Conecte-se conosco
Fechar

A história do jovem engraxate que virou Chef de cozinha no Acre

Publicado

em

“Eu colocava minha cabeça sobre a caixa de engraxar, e perguntava pra Deus: ‘Por que eu preciso passar por tudo isso?’. Eu só queria uma resposta dele. Hoje eu sei que ele tinha um sonho comigo”. Essa frase é do acreano Natalino dos Santos Lúcio, de 21 anos, considerado o mais novo chef de cozinha do Acre.

Abandonado pela mãe, Natalino teve uma infância solitária e carente. O pai morreu quando o agora chef tinha apenas sete anos. Desde então, o caminho foi árduo, cheio de impasses e dificuldades, mas a caminhada, essa nunca parou pela metade. Era a certeza de que “aquele menino pobre daria certo um dia”.

O ac24horas buscou conhecer um pouco mais sobre esse rapaz que nos últimos dias ganhou espaço na mídia não pela história que tem, mas pelos feitos que conseguiu concretizar tão jovem, iniciando a segunda década de vida regada à experiências fincadas na fé e nos sonhos da juventude.

No início do mês, Natalino ficou sabendo que será um dos dois –isso mesmo: dois- representantes do Brasil no 1º Congresso Integração Culinária do Vale – Valorizando Nossos Sabores, que deve acontecer no início de julho na cidade de Cochabamba, na Bolívia.

O que chamou ainda mais atenção é que o acreano não se inscreveu para o evento, mas foi convidado pessoalmente a cozinhar em meio aos mais renomados chefs de cozinha do mundo, incluindo de países como França, Itália, China, Coréia do Norte, Alemanha e Estados Unidos. Uma experiência que pretende levar para a vida inteira.

ac24horas: Como foi sua infância? Você me conta um pouco da tua história?

Natalino: O meu pai morreu cedo. Eu tinha sete anos. A minha mãe arranjou um marido que não gostava de mim. Eu apanhava muito. Quando eu ia engraxar, se eu chegasse em casa muito tarde, eu não podia mais entrar, então eu dormia no quintal. Minha mãe tornou-se uma alcoólatra, junto com meu padrasto, e assim começou tudo aquilo. Muitas vezes ela batia nela, e também em mim. Dai, eu parei de estudar. Eu tinha oito anos. Depois de muito tempo, eu voltei, estudei, e agora estou prestes a me formar em gastronomia.

ac24horas: E a sua família? Ninguém te ajudou? Você era apenas uma criança. Como foi isso?

Natalino: A minha família toda é muito pobre, humilde mesmo. Dali em diante, com 10 anos, eu percebi que precisava viver minha vida, e que não tinha ninguém por mim. Procurei um empresário, e ele me deu uma oportunidade de emprego–mais ou menos isso-, mas como eu era uma criança, eu mais ficava lá, limpava alguma coisa, Depois, sim, eu virei chapeiro. Depois eu consegui ajudar na cozinha, e aos 16 anos, nessa idade, eu virei o chef pela primeira vez.

ac24horas: Como surgiu essa paixão pela gastronomia? Alguém te mostrou esse mundo?

Natalino: Foi quando eu conheci um chef. Ele se chama Delcleciano. Eu tinha 17 anos. Foi aí que tudo isso se despertou. Eu estava passando por uma situação muito, muito difícil. Eu o procurei nas redes sociais, e como eu já sabia um pouco, ele me deu uma oportunidade de aprender mais. Ele me ajudou e eu comecei a fazer cursos. Eu tenho ele como um pai nessa minha vida profissional. Ele me abriu os olhos para muita coisa. Ele é muito bom. É um exemplo.

ac24horas: Sua família não lhe ajudou muito, mas como eles te veem hoje, você sendo reconhecido com um chef de cozinha?

Natalino: Hoje em dia eles tem muito orgulho de mim. Minha família é relativamente pequena. Eles sempre pensam que ninguém passa daquilo. A minha avó, quando está comigo, chega a chorar. Ela tem 57 anos. Minhas tias, assim, elas quando podiam, davam uma mensagem de força, mas nada mais que isso. Hoje, não, todos me apoiam ainda mais, ficam felizes com o que me tornei, como o caminho que consegui trilhar até aqui. Foi muito difícil, passei por muitas coisas, mas está valando tudo a pena.

ac24horas: Como se deu essa tua escolha para o evento na Bolívia? São quantos países?

Natalino: Por lá, devem passar cerca de oito mil expectadores. Vou preparar um jantar típico do Acre, para 150 jurados, pessoas que conhecem a gastronomia, que conhecem os sabores, que tem um nível crítico elevado sobre isso. Na verdade, não há prêmio, é mais uma forma de apresentar a nossa culinária regional. Esse evento será um dos maiores já realizados na América Latina. É o primeiro da região, e estamos buscando desenvolver a gastronomia como uma diversidade real e bacana. A ideia é criar essa identidade, essa cultura.

ac24horas: As pessoas geralmente sonham com uma profissão na qual consigam se manter, ter uma renda. Aqui, no Acre, dá pra viver da gastronomia?

Natalino: Olha, no Acre, quer ganhar dinheiro, então abra um restaurante “povão”. As pessoas costumam dizer que primeiro acontece tudo lá fora, e depois é que chega aqui. Para viver bem, não dá, mas a gente consegue sobreviver da gastronomia. Isso dá. As pessoas precisam criar essa cultura de buscar novos sabores, a curiosidade da gastronomia local misturada a outras. Muita gente critica, mas a gastronomia é algo muito especial. Acho que precisa de mais investimentos, seja do governo, seja da iniciativa privada. Se a gente começa a investir, trazer eventos, congressos, isso faz diferença. Talvez outras pessoas também tenham um sonho como o meu, então, sugiro elas a buscar esse tipo de evento para melhorar o que já sabem.

ac24horas: Qual mensagem você deixa às pessoas que sonham em se tornar um chef de cozinha?

A primeira coisa é estudar. Começa com um curso básico de culinária, e depois chega até a faculdade de gastronomia. Mas o principal de tudo isso é não desistir do sonho, é acreditar nesse sonho de ser um profissional reconhecido, e que sabe fazer comida com amor, prazer nisso. Eu conheço filho de deputado que está morando fora, que está na Austrália, fazendo o quê? Comida. Muita gente tem esse sonho. Então vale a pena acreditar nisso. Hoje é moda cozinhar, antes as pessoas escondiam isso. Os tempos mudaram.

Continuar lendo

Destaque 2

Distribuidores de remédios do Acre ficam com menor fatia do bolo em licitação de R$ 5 milhões

Publicado

em

As compras públicas devem levar em conta aquilo que for mais vantajoso para o poder público e, por conseguinte, para a sociedade. Nessa linha, tudo indica ter a Prefeitura de Rio Branco (PMRB) aprendido a lição e buscado ampliar a base de fornecedores. Mas, com isso, os distribuidores locais de medicamentos foram praticamente alijados de uma licitação da Secretaria Municipal de Saúde (Semed).

Conforme se verifica no extrato da Ata de registro de preços Nº 050/2017, referente ao processo CEL/PMRB Nº 189/2017 (Nº 22532/2017/ PREGÃO Nº 055/2017), a prefeitura de Rio Branco buscava fornecedores para uma enorme variedade de medicamentos, dos mais simples aos mais complexos.

Ocorre que diferentemente das licitações efetuadas pelo governo do Estado via Secretaria de Saúde do Estado do Acre (Sesacre) ou Fundação Hospital Estadual do Acre (Fundhacre), onde as empresas locais são as maiores fornecedoras, a PMRB “abriu a porteira” e a licitação de quase cinco milhões de reais chamou a atenção de distribuidoras de medicamentos em todo o país. Com isso, o preço baixou, mas empresas locais ficaram de fora da venda.

Todas as ações citadas nesta reportagem são públicas e estão devidamente publicizadas no Diário Oficial do Estado do Acre (DOE), edição desta terça-feira (17), edição Nº 12.160, páginas 90 a 93.

Guerra de preços e vantagens para usuários do SUS

Com a atenção das demais distribuidoras, a guerra pelos preços mais baixos se iniciou. Isso proporcionou situações onde o preço praticado para com a municipalidade fosse extremamente reduzido se comparado com o praticado nas farmácias. Ponto para o usuário final.
Esse foi o caso do antialérgico Loratadina, que nas farmácias chega a custar mais de R$ 19,00, mas para a prefeitura da capital acreana uma empresa do Rio Grande do Sul ofertou por dez vezes menos: R$ 1,94.

Outro ponto de destaque é a compra do creme vaginal Nistatina, cujo menor preço de mercado é de R$ 5,67, podendo chegar a R$ 17,04, mas para a PMRB o preço foi de apenas R$ 4,45 na oferta de uma empresa de Manaus/AM.

Empresas locais ficam com menos de 13%

Mas, se por um lado houve ganhos para os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), de outro houve quase um alijamento dos empresários locais. Das 13 empresas habilitadas para vender nesta licitação, apenas quatro – menos de um terço – são localizadas no Acre.

A maior venda ficou com empresa sediada no Rio Grande do Sul, com quase 40% de um total de quase R$ 4,7 milhões. As demais empresas são sediadas em Goiás (4 distribuidoras e 22,6% do total), Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Paraná e Amazonas, todas estes estados com uma empresa cada.

Gigantes locais sem preços competitivos

Nessa exclusão, a poderosa Labnorte, uma das principal fornecedoras de diversos produtos para a Sesacre e, dentre os quais, estão medicamentos e produtos hospitalares, ficou com pífios 0,03% e uma venda de apenas R$ 1,6 mil.

A Recol medicamentos, com toda a sua estrutura e peso no mercado local farmacêutico, ficou com apenas 7,02% (R$ 326.566,00) do total comprado pela prefeitura da capital.

Em termos porcentuais, o somatório das vendas feitas por distribuidoras do Estado somam aproximadamente 13% do total de recursos, totalizando menos de R$ 150 mil.

Continuar lendo

Destaque 2

Servidora comissionada que foi exonerada é reintegrada ao serviço por estar grávida

Publicado

em

A servidora Silvânia Pereira da Silva , exonerada do cargo em comissão que exercia na Secretaria Municipal de Cidadania e Assistência Social, deve ser reintegrada ao trabalho após o Juízo da Vara Cível da Comarca de Xapuri ter deferido o pedido liminar .

O juiz de Direito Luís Pinto, titular da unidade judiciária, estabeleceu o prazo máximo de cinco dias para reintegração da demandante, que está grávida e, em caso de descumprimento, foi fixada multa diária no valor de R$500, a ser revertida em favor da autora.

Decisão

O magistrado enfatizou que apesar da demanda tratar da livre exoneração de cargos em comissão, em seu entendimento foi ferida a legalidade em sentido lato, uma vez que toca ao direito das servidoras em estado gestacional.

Em sua fundamentação apresentou a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, que pacifica o entendimento de concessão do direito à estabilidade provisória, bem como à licença maternidade de 120 dias desde a confirmação da gravidez até cinco meses após o parto.

Desta forma, evidenciou a configuração dos requisitos para o deferimento do pedido. “Não me é possível ignorar que, sem a liminar, a medida resultará inócua, pois a exoneração da autora importa em perda de renda, que tem inequívoco caráter alimentar, bem como visando amparar a mulher trabalhadora desde o período de gestação até cinco meses após o parto, momento em que está mais sensível, dado o estado puerperal, e necessitando de auxílio financeiro para custear os novos gastos”, asseverou o juiz de Direito.

Contudo, a ordem em sede liminar perfaz análise tão somente de um juízo superficial de presença dos requisitos ensejadores da concessão da medida. Ou seja, ante o poder geral de cautela do juiz pode ser revogada a qualquer tempo, diante de demonstração por provas do não cumprimento dos requisitos ou a mudança na situação fática, o que será analisado durante o trâmite do processo.

Continuar lendo

Destaque 2

Casal em uma motocicleta aterroriza frequentadores do Parque Nova Estação

Publicado

em

Nas ultimas 24 horas, três pessoas, todas mulheres, foram assaltadas por um casal que usa uma motocicleta para abordar e assaltar os frequentadores do Parque Nova Estacão.

Na noite da ultima segunda feira(17), uma missionária de uma igreja foi atacada pelos criminosos. Ela contou que havia acabado de chegar na pista de caminhada e o casal se aproximou. A mulher, que estava na garupa puxou uma faca e a vitima entregou todos os pertences.

O parque da Nova Estação tem uma extensão de 1,5 km e se estende entre a Avenida Antonio da Rocha Viana até a Rua Isaura Parente. O local tem uma pista para caminhada e espaços para recreação.

Centenas de pessoas frequentam o parque diariamente, mas a onda de assaltos tem afastado muitos frequentadores.

Segundo moradores da região, o casal vem agindo a mais de três meses, sempre abordando mulheres no período da noite.

Continuar lendo
Publicidade

Leia também

Mais lidas

Copyright © 2017 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.