Conecte-se agora

Jorge Viana: “Tem gente já montando esquemas financeiros para tentar vencer as eleições”

Publicado

em

Em Brasília, conversei com o senador Jorge Viana sobre o atual quadro eleitoral do Acre. Ele ressaltou os riscos para os candidatos que usarem esquemas financeiros na campanha. Segundo o senador, poderão ganhar, mas não levarão a fatura devido a fiscalização que será intensa. Também conversamos sobre alguns dos principais problemas que afligem a população acreana com destaque para a violência e as formas de combate-la através das leis. Outros temas foram os preços absurdos de passagens aéreas, dos combustíveis, da energia elétrica e das condições de telefonia móvel e internet no Estado. Confira:

AC24horas – Como o senhor analisa o quadro de disputa eleitoral majoritária para Governo e Senado que está se definindo no Acre?

Jorge Viana – Temos um nome extraordinário para a disputa do Governo nesses tempos difíceis que é o do Marcus Alexandre (PT). Ainda faltando mais de um ano, a eleição já estava polarizada com o Gladson Cameli (PP) e o Marcus. Mas a oposição como sempre se dividiu entre o grupo do Bocalom e dos outros partidos em torno do Gladson. Entendo que as nossas chances serão grandes se com humildade e oferecermos uma mudança. Como diz o governador Tião Viana (PT), com o Marcus vamos viver uma etapa nova no projeto da FPA. Vai depender mais da gente porque a oposição não se une. Eles não confiam uns nos outros e isso nos ajuda a ter uma perspectiva de vitória.

AC24horas – A gente tem visto que a Lava Jato e as outras operações da Polícia Federal estão quase sempre relacionadas às campanhas eleitorais. Haverá financiamento público de campanha, mas a gente sabe que sempre
existem esquemas paralelos. Como o senhor vê essa questão do dinheiro na campanha eleitoral de 2018?

JV – Acho que o problema da corrupção é algo que existe e o seu combate deve ser uma prioridade. O que lamento da Lava Jato, prende-se gente e se persegue pessoas, como é o caso do Lula (PT), mas ninguém discute um modelo que o Brasil precisa ter de governança para evitar a corrupção. O pior é a classe política. Estamos a menos de um ano da eleição e parece que a ficha não cai. Começo a ouvir um zum zum zum das pessoas montando esquemas para tentar
vencer eleição. Esses esquemas podem até vencer, mas podem não assumir os mandatos. Na última eleição 25% dos prefeitos do Acre foram presos. Todos nós temos que entender que existe um movimento da sociedade exigindo uma mudança no modelo político partidário e uma cobrança das instituições que têm a prerrogativa de nos investigar, nos julgar e até de nos condenar. Eu particularmente vou entrar na campanha levando em conta essa indignação da sociedade e, ao mesmo tempo, respeitando as instituições. Temos a obrigação de fazer uma campanha com ética e transparência. Não basta ser honesto, tem que parecer honesto, como dizia Ulysses Guimarães.

AC24horas – Por falar em campanha, um dos principais temas a ser debatido é a violência. A gente tem visto candidatos militares com a bandeira de combate à criminalidade. O senhor tem se empenhado em tornar a lei de
crimes contra a vida mais rigorosa. Isso é para inibir a criminalidade?

JV – Essa talvez seja uma das questões mais importantes do próximo processo eleitoral. A violência virou uma doença da sociedade brasileira e não é culpa só dos governos e das desigualdades sociais. E nem só da legislação. Países vizinhos nossos são menos violentos que o Brasil como a Bolívia, o Peru, o Paraguai, o Uruguai, a Argentina e o Chile. Tivemos aqui 62 mil assassinatos em 2016 e mais de 70 mil este ano. Quando fui governador enfrentamos o crime organizado que tinha 50 mortes para cada grupo de 100 mil na região do Rio Branco. A violência foi para o interior e a matança está acontecendo em todos os lugares. Não é só no Acre que existe esse problema. A segunda Capital mais violenta do Brasil é Porto Alegre (RS) e Natal (RN) está vivendo um drama porque vive do turismo e está disputando o primeiro lugar em violência. O Rio de Janeiro virou um caso das Forças Armadas. O governador Tião Viana fez uma coisa muito produtiva. Essa agenda no Acre de trazer todos os governadores para assumirem que o problema é do país inteiro. E o Congresso tem sido omisso. Desde que cheguei aqui eu luto pra reformar o Código Penal que é dos anos 40. Essa semana mesmo apresentei uma proposta de mudança na Constituição para que todo o crime contra a vida seja cumprido em regime fechado. Sabe o que a Lei estabelece hoje por uma decisão STF? A pessoa mata outro e se tem um advogado razoável vai cumprir o crime de tirar a vida do outro em liberdade. Eu sou radicalmente contra isso porque a vida não está valendo nada. Então nós temos que mudar a legislação para ajudar no processo de combate à violência. Hoje se uma pessoa maltratar um animal e a outra maltratar uma criança, quem vai ter a pena maior é a que maltratou o animal. Só vou sossegar quando o nosso país voltar a ser pacífico. É uma vergonha a violência que o Brasil vive com as mais 70 mil mortes nos municípios brasileiros.

AC24horas – Pra encerrar. O Acre, apesar das estradas, depende sobremaneira do transporte aéreo. E as passagens para ir e voltar têm preços absurdos. Pela distância do Centro-Sul do país viajar de avião para os acreanos não é um luxo, mas uma necessidade. O senhor tem batalhado para reduzir o preço das passagens aéreas mas o que a gente tem de concreto para acabar com esse isolamento do Acre?

JV – Eu e o senador Randolfe (Rede-AP) estamos trabalhando juntos para ver se a gente consegue ampliar o número de voos no Brasil em 200, num primeiro momento, até abril. Isso se eu conseguir aprovar o Projeto que estou relatando no Senado. Aumentando a oferta de voos, inclusive para o Acre, teremos uma redução natural do preço das passagens. É uma vergonha o Acre ter a passagem mais cara do Brasil. Esse assunto é uma prioridade. Mas trabalho em outros temas muito vinculados ao consumidor. O Acre não pode seguir tendo a gasolina, o óleo diesel e o gás de cozinha, mais caros do Brasil. A energia elétrica é outro problema porque nós temos as hidroelétricas do Madeira que usam água do rio Abunã. Não podemos ficar pagando bandeira vermelha. E um outro aspecto que tenho lutado muito é para melhorar a telefonia móvel e internet no Acre. Isso é básico para a nossa infraestrutura que permitirá o Estado se desenvolver no Século XXI. Agora mesmo, por conta daquele apagão, em que as duas linhas de fibras óticas foram rompidas e ficamos quase 24 horas sem telefone e internet. Isso é um prejuízo incalculável. Qual a solução? Colocar uma terceira linha e o presidente Eduardo Navarro da Vivo já assumiu esse compromisso. Vão começar imediatamente essa terceira linha de fibra ótica. Vamos melhorar a qualidade do telefone e da internet no Estado inteiro, de Cruzeiro do Sul a Assis Brasil.

Propaganda

Coluna do Nelson

Conflito entre PT e oposição sobre a violência só complica mais a situação

Publicado

em

Continuar lendo

Coluna do Nelson

Marina Silva virá ao Acre para fortalecer campanha de Minoru ao Senado

Publicado

em

Continuar lendo

Coluna do Nelson

Insatisfações de aliados poderão mudar o candidato a vice de Marcus

Publicado

em

Continuar lendo
Propaganda

Mais lidas

Copyright © 2017 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.