Conecte-se agora

Indígenas se reúnem no Juruá para defender o uso sagrado da ayahuasca

Publicado

em

A ayahuasca é uma bebida sagrada utilizada ancestralmente pelos povos indígenas que habitam as bacias dos rios Purus e Juruá. Além de ser considerada uma das principais medicinas da floresta, o uso ritual da bebida também tem forte influência na formação espiritual e cultural das populações nativas dessas regiões. Preocupados com a utilização inadequada da ayahuasca por “aventureiros” com objetivos comerciais, pajés e lideranças das etnias indígenas do Juruá se reuniram para debater o tema, na terra dos Puyanawas, no município de Mâncio Lima.

Os povos Puyanawa, Ashaninka, Yawanawa, Huni Kuin, Nukini, Kuntanawa, Noke Koi, Shanenawa e Nawa mandaram representantes para a Segunda Conferência Indígena da Ayahuasca que começou no dia 11 (sábado) e se encerrou no domingo, 12. Durante esse período as etnias ayahuasqueras pretendem elaborar um documento para sugerir a regulação do uso do sacramento vegetal. Querem combater o avanço de charlatões que se passam por pajés, mas sem a preparação necessária para ministrar os conhecimentos espirituais e curativos da ayahuasca. Segundo os indígenas o uso distorcido da bebida sagrada pode causar sérios danos psíquicos aos usuários desavisados.

Um dos organizadores do evento, Luiz Nukini, que além de liderança do seu povo que habita às margens do Rio Môa também é funcionário da FUNAI, explicou os propósitos da Conferência. Segundo Nukini todos os povos nativos originais do Acre utilizavam a ayahuasca, mas o contato com outras culturas religiosas causou um impacto e o abandono dessas práticas de pajelança. No entanto, já há alguns anos existe um forte movimento de retomada desses conhecimentos ancestrais pelas etnias indígenas.

“Queremos proporcionar aos povos indígenas uma reflexão sobre a ayahuasca como o ponto central da nossa espiritualidade. Debater questões relativos ao uso ritual da ayahuasca que ultrapassou os limites das nossas terras e ganhou o mundo. Assim estabelecer normas para nos relacionarmos com outras tradições cristãs que também usam essa bebida e os estrangeiros,” disse ele.

Os “falsos” pajés

O jovem Bira Júnior Yawanawa avaliou a questão do uso dessa medicina para as pessoas que buscam cura e transformação. Segundo ele, nem sempre as pessoas que saem das aldeias para ministrar esse conhecimento estão preparadas.

“A gente está preocupado com a forma do uso da ayahuasca fora das aldeias. Muitos jovens têm se aproveitado da demanda de não-indígenas em busca de cura e conhecimentos proporcionados pela ayahuasca. Assim alguns estão saindo das suas aldeias de forma inapropriada e sem a autorização das suas lideranças e caciques. Nós Yawanawas temos trabalhado forte contra isso porque temos um nome a zelar. É uma medicina muito forte que exige um cuidado. As pessoas que trabalham com a ayahuasca do nosso povo passam por um longo processo de preparação e estudo com nossos pajés. Se alguém não passa por esse processo pode estar colocando a vida de outras pessoas em risco. Tem gente de fora das aldeias que se ilude com alguém que chega com um cocar e todo pintado se dizendo pajé. Mas quem quiser saber se aquela pessoa é ou não um pajé verdadeiro deve utilizar a tecnologia disponível e pesquisar na internet se ele realmente tem um estudo, preparação e a autorização para fazer uso dessa medicina. Porque muitos charlatões e pretensos neo-xamãs têm se aproveitado da boa fé de gente desesperada em busca da cura de enfermidades. Isso é um assunto serio que estamos debatendo para não vulgarizem a nossa medicina,” argumentou Bira Jr..

O direito ao uso e transporte da ayahuasca

Luiz Puwe, uma das lideranças dos Puyanawas, anfitriões da Conferência, prega a valorização cultural da ayahuasca nas aldeias.

“Esse conhecimento se ampliou para o mundo e, muitas vezes, estão fazendo o uso errado dessa medicina. Nós temos que orientar os mais jovens porque esse conhecimento vem dos nossos ancestrais e não pode se vulgarizar. Como entendemos que a ayahuasca pode ser uma cura para o mundo, e o mundo somos nós, então temos que traduzir através do nosso exemplo de vida o resultado desse conhecimento espiritual. Através da ayahuasca podemos alcançar níveis de entendimento importantes para uma cultura mais saudável e próspera nas nossas comunidades. Assim queremos levar aos parlamentos do nosso país e, até mesmo à ONU, o direito a esse reconhecimento dos benefícios da nossa medicina para garantir também o direito da gente leva-la onde for necessário,” salientou Puwe.

Para Benki Ashaninka, às vezes, outras tradições cristãs que usam a ayahuasca estão tendo mais direitos ao seu uso e transporte do que os próprios indígenas que são os detentores originais desse conhecimento.

“Estamos pegando os conhecimentos de todos os povos indígenas que habitam o Acre e utilizam a ayahuasca como sua medicina tradicional para tirarmos um encaminhamento da maneira de usá-la. É importante trazermos a responsabilidade para dentro dos nossos povos. A ayahuasca está no mundo, mas a gente tem uma preocupação porque, às vezes, os não-indígenas têm mais possibilidades de usar isso no mundo do que os próprios indígenas. Queremos que o nosso país tenha leis para que esse uso seja respeitado porque trata-se de uma cultura milenar dos nossos povos originais. Temos que ter um alinhamento entre nós para que sejamos respeitados por todos de fora de igual maneira,” finalizou Benki.

Propaganda

Cidades

Família afirma que jovem degolado brutalmente não tinha passagem pela polícia

Publicado

em

Logo após a trágica morte do jovem Raimundo Lacerda do Nascimento, de 23 anos, familiares e amigos do rapaz informaram que ele trabalhava como motoboy na Secretaria Municipal de Educação e nunca teve envolvimento com nenhum tipo de crime, tampouco passagem pela polícia. Para a família, Raimundo foi vítima de uma emboscada.

O jovem foi morto ao ser degolado. Imagens do momento da execução foram divulgadas na noite de sexta-feira, 17, através de um aplicativo de celular, meio pelo qual familiares reconhecerem a vítima. Segundo familiares, a vítima não tinha passagem pela polícia e também não mantinha nenhum envolvimento com o mundo do crime.

A motocicleta que o jovem conduzia antes de ser morto, uma CG Start, de cor vermelha e placa QLV 8208, ainda não foi encontrada.

Raimundo era morador do loteamento Sol Nascente, no bairro Vila Acre, em Rio Branco e estava cursando Recursos Humanos. Agora, a Polícia Civil segue com investigações para desvendar os envolvidos no caso.

Continuar lendo

Cidades

Operação Verão: Prefeitura de Brasileia realiza serviços de melhorias em área rural e urbana

Publicado

em

SECOM – Raylanderson Frota

Com a chegada do verão a Prefeitura de Brasileia retomou os serviços da ‘Operação Verão’, com ações de tapa-buracos, pavimentação, recapeamento, recuperação e limpeza de ruas e ramais, parque e praças, desobstrução de canais, córregos, rede de drenagem e serviços de iluminação pública.

A Prefeita Fernanda Hassem, acompanhada do secretário de planejamento Nevisson Tavares, gerente de serviços urbanos Lima, gerente do setor de cadastro Silvio e engenheiro do município Anderson, esteve visitando uma das frentes de serviços que está sendo realizada no município.

A gestora do município já deu a ordem de serviços para realizar os trabalhos, contemplando aproximadamente 10 ruas por meio de convênios com a bancada federal do Acre, realizando Operação Tapa Buracos com recursos próprios, trabalhos paliativos e recuperação de ramais, priorizando ramais escolares e assegurando a permanência dos estudantes nas escolas.

Para Emiliana Silva, moradora há sete anos no Bairro Novo Horizonte, a ação que a equipe da Prefeitura está realizando é muito aguardado, garantindo dignidade para todos. “A dificuldade era tão grande que na época do inverno nós tínhamos que levar nossas crianças no colo para que elas pudessem ir para a escola, nem bicicleta passava por essa localidade e com esse trabalho que está sendo realizado nos trás mais dignidade. Nós agradecemos a prefeita Fernanda pelo trabalho que tem realizado no nosso bairro e em todo município”, destacou Emiliana.

A Operação Verão esteve em recesso durante o período do inverno amazônico, que devido as fortes chuvas que atingiam a região prejudicava o trabalho que é realizado pela a equipe da Secretaria de Obras na área rural e urbana.

Além dos trabalhos paliativos nas ruas, garantia da iluminação pública e maior acessibilidade a Prefeita Fernanda Hassem realizou contato com o Governador Gladson Cameli que de pronto atendeu ao pedido junto ao Departamento Estadual de Água e Saneamento (Depasa) e garantiu para a população água encanada para as casas naquela região.
“Isso é uma coisa maravilhosa e importante para nós, na idade que nós estamos é difícil ficar puxando água no balde e o que a prefeita está fazendo por nós é uma benção”, ressaltou dona Crecilda Barbosa de 59 anos.

Continuar lendo
Propaganda

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.