiaba

Publicado

em

“Aos dez anos de idade, eu ia me matar. Eu peguei uma substância e ia tomar aquela substância. A casa pastoral do meu pai ficava no fundo da igreja e do lado da casa do meu pai tinha um pé de goiaba. E é naquele pé de goiaba que eu subia e chorava. E no dia que eu estava com o veneno em cima do pé de goiaba aconteceu algo extraordinário, prestem atenção, vocês acreditem se vocês quiserem: quando eu ia tomar o veneno, eu vi Jesus se aproximando do pé de goiaba. Eu tive uma revelação extraordinária!”

O testemunho acima é da futura ministra dos Direitos Humanos, Damares Alves. Foi contado no altar de um templo evangélico tomado de fiéis.

Damares, a futura ministra, nasceu em um lar cristão evangélico. Seu pai, segundo ela registra no testemunho, era pastor. O nome dela, certamente, foi uma homenagem a uma outra Damares, personagem da Bíblia que teria se convertido provavelmente após uma pregação de Paulo, o apóstolo, conforme registro do livro de Atos dos Apóstolos, o quinto do Novo Testamento.

A Damares que vai virar ministra de Bolsonaro teve uma infância difícil, dolorosa, similar a de muitas meninas pelo país afora. Dos 6 aos 8 anos de idade, ela foi abusada e apesar de sinalizar a situação à família crente, pregadora da justiça e da compaixão, ninguém percebeu. Em uma parte de seu depoimento aos seus irmãos de igreja, ela afirma:
“A família não viu, a igreja não viu. O meu ambiente de proteção era a igreja e a família”.

Eu tenho um amigo de infância, o Chicó, que tentou suicídio algumas vezes. Aos 16 anos, mergulhado em uma depressão profunda, ele tomou veneno e conseguiu ser salvo porque uma tia dele o viu passando mal no quarto e o levou a um hospital. Dois anos depois, ainda depressivo e desenvolvendo esquizofrenia, Chicó outra vez tentou tirar a própria vida.

O enredo da vida de Chico é bem parecido com o de muita gente. A mãe dele apanhava diariamente do pai, que era alcoólatra. Suas duas irmãs menores indefesas sofriam com a violência dos pais. Ele, o mais velho dos filhos, mais ainda.

O chão de Chicó desmoronava precocemente até que um dia ele conheceu uma pessoa, sujeito do tipo raro, generoso. Vidal era seu nome, um membro de uma comunidade daimista. Vidal convidou Chicó para uma reunião em uma comunidade de gente simples. Ele foi, e desde o primeiro dia em que Chicó pisou naquela congregação de pessoas comuns sua vida mudou. A mente suicida, agora transborda vida.

Mecânico, hoje com 34 anos, Chicó sustenta a mãe, que mora com ele. O pai morreu. Suas irmãs são estudantes.

Conversa vai, conversa vem, Chicó começa a contar suas experiências. Lembra dos dias em que esteve à beira da morte e agora conta que a primeira vez que tomou daime teve a sensação de estar flutuando em outra dimensão em um lugar de paz profunda, um ambiente jamais experimentado. Algo do transcendente. “Quando estou naquele lugar tenho paz”, conta ele, ao garantir que venceu a depressão e nunca mais pensou em suicídio.

Chicó e Damares, cada um da sua forma e com seu credo, o que é muito individual, acreditam que venceram a depressão e a alma suicida com a ajuda divina. Damares diz ter visto o Filho de Deus. Chicó garante estar acompanhando por seres angelicais.

Sou extremamente cético, me encontro às vezes no niilismo, mas aprendi a entender as várias formas em que o indivíduo tenta se encontrar no mundo.
Há quem procure nos espíritos da floresta seu guia. Existem os que acreditam nos orixás. Ou aqueles que observam as águas como um componente espiritual. Há ainda quem prefira a forma oriental de observar o mundo transcendental.
Existem os que se vestem de ateus porque precisam ser aceitos na rodinha supostamente intelectual da universidade e que
acham que ser religioso é para os fracos. Há os ateus que não fazem propaganda, pois não necessitam de autoafirmação e tem aquele ateu que é ativista e faz do seu ateísmo uma espécie de religião.

Eu não sei se Damares viu Jesus. Isso não me interessa. Mas o contexto da infância dela é que é perturbador.

Sobre a ida de Damares para o Ministério dos Direitos Humanos não vou me antecipar com críticas. Ela sequer assumiu o setor. Mas espero, sinceramente, que Damares não sofra daquela mesma surdez e insensibilidade da igreja e da família.

“A família não viu, a igreja não viu.”

Continuar lendo

Acre

Folha de São Paulo traz especial sobre o povo Yawanawá

Publicado

em

Janete, da aldeia Escondido, que usa pulseira com desenhos geométricos feitos com miçangas e segura jijus pescados no rio - Foto: Sebastião Salgado

Em sua edição deste domingo (16), o jornal Folha de São Paulo publicou um caderno especial com textos e fotos sobre o povo Yawanawá, que vive na Terra Indígena do Rio Gregório, em Tarauacá. As imagens são do conceituado e premiado fotógrafo Sebastião Salgado, que em 2016 iniciou projeto para retratar as populações tradicionais do país.

O primeiro trabalho publicado por ele no jornal paulista foi com os Ashaninka, da Terra Indígena do Rio Amônia, em Marechal Thaumaturgo. Os textos são do jornalista Leão Serva, que acompanha Salgado em suas viagens.

O fotógrafo é mundialmente conhecido por suas belas fotografias no estilo preto e branco. Com os Yawanawá, Sebastião Salgado realizou ensaio que mostra toda a riqueza cultural deste povo acreano, que todos os anos realiza seu festival reunindo turistas de todos os cantos do planeta.

Clique aqui e confira o especial

 

Continuar lendo

Acre

Motoristas de Uber são vítimas de assalto em Rio Branco

Publicado

em

Mais dois motoristas do aplicativo Uber foram alvos de assalto na noite de sábado (14), na capital, e tiveram seus bens pessoais roubados enquanto trabalhavam fazendo corridas.

Os motoristas teriam aceitado fazer uma corrida a cerca de oito homens no bairro Geraldo Fleming e direcionados a fazer a corrida até o bairro Tancredo Neves. Quando chegaram em uma área isolada do bairro, os passageiros anunciaram o assalto e saíram levando de um dos motoristas o carro modelo Fiat UNO de placa MAG 4239 e um celular, do outro, também o celular e a chave do veículo.

Eles pediram ajuda de populares que acionaram uma guarnição do 5º Batalhão e foram levados para a Delegacia onde registraram o Boletim de Ocorrências.

Caso alguém tenha informações sobre a localização do veículo roubado, o trabalhador pede que acione a polícia.

Continuar lendo
Propaganda

Leia Também

Mais lidas

Copyright © 2017 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.