Conecte-se agora

EXCLUSIVO: o julgamento sumário e execuções comandadas pelos Conselho da maior facção do Acre, o Bonde dos 13

Publicado

em

11h10 – O Conselheiro Imperador posta uma mensagem de texto onde diz que já está avaliando a situação;

11h13 – Um outro membro do Conselho posta mensagem dizendo que se a mulher for a responsável por ter sido espancada devido traição, ela que será punida para servir de exemplo;

11h28 – Conselheiro Imperador diz que é necessário ouvir a versão dos dois;

11h29 – Conselheiro diz que irá localizar [uma suposta vítima].

15h18 do dia seguinte aos fatos narrados, Maykon Pereira da Silva, vulgo Mayko Louco, morre após ser alvejado com tiros enquanto dormia em sua residência, no bairro Sapolândia, região próxima ao Mocinha Magalhães, em Rio Branco.

LEIA MAIS: Rainha da Sapolândia é presa por ter arquitetado o assassinato do marido

A conversa com nomes preservados – por medida de segurança – revela um cenário que já era percebido pelas autoridades do estado em março de 2016. A delegacia especializada de combate ao crime organizado (DECCO) não tinha dúvida, Conselhos que formam a estrutura organizacional das facções criminosas no Acre, venceram as muralhas das penitenciárias e ganharam as ruas, decidindo quem vive e quem morre. Nos últimos anos, as facções espalharam terror, estabeleceram suas leis e passaram a ter poder semelhante aos grandes grupos de mafiosos. “Eles mesmo julgam, sentenciam e executam”, diz J. Facundes, um dos maiores estudiosos do Primeiro Comando (PCC).

O que o ac24horas passa a revelar na série de duas reportagens, é o resultado de dois anos de trabalho dos investigadores da DECCO e do Ministério Público Estadual, monitorando os criminosos. A partir de interceptações telefônicas e de conversas de WhatsApp dos presos, foi possível fazer toda a anatomia da maior facção do Estado, o Bonde dos 13, que segundo relatório, “é um produto de um Estado ausente” criado no Acre para concorrer com o Comando Vermelho (CV) no controle do tráfico de drogas na região.

Há praticamente dois anos, a Operação Fim da Linha, desencadeada pela Polícia Civil, prendia 160 pessoas, supostamente ligadas as organizações criminosas. O estado reconheceu a estratégia como uma resposta à altura dos atentados praticados com ordens que saíram das lideranças de dentro da Unidade Prisional Francisco de Oliveira Conde (FOC), mas a ação não foi suficiente para frear o avanço dos grupos.

O material em poder das autoridades revelou níveis alarmantes de organização e de domínio do aparato estatal por parte dos criminosos dentro e fora dos presídios. E de acordo relatório da DECCO, “apesar das ações pontuais realizadas, as organizações são dinâmicas e vem crescendo em nosso estado de forma assustadora, se alastrando também nos pequenos municípios mais afastados do Acre”, diz o documento.

Entre os especialistas em segurança pública, o delegado aposentado, Messias Ribeiro, que atuou em área de fronteira, nos municípios de Brasileia e Assis Brasil, ouvido pela reportagem, afirmou que as facções cresceram e se organizaram de tal forma que não tem mais sentido falar em “poder paralelo” quando se está referindo a elas, mas sim em “poder de fato”.

“O Bonde dos 13 é a marginalidade institucionalizada no regime do atual governo dentro das prisões. A crise que vivemos não é somente de segurança pública, é bem mais profunda, a questão também é moral, passa pela degradação familiar, ameaça o próprio regime democrático”, acrescentou o delegado.

Ribeiro relata que a sua diarista é vítima das organizações criminosas instaladas na cidade do Povo, onde “é obrigada a seguir regras impostas pelos marginais, uma delas, a do silêncio. Ela já foi assaltada várias vezes e sequer pode denunciar. Ora, o poder deles há muito saiu de dentro da prisão e ganhou os bairros, alastrando esse sentimento de pânico na sociedade” disse o delegado.

O testemunho do delegado corrobora uma investigação do Ministério Público que aponta para hierarquia funcional, divisão de atividades e pratica de recrutamento de pessoas pelas facções: Comando Vermelho, Bonde dos 13 e Família do Norte. Essa ação acontece dentro dos bairros de Rio Branco. Pichações espalhadas em regiões periféricas, mas também em áreas nobres como o Residencial Green Garden, no São Francisco, e até em muros de escolas, demonstram a demarcação dos territórios do crime e a expansão das atividades criminosas no estado.

O Bonde dos 13

Mesmo recém-surgida no mapa do crime local – teria menos de cinco anos de existência -, o Bonde dos 13 é apontado como maior força nas unidades prisionais do Acre. Por contagens não oficiais, fontes da segurança pública estimam que o bando teria mais ‘filiados’ do que agentes penitenciários no contingente das cadeias locais.

Em Rio Branco, eles já se espalharam por vários bairros, mas o domínio da facção é considerado maior na Cidade do Povo, Taquari e Região da Transacreana. Seu estatuto é claro, segundo relatório da DECCO, “no sentido de que todos os integrantes devem colaborar para o crescimento e contribuir com uma cota mensal, além de cumprirem missões indicadas pelo Conselho.

O Tribunal do Crime

Pela primeira vez uma reportagem teve acesso ao organograma administrativo do Bonde dos 13. O estatuto define algumas regras para determinar quem pode e quem não pode integrar o “partido” do crime, um cargo de alta confiança, que exige coragem e palavra. Cada novo integrante precisa passar por um batismo – juramento de fidelidade ao grupo – e, especialmente, a figura do “padrinho”. A regra geral é de morte para quem trair a facção ou um dos membros da “família”.

No primeiro escalão do grupo estão os conselheiros responsáveis pela tesouraria (Arrecadação), Cadastro e Armamentos.

No segundo escalão, estão as divisões de Responsáveis pelos membros femininos de dentro da cadeia, os supervisores dos responsáveis por membros dos pavilhões e regiões.

A hierarquia segue com os membros femininos e membros gerais do grupo, cada um com suas funções e atividades subordinadas ao Conselho.

O foco da arrecadação, além dos serviços de manutenção, é a compra de armas de fogo, colete balísticos e aparelhos de telefone para a comunicação.

O cadastro é controlado por uma identidade numérica reconhecida dentro da facção como ‘senha’. Por esse cadastro, são resolvidos os conflitos nas bocas de fumo, assim como, infrações cometidas dentro dos presídios. O responsável pelos pavilhões (Presos) e os bairros (membros em liberdade) são pessoas de extrema confiança do Conselho, com poder de tomar decisões e até decidir quem vive e quem morre.

– A violência no Acre é pandêmica, as facções tomaram conta da cidade, demarcam territórios igualmente os morros do Rio de Janeiro –, disse o advogado criminalista, Romano Gouveia.

Na próxima reportagem da série, dados exclusivos mostram o avanço no número de homicídios no Acre a partir da criação do Bonde dos 13.

Propaganda

Cotidiano

Gado apreendido na Resex Chico Mendes será doado ao Hospital de Amor

Publicado

em

As apreensões de gado determinadas pela Justiça Federal nas áreas protegidas no estado poderão ter uma destinação beneficente.

A Procuradoria Geral da República no Acre tem a intenção de fazer a doação de 44 cabeças de gado apreendidas na última sexta-feira, 11, na Reserva Extrativista Chico Mendes, no município de Brasiléia, ao Hospital de Amor.

O rebanho foi apreendido depois que o proprietário foi notificado a retirar os animais da área de reserva em um prazo de 10 dias.

Ao retornar à localidade os fiscais constataram que o criador havia retirado apenas parte do gado. O que ainda restava na propriedade foi apreendido por agentes fiscalizadores do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

O Procurador da República no Acre, Joel Bogo, consultou a direção do Hospital de Amor sobre a possibilidade da doação.

A direção do Hospital de Amor em Rio Branco confirmou o contato do procurador da República, mas não quis comentar o assunto.

A apreensão de gado ilegal e medidas relacionadas a ocupações irregulares na reserva fazem parte de uma série de recomendações que o ICMBio recebeu do MPF ainda em 2017.

Continuar lendo

Destaque 5

Casa de Justiça e Cidadania é inaugurada na Cidade do Povo

Publicado

em

O deputado federal Alan Rick (DEM) participou na manhã desta segunda-feira, 14, ao lado do presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Acre, desembargador Francisco Djalma e do Governador Gladson Cameli, da solenidade de inauguração da Casa de Justiça e Cidadania instalada no Centro de Educação Profissional e Tecnológica em Serviços Campos Pereira, no bairro Cidade do Povo. A solenidade foi prestigiada pelas desembargadoras Eva Evangelista e Denise Bonfim, Procuradora-Geral de Justiça Kátia Rejane, presidente da OAB-Acre, Erick Venâncio, Defensora Pública Geral Roberta Caminha e Defensor Público Celso Rodrigues, secretária municipal de Assistência Social, Vanusa Messias, o presidente do IEPTEC, Francineudo Costa, juízes, procuradores de justiça e servidores do Judiciário, Ministério Público, Defensoria Pública e IEPTEC.

A Casa de Justiça e Cidadania, que foi equipada graças a uma emenda parlamentar de Alan Rick no valor de R$ 300 mil, oferece ao cidadão residente na Cidade do Povo e bairros adjacentes, serviços gratuitos de assistência jurídica voluntária e mecanismos para a solução de conflitos. Além disso, também objetiva promover a inserção social e a prestação de informações sobre serviços públicos e cidadania, disseminando práticas institucionais voltadas à promoção de proteção de direitos fundamentais e acesso à justiça.

O presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Francisco Djalma, fez questão de agradecer o apoio do deputado Alan Rick na liberação dos recursos que viabilizaram a implantação dos serviços de justiça e cidadania na Cidade do Povo e disse que este é mais uma ação da gestão para proporcionar acesso à justiça para todos. O governador Gladson Cameli também enalteceu o trabalho parlamentar de Alan Rick na liberação de recursos para o Estado do Acre.

Para o deputado, o projeto contempla uma das principais metas da justiça cidadã: a implementação de ações de conciliação, mediação e solidariedade social, capazes de atender à comunidade mais carente e desassistida.

Segundo ele, são meios que possibilitam a inserção social do cidadão com informações sobre serviços públicos, conhecimentos sobre cidadania, direito, assistência judiciária voluntária e mecanismos de solução de conflitos.

“Quero aqui agradecer o grande empenho das desembargadoras Eva Evangelista e Denise Bonfim na concretização deste sonho que é o pleno funcionamento da Casa de Justiça e Cidadania, um projeto que abracei ainda na gestão da saudosa desembargadora Cezarinete Angelim e que agora se torna realidade. Agradeço também o governador Gladson Cameli, através do presidente do IEPTEC, Francineudo Costa, que nos cederam as salas para a instalação dos equipamentos e do layout de atendimento ao público. Uma realidade que, não tenho dúvidas, mudará a vida de centenas de pessoas na Cidade do Povo”, disse Alan Rick.

Continuar lendo
Propaganda

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.