Conecte-se agora
Fechar

Após denúncia do ac24horas, prefeitura do município de Capixaba diz que pagará provisórios até fevereiro

Publicado

em

Depois que a reportagem do ac24horas revelou que nem todos os funcionários da prefeitura de Capixaba haviam recebido o salário de dezembro e muito menos o 13º salário, o secretário de Educação do município, Ruberlei Soares Muniz, informou que os pagamentos de alguns provisórios começaram esta semana e que até dia 10 de fevereiro serão pagos todos os vencimentos dos demais.

O prefeito de Capixaba, José Augusto (Progressista) informou a reportagem que no final de 2017 havia pago o 13º salário e no mês de dezembro efetuaria o pagamento até o último dia útil do ano, mas não honrou com o compromisso, já que deixou os professores, motoristas e monitores educacionais sem receber 13ª e o mês de dezembro.

Na justificativa do secretário é que os recursos do Fundo Nacional da Educação Básica (FUNDEB) caíram mais de 12% em 2017 e isso prejudicou na folha de pagamento dos funcionários provisórios. “Como não ficou recurso empenhado de um ano para o outro, até por conta da legislação do Fundeb não permitir esse tipo de pagamento, estamos transferindo essa conta para a Secretaria Municipal de Administração que vai agendar os pagamentos até dia 10 de fevereiro. Alguns pagamentos já foram efetuados, mas vamos sanar nossos compromissos com os demais”, explicou o secretário.

A reportagem também recebeu a denúncia que o município de Tarauacá também não teria pago os provisórios, entre eles, professores, monitores e motoristas. Situação idêntica ao acontecido no município de Capixaba.

A prefeita Marilete Vitorino (PSD) disse que não trabalha com provisórios e que o processo seletivo que fez foi até proibido pela justiça. “Não estamos devendo ninguém. Pagamos todo mundo e somente esperamos por uma decisão judicial para saber se vamos ou não efetuar o pagamento das rescisões dos que trabalham ainda pelo processo seletivo”, destacou a prefeita.

Cidades

Prefeitura de Rio Branco constrói mais de três quilômetros de calçadas na Vila Acre e recupera ruas da região

Publicado

em

Na manhã desta segunda-feira, 20, feriado do Dia do Evangélico, o prefeito Marcus Alexandre, junto com o presidente da Associação de Moradores da Vila Acre, Marco Antônio, e demais moradores da localidade, foram vistoriar os serviços que a prefeitura realiza, como o recapeamento asfáltico das ruas Afonso Pena, Seringueira, Assis Brasil, travessa Assis Brasil e 3 quilômetros de calçadas na localidade, incluindo o Ramal Bom Jesus e a AC 40.

As calçadas contam com piso tátil e acessibilidade, garantem segurança para os moradores e valorizam as casas e o bairro. São mais de 1.800 metros no ramal Bom Jesus, 600 metros na rodovia AC-40 e 500 metros nas ruas Afonso Pena e Assis Brasil.

O presidente da Associação de Moradores da Vila Acre, Marco Antônio Gomes, destaca que, sem calçadas, tanto os moradores, quanto os estudantes da Escola Carmelita Barbosa Montenegro, deixaram de correr risco, já que não andam mais nas vias para chegar à escola e se deslocarem no bairro“. Estamos muito agradecidos porque as ruas agora estão totalmente trafegáveis e as calçadas embelezam nosso bairro, valorizam as casas e tiram os alunos do risco de andar junto com os carros nas ruas”, enfatiza o líder comunitário.

“É esse nobre sentimento de gratidão expressado pelos moradores da Vila Acre, que nos impulsiona a seguir acordando cedo e dormindo tarde para cuidar de Rio Branco e fazer os serviços necessários para a população. Aqui fizemos as calçadas que são importantes para garantir segurança para os moradores, que não precisam mais disputar espaço com os motoristas nas ruas” cita o prefeito.

Além desses serviços executados agora, a prefeitura também atua em outra frente na Poligonal Vila da Amizade, que contempla também os bairros Vila Acre e Acauã, inclui o recapeamento de mais de 30 ruas e ainda a construção da quadra do Acauã, que está em obras. As ações são executadas com recursos do PAC e contrapartida do município.

Continuar lendo

Cidades

Dois policiais são feridos por arma branca em ocorrências diferentes no bairro Calafate, em Rio Branco

Publicado

em

No último final de semana, mais precisamente no domingo (21), dois policiais militares foram feridos por arma branca em ocorrências diferentes na região do bairro Calafate.

No primeiro caso, um sargento do Batalhão de Operações Especiais (Bope), teria ido com sua equipe prestar apoio a uma outra guarnição em uma ocorrência envolvendo um homem com transtornos mentais.

Ao chegarem no local, na tentativa de imobilizar o homem que estava armado com uma faca, ameaçando a quem estivesse na casa, foi usada uma arma de choque que acabou não fazendo o efeito esperado e o homem reagiu desferindo um golpe no pescoço do sargento que teve que ser levado ao hospital. Ele pegou cinco pontos no ferimento e não corre risco de vida.

O segundo caso envolveu um Tenente também da Polícia Militar, que não estava em serviço, mas, chegava em casa após uma viajem. Ele percebeu que no quintal havia um cheiro de combustível e saiu para perguntar a vizinhança se haviam visto alguma movimentação em seu terreno. No momento em que retornava, bem no portão de casa, ele foi atacado por um homem, identificado como, Eduardo Giminiano de Melo que lhe feriu com pelo menos três golpes de arma branca tipo peixeira. O policial reagiu e efetuou dois disparos de arma de fogo alvejado o homem na região do tórax.

Duas ambulâncias do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foram destacadas ao local e levaram os dois para atendimento no Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco. O tenente, apesar dos três ferimentos, não corre riscos de vida, porém, o homem que o atacou, está internado em estado grave.

Os policiais estão sendo acompanhados e recebendo assistência por parte da Polícia Militar.

Continuar lendo

Cidades

Decisão da executiva nacional do DEM poderá implodir candidatura própria do partido no Acre

Ray Melo, da editoria de política do ac24horas

Publicado

em

A queda de braço para o lançamento de uma candidatura própria ao governo do Acre pelo Democratas pode não passar de um balão de ensaio. Em reunião da Executiva do DEM, que aconteceu em novembro de 2017, os cardeais do partido decidiram dissolver seus diretórios estaduais. A articulação seria uma estratégia para tentar desvincular a imagem da legenda do escândalo da Lava Jato.

A articulação aconteceu após o presidente nacional da sigla, o senador Agripino Maia ser denunciado por supostamente atuar para destravar um financiamento do BNDES para a obra da Arena das Dunas, em Natal, em troca de propina da construtora OAS. A intenção da cúpula do DEM é substituir o senador investigado e todos os presidentes estaduais na convenção nacional no dia (6) de fevereiro.

Com isso, o ex-prefeito Tião Bocalom, que defende a candidatura própria pelo Democratas no Estado, estaria fora da presidência, juntamente com os demais dirigentes que pregam que o DEM monte chapa própria e não apoie a pré-candidatura de Gladson Cameli (PP) ao governo do Acre. A mudança cairia como um balde de água fria nas pretensões do pré-candidato Coronel Ulysses.

De olho na estrutura financeira e o tempo de TV que o partido teria a oferecer, o militar chegou a anunciar que sairia candidato pelo DEM. Nos bastidores, filiados da legenda que não apoiam a candidatura própria afirmam Bocalom saberia da dissolução do diretório no Estado, mas estaria insistindo na candidatura própria para sair do processo de mudança como vítima de uma rasteira política.

A cúpula do Democratas decidiu ainda que o comando do partido deverá ser ocupado pelos deputados federais, ou seja, no Acre o DEM passaria a ser presidido pelo deputado Alan Rick, que poderá voltar a bolsa de apostas para ser escolhido como pré-candidato a vice-governador na chapa capitaneada por Gladson Cameli (Progressistas) e o MDB do deputado federal Flaviano Melo.

Continuar lendo
Propaganda

Leia também

Mais lidas

Copyright © 2017 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.