Conecte-se agora
Fechar

Tião Bocalom diz que PT não montou vaca mecânica porque o Acre não produz Soja

Ray Melo, da editoria de política do ac24horas

Publicado

em

O ex-prefeito de Acrelândia, Tião Bocalom (DEM) usou os grupos de WhatsApp para agradecer o apoio de simpatizantes de sua pré-candidatura ao governo do Acre. Ele destacou ainda que apesar de das críticas a alguns de seus projetos, eles foram copiados e colocados em prática pelas administrações petistas no Acre. Bocalom aproveitou para alfinetar a militância de outros partidos de oposição, que estariam tentando desqualificar sua possível candidatura a governador em 2018.

“Como já fui prefeito por três vezes e Secretário de Estado e nunca me corrompi, portanto, não tenho uma mancha sequer em meu currículo de vida pública, alguns admiradores de outros candidatos de oposição, infelizmente, que não têm o mesmo currículo meu, tentam, como o PT sempre fez, zombar de nossos projetos, mas que hoje os copiam. Só não montaram uma Vaca Mecânica para produzir o Leite de Soja e a carne de Soja, porque, nosso extorquido Acre não produz a matéria prima”.

Mirando os oposicionistas que o criticam, Bocalom diz que, “o adversário é o PT e seus projetos de sugar o Estado, jamais deverá ser os da oposição”, diz o presidente do DEM, ao pedi que seja respeitosa a relação entre os membros de partidos que integram o bloco de oposição. “Vamos nos respeitar, porque o que está acontecendo hoje neste País com o advento da Lava Jato, tem muita água para passar por debaixo desta ponte”, diz Bocalom sem citar nomes de pessoas envolvidas na Lava Jato.

Para Tião Bocalom, “o cenário em setembro de 2018 poderá ser bem diferente do que que apresenta hoje. De uma coisa eu tenho certeza: será eleição da moral e da ética. Um fraterno abraço a todos, até aos que me criticam! Que DEUS nos abençoe e nos dê a sabedoria necessária para nos respeitarmos a cada momento”, finaliza, deixando nas entrelinhas que poderá mesmo ser candidato ao governo do Acre nas eleições do próximo ano, mesmo sem apoio total dos partidos oposicionistas.

Mais Informações

Destaque 2

Influência da ala dos cuecas apertadas do PT pode prejudicar Marcus Viana em 2018

Publicado

em

Continuar lendo

Destaque 2

MP pede julgamento de processo de improbidade administrativa contra o porta-voz do governador Sebastião Viana

Publicado

em

O porta-voz do Governo do Acre, Leonildo Rosas, deve ser julgado nos próximos dias pela Vara de Execução Fiscal da Comarca de Rio Branco. O pedido foi feito pelo promotor Adenilson de Souza, da Promotoria de Defesa do Patrimônio Público. Oac24horas teve acesso à solicitação do membro do Ministério Público do Acre (MP/AC).

Leonildo Rosas foi processado por suposta prática de Improbidade Administrativa quando era diretor-presidente da Fundação Aldeia de Comunicação, em 2013. O então gestor utilizou recursos públicos para veicular nota oficial, em nome do Estado do Acre, contrapondo argumentos da Polícia Federal, no âmbito da Operação G7.

LEIA MAIS SOBRE O CASO:
>>> Juiz manda tirar do ar nota de esclarecimento do Governo
do Acre que refuta Operação G-7 da Polícia Federal

Rosas, segundo o processo, gastou R$ 87 mil dos cofres públicos para pagar as emissoras de televisão. Condenado em primeira instância, Leonildo recorreu e conseguiu a absolvição junto à 1ª Câmara Cível da Comarca de Rio Branco. O recurso teve como relator o desembargador Adair Longuini.

Ao solicitar que Leonildo Rosas seja julgado de forma antecipada, ou seja, sem a burocracia que retarda as decisões, o promotor diz que já há sentença favorável ao réu, comprovando que não houve crime ou prejuízo ao Erário. Para o promotor, isso evitaria também a existência de duas sentenças diferentes sobre uma mesma questão.

“Por todo o contexto fático-probatório constante da Ação Popular, com objeto idêntico ao presente feito, já devidamente julgada e arquivada, como forma de evitar a ocorrência descrita no brocardo (…) [o MP/AC vem] requerer o julgamento antecipado desta lide cível, sob o manto da coisa julgada material”, escreveu o promotor Adenilson de Souza.

Procurado, Leonildo Rosas disse desconhecer a ação judicial, e alega que nunca foi chamado ao menos para prestar depoimento. O porta-voz também afirma que nunca recebeu sequer uma notificação sobre abertura do procedimento da Promotoria e que antes já foi absolvido em processo semelhante.

“Eu estou muito tranquilo! Pra mim isso é uma novidade. Eu não conheço nada sobre essa ação. A única que foi movida nesse sentido, eu comprovei que agi no exercício da minha função. A condenação anterior eu reverti na 1ª Câmara, inclusive com parecer do Ministério Público favorável a mim”, comenta Leonildo Rosas.

Senador Sérgio Petecão foi autor da Ação Popular

A ação popular citada na petição do promotor Adenilson de Souza é a de autoria do senador Sérgio Petecão (PSD), que à época acusou o governador Sebastião Viana, e Leonildo Rosas, de lesão ao patrimônio público. Em um trecho da ação, o oposicionista destacou foram desrespeitados os preceitos legais ao veicular a nota contra a ação da Polícia Federal.

Na época em que o processo foi ajuizado, o advogado Fernando Melo, que hoje é secretário adjunto de Agropecuária do Acre, era um dos contratados pelo senador Sérgio Petecão para abrir a ação. Ele contou com a ajuda da também advogada Valdete Pinheiro.

Continuar lendo

Destaque 2

Gladson Cameli pede ajuda do MS para falta de medicamentos no Hospital do Câncer

Publicado

em

Embora a falta de medicamentos para pacientes do Hospital do Câncer em Rio Branco, seja, segundo assessoria da Secretaria de Saúde do Estado, por falta de fornecedores interessados em participar das licitações, o senador Gladson Cameli (Progressistas) pediu hoje (16), atenção do Ministério da Saúde para o problema que atinge centenas de acreanos que precisam do tratamento.

Em Ottwa, no Canadá, onde representa o Senado no Parlamento Jovem Mundial, Cameli falou por telefone como o ministro Ricardo Barros. “Este foi um dos assuntos debatidos com a bancada de vereadores em Rio Branco e que eu me comprometi de tentar resolver junto ao Ministério da Saúde. Falei por telefone com o ministro Ricardo Barros e ele me afirmou que vai verificar o problema e buscar uma solução” disse o senador.

A unidade de saúde está sem medicamentos para os pacientes que fazem tratamento contra o câncer. Além da falta de quimioterápicos, o aparelho de radioterapia do local não está funcionando.

“O que não pode acontecer é a interrupção do tratamento por falta de medicamentos essenciais que deveriam ser comprados com recursos previstos no orçamento. O meu apelo junto ao ministro, que neste caso, não pode ser responsabilizado, é no sentido de buscar uma solução junto como Estado” comentou o senador.

Para Cameli a ingerência está clara ou na falta do medicamento ou na máquina de radioterapia ou quimioterapia que quebram. “Hoje mesmo recebi informações da deputada estadual Eliane Sinhasique que falta o medicamento 5-FU, usado para fazer quimioterapia e que o aparelho de radioterapia do hospital do câncer também está quebrado” concluiu o parlamentar.

Continuar lendo
Propaganda

Leia também

Mais lidas

Copyright © 2017 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.