Conecte-se agora
Fechar

Márcio Bittar: “Não tenho mágoa de ninguém da oposição e nem do PT”

Nelson Liano Jr.

Publicado

em

O ex-deputado federal Márcio Bittar (PMDB) irá se filiar oficialmente ao PMDB, nesta sexta, 15, no auditório da Livraria Paim, às 19hs, em Rio Branco. É esperado para o evento o presidente nacional do partido senador Romero Jucá (PMDB-RR). Especula-se que o senador Valdir Raupp (PMDB-RO) também possa prestigiar o evento, mas ainda não está confirmado.

Bittar, será a aposta das principais lideranças peemedebistas, como o deputado federal Flaviano Melo (PMDB) e o ex-prefeito Vagner Sales (PMDB), para disputar uma das vagas ao Senado, em 2018, pela oposição.

No entanto, o anúncio do nome de Bittar na composição da chapa majoritária da oposição, vem criando algumas polêmicas internas. Notadamente o deputado federal Major Rocha (PSDB) e alguns parceiros do senador Sérgio Petecão (PSD) têm feito críticas públicas ao novo peemedebista. Conversei com Bittar sobre essas questões. Confira abaixo:

AC24horas – Márcio Bittar, como o senhor pretende pacificar os desafetos da sua candidatura ao Senado da oposição? Levando-se em conta que como candidato majoritário o senhor vai precisar de todo o apoio disponível?

Márcio Bittar – Primeiro, com alguns exageros aqui e acolá, não acho que nada tenha acontecido tão grave que impossibilite alianças. Costuma-se dizer que na política as pessoas brigam e no outro dia estão juntas. Isso não é só na política, mas é um comportamento normal do ser humano, na família, no ciclo de amizades e etc. Mas a política é mais assistida por todo mundo.

Da minha parte não tenho mágoa e nem rancor de absolutamente ninguém, nem com o pessoal do Governo do PT. É dialogando que se resolvem essas questões. Acho que já avançamos muito ao definir as candidaturas majoritárias do Gladson Cameli (PP) ao Governo, do Petecão ao Senado e, agora, o PMDB pleiteando a outra vaga.nAcho que isso está mais ou menos consensual. O PSDB e o DEM têm quadros à altura de compor uma chapa com o Gladson.

O PMDB em nenhum momento teve essa pretensão porque está satisfeito com a candidatura ao Senado. Tudo pode ser resolvido com uma única arma que é o diálogo. Não conheço nenhuma outra arma, principalmente, na oposição, para resolver essas desavenças que não seja dialogando, conversando e buscando o interesse maior que é a substituição desse modelo político que comanda o Acre há 20 anos.

AC24horas – Mesmo com o deputado federal Major Rocha, com quem o senhor teve vários desentendimentos, acha possível uma conciliação? Ele, inclusive, alega que o senhor tem encomendado gente na imprensa para ataca-lo.

Márcio Bittar – Quando eu faço esse comentário é para todos. É em relação ao Rocha, ao Petecão, ao Bocalom, a todo mundo. Não tenho nenhum problema em conversar com qualquer um deles. O Rocha foi meu candidato a deputado federal e não me arrependo. Ele cumpre um bom mandato de federal assim como cumpriu também de deputado estadual. Não controlo, não tenho participação e nem ajudo financeiramente nenhum veículo de comunicação do Acre. O que tenho são algumas amizades com jornalistas. Objetivamente não tenho problemas com o Rocha e nem com ninguém.

Estou num momento mágico. O PMDB ter me amparado e me acolhido é comovente. Um partido que tem dois deputados estaduais atuantes como o Chagas Romão (PMDB) que trabalha ao seu estilo sem abandonar o time. A Eliane Sinhasique (PMDB) que é uma pessoa com uma garra impressionante, totalmente dedicada ao mandato, uma mulher admirável.

Outros dois deputados federais, como o Flaviano que já foi tudo na política do Acre e tem uma experiência impressionante, sensato, que sempre foi uma referência pra mim. A Jéssica Sales (PMDB) que é uma revelação na Bancada Federal, uma pessoa que consegue, mesmo numa época de crise, liberar emendas extra-orçamentárias. Eu vi isso de perto no Juruá. Ela conseguiu milhões pra Cruzeiro do Sul e os municípios onde atua mais fortemente.

O quadro do PMDB tem vários vereadores, inclusive, o Roberto Duarte (PMDB), o mais votado em Rio Branco e prefeitos. Ganhar esse apoio me comove muito. Estou feliz em ter feito uma peregrinação pelo Estado com o Flaviano e o Vagner e, a minha filiação vai ser um dia de festa. Estou em paz e o coração tranquilo.

AC24horas – Os seus adversários da FPA e da oposição alegam que o senhor não têm vínculos com o Acre. Não têm mais bens e só vem em tempos de eleições. O quê o senhor diria sobre isso?

Márcio Bittar – Em relação ao que os adversários dizem ao meu respeito me dá até uma ponta de orgulho. Porque o que eu tenho basicamente é o meu nome, esse é o meu patrimônio. É o fato de ter passado por vários cargos importante e não ter respondido sequer a processos administrativos. Eu defendo ideias. Eu fui da esquerda e dei uma guinada ao longo de décadas. Hoje tenho uma visão totalmente liberal. Acho que o mercado da livre iniciativa é quem toca a economia, o Estado não tem capacidade para isso. Sou conservador no sentido clássico. A sociedade construiu valores que não devem ser rompidos de uma hora pra outra porque foram eles que nos trouxeram até aqui.

Como defendo ideias não tenho nada pessoal contra o Governo do PT, nem contra o Tião Viana (PT) e com o Jorge Viana (PT), muito menos. Acho que quando faltam argumentos então vêm as agressões. A crítica que sempre recebi, desde que disputei a prefeitura de Rio Branco, é que eu não sou daqui e que só venho de quatro em quatro anos. Isso é algo de quem não conseguiu encontrar nada substancioso contra mim, nenhum falta grave. Não podem dizer que sou alguém que diz uma coisa e faz outra.

Eu sou acreano desde os 10 anos de idade, mas nunca omiti que não nasci no Acre. Já tive oportunidades e convites de trabalhar e morar em outros estados. Governadores já me convidaram e não sei quantos políticos acreanos tiveram convites como eu tive. E sempre disse não. Isso para governadores e prefeitos eleitos de cidades muito bem colocados, com um bom padrão de vida, como Barueri (SP), por exemplo. Os governadores do Amazonas e do Mato Grosso do Sul já fizeram convites e eu disse não a eles. Aqui no Acre estão as minhas raízes.

Essas críticas são de quem não conseguiu me atingir e joga nesse terreno de que não sou daqui e não apareço. Até parece que tem eleições todos os meses, porque todos os meses eu estou aqui. Essa é uma opção minha porque não tem eleição todos os meses. Na minha casa tem contas de luz, de água, de telefone. Até eu brincava com a minha esposa Márcia que deve ter um fantasma morando na minha casa porque todo mês temos despesa. É preciso paciência porque nada disso me tira o foco. Mas no geral está tudo bem.

Mais Informações

Coluna do Nelson

Gladson: “irei a todos os debates durante a campanha ao Governo”

Nelson Liano Jr.

Publicado

em

Continuar lendo

Coluna do Nelson

Petecão e Alan Rick divergem sobre a candidatura de Coronel Ulysses

Nelson Liano Jr.

Publicado

em

Continuar lendo

Coluna do Nelson

Marcus ou Gladson, quem vai tomar mais café nas casas dos eleitores?

Nelson Liano Jr.

Publicado

em

Continuar lendo
Propaganda

Mais lidas