Conecte-se agora

Vendas do comércio varejista caem 0,5%, mas acumulam alta de 0,7% no ano

Publicado

em

O volume de vendas do comércio varejista em todo o país fechou agosto com queda de 0,5% frente a junho, na série com ajuste sazonal, depois de quatro meses consecutivos de crescimento, período em que acumulou expansão de 2,1%. Os dados da Pesquisa Mensal do Comércio (PME) foram divulgados hoje (11), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Mesmo com a queda, o indicador encerrou os primeiros oito meses do ano com expansão de 0,7% no volume de vendas, mas o resultado acumulado nos últimos doze meses também é negativo em 1,6%. Ainda assim, o segmento “reduziu o ritmo de queda, uma vez que este foi o recuo menos intenso desde os 1,5% de agosto de 2015”, disse o IBGE.

Em relação a agosto de 2016, no entanto, o volume de vendas do comércio varejista avançou 3,6%, registrando a quinta taxa positiva consecutiva nesta base de comparação. Os dados indicam, ainda, que a receita nominal do setor fechou agosto também em queda de 0,1% frente a julho – neste caso também na série dessazonalizada.

Os dados da pesquisa indicam também que o comércio varejista ampliado – que inclui o varejo e as atividades de veículos, motos, partes e peças e de material de construção – ficou praticamente estável em termos de volume entre julho e agosto, com ligeira variação de 0,1% frente a julho , registrando alta nas vendas pelo terceiro mês consecutivo.

Comércio ampliado também teve expansão

Nos primeiros oito meses do ano, no entanto, as vendas do comércio ampliado também fecharam com crescimento (1,9%), enquanto a taxa dos últimos doze meses ficou negativa em 1,6%.

Comparada a agosto do ano passado, porém, o crescimento das vendas no varejo ampliado chega a 7,6%.

Do ponto de vista da receita nominal do setor, houve variação positiva de 0,4% de julho para agosto, crescimento que passa a 2,3% no ano e de 1,2% na taxa anualizada.

Em comparação a agosto de 2016, a receita nominal do setor fechou com expansão de 5,1% na receita nominal das vendas.

Pesquisa mostra recuo generalizado

Os dados divulgados hoje indicam que a retração de 0,5% nas vendas do comércio varejista de julho para agosto, série dessazonalizada, é generalizada e abrange sete das oito atividades pesquisadas.

As principais taxas negativas foram verificadas em equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-6,7%); tecidos, vestuário e calçados (-3,4%); livros, jornais, revistas e papelaria (-3,1%); e combustíveis e lubrificantes (-2,9%). A atividade de hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo fechou o mês com queda de -0,3%.

Já pelo lado da pressão positiva sobre as vendas, aparece o setor de móveis e eletrodomésticos que, com avanço de 1,7%, permaneceu em crescimento pelo quarto mês seguido.

Quanto ao comércio varejista ampliado, a variação positiva de 0,1% é a terceira taxa positiva consecutiva em relação a junho, influenciada, segundo o IBGE, tanto pelo avanço de 2,8% em veículos e motos, partes e peças, quanto pelo aumento de 1,8% nas vendas de material de construção.

Já na comparação com agosto de 2016, o avanço de 3,6% volume nas vendas no varejo reflete taxas positivas em seis das oito atividades analisadas. Os destaques foram observados em móveis e eletrodomésticos (16,5%), hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (1,7%) que exerceram as principais contribuições para o resultado global.

Ao comentar o quinto mês consecutivo de aumento do volume das vendas no varejo em relação a 2016, a gerente da pesquisa do IBGE, Isabella Nunes, lembrou que o ano passado foi muito difícil para o comércio: “A base de comparação baixa e a conjuntura econômica mais favorável deste ano ajudaram nessa série de variações positivas”, disse.

Ao falar da queda de 0,5% em relação a julho, após quatro meses de alta, Isabella disse que o resultado do índice geral acompanhou a tendência da maior parte dos grupos de produtos pesquisados, que também vinham tendo resultados positivos e passaram por uma variação negativa em agosto. “Porém, esse tipo de ajuste é normal e o quadro deste ano é de estabilidade na margem até o momento”, afirmou.

Vendas caem no Amazonas e em São Paulo

A pesquisa mostra, em relação aos estados, que a queda de 0,5% nas vendas do comércio entre julho e agosto, reflete retrações em 17 das 27 unidades da federação na série ajustada sazonalmente. As principais quedas ocorreram no Amazonas (-3,2%) e São Paulo (-1,7%). Tocantins (5,5%), Rondônia (3,9%) e Roraima (2,6%) mostraram avanço nas vendas frente a julho de 2017.

Na comparação com agosto de 2016, o crescimento do volume de vendas no varejo teve perfil disseminado, que alcançou 21 unidades da federação. Os destaques, em termos de magnitude de taxa, foram Santa Catarina (16,4%), Acre (12,9%) e Rondônia (12,8%).

Quanto à participação na composição da taxa do comércio varejista brasileiro, destacaram-se com as principais influências: São Paulo (1,9%), Rio do Sul (8,9%), Paraná (7,8%) e Santa Catarina

Propaganda

Destaque 5

Direção da Fameta proíbe venda de alimentos no interior da faculdade e medida revolta

Publicado

em

Um comunicado emitido pela direção da Fameta em Rio Branco proibindo a venda de produtos dentro do prédio da instituição vem revoltando os alunos da instituição.

O aviso foi afixado no interior da unidade e informa a proibição da venda de alimentos, a partir desta segunda-feira, 18, como “bananinha, bolos, brigadeiro, torta e outros”.

Procurado na tarde desta terça-feira, 19, o diretor da Fameta, Dawerson Ramos, afirma que a prática “atrapalha as aulas” e que a instituição não é “comércio”. Há professores que reclamam, diz.

O diretor afirma ainda que outra razão da proibição é o fato de os alimentos à venda em sala de aula não possuírem “certificação da Vigilância Sanitária”. Ele sugere aos alunos que consumam os produtos comercializados na cantina da faculdade.

“Aqui é uma instituição de ensino, não é comércio. O que está sendo vendido não tem certificação da Vigilância Sanitária.”

Uma foto do comunicado se espalhou pelas redes sociais. A revolta entre os estudantes é grande.

“Ao proibir a venda dentro da instituição, mais uma vez a faculdade meta – FAMETA se compromete em ser uma empresa que visa unicamente o lucro, não levando em consideração a realidade da comunidade acadêmica. Proibir a venda é também acabar com o sonho de conclusão do ensino superior, tendo em vista que na sua grande maioria os vendedores usam do dinheiro pra complementar os custos de uma faculdade particular. A instituição não pode apenas proibir, mas desgastar o diálogo ao máximo a ponto de encontrar uma solução. Partindo desse princípio pedimos que a coordenação da instituição reavalie sua decisão e ajude a fortalecer esse sonho que é a conclusão do ensino superior”, afirma um texto atribuído aos estudantes de Engenharia Ambiental da Fameta.

Continuar lendo

Cidades

Aleac aprova doação de 14 mil ações da Dom Porquito para cooperativas

Publicado

em

Sob protestos dos deputados do bloco de oposição, o governador do Acre, Sebastião Viana, do PT, aprovou na manhã desta terça-feira (19), um Projeto de Lei que permite a administração petista fazer a doação de 14 mil ações da empresa Dom Porquito para duas cooperativas instaladas na região do Alto Acre. Os parlamentares de oposição afirmam que o projeto é uma forma de o chefe do executivo arrebanhar votos dos cooperados em ano eleitoral.

O projeto aprovado por 13 votos favoráveis da base de governo autoriza o Poder Executivo a realizar a doação de ações que estariam em poder da Agência de Negócios do Estado do Acre (ANAC), para a Central de Cooperativas de Alimentos do Acre (AMAZON) e para a Cooperativa de Produtores de Suínos do Alto Acre (COOPERSUÍNOS). A oposição afirma que a matéria estaria favorecendo os deputados Lourival Marques e Leila Galvão, ambos do PT.

Segundo informações do PL, o Estado fará a doação de 5 mil ações para a Amazon e 9 mil para a Coopersuínos. O oposicionista Gerlen Diniz diz que “infelizmente o governo tenciona a aprovar um projeto com caráter unicamente eleitoreiro. Doa ações em busca de votos. Doando milhões de reais dos acreanos para um grupo reduzido de pessoas. Até o final do ano vai praticar atos piores do que abrir mão de algo que não lhe pertence em busca de garantir votos”.

Leila Galvão afirma que Gerlen estaria equivocado. “Eu gostaria de dizer que não é meia dúzia que esse projeto vai beneficiar. Essa Casa teve todas as condições para conversar com produtores, fomos aquela região, conversamos com empresários, comerciantes. Desde o ano passado que essa matéria fica bolando pra cima e pra baixo. Isso vai mexer com a vida dos produtores da região e liberdade para deliberar e discutir o que é melhor para cadeia produtiva”.

Para Jairo Carvalho, o governo petista não teria prioridades e estaria colocando um projeto que traz apenas benefícios políticos para o PT em detrimento de investimentos nas áreas de saúde e segurança. “O governo do PT precisa ter é prioridades. Essa não prioridade no momento. Prioridade é saúde aonde uma criança toma soro deitada em uma cadeira. Faltam de leitos e medicamentos para pacientes sem contar os graves problemas na segurança”, destaca.

O petista Lourival Marques, um dos supostos beneficiados pelo PL, fez questionamentos aos oposicionistas. “Uma pergunta e uma dúvida, a economia de um Estado não é importante? Como podem pensar no crescimento se não for através da economia? O que o governo está fazendo é uma doação para que os produtores possam acessar o crédito, colocar dinheiro nas mãos dos produtores. O projeto criado em 2011, já previa a doação”, afirma o líder do PT.

O oposicionista Nelson Sales (Progressistas) afirma que “é a hora da xepa. Vamos liquidar o que tiver de ativos do Estado, vamos nos desfazer de 14 mil ações representam 400 mil para cada cooperado. Por que esses recursos não podem ser devolvidos ao Estado? O Estado já deu as condições de iniciar. Enquanto no hospital de Juruá que estão comento salsicha não recebe nenhum franguinho e nenhum porquinho de lá”, justifica o voto contrário o oposicionista.

O líder do governo, Daniel Zen (PT) afirma que o PL foi objeto de debate e visita de campo. Visitamos os cooperados e a indústria. Não se está falando de dinheiro, mas de ações de uma empresa. O investimento foi integralizado ao projeto em forma de ações. Não é dinheiro novo, não são reais, ele está doando ações para cooperativa que vai utilizar o ativo. É claro que ele vale o correspondente em real. São ativos imobiliários para captação de crédito”.

Continuar lendo

Destaque 2

TCU recomenda cancelamento de contrato e devolução de R$ 40 milhões da obra do Linhão do Juruá

Publicado

em

O deputado estadual Luiz Gonzaga (PSDB) informou na manhã desta desta terça-feira (19), que o Tribunal de Contas da União (TCU) recomendou que a Centrais Elétricas do Norte do Brasil (Eletronorte) cancele o contrato com a MAVI Engenharia, empresa que ganhou a licitação para construção do Linhão que vai integrar os municípios de Cruzeiro do Sul, Tarauacá e Feijó e pediu a restituição de R$ 40 milhões de recursos que já teriam sidos repassados à empresa

Segundo Luiz Gonzaga, o Linhão deveria ter sido inaugurado em janeiro de 2017, mas depois de mais de um ano, um novo acordo teria sido celebrado e a Eletronorte pediu um parecer do TCU. “Infelizmente, no dia 15 de maio um acordo foi assinado em Brasileia para reiniciar a construção dessa obra. A empresa MAV engenharia esteve em Brasília, assinou, mas o Conselho da Eletrobras dependeria de um parecer do TCU que foi negativo”.

“Quando veio o parecer foi pedindo uma multa para MAV Engenharia e o cancelamento do contrato. Nós do Vale do Juruá temos que continuar lutando pela construção do Linhão pela importância que ele tem para a população que depende de energia gerada por geradores a diesel. Precisamos estar interligados para termos uma energia de melhor qualidade”, destaca Gonzaga, que também denunciou uma manobra para retirada de um sina termelétrica da Capital.

“Agora, querem desativar a usina que tem em Rio Branco, com duas turbinas, que poder atender até 25% da população caso haja problema com o Linhão. Ela existe para atender os órgãos essências que não podem ficar sem energia. Querem retirar do Acre para mandar para Roraima. Não é concebível que isso aconteça. Cadê o governo desse Estado que tem que brigar e se manifestar pela permanência da usina no Capital?”, questiona Luiz Gonzaga.

Continuar lendo
Propaganda

Mais lidas

Copyright © 2017 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.