Conecte-se conosco
Fechar

Bocalom poderá desistir do Senado e ser candidato a deputado federal

Nelson Liano Jr.

Publicado

em

Uma pessoa muito próxima de Bocalom me garantiu que ele deverá concorrer a uma vaga de deputado federal em 2018. Segundo essa fonte, Bocalom já estaria trabalhando nessa direção. A ida do deputado federal Alan Rick para o DEM formaria uma chapa muito forte do partido para a disputa das oito cadeiras que o Acre tem direito na Câmara Federal. Consequentemente o DEM, se eleger os dois, teria muita influência no cenário político acreano. Só levei em consideração a notícia pelo fato do informante ter bastante influência tanto com Bocalom quanto com Alan. Um dos argumentos é que Bocalom precisará de um mandato eletivo para continuar o seu projeto político. Uma nova derrota poderia significar cair no esquecimento ou ser tachado de eterno perdedor.

Menos um problema
Se de fato Bocalom aceitar ser candidato a deputado federal os caminhos para a união da oposição podem ficar mais curtos. Ainda assim restariam quatro pré-candidatos, Vagner Sales (PMDB), Major Rocha (PSDB), Márcio Bittar (PSDB) e Sérgio Petecão (PSD).

O nó da questão
Ninguém sabe qual é o jogo real de Bittar. Ele no momento tem o comando de dois partidos no Acre, o Solidariedade e o PTB. Ainda assim continua a desgastar internamente o PSDB. Um tucano me disse que havia uma articulação junto ao presidente nacional (agora afastado) do PSDB, Aécio Neves (PSDB), para impor a sua candidatura ao Senado na legenda.

Carta fora do baralho
No momento, Aécio Neves deve estar mais preocupado em não ser preso. E mesmo se isso não ocorrer o seu poder político não representará muita coisa. Portanto, Bittar perdeu um padrinho importante para conseguir se viabilizar no PSDB do Acre como candidato ao Senado.

Quem é que manda
O deputado federal Major Rocha (PSDB) está no trono dos tucanos do Acre. Não existe hipótese de dar a legenda para Bittar ser candidato. Os dois não se bicam. Não entendo porque Bittar ainda não começou a procurar um outro caminho para se viabilizar.

Só um sobrevive
Tenho a impressão ainda que dificilmente Major Rocha e Bittar serão simultaneamente candidatos ao Senado. Um dos dois terá que abrir mão. Mesmo que Bittar vá para outro partido não haveria clima para uma dobradinha entre Bittar e Rocha. Imagine a dor de cabeça para o candidato da oposição ao Governo?

Vice da FPA
Eu vi o deputado estadual Manoel Moraes (PSB) convidando o deputado Jonas Lima (PT) para se filiar ao PSB. A tese é que Lima será o melhor nome para compor a chapa ao Governo da FPA como candidato a vice. Segundo Moraes o deputado federal Cézar Messias (PSB) será candidato à reeleição e não quer saber de vice.

A força do Juruá
A maioria dos componentes da FPA entende que é necessário um nome do Juruá para compor a chapa ao Governo. Mesmo porque todos os pré-candidatos majoritários, até agora, Senado e Governo, têm base política na Capital. O nome mais cotado tem sido realmente de Jonas Lima.

Sem dúvidas
Outro ponto a se destacar: os políticos ligados à FPA com quem converso têm a convicção que o candidato ao Governo será o prefeito de Rio Branco, Marcus Alexandre (PT). Eles não trabalham com outras hipóteses.

Impeditivo
Jonas Lima está empenhado em ajudar o seu irmão Isaac Lima (PT), prefeito de Mâncio Lima. Como candidato majoritário poderia gerar a desconfiança de deputados federais e senadores da oposição que têm colocado emendas para a prefeitura. Jonas deverá ser mesmo candidato à reeleição.

Delegada no jogo
Na reunião que o PSB realizou no último final de semana, em Cruzeiro do Sul, ficou decidido que a delegada Carla Ivani (PSB) será candidata a deputada estadual. Como disputou a prefeitura de Cruzeiro do Sul, em 2016, apostam que a sua memória eleitoral poderá alavancar a sua candidatura.

Como fica?
O deputado estadual Joza da Farmácia (PTN) foi o candidato de César Messias (PSB), em 2014. Se a Carla entrar no jogo ficará órfão. Claro que Joza tem um trabalho de assistencialismo constante que lhe garante uma quantidade razoável de votos, mas é bom se ligar.

De volta
Conversei com o Henrique Afonso (PSDB). Ele me garantiu que disputar prefeituras jamais. Será candidato a deputado federal. Henrique teve três ótimos mandatos na Câmara Federal e serviço prestado em todo o Acre. Acredito que consiga voltar à Câmara Federal.

Dúvidas
Em toda roda que se conversa sobre política existe a dúvida a respeito de duas possíveis candidaturas a deputado federal, Luiz Gonzaga (PSDB) e Éber Machado (PSDC). Gonzaguinha está fazendo o seu melhor mandato como deputado estadual e acredito que a sua intenção é permanecer na ALEAC. Quanto ao Éber o que sei é que a direção nacional do PSDC está insistindo pela sua candidatura a federal.

O tempo dirá
Fica difícil saber quem é ou não candidato a qualquer coisa enquanto a situação política no Brasil continuar instável. O Acre tem nomes fortes citados ou investigados na Operação Lava Jato. O senador Gladson Cameli (PP) foi citado e o senador Jorge Viana (PT) é investigado e os dois, teoricamente, serão candidatos majoritários em 2018. Vale ressaltar que Gladson depois de citado não teve nenhum outro desdobramento. Mas Jorge Viana já está na situação de investigado e novas delações, como a de Antônio Palocci, por exemplo, poderão inocentá-lo ou lhe trazer mais dores de cabeça.

Continuar lendo

Coluna do Nelson

Major Rocha e Minoru também deveriam ser candidatos ao Governo

Nelson Liano Jr.

Publicado

em

Continuar lendo

Coluna do Nelson

Coronel Ulysses é a surpresa nas pesquisas para o Governo do Acre

Nelson Liano Jr.

Publicado

em

Continuar lendo

Coluna do Nelson

Facções criminosas estão mais fortes do que muitos partidos políticos

Nelson Liano Jr.

Publicado

em

Continuar lendo
Publicidade

Mais lidas

Copyright © 2017 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.