Conecte-se agora

Dívida acreana: situação do Estado não é tão preocupante, mas não é confortável, diz Ipea

Publicado

em

Tema de disputa política entre governo e oposição na última década, a dívida do Acre é hoje a maior entre todos os sete Estados da região Norte. A relação dívida consolidada/receita corrente está próxima do tolerado pela Lei de Responsabilidade Fiscal.

Apesar de todos estes prognósticos, o Acre ainda tem um certo colchão para contrair novos empréstimos nos próximos anos. O mais prudente, entretanto, seria não contrair novos empréstimos para não deixar ainda mais engessada as receitas estaduais, já em situação delicada por conta da queda de repasses federais e pela queda na arrecadação própria.

Pelo menos essa é a análise da economista e pesquisadora do Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea) Mônica Mora. Junto com outros especialistas, Mônica é autora de estudo elaborado pelo Ipea com análise sobre o fechamento das contas dos governos estaduais em 2017.

Ano passado a dívida do Acre fechou em R$ 3,6 bilhões, contra R$ 4,7 bilhões de receita apurada. O coeficiente dívida/receita chegou a 0,77. Segundo a economista do Ipea, o limite em que a luz vermelha se acende é de 1.

Estados vizinhos e com receitas maiores tiveram uma relação mais confortável: Amazonas (0,51), Pará (0,17) e Rondônia (0,64). A capacidade de endividamento de um Estado é de duas vezes o valor de sua receita. No caso do Acre pode chegar a quase R$ 8,9 bilhões.

“Na realidade a situação do Acre não é tão complexa assim. A situação não é tão supertranquila assim, mas também de modo algum eu classificaria de confortável. É um Estado que precisa tomar cuidado, mas que não está numa situação gravíssima”, afirma Mônica Mora ao AC24horas.

Mesmo com essa “folga”, o Estado não tem compromissos somente com empréstimos. O governo Sebastião Viana (PT) também já está no limite de seu gasto com pessoal, como aponta o mesmo estudo do Ipea. Somando a folha de todos os Poderes, o Acre gasta hoje 63% de sua receita com servidores.

Destaque 2

Divididos, “Minoristas” polarizam disputa por reitoria da Ufac

Publicado

em

A eleição para a escolha do novo reitor da Universidade Federal do Acre (Ufac) a ser realizada na próxima terça-feira (22) ocorrerá à sombra do ex-reitor Minoru Kimpara. Apesar de ter deixado o cargo há quase dois meses para concorrer ao Senado pela Rede, Minoru tem exercido – ainda que de forma indireta – influência na escolha de seu sucessor, naquela que é apontada como uma das disputas mais acirradas dos últimos tempos.

As duas únicas candidaturas são de professoras que tiveram participação direta nas duas eleições e mandatos de Minoru à frente da Ufac. Não são dois mandatos completos, já que este segundo iria até 2020. Suas pretensões políticas maiores o levaram a abandonar o cargo. A eleição fora de tempo foi convocada justamente para preencher a vacância na reitoria.

Então vice-reitora, a professora Margarida de Aquino Cunha assumiu o posto deixado por seu aliado. No exercício da reitoria de forma interina, tenta se legitimar passando pelo crivo da comunidade acadêmica. Por ter a máquina na mão e apontada como herdeira da gestão Minoru, é vista como a grande favorita nas urnas.

Ela tem como adversária a ex-reitora de Graduação Aline Nicole. Apesar de tentar se apresentar como candidata de oposição, sua participação na reitoria até meses atrás a descredencia do rótulo, dizem docentes ouvidos. O cargo de pró-reitor de Graduação é visto como o número dois na hierarquia de comando da universidade, ante o acúmulo de atribuições que tem.

A cadeira só é ocupada por pessoas de extrema confiança do reitor, que o tem como seu braço direito. Tentar se descolar da imagem de Minoru Kimpara, agora, pode não surtir efeito. Por sinal, esse desligamento tende a não ser a melhor das estratégias, já que o ex-reitor saiu como um dos mais bem avaliados da Ufac.

Para professores ouvidos pela reportagem, as duas candidatas são criaturas do ex-reitor. O rompimento de Aline Nicole com Minoru ocorreu dias antes dele renunciar ao cargo para cumprir o calendário eleitoral.

Para tentar se desvencilhar da imagem de “Morinista”, ela convidou para seu vice na chapa o professor economista Carlos Garção. Ele integra o grupo mais à esquerda da universidade e que historicamente está abrigado na Associação dos Docentes da Ufac, a Adufac. A entidade, por sinal, decidiu ficar numa posição neutra na atual eleição.

A eleição acontece na terça-feira (22) das 8h às 21h. Ao contrário de outros anos não vai ocorrer em urnas eletrônicas. Por ser um ano eleitoral, o Tribunal Regional Eleitoral não teve condições de fornecer o equipamento.

A votação e apuração serão manuais. Segundo a Comissão Eleitoral, entre 12 e 14 mil pessoas estão aptas a votar. Têm poder de voto o corpo docente, servidores técnicos e alunos. As urnas estarão disponíveis em todos os polos e campus da Ufac

Continuar lendo

Destaque 2

Sebastião Viana grita “Lula livre” até ficar rouco na frente do Palácio Rio Branco

Publicado

em

O governador Sebastião Viana iniciou a manifestação pró-Lula na frente do Palácio Rio Branco na noite desta sexta-feira, 18, gritando três vezes, até ficar rouco, a frase “Lula livre!”. “Boa noite, presidente Lula; Lula livre, Lula presidente!”, proferiu gritando Viana, que foi acompanhado pelos militantes vermelhos presentes ao ato.

Em seu cumprimento inicial, após os gritos de “Lula livre”, Sebastião Viana anunciou a presença da presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, e do ex-prefeito de São Paulo, o petista Fernando Haddad.

“Em defesa da verdade. Prenderam um inocente, nada menos que maior presidente do Brasil”, afirmou Sebastião.

Continuar lendo

Destaque 2

No Acre, Gleisi Hoffmann diz que Lula “é maior que a cela” da PF

Publicado

em

A presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), disse, na tarde desta sexta-feira, 18, na 4ª Conferência da Amazônia, em um hotel no centro de Rio Branco, que a prisão de Lula é uma violência à democracia brasileira e acrescentou o discurso petista de que não há provas contra o ex-presidente.

Ela também afirmou que o juiz Sérgio Moro não tem condições para julgar o petista e pôs em xeque a imparcialidade do magistrado.

“Um ato de maior violência com a democracia. Não tem prova. Qual é o crime do Lula? O apartamento não é do Lula. Sérgio Moro é um juiz que não tem condições de julgar o presidente Lula. Eu nunca vi o juiz Sérgio Moro tirar foto com alguém da esquerda brasileira, mas tira fotos com Aécio, com Temer”, ironizou.

“O presidente Lula é muito maior que aquela cela onde o puseram. É por isso que ele aparece em primeiro lugar em todas as pesquisas e insiste em estar na pauta da política nacional, pois ele é maior do que aquela cela”, acrescentou.

Gleisi Hoffmann encerrou seu discurso proferindo a frase “Chico Mendes vive, Lula livre”.

Continuar lendo
Propaganda

Mais lidas

Copyright © 2017 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.