Conecte-se agora

Não queira saber a burocracia que é enviar preso para presídio federal

Publicado

em

Desde que as facções criminosas intensificaram suas ações violentas no Acre – com o assassinato de rivais e o incêndio a ônibus – o governo tem adotado como estratégia para neutralizar suas ações isolar as lideranças, enviando-os para presídios federais fora do Estado ou deixando-os sem nenhum tipo de comunicação nas unidades de segurança máxima do sistema penitenciário estadual.

Questionado por ac24horas sobre essa estratégia neste momento de retomada das ações violentas das facções, o governador Sebastião Viana (PT) diz que a burocracia imposta pelo Poder Judiciário para enviar presos para outros Estados emperra essa transferência.

“Não queira saber a burocracia que a corregedoria do Superior Tribunal de Justiça, através de seu sistema de representação de juízos federais, traz para transferir um preso para uma unidade federal”, disse Viana.

Segundo o governador, em 2017 o Acre transferiu 32 líderes de facções para o presídio federal do Rio Grande do Norte. Este ano, o governo enviou para sua própria unidade de segurança máxima outras 38 lideranças, onde “estão completamente isolados”. “Estamos tirando mais [do convívio com os demais presos], não vamos abrir um milímetro.”

Sebastião Viana critica a distribuição da população carcerária entre os presídios federais e estaduais. De acordo com ele, enquanto os Estados cuidam de mais de 600 mil presidiários, a União tem sob sua responsabilidade menos de 400.

“Quando o preso é por narcotráfico e tráfico de drogas, segundo a Convenção de Palermo, é de responsabilidade do governo federal. Eu já falei isso para o presidente da República, para o ministro da Justiça, falando que não podemos assumir o que não é nosso”, afirma o governador.

Sebastião Viana disse que o governo do Estado entrou com ação junto ao Supremo Tribunal Federal pedindo que a União reponha os cofres do Acre com R$ 128 milhões por conta dos gastos com presos que deveriam estar sob custódia do sistema federal.

“O governo federal não implanta o presídio federal no Acre, não nos permite transferir como gostaríamos e não nos dá a oportunidade de manter estes presos”, ressalta. Sebastião Viana afirma que os projetos para a construção do presídio federal e mais um estadual já foram entregues a Brasília, mas até o momento não há previsão para início das obras.

Propaganda

Cotidiano

Após denúncia, rua esburacada do Hospital das Clínicas recebe manutenção

Publicado

em

Com a imparcialidade que o tornou o site mais lido do Acre, o ac24horas, retorna a falar dos buracos que tornavam uma das ruas de acesso ao estacionamento do Hospital das Clínicas praticamente intransitável.

O verbo no passado é que por ocasião da publicação da matéria, o superintendente do HC, Lúcio Brasil, reconheceu o problema e admitiu que em pouco tempo resolveria a situação. Disse na oportunidade, que tiraria do próprio bolso, se necessário, para fazer a recuperação da rua.

Menos de 10 dias depois, a rua está recuperada e o gestor não precisou mexer no próprio dinheiro.

O trabalho foi realizado em parceria com a prefeitura de Rio Branco, via Emurb, junto com a equipe dos serviços gerais do HC.

 

Continuar lendo

Cotidiano

Mulher pede separação e divisão dos bens e é morta pelo marido com um tiro de espingarda

Publicado

em

IMAGEM ILUSTRATIVA

Mais um crime de violência contra mulher foi registrado na capital. Marli dos Santos, foi morta na tarde deste domingo (17) com um tiro de espingarda efetuado pelo próprio marido. O crime aconteceu no Ramal do Riozinho do Rôla no km 25, mais 19 km a dentro do Ramal do Milton, região da Estrada Transacreana, em Rio Branco.

Segundo informações policiais repassadas a reportagem do site ac24horas, Marli chegou até o marido e disse que queria a separação e o que era dela de direito, dividir a fazenda e todos os bens. Inconformado com o que a esposa falou, o Marido pegou uma espingarda calibre 20 e efetuou um disparo a queima roupa contra a mulher, que não resistiu aos ferimentos e morreu. O criminoso em seguida fugiu do local.

Vizinhos próximo a fazenda encontraram Marli morta e acionaram uma equipe do Instituto de Criminalística da Polícia Civil por volta de 13h da tarde de domingo (17). O corpo da mulher deu entrada no Instituto Médico Legal (IML) às 3h da madrugada dessa segunda-feira (18) e passará pelos exames cadavéricos.

O caso já está sendo investigado pela Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). O autor do crime encontra-se foragido.

Continuar lendo
Propaganda

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.