Conecte-se agora

A difícil arte da liderança

Publicado

em

Não existe no parlamento uma missão mais espinhosa do que ser líder de governo, seja de que partido for. Contra o governo sempre haverá alguém a criticar as suas ações e omissões. Por melhor que seja. Quem cumpre de forma combativa e competente este papel é o deputado Daniel Zen (PT). O que mais o qualifica no cargo é que sempre tem o domínio do que fala e neste tom faz o enfrentamento com a oposição. Zen (foto) é sim, queiram ou não alguns, um dos destaques da atual legislatura, por ser extremamente qualificado e um bom orador. É uma das gratas surpresas da nova safra de parlamentares. E um nome do PT para vôos mais altos no futuro. Integra o grupo de vida inteligente na Assembléia Legislativa. O que já é vantagem.

MONTADOS NA GRANA
A partir das convenções regionais os dirigentes partidários não poderão reclamar da falta de recursos para suas campanhas e de candidatos de seus partidos. Estará à disposição o Fundo de Campanha de 1,8 bi. Deste total 234 milhões irão para o MDB, 212 milhões ao PT, 131 milhões destinados ao PP e 185 milhões do PSDB. Isso sem falar no dinheiro do Caixa 2.

MEU PIRÃO PRIMEIRO
A distribuição do bilionário Fundo de Campanha favorece diretamente os dirigentes partidários que serão candidatos. A distribuição do quinhão regional caberá aos presidentes dos partidos. E neste caso é a velha história do meu pirão primeiro. Aos novos, só o vento.

DADOS REAIS
São dados reais que o deputado federal Léo de Brito (PT) foi um dos parlamentares que mais destinou recursos para obras em Rio Branco, foram mais de 40 milhões liberados.

NÃO DÁ PARA SER OTIMISTA
Não sei até que ponto tudo o que está acontecendo no Brasil possa a ter influência na eleição no Acre. As eleições no Estado costumam ser decididas não pela ética, mas pelo dinheiro.

PRIORIDADE DO GOVERNO
Não existe outra prioridade da equipe econômica do governo que não seja o de fazer caixa para o pagamento de dezembro e 13° salário dos servidores. Atrasar seria um desgaste sem tamanho. O atraso salarial em outras gestões sempre foi pauta de crítica deste governo.

CONTINUA PATINAR
Mesmo com algumas ações de governo interessantes o Acre não saiu da miserabilidade econômica, vivendo praticamente das emendas parlamentares e dos repasses do FPE.

BATALHA DAS MULHERES
Na chapinha dos partidos nanicos da oposição três mulheres despontam na luta para ficar com a provável vaga a ser conquistada pelo grupo: Charlene Lima (PTB), Rosana Nascimento (PPS) e Vanda Denir (SOLIDARIEDADE). A coligação é formada por PTB-PPS-SOLIDARIEDADE e PSC.

OUTRAS MULHERES
Perpétua Almeida (PCdoB), Jéssica Sales (MDB) e Silvia Brilhante (PMB) são outras mulheres candidatas a vagas na Câmara Federal. Hoje temos apenas uma parlamentar federal.

É MUITO IMPROVÁVEL
É cada dia mais improvável que o governador cumpra a sua principal promessa para o Alto Acre, o de entregar funcionando em toda plenitude o “Hospital Regional de Brasiléia”.

NÃO PODE SER RADICAL
Pode-se criticar o governo pela violência extremada que tomou conta de Rio Branco e Capital, mas não se pode ser radical ao ponto de se dizer que nada foi feito na Segurança. Houve sim muito investimento. E há uma ação policial intensa com a apreensão de drogas, armas e desmantelamento de quadrilhas de assaltantes. São dois pontos que devem ser ressaltados.

CAMPANHA CONTINUA
O candidato ao governo pelo PT, Marcus Alexandre, não vai parar a campanha por causa da Copa do Mundo. Esteve fazendo reuniões e colhendo sugestões para seu Plano de Governo no Bujari. Cruzeiro do Sul e Feijó serão os próximos municípios a serem visitados pela caravana.

NÃO EXISTE O MOVIMENTO
Há setores do PT que gostariam que o vice não fosse o Emylson Farias (PDT), mas é um sentimento localizado, está prestigiado pela cúpula. A coluna tem informação segura de que não há nenhum movimento pela sua substituição pelo deputado federal César Messias (PSB).

ESCOLHA PESSOAL
Mesmo porque, o Emylson Farias (PDT) de vice foi uma escolha pessoal do governador.

ACHA QUE EMPARELHA
O candidato a deputado federal, Tião Bocalom (PSL), transmite sempre otimismo com quem conversa sobre a disputa do governo. É convicto que o Coronel Ulisses Araújo (PSL) vai ao segundo turno. Dá sempre como argumento a simpatia como o candidato é recebido em suas visitas.

SEM ESPAÇO PARA INVESTIMENTOS
Conversando com quem conhece a real situação econômica do Estado se chega à conclusão que o próximo governador do Acre vai viver momentos difíceis, com quase nenhuma manobra para grandes investimentos. Terá que ter pulso para acabar com a farra de cargos em comissão.

QUESTÃO É POLÍTICA
A questão dos cargos de confiança é que em sua grande maioria não acrescenta nada á gestão e estão nomeados por compadrio político, são afilhados e indicações de parlamentares da FPA. Para fazer o enfrentamento o futuro governante terá de resistir a muitas pressões corporativas.

MDB SE CONVENCEU
Parece que o MDB foi obrigado a se convencer que não conseguirá fazer do PP bucha de canhão para a eleição dos seus candidatos a deputado estadual. A reação do PP foi forte.

ESTÁ NO JOGO
O deputado Luiz Tchê (PDT) engana-se quando não coloca em suas avaliações o nome do vereador Manuel Marcos (PRB) como sério candidato a uma vaga de deputado federal na chapa que integra. Tem um grupo organizado de campanha e a Igreja Universal em peso.

SITUAÇÃO CRÍTICA
O prefeito de Capixaba, José Augusto, vive uma sua situação crítica, a herança de uma dívida cavalar de prefeitos antecessores, que o deixa se condições de tornar a prefeitura adimplente. Chegou a um ponto que terá que fazer um corte profundo no número de funcionários para tentar pagar as dívidas. Sem o dinheiro das emendar parlamentares fica inviabilizado.

CHAPA COMPLICADA
A coligação PODEMOS-PRB-PROS tem uma chapa complicada para a Assembléia Legislativa. Nada menos do que cinco deputados dentro. Heitor Junior (PODEMOS), Raimundinho da Saúde (PODEMOS), Juliana Rodrigues (PRB), André da Farmácia (PRB) e Maria Antonia (PROS).

SENDO MUITO OTIMISTA
Na melhor das hipóteses – se conseguirem completar a chapa como nomes de menor expressão – podem ficar com três vagas. É certo que pelo menos dois ou três desses deputados serão passageiros certos da Balsa para Manacapuru. Quem fica fora?

NEM VAI PENSAR NISSO
Aliados do candidato ao governo, Gladson Cameli (PP), costumam pontuar para sustentar que, ele ganhará em Rio Branco o fato de que, a população está descontente por Marcus Alexandre (PT) ter deixado a PMRB. O que vai definir a eleição será a empatia do candidato com o eleitor.

FATOS PERIFÉRICOS
No fervor da campanha o eleitor deixa fatos periféricos de lado e centra no candidato.

FAIXA PRIVILEGIADA
Quem corre numa faixa privilegiada em Cruzeiro do Sul é a Delegada Carla Brito (PSB), candidata á deputada estadual, por ter a memória eleitoral da última eleição, quando foi bem votada para prefeita. Tem de torcer, para o PSB ir á disputa com uma chapa própria.

CHAPA FECHADA
O dirigente petista Cesário Braga tem parte do mérito do PT ter conseguido montar uma chapa completa de deputado estadual. Foi um trabalho. É natural que, o PT saia de chapa própria e tente fazer a maior bancada possível na ALEAC. Importante caso ganhe ou não o governo.

RECESSO BRANCO
Depois da Copa do Mundo virá a campanha com todo o seu pique. E com ela o chamado “recesso branco” na ALEAC, com pouca presença de deputados no plenário. A maioria vai priorizar salvar a própria pele com a reeleição. Os debates tenderão a rarear. E não há nem como a mesa diretora pensar em punir os faltosos, porque seus membros disputam a eleição.

Propaganda

Blog do Crica

Uma disputa que vai sacudir a fronteira 

Publicado

em

A ex-deputada Leila Galvão (PT) assumiu no último sábado o compromisso com o grupo do MDB que a visitou de que se filiará ao partido, para disputar a prefeitura de Brasiléia na eleição deste ano, pelo partido. O que era especulação se tornou num fato real. Isso empurra a eleição para a prefeitura do município para uma disputa que vai sacudir a fronteira. De um lado, teremos a bem avaliada em todas as pesquisas, prefeita Fernanda Hassem (PT), que disputará a reeleição no cargo, o que tem o seu peso em um município pequeno. E do outro, a ex-deputada Leila Galvão, que mesmo não tendo sido eleita, foi a mais votada do município na última campanha. O que torna a eleição surreal é que ambas são as maiores lideranças do PT no município. O rompimento agora oficial, já existia nos bastidores, por problemas de relacionamento na campanha. Já havia uma decisão do grupo da ex-deputada Leila de em hipótese alguma apoiar a reeleição da prefeita Fernanda Hassem (PT). Ponto certo: será uma eleição muito disputada. Como disse um amigo do município: “vai ser um bom jogo.”

ESTRATÉGIA A SER MUDADA

Não incorporo a proposta populista do deputado Roberto Duarte (MDB) de que deve ser pedida uma intervenção federal na Segurança. Agora, as estratégias adotadas pela cúpula do sistema devem ser melhoradas e inovadas, porque chegamos a um estágio de guerra civil.

NÃO ME VENHAM COM FALÁCIAS

Não venham com a falácia de comparar número de mortes com o mesmo período do governo passado. O PT perdeu a eleição, está sepultado e de ossos brancos. A exclusiva responsabilidade de conter a chacina em curso neste mês de janeiro é do atual governo.

TEM QUE VIR DE PÚBLICO

O vice-governador Major Rocha, a quem o governador Gladson Cameli deu poder pleno para comandar o sistema de segurança precisa vir de público falar alguma coisa, dar uma explicação, apontar novos caminhos, porque foi quem indicou toda a cúpula da segurança.

NÃO SE TRANSFERE RESPONSABILIDADE

O eleitor votou no Gladson para governar o Acre, não o elegeu para terceirizar a sua autoridade na área de segurança, porque o governador é ele, e a cobrança não tem como não ser direcionada ao seu governo. E não foi esta Segurança prometida durante a campanha.

CONTEXTO DE DISCUSSÃO

E neste contexto de discussão sobre a violência não vamos jogar o fardo nos nossos policiais, principalmente, a PM, que atua mais no campo. Temos uma justiça com leis que beneficiam bandidos, como o Estatuto do Menor, Audiência de Custódia e a Lei de Abuso de Autoridade.

OS POLÍTICOS ESTÃO NESTE CESTO

E não vamos deixar os políticos fora deste cesto. São eles que fazem as leis, como a mais recente Lei de Abuso de Autoridade, que pode dar punição ao policial que mostrar a cara de um bandido; que participou de uma chacina, de um estuprou e etc. A polícia não faz as leis.

 CORDA PARA MUITOS PESCOÇOS

Não vamos só botar a corda nos pescoços do secretário de Segurança, Paulo César, e do Comandante da PM, Coronel Ulysses Araújo. Deles deve ser cobrado sim um novo plano de segurança, o que está sendo executado, infelizmente, não está contendo a violência, a população está atemorizada. O que tem de se mudar é a estratégia e não nomes.

EXPECTATIVA DO IRREAL

O secretário de Segurança, Paulo César não é omisso. O comandante da PM, Coronel Ulysses Araújo, também não é omisso. O pecado de ambos foi criar a falsa expectativa na população de que em poucos meses à frente de suas pastas resolveriam a questão da violência no Estado.

TEM DE COBRAR MESMO

Na questão de cobrança, está tem que ser feita mesmo pela população ao governador Gladson, ao vice-governador Major Rocha, ao Coronel Ulysses e ao secretário Paulo César, porque cabe a eles encontrar um caminho para minimizar a violência e por fim a este terror.

FORÇA NACIONAL

Vejo muita reclamação do baixo efetivo da PM. Por qual razão não se busca a vinda da Força Nacional para reforçar a tropa no combate ao crime organizado, que a cada dia que passa se torna mais desafiador? Falar em intervenção federal é populismo. Senhores do poder, uma coisa é certa: alguma coisa tem de ser feita, são trinta execuções em 18 dias neste mês.

ESQUEÇAM O PT

E vamos para com esta história de ficar debitando tudo ao PT, cujo último governo foi varrido das urnas por ter fracassado, inclusive, na Segurança, onde foi um desastre. As soluções têm de ser encontradas pelos que hoje estão governando o Acre e paremos por aqui pessoal. 

ENDEREÇO CERTO

“É o retrato da nossa segurança”. A frase do senador Petecão (PSD) sobre o acidente envolvendo um helicóptero do governo e um caminhão, muito mais que uma crítica ao fato, embute uma fustigada no vice-governador Major Rocha (PSDB), que comanda a Segurança.

PRELIMINAR PARA 2022

 Ambos, já vêm trocando farpa um bom tempo, numa preliminar para a eleição de 2022, já que eles têm projetos políticos majoritários conflitantes. É mais um capítulo dessa novela.

CONFRONTO INEVITÁVEL

Numa eventualidade do governador Gladson Cameli resolver disputar o Senado em 2022, não há quem segure um confronto na disputa do cargo entre o Major Rocha e o Sérgio Petecão.

SEM UM SINAL NÃO AVANÇA

O secretário Thiago Caetano vem se mexendo nos bastidores tentando construir a sua candidatura a prefeito da capital. Não está em discussão sua competência, é comprovada. Mas, sem um sinal forte e público do Gladson Cameli que o quer candidato fica difícil decolar.

NÃO DECIFRARAM A EQUAÇÃO

O que os dirigentes do PROGRESSISTAS e o próprio governador não decifraram a equação política da eleição deste ano, é que na eventualidade do partido ficar fora do jogo, sem candidato á PMRB, a sigla perderá a oportunidade de ser protagonista na eleição de 2022.

LARGAR AGORA OU FECHE A CORTINA

Atrasado o PROGRESSISTA está, e se quiser ainda ter qualquer chance de entrar no cenário com um nome competitivo o Gladson tem de se manifestar agora, ou feche-se a cortina. A indefinição do governador breca até os seus aliados de se manifestarem sobre preferência.

 CONTINUAM MINORITÁRIAS

Entre os nove nomes já anunciados com disposição de disputar a prefeitura da capital na eleição deste ano, temos apenas duas mulheres: a deputada federal Vanda Milani (SD) e a prefeita Socorro Neri (PSB). E ambas, com qualidades morais inquestionáveis.

RECEITA PRINCIPAL

Numa eleição para prefeito uma situação que tem um peso muito forte na ajuda ao candidato é ter um grande número de candidatos a vereadores, porque serão estes que vão brigar na periferia pelos votos. Por isso, a importância da montagem de chapas que sejam competitivas.

MIRANDO 2022

A publicitária Charlene Lima, que se não tivesse sido tirada do jogo em plena eleição poderia ser hoje deputada federal, estava numa campanha crescente, vai aproveitar a eleição municipal de Sena Madureira, para eleger vereadores visando disputar a ALEAC em 2022.

LUZ NO FIM DO TÚNEL

Pragmática, e com tudo para ser o primeiro passo para tirar a Saúde da UTI, esta parceria em discussão entre a representação da classe médica e os dirigentes da SESACRE. Sem um entrosamento com os profissionais da Medicina e a SESACRE, avanços não serão conquistados.

PARA A PREFEITA SOCORRO

Moradores da Rua João Raimundo, bairro João Eduardo 1, atrás da escola Marilda Gouveia, mandaram uma postagem pedindo espaço no BLOG para relatar á prefeita Socorro Neri que, embora tenham feito vários protocolos, o local continua sem iluminação pública, um perigo.

FORA DESSA

O deputado Daniel Zen (PT), que está de férias, chegou a ser procurado por colegas para dar a sua opinião sobre o desfecho do rompimento político entre lideranças do PT e a prefeita Socorro Neri, mas preferiu não comentar o fato. Limitou-se a dizer: – me deixem fora dessa.

NOME DA VEZ

Com a desistência do ex-prefeito Angelim de disputar a prefeitura de Rio Branco, o nome da pauta é o do deputado Daniel Zen (PT), que integra a tendência majoritária do PT. A se saber se aceitará colocar o seu nome na eleição. Uma coisa é certa, o PT terá candidato próprio.

FAZENDO FIRULA

O deputado Edvaldo Magalhães (PCdoB) faz firula quando diz crer numa recomposição política entre a prefeita Socorro Neri e a cúpula do PT. Na verdade, o PCdoB vai para a eleição da PMRB apoiando o candidato do PT, reeditando a longeva aliança no Estado com os petistas.

CONVERSANDO COM O PROS

 O PROS, que faz oposição ao governador Gladson na ALEAC, com a deputada Maria Antonia (PROS) votando contra os seus projetos, poderá ser aliado do PSDB na eleição municipal da capital. O presidente Francisco Deda vem tendo conversas com o vice Major Rocha (PSDB).

SÃO OS QUE SEGURAM

O governo do presidente Bolsonaro vem emendando uma trapalhada atrás da outra, como essa manifestação do seu ex-ministro da Cultura em cima de termos nazistas. O que está salvando seu governo é a figura anticorrupção do Moro e Paulo Guedes, na economia.

 TRESVALIANDO

O deputado Jenilson Lopes (PSB) sonhava ver todos os partidos de esquerda, junto com o senador Petecão (PSD), no mesmo palanque, apoiando a reeleição da prefeita Socorro Nery. No seringal, costuma-se dizer de uma fala desconexa, que a pessoa  está “tresvaliando.”

 FRASE DO DIA

“A política pode ser o ato nobre de prezar pelos interesses da população. Ou a infame arte de enganar a população para atender os interesses próprios”. Pinçada da seleção de frases políticas.

 

Continuar lendo

Blog do Crica

Caminhando sob o fio da navalha

Publicado

em

Com a posição já conhecida da prefeita Socorro Neri sobre a sucessão municipal, falta agora ao governador Gladson Cameli (foto) revelar como será o seu comportamento político. Pode acontecer, mas não é muito lógico, que lance pelo PROGRESSISTAS um nome do seu colete para disputar a prefeitura de Rio Branco. E, por dois motivos: o primeiro é que para isso teria que ter trabalhado este nome desde o ano passado e dado um sinal claro de engajamento para o seu secretariado. Não fez. E segundo, que não há dentro do seu partido na capital um nome que já entre no jogo encorpado para a disputa. Já imaginaram pegar um nome sem peso político, colocar debaixo do braço, e perder a eleição para a PMRB? Seria um golpe duro na sua imagem, um desastre político de grande proporção. Uma mexida de pedra também desastrada seria indicar um vice do PROGRESSISTAS, para qualquer das chapas do seu grupo político que está na disputa da prefeitura da capital. Isso ocorrendo, entraria em choque com os demais aliados. A posição mais prudente seria a de só entrar na campanha no segundo turno. Mas, esperar prudência de quem toma posições políticas no emocional como o governador Gladson Cameli, é apostar no imponderável. O certo é que ele caminha no fio da navalha nesta eleição, e qualquer movimento mal calculado vai criar entraves dentro do governo com o partido que vier a ser preterido no seu apoio. Até aqui tem se mostrado disperso no assunto.

NÃO ESTÁ NA AGENDA
Conversei ontem com um dos assessores do secretário de Saúde, Alysson Bestene, sobre boatos de que estaria encaminhando entendimentos na busca de apoio para disputar a prefeitura de Rio Branco. Garantiu que não existe nenhuma iniciativa pessoal do secretário.

FOCO PRIORITÁRIO
O que o secretário Alysson Bestene tem de focar é em melhorar o atendimento na Saúde.

NOME NO JOGO
Quem mandou uma postagem ao BLOG afirmando que a sua candidatura a prefeito de Rio Branco é fato decidido, foi o ex-deputado Jamyl Asfuri (PSC), anunciando ainda que, a partir do próximo mês estará dando início aos movimentos para colocar o seu nome como nova opção.

QUANTO MAIS CABRA……
A serem mantidos todos os nomes até aqui anunciados como candidatos a prefeito de Rio Branco, se estará quebrando um recorde de candidaturas: nove nomes disputando a PMRB.

FORÇA DA LEGISLAÇÃO
A criação da Cláusula de Barreira força aos partidos a terem candidatos próprios para as prefeituras, para garantir um percentual nacional, principalmente, os partidos pequenos.

QG DO PERIGO
O que era para ser um bairro modelo passou a ser o local mais perigoso de Rio Branco, a “Cidade do Povo”. Quase todos os dias estão se registrando execuções no local.

RESPONSABILIDADE ZERO
Na questão do reajuste dos salários dos vereadores, a responsabilidade exclusiva é da mesa diretora da Câmara Municipal de Rio Branco, porque o orçamento que vai bancar o pagamento da conta é da própria Câmara e não da PMRB. A responsabilidade da prefeita Socorro é zero.

O QUE TODO MUNDO SABIA
A Nota do ex-prefeito Angelim sobre os últimos acontecimentos políticos não trouxe novidades. Deixa claro que nunca conversou com outros partidos para mudar de sigla e disputar a PMRB. Sempre coloquei neste BLOG que era uma hipótese descartada deixar o PT.

TAMBÉM NÃO ACREDITO
Assim como sempre coloquei neste espaço que não acreditatava que o Angelim deixaria o PT para disputar a PMRB por outro partido, na mesma intensidade não creio que, ele sairá candidato a prefeito da capital pelo PT. Centrado, sabe ser o cenário desfavorável á sigla.

UM BRANCO NA HABILIDADE
Ninguém pode deixar de reconhecer que mesmo fora do mandato o Jorge Viana é uma força política considerável, no Acre. Que é um político hábil. Mas no episódio envolvendo seu nome, o PT, a prefeita Socorro Neri, deu um show de inabilidade ao achar que podia criar nos bastidores á revelia da prefeita Socorro, lhe fustigando, um clima que a levasse a desistir da sua candidatura á reeleição. Era uma conversa que teria que ser olho no olho entre ambos.

ERA O SONHO MESMO
Não adianta querer mascarar fatos. O sonho mesmo do ex-senador Jorge Viana – isso não tem nada de ilegítimo na política – era ver o ex-prefeito Raimundo Angelim candidato a prefeito de Rio Branco apoiado pela prefeita Socorro Neri, com esta indicando o vice. Faltou combinar.

NÃO ERAM REPUBLICANAS
Basta se buscar em fatos do ano passado para se ver que as relações entre a prefeita Socorro Neri e o ex-senador Jorge Viana não eram republicanas. JV a criticou publicamente em duas ocasiões: uma ao dizer que o mandato não era dela, e a outra que não entendia ver o Angelim preterido para ser o representante da PMRB em Brasília. Tudo isso azedou o caldo de cultura.

CONSEQUÊNCIA ESPERADA
Na virada do ano, omitiu o nome da prefeita Socorro Neri, que organizou a festa dos fogos de artifício na Gameleira, quando falou do evento, dizendo que estava em lugar que considerava seu. Este episódio dos vereadores foi apenas o entornar do caldeirão, que já estava na tampa.

SÓ FICOU UM CAMINHO
Com a NOTA do ex-prefeito Angelim dizendo não ter entendimento para deixar o PT, não caberá outro caminho ao senador Sérgio Petecão (PSD), ao não ser o de se aliar ao MDB.

DESFALQUE ATRÁS DO OUTRO
O PT vem sofrendo na pele o castigo por ter perdido o poder. Várias lideranças saíram do partido. A saber: ex-deputado Ney Amorim, ex-presidente Minoru Kinpara; ex-prefeitos de Feijó, Francimar Fernandes e Juarez Leitão; o ex-prefeito de Porto Acre, Zé Maria; o ex-prefeito de Tarauacá Rodrigo Damasceno, e pode perder a ex-deputada Leila Galvão, em Brasiléia.

PODE FECHAR EM 20
O MDB tem trabalhado neste período pré-eleitoral com profissionalismo político. Fechou 18 candidaturas a prefeito e pode terminar o final de semana garantindo o teto de 20 candidatos.

BEM MAIOR QUE COMEÇOU
O MDB pode sair da eleição municipal deste ano bem mais forte do que está entrando. Já é um partido indispensável para quem pretende entrar bem posicionado na disputa de cargos majoritários em 2022, depois da eleição deste ano, passará a ser o dono da bola para 2022.

PEDRA NO ASSUNTO
A declaração da prefeita de Brasiléia, Fernanda Hassem (PT), de que não tem compromisso com ninguém para a indicação do vice da sua chapa, tira de tempo o grupo da deputada Maria Antonia (PROS), que já dava como certo que o nome passaria pelo seu crivo na escolha.

TÁTICA MANJADA
Motoristas de ônibus bloquearem o acesso ao Terminal é uma tática por demais manjada dos empresários do setor, para forçar que a prefeitura venha ceder e dar um aumento no preço das passagens. Querem vincular o atraso salarial a não ter ocorrido um novo reajuste. Blefe!

NOME ALTERNATIVO
Numa saída do Gladson Cameli para o Sendo em 2022, a disputa entre o senador Sérgio Petecão (PSD) e o vice-governador Major Rocha (PSDB) se acirrando pelo cargo, o senador Márcio Bittar (MDB) poderia ser o ungido como solução para a unidade. A tese é defendida por gente importante dentro do governo, que vê na neutralidade do Bittar um ponto a favor.

CONVERSA DE TRANCOSO
Alguém pode acreditar que os donos das empresas de ônibus estão tendo prejuízos?

PLACAR MACABRO
23 execuções foram registradas em 17 dias no Estado, com a maioria esmagadora na capital. Isso quebra o discurso do Comandante da PM, Coronel Ulysses Araújo, de que tinha solução para o fim da violência em Rio Branco. A violência entrou na espiral do incontrolável.

CARIOCA ENTRA EM CENA
O El Brujo petista, Nepomuceno Carioca, foi escalado para tentar unir em Brasiléia os grupos da prefeita Fernanda Hassem (PT) e da ex-deputada Leila Galvão (PT), esta em franca dissidência. Vai precisar de uma mandinga muito forte para a paz voltar reinar entre ambas.

 NÃO É DESCARTADO
Não está descartado que o PT saia com o deputado Daniel Zen (PT) para disputar a PMRB.

FRASE DO DIA
“A política é uma guerra sem derramamento de sangue, e a guerra uma política com derramamento de sangue”. Mao-Tse-Tung.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required
Propaganda
Propaganda

Leia Também

Mais lidas