Conecte-se agora
Fechar

Em 47 minutos, atletas esgotam vagas para Corrida do BOPE, em Rio Branco

Publicado

em

Um recorde. Em 47 minutos os amantes de corrida de rua esgotaram as 250 vagas ofertadas pela Acre Running para a I Corrida BOPE, marcada para 18 de fevereiro.

A Acre Running abriu as inscrições no dia 09, exclusivamente pela internet, e todas as 250 vagas foram ocupadas em menos de 50 minutos.

A alta procura pelas vagas mostra a aprovação dos atletas ao trabalho executado pela Acre Running, maior expoente em promoção e organização de corridas de rua no estado.

A corrida do BOPE vai oferecer percursos de 4 km e 7 km, com largadas no Quartel do Batalhão as 7:30 do dia 18 de fevereiro.

Aos inscritos, a Acre Running vai ofertar hidratação ao longo da prova, lanche pós corrida, medalha padronizada, espaço para premiação com painel para fotos e logística total.

Ao longo de 2018 a empresa vai executar um calendário onde estão previstas mais de doze corridas.

Destaque 2

“Gladson representa Temer, Marcus é o PT de Lula, Ulysses é cria do PT, a única novidade é minha candidatura”, diz Lyra Xapuri

Ray Melo, da editoria de política do ac24horas

Publicado

em

O pré-candidato ao governo do Acre, Lyra Xapuri, do PRTB, acredita que a novidade das eleições deste ano é sua participação na disputa. Para ele, as demais candidaturas de oposição e situação representam a velha política que é praticada no Estado há anos. “Gladson representa Temer, Marcus é o PT de Lula, Ulysses é cria do PT, a única novidade é minha candidatura”, afirma Xapuri.

Segundo Lyra, a pré-candidatura de Marcus Viana seria o reflexo de um projeto de que está no poder há quase 20 anos, “mas nesse período o Estado não se desenvolveu, não gerou empregos e não gera oportunidade para centenas de jovens que se formam e entram no mercado de trabalho todos os anos. As administrações petistas não passam de um engodo”, afirma o pré-candidato.

Lyra Xapuri destaca que “Ulysses há pouco tempo estava na Frente Popular e era subcomandante da Polícia Militar e sua esposa é proprietária de uma empresa de segurança que mantém gordos contratos com os governos do PT, ele s=não se preocupa com a falta de segurança, quanto mais violência no Estado melhor para ele que lucra. Ele é o único candidato a governo que lucra com a violência”.

Para Xapuri, o pré-candidato Gladson Cameli (PP) também tem relações com as administrações petistas do Acre. “As empresas da família dele são donas de gordos contratos com o governo do PT. Ele é um pré-candidato de oposição que não fala em nenhum poder dos governos petistas. Quer gralhar a eleição ficando em cima do muro, protegendo os negócios de sua família com o Estado”.

O pré-candidato do nanico PRTB informa que “o povo está aderindo ao chamamento do ‘vira Xapuri’ para que possamos ter dia no dia sete de outubro, uma opção nova na hora do voto. Sou simples, humilde, trabalhador, como a maioria do povo do Acre. Venho do interior com muita coragem e desejo de fazer algo novo e melhor pelo nosso estado”, ressalta Lyra Xapuri.

Ele afirma que não possui estrutura financeira, mas “em nenhum momento se curva aos caciques de grandes partidos e poderosos da política acreana. “O PRTB no Acre tem autonomia e continuará marchando independente para que no dia sete de outubro o eleitor possa ter a oportunidade de votar em quem não se vende, nem se dobra ao poder financeiro dos grande grupos políticos”.

Continuar lendo

Destaque 2

Depois de atingir 13 metros, rio Acre apresenta vazante na capital, informa Defesa Civil

Publicado

em

O primeiro boletim da Defesa Civil emitido às 6h da manhã desta segunda-feira, 22, informa que o rio Acre está com 12, 26 metros em Rio Branco e baixou 53 centímetros nas últimas 24 horas. Neste domingo, 21, às 6h, o rio estava com 12,79 metros.

Já o Riozinho do Rola, principal afluente do rio Acre em Rio Branco, subiu nove centímetros e mede 11, 11 m. Ontem às 6h, o Riozinho estava com 11, 02.

No sábado passado, o rio Acre alcançou 13 metros em Rio Branco. Ficou a 50 centímetros da cota de alerta na capital.

O Plano de Contingência do Município segue, já que esse é um período em que normalmente ocorrem alagamentos na região.

Continuar lendo

Destaque 2

Pesquisadores provam que fumaça das queimadas da Amazônia causa câncer

Publicado

em

As partículas carregadas de toxinas, liberadas durante queimadas na Amazônia, se inaladas involuntariamente por longo período, podem causar estresse oxidativo das células e danos genéticos irreversíveis, resultando até mesmo em câncer de pulmão.

A descoberta é resultado de um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Fundação Oswaldo Cruz e Universidade Federal de Rondônia(Ufro).

A pesquisa é referente a uma tese de doutorado da bióloga Nilmara de Oliveira Alves, da USP. A equipe coletou amostras de material particulado fino em Porto Velho, uma das áreas mais afetadas pelas queimadas na região amazônica.

Para entender como ocorre a contaminação, os pesquisadores expuseram em laboratório linhagem de células pulmonares às partículas, compostas por material tóxico, em concentração semelhante com as encontradas nas queimadas da Amazônia, analisadas com técnicas bioquímicas avançadas.

Essas análises permitiram medir o grau de inflamação e de lesão no DNA. Foi comprovado que o dano no DNA pode ser tão grave a ponto de a célula perder o controle e começar a se reproduzir desordenadamente, evoluindo para câncer de pulmão.

Para a pesquisadora Sandra Hacon, da Escola Nacional de Saúde Pública, as conclusões do trabalho são inéditas. Segundo ela, pela primeira vez foi possível demonstrar que as partículas de queimadas da Amazônia, ao entrarem nos alvéolos pulmonares, causam danos genéticos nas células, podendo leva ao câncer de pulmão.

Sandra Hacon e o pesquisador Christovam Barcellos coordenaram o projeto Clima & Saúde da sub Rede de Mudanças Climáticas do INPE/INCT Rede Clima. O estudo foi publicado na revista Nature Scientific Reports.

O projeto da Rede Clima envolve os efeitos das queimadas com alterações climáticas. Sandra informou que algumas medidas podem ser adotadas pelas autoridades ambientais e de saúde, no sentido de evitar o agravamento de doenças respiratórias na população, exposta a fumaça das queimadas.

“ É uma questão de bom senso. Não faz sentido continuar esse processo de queimadas na Amazônia. A situação estava controlada, mas houve aumento acentuado nos últimos três anos. Uma alternativa é a montagem, pelas secretarias municipais de Saúde, de um sistema de vigilância das doenças respiratórias, de modo a ajudar a população das cidades onde as queimadas vem ocorrendo de forma sistemática.”

Nos meses de agosto, setembro e outubro os focos de incêndios dissipam uma nuvem de fumaça tóxica sobre a região amazônica. A população mais vulnerável é formada por crianças e idosos.

De acordo com Sandra Hancon, as crianças menores de cinco anos, prejudicadas pelo impacto das partículas com componentes cancerígenos da fumaça das queimadas, desenvolvem alergias respiratórias, que comprometem o aprendizado escolar.

Conforme a pesquisadora, os mais atingidos são principalmente famílias de baixa renda, que estão em áreas de risco sem alternativa de sair.

Sandra Hacon disse ainda que a divulgação do trabalho pode incentivar as autoridades a instituir na região um programa de melhoria da qualidade do ar e monitoramento dessas partículas finas provenientes das queimadas, decorrentes da ocupação desordenada para atender a interesses econômicos .

Dados do Programa Queimadas, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, indicam que em 2017 ocorreram mais de 275 mil focos de incêndio em todo o território nacional, sendo mais de 132 mil em estados amazônicos.

Continuar lendo
Propaganda

Leia também

Mais lidas

Copyright © 2017 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.