Conecte-se agora

Sebastião, o grande culpado da derrota de Marcus, Jorge e Ney

Publicado

em

Analisar o contexto eleitoral e não citar o governador petista Sebastião Viana como o principal culpado da grande derrocada do PT, seria um desatino a consciência alheia. Infelizmente, como o PT vive de aparências, ninguém terá a coragem de vir a público apontar o dedo, mas sim, o chefe do Palácio Rio Branco teve peso primordial para que as forças políticas do PT fossem varridas do Acre.

PESADO DEMAIS
Ele teve a capacidade de destruir tudo – veja bem -, tudo o que foi feito de bom pelos governos da Frente Popular nos últimos 20 anos. O cenário de terra arrasada é tão complicado, que seus principais programas de governo – Ruas do Povo e Cidade do Povo -, são exemplos de políticas públicas que infelizmente não cumpriram suas metas. As ruas do Acre não foram totalmente asfaltadas e as que foram se acabaram com as chuvas. A Cidade do Povo se tornou uma “Cidade de Deus”, a maior favela custeada com dinheiro público que se conhece na história do Acre, onde as facções predominam e ditam as leis.

SEM CONTAR A ZPE
E não poderia deixar de citar a Zona de Processamento de Exportação que nunca saiu do papel de fato. Isso gerou milhões em prejuízo para os cofres públicos. Além disso, o empresariado foi um dos mais prejudicados nos últimos oitos anos. Não se sabe se o Governo foi parceiro.

ESCALOU MAL
Pesou muito também o fato de Sebastião escalar Emylson Farias como vice de Marcus. Um dos pontos da derrota com certeza foi este, que inclusive foi bastante explorado pela oposição nos debates e nos programas eleitorais. Emylson, apesar de ter uma história até agora limpa, foi uma manobra que custou caro. Causou transtornos nos arranjos dos partidos da FPA e não somou em nada na campanha majoritária, tanto que foi escondido pelos marqueteiros.

IMPOPULARIDADE
Outra coisa que foi fundamental no fim do “Vianismo’ no Acre, é o fato de Sebastião ter um governo impopular e muito mal avaliado na opinião pública. Todas as pesquisas sérias colocam o governo do petista como ruim ou péssimo pela maioria. Mas eu não poderia esquecer: A CULPA É DO TEMER!

PONTO POSITIVO
Mas não destacarei apenas pontos negativos de Sebastião. Tem um que sempre me chamou atenção e faço questão de salientar nas prosas sobre política. Não conheço político “mais macho” do que governador. Ele peitou Deus e o Mundo para fazer sua vontade valer, seja certa ou errada. Ele sempre teve lado. Nunca aceitou pressões. Exerceu o poder com vontade e como poucos. Não tinha medo de expor opiniões por mais contraditórias que fosses. Sempre foi um amigo leal aos seus. Ele vai fazer falta a partir de 2019. Pelo menos para as manchetes do ac24horas.

CAIM E ABEL
É notório. A queda de Jorge Viana teve participação efetiva de seu irmão Sebastião Viana. Assim como no livro de Gênesis, Sebastião foi responsável pelo “homicídio político” de JV. E não sabe ainda os estragos que tal feito poderá ter na relação dos dois daqui para a frente.

A MÁGOA DE JV
Por falar de JV – ele não admite -, ele tem razão de ficar magoado. Jorge é uma patrimônio político do Acre. É alguém que conhece o Estado e sua história afinco e com certeza deve ter sido humilhante perder a cadeira do senado para Marcio Bittar. Eu concordo. Vou mais além, que se fosse para perder, que fosse para o Minoru Kinpara, pessoa idônea e que conta com prestígio em todas as castas da sociedade.

O JAPONÊS DA FEDERAL
Apesar de não eleito, Minoru Kinpara ficou no mesmo patamar de votação de Jorge Viana e Ney Amorim. Com poucos recursos financeiros e apenas com sua história de vida e de gestão frente a Universidade Federal do Acre, o ex-reitor se colocou como uma das principais forças políticas do Acre. A votação foi tão expressiva que o nome dele já é até mesmo cogitado para disputar a prefeitura de Rio Branco em 2020. É um bom nome com toda certeza.

PETECÃO 100%
O senador Sergio Petecão (PSB), dono de mais de 244 mil votos, de fato é 100% popular. Não se tem conhecimento na história do Acre de um político que ganha voto brincando, com bom humor e humildade. Petecão é merecedor da vitória e o desejo deste blogueiro é que ele faça valer a votação e nos represente bem no Congresso a partir de 2019.

JENILSON, UM MONSTRO
Impossível não ficar abismado com a vitória acachapante do deputado estadual Jenilson Leite (PCdoB) que teve mais 8 mil votos, sendo o campeão da chapa da morte formada por PT e PCdoB). O “indiozinho de Tarauacá” se coloca como uma das principais lideranças políticas do Acre ao desbancar Leila Galvão (PT), Lourival Marques (PT), Jakson Ramos (PT), Nil Figueiredo (PT). A chapa da morte elegeu ainda Jonas Limas, Edvaldo Magalhães e Daniel Zen.

CONTRA TUDO E CONTRA TODOS
É salutar lembrar que Jenilson era uma espécie de azarão na chapa do PT e sempre foi visto como inimigo do atual governo, por ter se posicionado contra a terceirização do Pronto Socorro de Rio Branco. O deputado comunista teve muitas portas fechadas durante o processo eleitoral, indo com a cara e a coragem para o fronte de batalha. Lembro ainda que Jenilson sempre foi fiel ao projeto da FPA, mas nunca recebeu o devido reconhecimento por isso.

GIGANTE DE FORA
O deputado Léo de Brito (PT), que contava com as bênçãos do governador Sebastião Viana, Carioca e cia, milhares de comissionados e pelo menos cinco secretarias do Estado, foi varrido da câmara federal. Aliás, é bom lembrar também que César Messias (PSB), com derrota mais do que merecida, também deverá cair no ostracismo por não ter se reelegido.

UMA PENA
Fica o registro para o deputado federal Raimundo Angelim (PT). Uma das poucas almas que não merecia a balsa no contexto atual. Angelim sempre foi uma pessoa correta e não tem nada que desabone sua conduta em toda sua história política. Ele foi vítima do “fogo amigo” e assim como o senador Jorge Viana, que também não conseguiu a reeleição, pagou um preço caro. Muito caro por sinal.

SIBÁ
Sem apoio do governo, sem apoio do PT e minado politicamente, Sibá Machado deixará a Câmara dos deputados como o parlamentar que destinou mais de 60% de suas emendas para educação. Tirando suas declarações sobre a CIA e a Lava Jato, Sibá teve um mandato produtivo e sempre foi muito bem assessorado por Michel Marques, seu principal articulador político. Mas ser candidato pelo PT é complicado demais. Ele sabe disso.

APOSTA ERRADA
Considerado o “Menino de Ouro” do Pastor Agostinho, dono da Igreja Batista do Bosque, o ex-secretário de Saúde, Gemil Junior, foi parar na balsa com apenas 2.870 votos. Com grande estrutura e apoio financeiro, ele não foi capaz de transformar o apelo político de quando passou pela Sesacre em voto.

COMPOSIÇÃO NA ALEAC
Dos 24 deputados estaduais, apenas 11 conseguiram a reeleição. Gladson Cameli deverá contar uma bancada de apoio de 18 deputados. Pelo menos até agora. É possível que Jonas Lima (PT) se alie ao governador eleito após algumas conversas e deixe o partido.

FORÇA EM BRASÍLIA
Gladson contará também com um exercito de parlamentares em Brasília. Pelo menos três senadores e cinco deputado federais estarão a sua disposição em busca de recursos para ajudar o Acre.

PDT e PRB
Os deputados eleitos Jesus Sergio (PDT) e Manuel Marcos (PRB) devem deixar a Frente Popular também. É provável que os novos parlamentares participem da base de apoio de Cameli. A oposição, teoricamente, ficará a cargo da Perpétua Almeida (PCdoB), a única que se salvou da degola do chapão da FPA.

ERRO DE NEY AMORIM
O presidente da Aleac, Ney Amorim, candidato ao senado derrotado pelo PT, deu um passo maior que a perna. Com base nos números divulgados pelo TRE após a apuração das urnas, Ney deveria ter sido candidato a deputado federal. Teria uma eleição tranquila, com grandes chances de ser o mais votado, compondo a legenda para eleger até mais dois deputados da FPA. Infelizmente não foi assim.

UM NOVO TEMPO
O Acre passará por grandes mudanças a partir de 2019. Não se sabe ainda se serão boas. Não sabemos nomes dos postulantes aos cargos do primeiro escalão do governo Gladson Cameli. A única coisa que existe é uma boa vontade para que as coisas deem certo. Acredito que isso seja o desejo dos 223 mil eleitores que escolheram Gladson governador.

Propaganda

Blog do Venicios

O fim melancólico de um governo

Publicado

em

Continuar lendo

Blog do Venicios

Marcus pensa igual a Gladson: fim da Florestania e foco na Agroindústria

Publicado

em

Continuar lendo

Blog do Venicios

Com saída de Marcus, Socorro Neri deve diminuir espaço do PT na prefeitura de Rio Branco

Publicado

em

Continuar lendo
Propaganda

Mais lidas

Copyright © 2017 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.