Conecte-se agora

Alunos fazem manifestação pedindo paz após colega ser assassinado

Publicado

em

Alunos da Escola José Rodrigues Leite se uniram na manhã desta segunda-feira (09), e fizeram uma manifestação pública em frente ao Comando Geral da Polícia Militar, com cartazes e frases de efeito pedindo paz às autoridades após a morte de um colega, estudante da mesma escola.

Ygor Werik de Lima Cavalcante, de 16 anos, segundo os pais que também se fizeram presentes na manifestação, não fazia parte de nenhuma organização criminosa e teria ido ao bar perto de onde mora, no Oscar Passos, apenas comprar um refrigerante quando foi alvejado pelos disparos efetuados por criminosos no último sábado (07).

Os alunos e professores caminharam da escola até a Praça Plácido De Castro e em frente ao Comando Geral, levantaram cartazes com fotos do jovem assassinado e balões pretos simbolizando o luto da escola e da família que ainda estava muito abalada.

O professor de Artes, Marcs Exídio, informou que a vontade de fazer a manifestação em frente a sede da PM partiu dos próprios alunos, que ao chegarem para estudar na manhã de hoje, experimentaram um sentimento de luto ao não encontrar Ygor Werik na cadeira onde ele sentava, ao fundo da sala de aula.

“Ygor era uma pessoa muito tranquila, era um menino que pouco falava. A mídia tentou colocar que ele fazia parte desse movimento, mas não é verdade, era uma pessoa tranquila e inocente, ele apenas estava no lugar errado e na hora errada. Nós viemos aqui por vontade dos alunos. Eles estão super angustiados e tristes, era um colega que estudava com eles e a ideia é chamar a atenção pra tudo isso que tá acontecendo, para a violência e essas pessoas que nós estamos perdendo todos os dias pra violência. É um ato silencioso e sem barulho”, disse o professor.

Propaganda

Destaque 2

Governo de Sebastião Viana ainda não sabe se vai pagar o 13º

Publicado

em

O governo do Acre ainda não sabe se será possível pagar o 13º salário neste mês, porém informa que trabalha para efetuar o pagamento aos 45 mil servidores públicos estaduais até o dia 31 de dezembro.

A previsão é de que a primeira parcela do Fundo de Participação dos Estados (FPE) seja paga nesta segunda-feira, 10. A segunda deve ser paga em 20 de dezembro. São repasses que reforçam os cofres do Estado.

O atraso seria inédito nos governos da Frente Popular. O governo de Sebastião Viana tenta manter a tradição das gestões petistas que sempre se gabaram em sua propagandas de pagar em dia.

Nesta segunda, a assessoria de Sebastião Viana, ao ser procurada por ac24horas, deu o tom da dificuldade para cumprir a meta de pagar os salários do mês de dezembro e o 13º ao informar que “o governo continua trabalhando no sentido de fechar cumprindo a sua previsão de honrar com o compromisso do pagamento do salário e décimo. Assim que tivermos a definição, faremos o anúncio”, informou.

Continuar lendo

Destaque 2

Acostumado a criticar o sistema, novo chefe do Iapen do Acre quer faccionados disciplinados

Publicado

em

De presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários a diretor-presidente do Instituto de Administração Penitenciária do Acre. Em 01 de janeiro, Lucas Bolzoni (31 anos) passa a carregar no colo uma bomba sempre prestes a explodir: o Iapen e seu complexo de presídios com 7, 5 mil presos, proporcionalmente a maior população carcerária do país.

Graduado em Ciências Sociais com concentração em Sociologia pela Universidade Federal do Acre, Lucas é agente penitenciário da carreira efetiva do Instituto de Administração Penitenciária há 10 anos.  Já atuou em diversas unidades prisionais, como a Unidade Penitenciária Francisco de Oliveira Conde e na Unidade de Monitoramento Eletrônico. Em uma década lidando diariamente com o complexo prisional conhece na prática o sistema. Ao longo de sua carreira se capacitou e se especializou em sua área de atuação.

De perfil questionador que tem uma certa combinação com a alma sindical e universitária, Lucas se destacou para além da vida de agente. E se é verdade que as redes sociais dizem muito sobre uma pessoa, Lucas é um personagem crítico e do enfrentamento ideológico. Especialmente no período eleitoral foi combativo contra o que ele considera erros e equívocos da chamada esquerda brasileira.

É a primeira vez na história do Iapen que um agente é escolhido para presidir a instituição. Lucas Bolzoni foi apresentado pelo vice-governador eleito Major  Rocha na última sexta-feira, 07, com outros futuros integrantes da cúpula da Segurança Pública, entre eles o coronel da reserva da Polícia Militar, coronel Paulo Cezar, que será o próximo secretário de Segurança no governo de Gladson Cameli.

O ac24horas conversou com Bolzoni. Leia abaixo a entrevista:

Ac24horas: Toda pessoa que assume um cargo pensa logo em uma ação imediata, de impacto. O senhor já tem seu plano para os primeiros 100 dias? 

Lucas Bolzoni: Estamos trabalhando no plano de ação dos primeiros 100 dias.  As ações têm articulação com todas as forças de segurança pública e deve ser apresentada até o próximo dia 15. O objetivo principal é dar respostas à segurança pública do Acre através da retomada progressiva do controle total dos estabelecimentos prisionais. Com o incremento de novas vagas recentemente criadas com recursos federais do Fundo Penitenciário, devemos ocupar esses novos espaços e iniciar a retomada do controle. Com o desafogar parcial da superlotação de hoje, a meta é imprimir disciplina, educação e trabalho na rotina dos apenados.

Ac24horas: Hoje o senhor ocupa a presidência do Sindicato dos Agentes Penitenciários, mas no dia 01 de janeiro passa sentar na cadeira do outro lado da mesa, que não é mais a do sindicalista, a da pessoa que vai para a rua protestar, criticar a gestão. O senhor está preparado para vestir a camisa do Estado?

Lucas Bolzoni: Sou servidor de carreira há 10 anos. A partir do dia 01 o IAPEN deixará de ter viés político para ter caráter técnico. Uma área tão sensível e estratégica para  a segurança pública não pode estar refém de decisões políticas. Este tem sido o maior problema do IAPEN na última década.

Ac24horas: O Acre possui a maior população carcerária do País. Como lidar com uma situação dessas em um Estado à beira da falência e com alto índice de criminalidade?

Lucas Bolzoni: A partir de agora, vamos otimizar a estrutura que temos. No Acre, temos quase 1.300 servidores. Sendo 90% deles Agentes Penitenciários. Estima-se que cerca de 100 deles estejam cedidos para outros órgãos. A mesma quantidade está em serviço administrativo. Com a reconvocação desses servidores e as vagas que estão sendo disponibilizadas devemos causar um impacto positivo já nos primeiros dias de gestão.

Ac24horas: O que fazer para evitar a entrada de produtos ilegais nos presídios?

Lucas Bolzoni: Primeiramente vamos reestruturar o nosso serviço de inteligência e a corregedoria. Com reforço de servidores nas guardas prisionais e a devida responsabilização de ações de corrupção teremos melhores resultados. Há também mudanças previstas no fluxo de visitantes e de fornecedores. Vamos racionalizar a entrada nos presídios e submeter todas as visitas ao equipamento de escâner corporal. Hoje ele só é utilizado em casos de suspeitas e a visita íntima foi proibida pelo Conselho Nacional de Justiça por ser considerada vexatória.

Ac24horas: O senhor enxerga eficiência nos bloqueadores? E se enxerga, pretende levar esse tipo de equipamento para presídios do interior? 

Lucas Bolzoni: Os bloqueadores de celular, inicialmente, apresentaram alguns problemas de ordem técnica mas hoje cumprem integralmente o seu papel. Houve casos de pessoas que lançaram correntes na rede elétrica próxima ao presídio, de modo a colocar o equipamento em inatividade. Reforçaremos a segurança no perímetro. Hoje são raras as apreensões de celulares nos presídios onde existem bloqueadores, o que demonstra que o equipamento está funcionando. Nossa meta é instalar o mesmo equipamento em outros presídios do Acre.

Ac24horas: O senhor sempre criticou as condições subumanas do presídio, a falta de estrutura, quantidade de fugas e desvalorização do agente. Como o senhor vai encarar todos esses problemas agora na presidência do Iapen? 

Lucas Bolzoni: Há em curso o incremento de novas vagas. Estamos formando uma equipe técnica para a criação de projetos para captação de recursos e o incremento de novas vagas. O IAPEN tem muitos gastos desnecessários. Com a captação de recursos e a devida aplicação conseguimos superar os problemas estruturais. É meta desta governo a valorização do servidor. Vamos honrar a quem tem trabalha em prol da sociedade.

Ac24horas: É possível fazer alguma coisa, algum tipo de ação para evitar corrupção de agentes?

Lucas Bolzoni: Sim. Não há nada que mais incentive o crime do que a impunidade. Por isso devemos reforçar a corregedoria do IAPEN. A inteligência deve trabalhar incessantemente para evitar e punir ações de corrupção. Temos um quadro de pessoas honradas, mas como toda instituição temos maçãs podres. Nosso objetivo é extirpar os maus servidores do nosso meio.

Ac24horas: Sempre houve muito questionamento sobre as compras e licitações do Iapen. O senhor garante transparência e lisura em sua gestão? 

Lucas Bolzoni: Não somente sobre as licitações. O IAPEN tem várias “caixas pretas”, como a do serviço extra (banco de horas), diárias e funções comissionadas. É política deste novo governo a transparência nas licitações e contamos também com o olhar atento de órgãos de fiscalização externa, como o Ministério Publico.

Ac24horas: O senhor acha que por ser agente será mais fácil ter o apoio de sua categoria no comando do sistema penitenciário?

Lucas Bolzoni: Ontem (sexta), após o anúncio do meu nome, fiz questão de visitar os presídios de Rio Branco. Os ares são outros. Com um servidor de carreira e Agente Penitenciário à frente do IAPEN os servidores estão motivados e têm as melhores expectativas. Ainda não consegui responder às centenas de mensagens de apoio dos nossos colegas.  Esta indicação é a sinalização de que o próximo governo deverá valorizar os servidores que mais se esforçam que têm carregado este sistema nas costas. Depois de muito tempo pude ver o brilho nos olhos de nossos colegas.

Ac24horas: É da tradição sindical incomodar gestores. Você conseguirá lidar democraticamente com críticas, eventuais protestos e até paralisações?

Lucas Bolzoni: Me afasto do sindicato e deixo pessoas inteligentes e responsáveis à frente da entidade.  Teremos diálogo aberto e transparência na aplicação dos recursos. Com respeito à autonomia do sindicato esperamos ter uma relação de parceria com os representantes dos servidores.

Continuar lendo

Destaque 2

Juiz Danniel Bonfim é eleito presidente da Asmac

Publicado

em

O juiz Danniel Bonfim foi eleito presidente da Associação dos Magistrados do Acre (Asmac) com 56 votos favoráveis e um em branco, na sexta-feira (7/12). A data escolhida para o pleito teve o objetivo de comemorar o Dia da Justiça e de celebrar a data de fundação da entidade, o dia 8 de dezembro.

O magistrado, que assume a entidade no dia 8 de fevereiro para o biênio 2019/2020, propõe dar continuidade aos trabalhos realizados nas gestões passadas, além de trabalhar pela defesa das prerrogativas da classe.

“O objetivo do planejamento associativo é manter o trabalho que foi iniciado nas gestões anteriores, além de trabalhar na defesa das prerrogativas dos colegas, buscando ainda fomentar a cultura e as atividades sociais, tratando com a importância que merece o associado”, respondeu.

Para Danniel Bonfim, é uma honra receber os votos de confiança dos colegas e afirmou que a votação é uma mensagem clara de que a classe está envolvida na vida da Associação.

“Quero agradecer a participação dos colegas no processo eleitoral e dizer que o objetivo da chapa é agregar. A resposta das urnas não tem relação com a minha pessoa, mas com a necessidade do próprio associado que participou do pleito, que tem interesse de participar do movimento associativo”, explicou.

Para o atual presidente da Asmac, o desembargador Luís Camolez, a escolha de uma nova chapa para dirigir as atividades da entidade demonstra o fortalecimento da democracia e senso de união.

“Toda eleição possui sua importância e demonstra a importância da democracia. Foi um número expressivo de eleitores. Danniel sempre demonstrou o interesse de participar da [associação]. Seremos muito bem representados. É importante destacar que o juiz também vota, também é eleitor. Estamos bem representados pelo colega”, detalhou Camolez.

Dos 84 magistrados aptos a votar neste ano, não compareceram as urnas 27 pessoas. Os juízes e desembargadores que, por motivo de força maior, não poderam estar presentes no dia do pleito tiveram a oportunidade de encaminhar a sobrecarta com o objetivo de opinar sobre a escolha do novo representante por meio de envelope lacrado que foi aberto no ato da contagem dos votos.

A diretoria eleita ainda conta com a 1ª vice-presidente, a juíza Thaís Queiroz Borges de Oliveira Abou Khalil, e o 2º vice-presidente, o juiz Fábio Alexandre Costa de Farias.

Currículo

Atualmente, Danniel Bonfim é juiz de direito titular da 1ª Vara Criminal de Rio Branco, formado em Direito pelo Centro Universitário de Ensino do Amazonas, mestre em Direito Constitucional pela Universidade de Brasília (UnB), possui MBA em gestão pública com ênfase em controle externo pela Faculdade Internacional de Curitiba. Ele é especialista em Direito pela Universidade Federal do Amazonas.

O magistrado ainda é professor Universitário e formador da Escola Judicial do Estado do Acre (Esjud). Participou como palestrante nos cursos de aperfeiçoamento de sargentos – CAS/2017 e 2018 da Policia Militar do Estado do Acre.

O presidente eleito ainda é o vencedor do 1º Concurso Nacional de Decisões Judiciais e Acordãos em Direitos Humanos (CNJ/SDH).

Antes de chegar a magistratura, Danniel Bonfim foi policial federal e foi aprovado no Concurso para Promotor de Justiça do Ministério Público do Estado do Amazonas.

Continuar lendo
Propaganda

Leia Também

Mais lidas

Copyright © 2017 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.