Conecte-se agora
Fechar

Hospital de Saúde Mental do Acre não faz agendamento de consultas há quase um mês

Publicado

em

Quem precisa fazer consultas no Hospital de Saúde Mental do Acre (Hosmac), em Rio Branco, tem ficado na mão. O serviço de agendamentos da unidade de saúde está há quase um mês sem funcionar, o que tem prejudicado o tratamento de pacientes que fazem acompanhamento psiquiátrico.

Procurada para esclarecer o problema, a Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre) não emitiu nenhum posicionamento sobre o assunto. Enquanto isso, usuários da unidade estão sem conseguir pegar medicamentos, já que as receitas especiais somente são emitidas pelos médicos do Hosmac, o que tem fica inviável sem os agendamentos.

Esposa de um dos pacientes, Maria de Fátima Alencar, de 47 anos, diz estar cansada de ir ao hospital e não conseguir agendar a consulta do marido. Ela reclama que o problema se arrasta por quase um mês e que quando vai reclamar ainda é mal tratada por servidores. A mulher pensa em procurar o Ministério Público do Acre (MP/AC).

“Eu já estou cansada de ir lá no Hosmac e a desculpa é sempre que o sistema está fora porque a internet está ruim. É um absurdo! Se o hospital não serve para funcionar, mandem fechar ou corrijam o problema, mas deixar os pacientes nessa situação é muito grave. Quando a gente reclama, mandam procurar a imprensa”, reclama.

A advogada Rafaela Silva, de 29 anos, cujo pai faz tratamento no hospital, diz que a situação é bastante grave. Além da falta de psiquiatras, alguns medicamento receitados estão indisponíveis na farmácia do hospital e nem sempre estão à venda nas drogarias de Rio Branco. Ela alega que o Hosmac só dispõe de clinico-geral no atendimento ambulatorial.

“Não dá para entender como um hospital psiquiátrico só tem clínico-geral. De verdade, eu não sei o que está acontecendo. Será que o secretário de Atenção à Saúde não fiscaliza as unidades? Porque pelo que sei essa é a obrigação dele. Desde que comecei esse tratamento com meu pai, já fui na secretaria umas dez vezes. Já é bem o terceiro secretário lá”, diz indignada.

O secretário adjunto de Atenção à Saúde, Raicri Barros, já chegou a comentar a situação “caótica” de Hospital de Saúde Mental. Isso aconteceu após o MP/AC pedir a interdição total da unidade de saúde. Na época, pacientes estavam dormindo no chão ou em camas sem lençol. Outras diversas queixas foram feitas, mas, até agora, pouco se vê em melhorias.

A situação, segundo contou uma servidora do hospital, é bastante crítica no local. Ela diz que o hospital sofre com a falta de atenção da Sesacre e alerta que os trabalhadores do local já foram informados que em breve a unidade hospitalar será fechada em definitivo, o que, na opinião dela, vai causar ainda mais problemas no setor.

“O que a gente vê diariamente é esses pacientes dopados. Aqui na frente realmente só tem clínico-geral. Até que os médicos se esforçam, mas sem ajuda necessária é muito difícil. As autoridades precisam olhar para cá. O que nos dizem é que aqui vai fechar, só isso. Mas e se fecharem, para onde essas pessoas vão?”, questionada a funcionária do Hosmac.

Destaque 7

Polícia Militar prende homem responsável por triplo homicídio no bairro Novo Horizonte, em Rio Branco

Publicado

em

A Polícia Militar, através da Companhia Raio, prendeu na manhã desta sexta-feira (16), Mateus Mendonça Costa, principal suspeito de ter assassinado três pessoas no dia 02 de fevereiro em uma residência no bairro Novo Horizonte, enquanto as vítimas estavam em um aniversário.

A prisão aconteceu na Rua Eucalipto, região do conjunto Novo Palheiral, mediante uma mandado de prisão que havia acabado de ser expedido pela Vara Criminal. Na frente do delegado, Rêmulo Diniz e também da guarnição, o suspeito confessou a autoria dos crimes e dizia estar sendo ameaçado de morte pela facção rival Bonde dos 13.

Mateus, no dia do crime, foi reconhecido por moradores da residência como o suspeito de ter realizado os 11 disparos que vitimaram, Renan Barbosa (19), Luana Aragão (21) e Rafael Santos, de 18 anos. A quarta vítima, uma jovem também de 18 anos sobreviveu ao atentado e hoje vive com medo de sair de sua própria residência.

Para a imprensa, a Secretaria de Segurança Pública informou que a casa seria um ponto de venda de tráfico, mas, a família das vítimas negam que os jovens faziam parte de qualquer facção criminosa.

Continuar lendo

Destaque 7

Prefeitura de Rio Branco se mobiliza em assistência às famílias que tiveram casas inundadas após forte chuva

Publicado

em

A Prefeitura de Rio Branco continua mobilizada em atendimento às famílias que tiveram as casas inundadas pela enxurrada provocada pela chuva forte que atingiu a cidade na última terça-feira. O mutirão iniciado há 48h envolve todos os órgãos da gestão municipal e conta com a parceria do Governo do Estado. O prefeito Marcus Alexandre coordenada as ações de assistência às famílias.

Na Travessa Coelho, no Recanto dos Buritis, no Segundo Distrito, um dos locais mais afetados, a casa de dona Francineide Souza e a escola estadual professor Josué Fernandes serviram como ponto de apoio para atuação das equipes. A primeira providência foi a distribuição de kits para a higienização dos espaços que foram inundados. Carros pipa foram acionados para garantir água para limpeza e também água potável.

“É o momento de prestar solidariedade às famílias. Além, do cuidado com a limpeza, nossa demanda mais urgente é restabelecer o abastecimento de água potável e energia e apoiar as famílias. Há um conjunto de necessidades, por conta dessa grande enxurrada que pegou todo mundo de surpresa”, explicou o prefeito Marcus Alexandre.

Assistência às famílias

A secretaria de Municipal de Saúde (SEMSA) atua com duas frentes de serviço: uma fazendo o levantamento da situação de idosos, acamados, pessoas com deficiência e outra com a distribuição de kits de limpeza. Nas últimas 24 horas, mais de 1000 kits foram distribuídos. “Chegamos com os kits orientamos como fazer a limpeza e auxiliamos no que é possível”, destacou o secretário de Saúde Oteniel Almeida.

A secretaria de Assistência Social (SEMCAS) atua no cadastramento das famílias atingidas e levantamento das necessidades mais urgentes. Equipes das demais secretarias e órgãos do município estão distribuídas nos bairros, atuando de forma descentralizada no apoio as vítimas da cheia dos igarapés.

Bairros atingidos

A enxurrada foi um fenômeno de grande proporção. Em 10 horas choveu mais do que o previsto para o mês inteiro. A chuva forte fez trasbordar todos igarapés que cortam Rio Branco, como Igarapé Batista, São Francisco, Judia, afetando cerca de 20 bairros como Carandá, Pista, Bahia Velha e Bahia Nova, Plácido de Castro, Bairro da Paz, Recanto dos Buritis, Santa Inês, Judia, Canaã, Belo Jardim, Albert Sampaio, Adalberto Aragão, 10 de Junho, Edson Cadaxo, Hélio Melo e Vila Maria no Distrito Industrial, algumas regiões do Bosque, entre outros. No Segundo Distrito, na Rua Amazônia e Travessa Apuí, no trecho que liga o Belo Jardim ao Recanto dos Buritis dona Valdenísia Gomes saiu para trabalhar e quando voltou a casa estava alagada. “Consegui salvar alguns objetos, mas perdi vários móveis”, disse ao receber o kit e iniciar a limpeza da casa.

“De manhã a água chegou no quintal e quando percebemos já estava dentro de casa, Foi tudo muito rápido”, contou seu Antônio Silva, morador da Rua Apuí.

De acordo com o coordenador da Defesa Civil de Rio Branco, Cel. George Santos, “a tendência é de vazante e a expectativa que a situação normalize nas próximas horas, mas nossa equipes continuam de prontidão para qualquer eventualidade”.

Alinhamento das ações e demais providências

Em reunião realizada na manhã desta quinta-feira, 15, na escola Josué Fernandes, ponto de apoio montado pela Prefeitura no bairro Recanto dos Buritis, o prefeito Marcus Alexandre, juntamente com o senador Jorge Viana, o presidente da Câmara de Vereadores de Rio Branco, pastor Manuel Marcos e secretários do município, fizeram um alinhamento das ações que estão sendo realizadas nos bairros afetados pela enxurrada da última terça-feira, e definiram estratégias de atuação para os próximos dias.

Os principais pontos tratados na reunião foram:

Assistências às famílias

Manter equipes das secretárias municipais nos bairros fazendo levantamento social dos danos sofridos pelas famílias, como necessidade de água potável, atendimento de saúde, bens avariados, entre outros.

Atendimento de saúde

Intensificar atendimentos de saúde nas casas atingidas pela cheia, dando prioridade para idosos, crianças, gestantes e pessoas com deficiência, e continuar com a entrega de kits de limpeza e desinfecção nas residências.

Doações

Muitas famílias atingidas pela enxurrada perderam todos os pertences, como colchões, móveis, roupas, alimentos, leite em pó e massa para mingau. Uma campanha de doação está sendo coordenada pela primeira dama do município, Gicélia Viana. As doações podem ser entregues na secretaria de Assistência Social do município a qualquer hora do dia ou da noite, na Estrada do Aviário, 972 – Bairro Aviário, telefone para contato 3211-2471. A secretaria de Assistência Social possui mapeamento das famílias afetadas em maior intensidade e que mais precisam de ajuda nesse momento, todo material arrecadado será direcionado para atender essas pessoas inicialmente.

Continuar lendo

Destaque 7

“Se essa chuva tivesse ocorrido no Alto Acre, estaríamos com uma das maiores enchentes de Rio Branco”, diz Coronel

Publicado

em

O coordenador da Defesa Civil Municipal, coronel George Santos, especialista em Planejamento e Gestão em Defesa Civil, afirmou que se a chuva que atingiu Rio Branco entre a noite desta terça e quarta-feira tivesse ocorrido no Alto Acre estaríamos, em 6 dias, com uma das maiores enchentes de Rio Branco.

“Essa chuva de ontem acarretou o transbordamento de todos o igarapés. Se essa chuva tivesse ocorrido no Alto Acre, estaríamos, em 6 dias, com uma das maiores enchentes de Rio Branco”, diz.

Todos os principais igarapés que cortam os bairros da capital transbordaram. Foram registradas enxurrada no igarapés São Francisco, Batista, Dias martins, Redenção, Almoço, Amaro e Judia.

Esses transbordamentos provocaram alagamento e interdição em vias públicas e desabrigaram famílias na capital.

A Defesa Cívil Municipal informou que o volume de chuvas em Rio Branco foi de 277, 4 milímetros, o equivalente a um mês inteiro de chuva.

Continuar lendo
Propaganda

Leia também

Mais lidas

Copyright © 2017 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.