Conecte-se agora

Acre será palco do I Encontro de Práticas Organizacionais na Amazônia; confira

Publicado

em

A Universidade Federal do Acre (UFAC) sediará nos dias 23 e 24 de novembro o I Encontro de Práticas Organizacionais na Amazônia, da Sociedade Brasileira de Estudos Organizacionais (SBEO).

O evento tem como objetivo reunir pesquisadores de diversas áreas de conhecimento, tais como Administração, Ciência Política, Direito, Economia, Psicologia, Serviço Social, Sociologia, entre outras, interessados em estudar o tema da organização em suas diversas dimensões.

Estará na pauta de debate a criação de um espaço de compartilhamento sobre Práticas Organizacionais na região Amazônia. Serão debatidos temas, como: Estudos Organizacionais: de onde viemos e para onde vamos?; Neoliberalismos no Contexto Latino Americano; Apresentação de Trabalhos; Extrativismo e Dependência na América Latina.

Podem participar profissionais, professores e pesquisadores. As inscrições são gratuitas, no link: https://www.even3.com.br/sbeoamazonia

SOBRE A SBEO: é uma associação de pesquisadores que, dentre outras atividades, realiza o Congresso Brasileiro de Estudos Organizacionais (CBEO), evento que reúne acadêmicos de todo país e alguns convidados de redes similares na América Latina. Em sua quarta edição, realizada em Porto Alegre em 2016, o CBEO atingiu um público de 362 participantes. Ao realizar um balanço desses resultados, percebeu-se uma concentração significativa de pesquisadores da região Sul (56,7%) e uma baixa representatividade das regiões Norte e no Nordeste.

Propaganda

Destaque 3

Quanto é preciso guardar por mês para investir na faculdade dos sonhos?

Publicado

em

Uma das maiores preocupações dos pais é com a faculdade dos filhos. Mas, nem sempre é possível contar com a ajuda deles, de um financiamento estudantil ou com uma bolsa de estudo. Quando isso acontece, é preciso ir em um busca de uma nova estratégia. Pensando em todos empecilhos que podem surgir no momento de investir em uma graduação, milhares de estudantes recorrem ao planejamento financeiro. E, quando se fala em planejar, o lema a ser seguido é: quanto antes, melhor.

Vamos aos números: poupando R$ 200 por mês, durante 15 anos, só é possível pagar um curso no valor de R$ 877 por mês. Levando em consideração, que os cursos custam em média 2 mil reais, essa aplicação deveria ser de, no mínimo, R$ 500. Quanto antes a economia começar, menores terão de ser os investimentos mensais. E as despesas não param por ai, além da mensalidade, será preciso arcar com o valor dos livros, materiais de estudo, transporte, alimentação e, na maioria das vezes, cursos complementares.

O custo de uma graduação é bem elevado e compromete uma parcela significativa da renda familiar e quando não é feito um bom planejamento, estudantes não conseguem garantir que concluirão o curso, sem interrompê-lo por falta de pagamento. Foi pensando nisso, que Giovanna Feitosa, 20 anos, decidiu começar um cursinho preparatório para o Enem no Curso Sagrado. “O meu objetivo nunca foi pagar a faculdade, então eu estudei muito para conseguir uma bolsa”. O investimento no cursinho deu certo. Hoje, Giovanna conseguiu uma bolsa de 100% pelo Prouni e estuda Odontologia na Unime.

Há quase um ano, a jornalista Vanessa Casaes, 27 anos, vem tentando economizar para investir em uma pós-graduação. “Em nosso país, o investimento em educação é muito alto”. A constatação da necessidade do planejamento surgiu quando ela foi em busca da especialização em assessoria de comunicação e percebeu que o valor não caberia no seu orçamento. “Eu tenho outros gastos e o valor da mensalidade estava custando, em média, R$c540”. Vanessa não separa um valor fixo por mês, mas acredita que, no próximo ano, já vai poder dar início a este novo e importante passo na sua carreira. “Todo mês, eu guardo o que posso. Mesmo não sendo um valor fixo, acredito que no ano que vem eu já possa começar a minha pós”, contou animada.

Para evitar passar por problemas como o de Vanessa, é importante sempre pensar no fator tempo, apontou o Consultor Financeiro André Luzbel. “As pessoas acham que é necessário investir muito dinheiro de uma vez só. Elas estão enganadas. Investir pouco dinheiro todo mês é a melhor solução”. Na opinião do consultor da Bahia Partners – escritório da XP Investimentos em Salvador, esse despreparo ocorre porque não aprendemos educação financeira na escola. “Quem investe bem, aprendeu isso com os pais. São eles, os principais responsáveis por passar esses ensinamentos para as crianças”, assegurou.

André também deu algumas dicas para quem quer começar a guardar dinheiro e falou sobre as melhores formas de investimento. “O primeiro passo é começar hoje e em seguida quitar todas as dívidas. Quando fazemos isso, deixamos de pagar juros e começamos a recebê-los. Depois, é só começar a investir, nem que seja R$100 todo mês”. E como melhor forma de investimento, André citou o Título Público ou Título Bancário. “De acordo com o crescimento do investimento que está sendo feito, é possível chegar até o mercado de ações. O único risco é que o mercado de ações é instável e nos Títulos existe a certeza que o dinheiro será totalmente resgatado”, aconselhou.

Se a sua opção sempre foi a faculdade particular, mas você não quer recorrer ou não foi contemplado pelo financiamento estudantil, você pode optar pelas bolsas de estudo que são ofertadas pelo Educa Mais Brasil. O programa oferece bolsas de até 70% de desconto para você investir na graduação dos seus sonhos. Há também a opção de outras modalidades, como educação básica, pós-graduação, cursos técnicos e livres. Se interessou? Acesse o site do Educa Mais Brasil e confira as oportunidades disponíveis na sua região. É gratuito!

Fonte: Bárbara Maria – Ascom Educa Mais Brasil

Continuar lendo

Destaque 3

Operação Ajuricaba assegura presença do Exército nas regiões de fronteiras do Acre

Publicado

em

Crédito da foto: Assessoria Exército Brasileiro

Em meio à queda de braço entre governo estadual e federal sobre a responsabilidade de fiscalização da fronteira do Acre com a Bolívia e o Peru, o Exército Brasileiro desenvolve, desde a última segunda-feira (16), a Operação Ajuricaba 3. Mais de 1.000 militares de diferentes unidades realizam ações de combate a crimes na região de fronteira do Acre e de Rondônia.

A operação é coordenada pelo Comando Militar da Amazônia (CMA), tendo à frente a 17º Brigada de Infantaria de Selva, sediada em Porto Velho. Segundo nota oficial, a Ajuricaba “tem com objetivos intensificar a presença do Exército na faixa de fronteira, de neutralizar ou reduzir as ações de Organizações do Crime Organizado e de combater os delitos transfronteiriços e ambientais no extremo oeste do país”.

A ação dos militares está apoiada por uma logística de 60 viaturas, três aeronaves e 13 embarcações. Entre as unidades envolvidas estão o 4º Batalhão de Infantaria de Selva (4º BIS), o Comando de Fronteira Rondônia/6º Batalhão de Infantaria de Selva (6º BIS), 54º Batalhão de Infantaria de Selva (54º BIS), 61º Batalhão de Infantaria de Selva (61º BIS), de Cruzeiro do Sul, e outras.

O Exército atua em conjunto com as polícias Federal, Rodoviária Federal e as Militares do Acre e Rondônia, mais a Receita Federal. No combate aos crimes ambientais, os militares contam com o apoio das respectivas secretarias do setor dos dois estados e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

A presença das forças federais na região de fronteira é o principal reclame do governo Sebastião Viana (PT). Ele tem culpado essa ausência como a responsável pela atual crise de violência no Acre, ocasionada pela guerra entre as facções criminosas pelo controle da rota do tráfico da droga produzida no Peru e na Bolívia.

A operação Ajuricaba 3 vem dias após parte da bancada federal pedir ao presidente Michel Temer (MDB) a intervenção na segurança pública do Acre. Fontes afirmam, no entanto, que seu desencadeamento não tem relação com o pedido, e que o Exército já a planejava havia alguns meses.

Na segunda, Sebastião Viana usou sua conta no Twitter para anunciar a operação e fazer o agradecimento ao comandante da 17º Brigada, o general José Eduardo Leal de Oliveira.

Continuar lendo

Destaque 3

Em junho, governo do Acre repassa R$ 18 milhões de ICMS para as prefeituras

Publicado

em

No mês de junho o governo Sebastião Viana (PT) repassou R$ 18,3 milhões arrecadados com o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para as 22 prefeituras acreanas. Deste total, R$ 8 milhões ficaram com Rio Branco, principal município a contribuir com o tributo estadual.

Em seguida vem Cruzeiro do Sul (R$ 1,7 milhão) e Sena Madureira (R$ 804 mil). Além do ICMS, o Estado também repassa mensalmente aos cofres das prefeituras as receitas do Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), mais o arrecadado com o Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA).

Somadas, estas três receitas representaram quase R$ 28 milhões transferidos para as prefeituras. Junto com o Fundo de Participação dos Municípios (FPM), essas verbas são as que garantem o funcionamento das prefeituras do interior, assegurando o mínimo de movimento na economia local.

Continuar lendo
Propaganda

Mais lidas

Copyright © 2017 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.