Conecte-se agora
Fechar

Sobre o meu amor eterno por ti

Charlene Carvalho

Publicado

em

A gente ama porque ama. As vezes pensa em desistir. Não quer mais saber. Não vale a pena (sempre ela a infame). Se abstém e sente falta. Pensa que vai morrer. Aí descobre que não é bem assim. E começa tudo de novo, de novo e de novo.

E quando tudo parece ser a mesma balada, surge algo novo, soberano, quase profano, digno dos deuses do Olimpo. É ela, a velha cachaça. O faro, o instinto, o nariz farejador. Não há como explicar. Só quem ama sabe. Vivemos entre deuses, servos, cortesãs, fidalgos, escravos, plebeus e realeza. Luxo e pobreza, dúvidas e incertezas. Porque toda história, pra ser boa, precisa ter o outro lado. Muitas versões geram uma boa história.

Nesses mais de 30 anos de relacionamento tivemos muitos encontros e despedidas. Aeroportos, estradas, cidades, esquinas, bares, lugares. Em todo tempo, em qualquer lugar, assim como no começo, largo tudo por você.

Como sempre ando obcecada por algumas músicas nesses dias, uso uma delas para – tentar – me fazer entender sobre o que penso da maior de todas as minhas paixões e tensões.

Sim, sim eu o amo profundamente e tão intensamente que embora tente um divórcio, as vezes amigável, as vezes litigioso, quando penso que me desfiz, escapo, me agarro, me enlaço e aí, aí o amor é quase censurado, de tão obsceno.

Ei-la, a música:

Era frio e era claro

como a seca de Brasília

eu já não sei se amava ou sonhava…

…Era reto e projetado

como as linhas de Brasília

não diga o que eu já sei

eu penso que é mentira, eu sei

a nossa solidão é a do planeta

é quase a mesma, eu sei

atenda o telefone, ouça meu disco

ou saia pra jantar, eu sei

Minha canção era loucura

como a alma de Brasília

(Coisas de Brasília – Oswaldo Montenegro e Mongol)

Por fim, mas não o fim, se você chegou até aqui pensando que arranjei um bofe escândalo ou ou reatei com uma velha paixão, sinto decepcioná-lo (a).

Minha paixão é de ofício. Não por ofício. E a razão do meu afeto decantado numa prosa transversa e mal acabada é sua excelência o fato (jamais o factoide)e nunca, nunca, jamais e em tempo algum a campainha fake News,  mocinha da moda mundo a fora!

Feliz dia do jornalista pra mim e pra você.

P.S: sim, sim eu o amo. Muito. Muito mesmo! Mas essa é uma outra história…

Propaganda

Charlene Carvalho

Ano que vem em Jerusalém

Charlene Carvalho

Publicado

em

Continuar lendo

Charlene Carvalho

Apenas mais uma crônica de amor

Charlene Carvalho

Publicado

em

Continuar lendo

Charlene Carvalho

Natura no Acre, sim, senhor!

Charlene Carvalho

Publicado

em

Continuar lendo
Propaganda

Mais lidas

Copyright © 2017 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.