Conecte-se agora
Fechar

Seguro-desemprego é reajustado em 2,07%; parcela mais alta sobe para R$ 1.677

Publicado

em

A partir de hoje (11), os trabalhadores demitidos há até cinco meses e que ganhavam mais de um salário mínimo receberão mais dinheiro do seguro-desemprego. O valor do benefício superior ao mínimo foi reajustado em 2,07%, equivalente à variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) do ano passado.

Com o aumento, o teto mensal do benefício subirá de R$ 1.643,72 para R$ 1.677,74, diferença de R$ 34,02. O piso do seguro-desemprego equivale a um salário mínimo, que passou de R$ 937 para R$ 954 em 1º de janeiro, alta de 1,81%.

Para quem recebia mais que o mínimo, o valor do seguro-desemprego é calculado com base em três faixas salariais. O segurado demitido que ganhava até R$ 1.480,25 recebe 80% do salário médio limitado ao salário mínimo. De 1.480,26 a R$ 2.467,33, o valor equivale a R$ 1.184,20 mais 50% do que exceder R$ 1.480,25. Quem ganhava mais que R$ 2.467,33 recebe o teto de R$ 1.677,74.

Pago aos trabalhadores dispensados sem justa causa com recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), o seguro-desemprego é calculado sobre a média do salário dos três meses anteriores à demissão. Se o empregado tiver sido demitido antes desse período, o benefício é definido com base na média de dois meses ou um mês.

O pagamento é limitado a três, quatro ou cinco parcelas, dependendo do período trabalhado antes da demissão.

Destaque 3

Pesquisadores provam que fumaça das queimadas da Amazônia causa câncer

Publicado

em

As partículas carregadas de toxinas, liberadas durante queimadas na Amazônia, se inaladas involuntariamente por longo período, podem causar estresse oxidativo das células e danos genéticos irreversíveis, resultando até mesmo em câncer de pulmão.

A descoberta é resultado de um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Fundação Oswaldo Cruz e Universidade Federal de Rondônia(Ufro).

A pesquisa é referente a uma tese de doutorado da bióloga Nilmara de Oliveira Alves, da USP. A equipe coletou amostras de material particulado fino em Porto Velho, uma das áreas mais afetadas pelas queimadas na região amazônica.

Para entender como ocorre a contaminação, os pesquisadores expuseram em laboratório linhagem de células pulmonares às partículas, compostas por material tóxico, em concentração semelhante com as encontradas nas queimadas da Amazônia, analisadas com técnicas bioquímicas avançadas.

Essas análises permitiram medir o grau de inflamação e de lesão no DNA. Foi comprovado que o dano no DNA pode ser tão grave a ponto de a célula perder o controle e começar a se reproduzir desordenadamente, evoluindo para câncer de pulmão.

Para a pesquisadora Sandra Hacon, da Escola Nacional de Saúde Pública, as conclusões do trabalho são inéditas. Segundo ela, pela primeira vez foi possível demonstrar que as partículas de queimadas da Amazônia, ao entrarem nos alvéolos pulmonares, causam danos genéticos nas células, podendo leva ao câncer de pulmão.

Sandra Hacon e o pesquisador Christovam Barcellos coordenaram o projeto Clima & Saúde da sub Rede de Mudanças Climáticas do INPE/INCT Rede Clima. O estudo foi publicado na revista Nature Scientific Reports.

O projeto da Rede Clima envolve os efeitos das queimadas com alterações climáticas. Sandra informou que algumas medidas podem ser adotadas pelas autoridades ambientais e de saúde, no sentido de evitar o agravamento de doenças respiratórias na população, exposta a fumaça das queimadas.

“ É uma questão de bom senso. Não faz sentido continuar esse processo de queimadas na Amazônia. A situação estava controlada, mas houve aumento acentuado nos últimos três anos. Uma alternativa é a montagem, pelas secretarias municipais de Saúde, de um sistema de vigilância das doenças respiratórias, de modo a ajudar a população das cidades onde as queimadas vem ocorrendo de forma sistemática.”

Nos meses de agosto, setembro e outubro os focos de incêndios dissipam uma nuvem de fumaça tóxica sobre a região amazônica. A população mais vulnerável é formada por crianças e idosos.

De acordo com Sandra Hancon, as crianças menores de cinco anos, prejudicadas pelo impacto das partículas com componentes cancerígenos da fumaça das queimadas, desenvolvem alergias respiratórias, que comprometem o aprendizado escolar.

Conforme a pesquisadora, os mais atingidos são principalmente famílias de baixa renda, que estão em áreas de risco sem alternativa de sair.

Sandra Hacon disse ainda que a divulgação do trabalho pode incentivar as autoridades a instituir na região um programa de melhoria da qualidade do ar e monitoramento dessas partículas finas provenientes das queimadas, decorrentes da ocupação desordenada para atender a interesses econômicos .

Dados do Programa Queimadas, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, indicam que em 2017 ocorreram mais de 275 mil focos de incêndio em todo o território nacional, sendo mais de 132 mil em estados amazônicos.

Continuar lendo

Destaque 3

Rio Branco vence o Andirá por 3 a 0 e Atlético Acreano massacra o São Francisco

Publicado

em

Usando o mesmo uniforme do ano passado, o Rio Branco FC venceu o Andirá por 3 x 0 na estreia das duas equipes pelo estadual de futebol, em partida disputada na noite do ultimo domingo(21) no estádio Florestão, em Rio Branco.

O Estrelão teve mais de 80% de posse de bola, mas não aproveitou metade das chances ofensivas que criou. Na metade do primeiro tempo, o time perdeu uma cobrança de penalti, defendida pelo goleiro Jhonatan.

Sufocando o morcego em seu campo defensivo, o Mais Querido abriu o placar ainda na etapa inicial, fazendo 2 x 0. No segundo tempo, ampliou o marcador para 3 a 0, que foi o placar do jogo. O time volta a campo pelo estadual no próximo sábado.

Atlético massacre São Francisco

Na partida de abertura do estadual, o Atlético Acreano goleou o São Francisco por 8 x 0.

Continuar lendo

Destaque 3

Em Xapuri,corrida do padroeiro São Sebastião muda rotina da cidade

Publicado

em

As ruas de Xapuri ganharam uma movimentaçao diferente na manha deste sábado(20) com a II corrida em homenagem a Sao Sebastião, padroeiro da cidade.

58 atletas encararam os 9 km do percusso e firsm responsaveis por mudar a rotina da cidade.

A largada aconteceu as 7:30 em frente a igreja que leva o nome do Padroeiro.

Os atletas percorreram por tres vezes o mesmo trajeto da procissão.

Quando os participantes passavam na frente das casas eram aplaudidos e incentivados pelis moradores que ficaram na margem das ruas prestigiando o evento.

Muitos até ofereceram água para o atletas ao longo do percusso.

A chegada ocorreu no mesmo lugar do inicio, e no masculino teve dominio dos donos da casa.

Em primeiro lugar chegaram os irmaos Kelvin e Mauro Celio, que cruzaram a linha de chegada de maos dadas.

Em terceiro apareceu Sebastião Freire, seguido por Jairo Barbosa na quarta colocaçao e Jorge Viana. Completando o podium entre os homens.

Família Bolt domina o podium feminino

Entre as mulheres as representantes da Família Bolt, grupo de corrida de Rio Branco que levou dezoito atletas para a prova, dominaram a corrida.

Do primeiro ao quinto lugar, as divas Bolts dominaram e ocuparam todos os lugares no podiu.(veja classificaçao abaixo)

1- Irlandi Cardoso

2- Leida Farias
3-Thais Bestene
4-Artemisia

5- Maria Cleide

A corrida foi organizada e promovida pema prefeitura de Xapuri com apoio da Federaçao Acreana de Atletismo.

Continuar lendo
Propaganda

Leia também

Mais lidas

Copyright © 2017 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.